RSS Feed

Category Archives: Contos

Aqui estão meus contos, na grande parte relacionados a uma única personagem, Justine!

Justine – A viagem parte I

 

O sol atravessou uma fresta da cortina fazendo a cabeça de Justine martelar. Já era dia, o cheiro do café pairava no ar. Cobriu o rosto com o lençol tentando fugir da claridade.

 

– Acorda Maria Bonita! – cantarolou Lucas – Já está tarde Ju, fui bonzinho e a deixei dormir mais um pouco, mas precisamos partir em 30 minutos.

 

– Não quero ir – resmungou Justine tentando se embrenhar entre as cobertas e travesseiros.

 

– Eu te avisei que iríamos viajar que precisava de você lá, mas mesmo assim teve que ir naquela bate de quinta pra ver aquela putinha – comentou Lucas enquanto puxava as cobertas.

 

– Não fale assim dela querido… Nossa, aquilo não era wisky, era mijo de cão engarrafado, minha cabeça vai explodir!

 

Justine se sentou a beira da cama e ficou olhando Lucas se trocar.

 

– Certeza que preciso ir?

 

– Claro Justine, que coisa, você é minha acompanhante. Depois quando eu viajo a negócios você surta que tenho outra! Banho gelado meu amor, um bom banho, eu já fiz um café reforçado.

 

Justine entrou embaixo do chuveiro e se arrepiou, a água fria a tirou do transe, mas a cabeça ainda martelava.

 

– Maldito mijo de cão! – sussurrou para si.

 

A água escoria por seu corpo lavando o cheiro de cigarros, álcool e sexo, uma mistura que a inebriava sempre.

 

– Que vontade de pecar… – disse enquanto deslizava as mãos entre as pernas, o coração palpitante.

 

Lucas parou na porta do banheiro e ficou olhando pelo vidro Justine se tocar, os olhos fechados, o suspiro.

 

– Quer uma ajuda minha putinha insaciável? – disse Lucas sorrindo já na porta do Box.

 

Justine se assustou, pois estava com o pensamento longe dali.

 

– Vou sair já, já! – respondeu pegando o shampoo e jogando nos cabelos.

 

– Então tá, vou tomar café.

 

Lucas já estava quase no fim quando Justine apareceu, com a maquiagem ainda borrada nos olhos, toalha nos cabelos e moletom.

 

– Nossa! Você está um lixo mesmo – disse Lucas – Mas não há fuga, coma algo que vou pegar as malas.

 

– Mas eu nem fiz as minhas ainda – resmungou Justine.

 

– Oh minha criança, eu sabia que isso ia acontecer, então eu já fiz.

 

– E como sabe o que vou levar? – disse ela enquanto pegava a caixinha de remédios.

 

– Te conheço mais do que imagina mocinha, agora acelera ai – disse Lucas seguindo para o quarto.

 

Logo ele apareceu com duas pequenas malas, a mochila de negócios e óculos de sol.

 

– Anda, tome o resto no carro, já me atrasei demais.

 

Ela calçou pantufas, colocou os óculos escuros, pegou um tônico na geladeira e a caixinha de remédios.

 

– Vamos!

 

– Vai de pantufas?

 

– Cala a boca e vamos logo – resmungou Justine mais uma vez.

 

No carro Justine estava apagada, entre Dramins e aspirinas, ela babava no travesseiro enquanto Lucas ria tirando fotos e ouvindo Morrissey. Depois de uma hora de viagem, Lucas parou em um posto para usar o banheiro, cutucou Justine e que despertou assustada.

 

– O que? Onde? Hã? Que poooorraaaaaaaa Lucas! O que foi agora?

 

– Oh estúpida! Não quer ir no banheiro? Depois desse tanto de liquido que tomou, porque eu só vou parar quando chegarmos lá.

 

– Ainda vai demorar? – perguntou fazendo manha.

 

– Umas duas horas por ai.

 

– Droga! Vou no banheiro.

 

Os dois foram ao banheiro, Justine passou na loja de conveniências e comprou mais um tônico, sua cabeça ainda martelava e seu suor parecia exalar aquele wisky barato. Lucas pegou algumas guloseimas e voltaram para o carro.

 

– Oh minha menininha ta feia na foto hem!? – disse Lucas em tom de gozação.

 

– Porra, nunca mais quero beber… Não por ai, agora vou andar com meu trago na bolsa. Minha cabeça ta girando ainda.

 

– Não quer vomitar? Talvez te ajude a melhorar.

 

– Que viajem romântica não? Ué você pode vomitar no banheiro, se estiver melhor, te dou balas de menta e você pode me chupar enquanto dirijo.

 

Justine levantou uma das sobrancelhas, mas pensou não ser má ideia. Foi ao banheiro, colocou o dedo goela abaixo e vomitou liquido e mais liquido, era tudo o que tinha conseguido ingerir até então, quando já não lhe restava mais nada, foi até a pia, jogou água no rosto e realmente se sentiu um pouco melhor. Passou na conveniência mais uma vez, comprou um salgado e coca-cola e voltou para o carro.

 

– Você tinha razão, acho que estou me sentindo melhor – suspirou Justine aliviada – obrigada!

 

– Quer as balas de menta agora? – disse Lucas rindo.

 

Justine sorriu e lhe deu um soquinho no ombro. Lucas ligou o carro e voltou para a estrada. Ela terminou de comer, tomou outro dramin e mais uma vez apagou, parecia tão doce e inocente dentada ali no banco do carro, de moletom, pantufas, agarrada ao travesseiro de gatinho, babando sob ele. Por alguns instantes Lucas se esquecia da Justine maluca e ninfomaníaca e Le lembrava que apesar de tudo, ela era apenas uma menina.

 

– Já chegamos? – perguntou Justine num sussurro tentando abrir os olhinhos.

 

– Não minha gatinha, mas falta pouco, você está melhor?

 

– To toda torta – respondeu manhosa.

 

– Deita um pouco aqui no meu ombro, puxa esse cinto pra lá e encosta aqui fofinha, te faço um cafuné – disse Lucas carinhosamente.

 

Justine o fez, recostou a face em seu ombro e curtiu um cafuné, olhando a estrada vazia, lembrou que há tempos os dois não faziam uma viagem a sós, aliais, não curtiam um momento a dois, ela sentiu até mesmo saudades da época de rotina, quando só haviam os dois, jogados pela casa, transando quando desse na telha, ou brigando e fazendo as pazes pelo chão da sala. Justine sorriu lembrando de coisas bobas que faziam juntos, ela tirou o óculos escuro, olhou pra ele com um sorriso bobo e disse:

 

– Cadê a bala de menta?

 

Lucas caiu na gargalhada, mas não hesitou em pegar as balas que estavam no porta-treco do carro.

 

– Pode escolher! – entregou-as sorridente.

 

Justine pegou a mais forte, descascou e colocou lentamente nos lábios, chupou a bala enquanto acariciava os lábios com a língua, tirou o cinto de segurança, Lucas baixou a velocidade, ela mais uma vez recontou sob seu ombro e com uma das mãos começou a acariciar o pau de Lucas ainda sob a bermuda. Lucas a olhou nos olhos por um instante e disse:

 

– Senti sua falta!

 

Justine sorriu e baixou a cabeça sem demora, tirou o pau latejante e rijo para fora e começou a se deleitar, sobre e desde, sobe e desce, a língua desliza o envolve e mais uma vez sobe e desce para dentro da boca, Lucas suspira, Justine espia e o vê se segurando para não recostar a cabeça pra trás e tentar se concentrar na estrada. Se deleita, jorra leite!

 

– Meu Deus menina! Senti mesmo tua falta… Há tempos não me agraciava com teus encantos orais – disse Lucas ofegante tentando manter a concentração – venha aqui e me de um beijo minha putinha linda.

 

Justine satisfeita e sorridente cumpriu o desejo de Lucas, encostou novamente no banco, puxou o sinto, aumentou o som do carro que ainda rolava Morressey e ficou olhando a paisagem.

 

Algum tempo depois, podia se ver a cidade, enfim a viagem estava no fim, ou apenas começando. Lucas havia reservado um quarto maravilhoso com vista para o mar, à noite teriam um jantar com temática havaiana junto aos sócios e alguns dos mais importantes clientes da firma. Lucas estava crescendo e às vezes Justine se deprimia por ter parado no tempo. Já no quarto, Justine começou a pensar e questionou:

 

– Lucas, você não acha que eu deveria voltar a estudar e trabalhar? – perguntou cabisbaixa.

 

– Porque isso agora meu bem, não lhe dou tudo o que quer?

 

– Me sinto desvalorizada…

 

– Com tudo que te dou você ainda se sente desvalorizada?

 

– Claro, parece que sou tua puta de luxo e nada mais. Cansei já de não fazer nada… Acho que quero voltar a estudar, afinal, não vai me bancar pra sempre!

 

– E porque não?

 

– Fala sério né Lucas! – Justine se levantou zangada, pegou uma bata e foi para o banheiro.

 

Com um maio, bata, chinelinhos e muito protetor solar, munida de chapéu e água, Justine resolveu ir caminhar na beira da praia. Pensar, refletir, de repente uma crise existencial lhe abateu.

 

– Porra, o que eu to fazendo da minha vida? Larguei a faculdade, larguei o emprego, pra virar puta de advogado?!? – seguiu andando até encontrar uma sombra que pudesse lhe acolher.

 

Mais adiante, Justine viu certa movimentação de pessoas, uma parte do hotel estava com a entrada “Proibida sem Autorização”, era o que dizia a placa, um tipo de cortina fechava o lugar, mas como boa curiosa ela se empenhou em descobrir o que estava rolando ali, sentou-se na areia e decidiu esperar.

 

Algum tempo depois, Justine viu uma bela loira bronzeada correndo nua em direção ao mar, à praia estava vazia, não era alta temporada, mas isso a deixou mais curiosa, o que estava acontecendo ali? Ela se levantou e resolveu caminhar em direção à água, quando ouviu o que parecia ser uma direção fotográfica. A bela moça fazia poses, brincava com a água e por fim deitou na beira-mar onde a areia se misturavam a água salgada no seu belo bronzeado. O fotografo se aproximou, Justine se sentou novamente e ficou olhando a sessão de fotos que rolava descontraidamente, quando o fotografo se virou para falar com um assistente, seus olhos não podiam acreditar.

 

– Fernando! – disse Justine sem acreditar.

 

Ela ficou ali paralisada, sem ao menos conseguir piscar. Fernando olhou para sua direção, colocou a mão sob os olhos em uma tentativa de o sol não ofuscar sua visão, sorriu, sacudiu a cabeça como quem não acreditava no que via, entregou a câmera para o assistente, liberou a modelo e caminhou em direção de Justine. Ela ainda estava paralisada, queria levantar e correr dali, mas suas pernas estavam dormentes.

 

– Olha só quem está aqui! Está me perseguindo querida!? – disse Fernando sarcástico.

 

Justine respirou fundo, olhou em seus olhos e enfim conseguiu se levantar.

 

– Claro que não, vim em um evento – disse enquanto se levantava – você se acha não é? – continuou em tom zangado virando as costas para partir.

 

– Hey, calma pequena, o que houve? Eu só estava brincando, estou até feliz em te ver – disse Fernando tentando segurá-la pela mão.

 

– Pode me soltar, tenho um baile para ir e preciso me arrumar.

 

Fernando soltou a soltou e Justine partiu sem olhar para trás.

 

– Essa menina…. – suspirou ele para consigo mesmo.

 

As pernas de Justine estavam tremulas, não sabia ainda como conseguiu andar sem olhar para trás, ao entrar no quarto de hotel, estava pálida.

 

– O que houve meu bem? – perguntou Lucas se aproximando de Justine e segurando sua mão – Esta passando mal ainda?

 

Justine sentou-se na beira da cama olhou para Lucas e sentiu o cérebro estalar.

 

– Não, eu só tive um pequeno mau estar, vou cochilar e logo me banho para começar a me arrumar pro baile, não se preocupe.

 

– Tem certeza?

 

– Claro amor – continuou tentando se acalmar – só estou um pouco cansada, pode ter sido o sol – Justine se levantou, beijou Lucas, tirou a bata e se deitou.

 

Quando fechava os olhos seus pensamentos se misturavam, lembrava-se do Fernando no beco, e do Fernando na praia, teve sonhos confusos e foi despertada por Lucas.

 

– Querida, está mesmo bem? Está toda suada – perguntou Lucas preocupado.

 

– Estou amor, um banho me ajuda.

 

Justine tomou um banho e tentou relaxar pensando na noite que teria com Lucas. Secou-se, passou hidratante pelo corpo já macio, se admirou no espelho, depois de anos finalmente se sentia bem com o próprio corpo, colocou uma lingerie que não marcasse seu corpo e entrou no vestido branco longo de manga única, secou os cabelos, fez um coque na lateral e colocou uma flor, uma maquiagem leve e estava pronta, Lucas entrou no quarto e ficou maravilhado.

 

– Você está linda de branco – ele se aproximou junto a ela no espelho, segurou-a pela cintura e continuou – você ficaria linda de noiva…

 

Justine ficou sem jeito e foi pegar um perfume na nécessaire.

 

– Bem estou pronta! Vamos?

 

Lucas sorriu e consentiu. A noite foi maravilhosa, todos estavam animados, beberam e dançaram, Lucas recebeu elogios por seus trabalhos e dedicação ao escritório, no fim da noite, com uma garrafa de vinho branco suave a mão, caminharam na beira mar, rirão, falaram bobagens e correram de volta para o quarto de hotel. Justine empurrou Lucas para a cama, tirou a calcinha, mas se manteve com o vestido. Ele a olhava vislumbrado, ela caminhou lentamente mordendo os lábios, soltou as madeixas e engatinhou pela cama até chegar por cima de Lucas.

 

– Feche os olhos meu amor – sussurrou Justine enquanto mordiscava sua orelha.

 

Lucas fechou, Justine ligou a playlist do celular que tocava Dsert de Emilie Simon, ela tampou seus olhos com as mãos para assegurar que ficariam assim, os beijava, mordia os lábios, brincava de fugir, Lucas tocou seus seios, deslizou a manga do vestido e o desceu para sentir os mamilos duros e rijos de Justine, ele mesmo sem ver, se deleitou naqueles seios maravilhosos, Justine suspirava, ela solto seus olhos, mas ele decidiu continuar com os mesmos fechados, Justine tirou sua camisa, abriu a calça, seu pau saltou sem muito esforço, o corpo de Lucas queimava, sem demora, Justine sentou lentamente sobre o membro rijo e começo a cavalgar, Lucas gemia, seus corpos se uniram cada vez mais como se a qualquer momento um tipo de osmose fosse acontecer.

 

– Senti sua falta minha putinha linda! – sussurrou Lucas no ouvido de Justine.

 

Poucas as vezes que os dois se fundiram de maneira doce, mesmo com as estocadas violentas de Lucas e as mordidas ensandecidas de Justine, era amor e não apenas sexo. Durou mais que o comum, o vestido de Justine estava molhado de suor, seus cabelos desgrenhados, Lucas gozou como louco, Justine sorria satisfeita.

 

– Banho? – perguntou Justine com cara de gozo.

 

– Só se for agora!

 

Os dois correram para o banheiro, a porra ainda escorria pelas pernas de Justine, se despiram rapidamente, e entraram embaixo da água natural. Beijos, risos, brincadeiras, mordidas, eram duas crianças se redescobrindo, Lucas empurrou Justine de cara contra a parede, abriu suas pernas e de joelhos e chupou, meteu a cara e o focinho naquela bocetinha vermelha e inchada. Dedilhava o grelo, sugava, lambia, ela arranhava a parede, então ele se levantou, puxou-a pela cintura e a penetrou, ela gemia.

 

– Isso, me fode, vamos me fode gostoso, me faz gozar como louca!

 

Ele mordia sua nuca e a puxava pelos cabelos.

 

– Gosta quando te pego assim, feito uma cadelinha não é? Gosta quando te pego assim não é?

 

– Gosto, gosto muito, senti saudades, mete esse pau gostoso, me fode toda!

 

Lucas pegou o sabonete, lambuzou o rabinho lindo e rosado de Justine, meteu um dedinho, ela gemeu ainda mais alto.

 

– Que rabo maravilhoso!

 

Sem pensar duas vezes, Lucas se aventurou, Justine se empinou mais e então ele meteu, ela soltou um gritinho sufocado.

 

– Oh Deus! Que loucura! – dizia Justine em delírios.

 

Lucas estava amando, a muito não comia aquele rabo, era virgem outra vez, entra e sai, entra e sai, ele estava maravilhado e ela tentando controlar o desejo insano de gritar.

 

– PORRA, JORRA NESSE CÚ! – gritou ela desesperada de tesão.

 

– Toma então cadelinha, toma o leitinho nesse rabo!

 

Lucas jorrou, Justine gozou e suas pernas mal podiam se mexer, tomaram um banho rápido e se jogaram nus sob a cama. Justine olhou a luz pela fresta na cortina, sorriu e pensou no quanto gostaria de reencontrar Fernando.

 

Continua…

 

 

Justine: delírio

 

Realmente aquele homem era um ser único, e não só pelo olhar enigmático, mas porque aqueles dedos a guiaram para o prazer quase que instantâneo.

                – Meu Deus! – suspirou ela junto a um orgasmo.

                – Estou longe de sê-lo querida. Foi um prazer, mas preciso ir.

                – Mas já?!

                – Sim, preciso viajar ainda hoje, passei aqui só pra tomar uma.

                – Pena… – Justine se levantou fingindo não dar importância pelo desconhecido que estava para partir.

               Ela se levantou e logo cambaleou, as pernas estavam bambas, sentiu o riso em sua nuca.

                – Ficou fraca querida?

                – Estou bem. Tchau! – seguiu sem olhar para trás.

               Darling estava radiante correndo em direção a sua protetora, ela a abraçou e beijou intensamente.

                – A senhora conheceu o Fernando, nem acredito!

                – Ah, então este é o nome dele…

                – É, mas ele não gosta muito de falar sobre, ele gosta de manter esse ar de mistério, isso enlouquece as meninas, todas dariam para ele de graça por horas, e fariam o que ele quisesse sem pensar!

                – Você já fez?

               – A senhora, eu o conheci a algumas semanas. A senhora e o Lucas estavam curtindo a vida de casal, então uma noite ele veio, mas me pagou, muito bem até.

                – E o que ele lhe pediu pra fazer?

               – Bem, ele queria me ver de saltos, salto altíssimos, parecido com aqueles sapatos vermelhos que a senhora tem que nem sei anda neles, mas o dele era preto.

               – Vamos sentar um pouco… Quero saber mais sobre isso.

               As duas foram para a mesa do canto, Fernando já tinha ido embora, o escuro lhe davam privacidade. Justine acenou para uma das meninas e pediu um wisky e Martini para Darling.

                – Vamos querida, continue!

                – Bem senhora, agente foi num quarto barato, em um destes hotéis que tem aqui na rua, ele estava de mochila, sempre muito sério, pediu para que eu ficasse pelada e colocar as botas, eram lindas, como as suas. Eu fiz o que ele pediu, ele mandou eu levantar, mas a senhora sabe que eu não consigo me equilibrar, então falei pra ele.

                – E ele?

                – Ficou bravo, pediu pra me levantar, disse que eu deveria me comportar. Como a senhora já sabe as cena, me segurei na beira da cama, tentando me aproximar da parede, ele pediu que eu caminhasse até ele, mas caí, espatifada.

                – Você se machucou?

                – Um pouco, bati o dente nos lábios e abriu um talho, saiu um pouco de sangue, ele veio até mim, perguntando se eu estava bem, um sorriso diabólico estampava aquele rosto. Ele viu que eu estava sangrando, então ele se afastou, sentou numa cadeira e me chamou.

                – O que ele disse?

                – “Vem minha cadelinha!”

                – Que delícia! – Justine afastou as pernas de Darling para ver se ela estava excitada.

               Bingo! Molhadinha.

                – Quer que eu continue senhora?

                – Claro, claro! Não pare.

                – Eu me arrastei até ele, o chão de madeira antigo esfolou meus joelhos, me ajoelhei na frente dele e apenas o olhei. Ele sorriu, mas dessa vez foi doce, me beijou a testa e mexeu nos meus cabelos e disse que eu era uma boa menina. Me disse que se eu continuasse a obedecer ele me daria um prazer que nunca senti. Eu já tinha ouvido algumas meninas comentar dele sabe. Então fiquei curiosa.

                – O que você? – perguntou Justine ainda a tocando.

               Um breve gemido, Darling tentou fechar as pernas. Justine as afastou novamente.

                – Ai senhora… Que delícia…

                – Cale a boca menina e me conte!

               Entre gemidos, suspiros, Darling tentou prosseguir com a história.

                – Ele pediu para que eu tentasse caminhar novamente. Eu tive medo, ele fico de pé, me deu a mão e me ajudou a levantar, me senti uma criança aprendendo a andar, ele me segurou, mas não da forma segura, só consegui me apoiar, daí dei alguns passos e do nada ele tirou a mão, mais um passo e eu me espatifei na beira da cama. Ai eu soltei uma lagrima, porque bati meu braço, eu já estava pra tirar aquele sapato maldito e sair correndo dali, quando ele me puxou pra cama. Ele me deitou e pediu pra eu ficar quietinha. Repetiu que eu era uma boa garotinha por ter tentado, e não deveria chorar quando caísse, que eu tinha que ser forte.

                – E?

                – Acho que vou gozar… – respondeu Darling se contorcendo.

               Darling gozou e virou o Martini deixando a cabeça cair para trás.

                – Ah senhora… Depois que me deitei, foi uma loucura, ele começou a acariciar meu corpo, meus seios, brincou com os mamilos, mordiscou eles e depois passou a língua, suas mãos desceram até minha buceta, nossa eu tava pegando fogo já, ele começou a me tocar, me tocar, de forma tão diferente, como a senhora faz comigo, deslizando o dedo envolta do meu grelinho? Bem assim, então seus lábios beijaram minhas coxas, a virilha, e ele caiu de boca, me desculpe senhora, mas foi o MELHOR sexo oral da minha vida, não sei explicar, enquanto ele me sugava, os dedos dele entravam e saiam, até no meu rabinho ele meteu os dedinhos, eu estava tão, tão… Sei lá que palavra usar, foi como morrer por alguns segundos e cair no paraíso.

                – Que sortuda hem! Eu só tive os dedos… – disse Justine em um tom enciumado.

                – Bem Darling, preciso ir, o Lucas vai viajar manhã e tenho que estar em casa. Adorei a historinha.

               Elas se beijaram, cada vez que partia, Justine via nos olhinhos de menina de Darling o aperto no peito. Se era amor ou devoção, não se sabia, mas Justine sentia em Darling aquele calorzinho que tinha quando estava nos braços de Marcela. Ela pegou o casaco e saiu pela porta lateral do bar, o carro estava ali perto, ao sair seu coração estremeceu com um estranho vulto parado no meio do beco, encostado na parede, ela ouviu.

                – Você demorou, pensei que não fosse mais sair.

               Justine parou, as pernas estremeceram, a voz era familiar, mas sentiu que deveria perguntar mesmo assim.

                – Quem tá ai?

                – Sou eu minha querida, seu demônio!

               Justine soltou a respiração presa e continuou a caminhar como se não desse importância para quem fosse, mesmo sentindo seu grelo palpitar mais que o coração, ela procurou as chaves do carro na bolsa sem olhar pra ele, quando passou fingindo não se importar com sua presença, ele a segurou pela braço e a jogou contra a parede.

                – O que é isso? Tá maluco!?

                – Não, só fiquei com seu cheiro nos meus dedos, e senti vontade de provar seu gosto, seu perfume é tão inebriante sabia – disse ele se aproximando cada vez mais dela – Você gosta disso não gosta? – continuou falando – Gosta desses joguinhos, gosta do perigo, eu sinto no seu suor.

               Justine não respondeu, se fez de durona e tentou se soltar.

                – Você não quer sair quer? Se quisesse já teria, você ficou curiosa com o que a Darling te disse não foi?

                – Somo sabe o que ela me disse?

                – Meninas contam as outras sempre, eu vi ela nos espionando atrás da cortininha do palco, ela me falou de você, bem não disse seu nome, mas pela descrição… Ela te admira muito sabia? Você é uma deusa pra ela, deve ser muito bom no que faz, gosta de dominar essas menininhas né?

                – Me solta? Tenho que ir pra casa.

                – Você tem, ou quer?

                – Para de rodeios e fala logo o que você quer Fernando. É este seu nome não é? Ou é o que fala pras menininhas daqui.

               Ele sorriu, baixou a cabeça, balançou e sorriu novamente.

                – Não disse, elas contam tudo. E sim, este é meu nome mesmo. Sabe, cansei de conversa, eu to com pressa e só fiquei aqui porque não poderia viajar sem ter esse seu perfume inebriante espalhado no meu rosto.

                – Você é louco!

                Ele a prendeu com seu corpo e com uma das mãos tentou afastar as pernas. Depois de pouca insistência ele a tocou, estava quente e lúbrica, já podia sentir o grelo pulsar, ele aproximou os lábios do dela, e então Justine se entregou, deixou a bolsa cair, entrelaçando os braços em seus cabelos longos. O beijo era voraz, ele puxou o cabelo dela impulsionando a cabeça para trás, beijou-a o pescoço, seios, e se ajoelhou, levantando a saia ficou maravilhado com aquela boceta de menina, lisinha, branquinha, de lábios pequenos e avermelhados, era suculenta, ele levantou uma das pernas apoiando-a em seu ombro e invadiu o paraíso.

               Justine queria uivar, seu peito doía, ela pensou que fosse enfartar. O calor subia rápido, a sensação era tão deliciosa, que ela não sabia se gozava ou segurava um pouco mais. Ele deslizava os dedos melados entre os pequenos e os pequenos grandes lábios, abria e a penetrava com a língua, sugava-a, e voltava a penetrá-la com os dedos, os lábios eram tão macios, Darling estava certa, era como se fosse morrer. Céu ou inferno, pouco importava, ela não podia mais esperar, então relaxou e sentiu a explosão, de olhos fechados ela pode ver centenas de cores, ela não podia respirar, por um segundo ela morreu. As penas balançaram, ela pensou que fosse cair, quando ela abriu os olhos ele estava sorridente olhando para ela.

                – Você é doce! Incrível como realmente é doce, é como um mel, valeu esperar, mas não posso me atrasar.

               Justine escorregou o corpo pela parede, tentava recuperar o ar, ele beijou-a na testa e agradeceu. Ela não conseguia se mexer, nem pensar nem se quer ao menos falar. Ela ficou ali, escorada na parede vendo um doce demônio partir. Quando ele dobrou o beco, ela se esforçou para se levantar, fechou o casaco, vasculhou a bolsa, pegou as chaves e em silêncio entrou no carro deixando um rastro de gozo para trás.

 

Justine – O doce demônio

O triângulo amoroso de Justine estava bem, ela, Darling e Lucas estavam quase sempre juntos, quando Lucas estava afundando em papeis do trabalho, Justine curtia com Darling, seu novo brinquedinho humano.

 

Em uma tarde sozinha, depois de muitos gemidos, Darling e Justine estavam deitadas olhando para o teto da sala, Justine pensativa suspirava.

 

– Tenho inveja de ti às vezes minha boneca… – disse Justine em um suspiro.

 

– Porque senhora? Não tenho nada, bem tenho a senhora e o senhor, mas nada mais, não tenho estudos, mal tenho família, sou uma prostituta barata que dança em uma boate decadente.

 

– Mesmo assim, tenho inveja, você tem vários homens aos seus pés…

 

– Desculpe senhora, mas aqueles homens, não desejava ter não, feios, velhos, barrigudos, tarados, bêbados, a senhora que tem sorte, tem o Lucas, ele sim é um homem de verdade.

 

– É nada, aquilo é uma bichinha que tem medo de pular do armário!

 

– Não pareceu pra mim não oh! Ele fode tão gostoso…

 

– E adoro rabos! De certo porque não tem coragem de comer homens, quer meter nos nossos… Já fodi aquele rabo, e ele adorou… Mas você está certa, é um bom homem… Mas não suporto mais esse marasmo de vida que levo, presa nessa masmorra que ele chama de casa… eu já vivi mais, fui mais ativa, agora estou presa a este sentimento confuso, a camas vazias e orgasmos solitários ou com estranhos, é um PORRE!

 

– Bem senhora, te alguma fantasia, algo em que possa ajudá-la?

 

– Sinto saudades do Pépe… Aquele topete se desmanchando com o suor e a verocidade das estocadas que ele me dava, aquele corpo sim cheirava a pecado.

 

– E onde ele está?

 

– Sumiu, não sei se viajou, uma noite ele ligou, mas eu estava com o Lucas… Depois não consegui mais falar com ele, estava pensando em ir no bar que o conheci ver se esbarrava com ele lá… Mas tenho medo, caralio, eu tenho medo de vê-lo com outra.

 

– A senhora gosta dele?

 

– Não sei mais, mas eu gostava… Ah chega desse papo deprê, ta afim de um vinho?

 

– Seria bom, daqui a pouco começa meu turno na boate… Ir alegre não me faria mal.

 

– Acho que vou contigo hoje bonequinha.

 

– Quer me ver dançar?

 

– Quero ver se acho algo interessante… Mas pra entrar no clima, vou me montar – risos – Bem, pegue o vinho e me encontra no quarto, vou procurar algo pra vestir.

 

Darling foi até a geladeira, pegou um vinho tinto e seguiu com taças para o quarto, Justine estava no closet revirando uma caixa.

 

– O que procura? – perguntou Darling curiosa.

 

– To atrás de uma peruca… Como eu disse, quero ir montada!

 

Darling caiu na risada.

 

Depois de muito revirar ela encontrou uma peruca com corte Chanel e fios escuros, usou uma vez para Lucas.

 

– Achei! Agora, o que vestir…

 

– Posso dar minha opinião?

 

– Claro boneca.

 

– Porque não vai com aquele seu vestido preto com rendas, seu scarpin vermelho, acho que a senhora fica divina com eles.

 

– É pode ser, vamos ver como fica.

 

Depois de quase uma hora de arrumando, Justine enfim estava pronta para ir a boate com Darling, trajando a sugestão de sua amante, foi com o vestido de renda preta e salto agulha vermelho, a maquiagem pesada junto a peruca dava um ar noir a Justine.

 

– Uau… Me deu até vontade! – exclamou Darling.

 

– Mas terá de ficar na vontade querida, vamos.

 

Ao estacionarem próximo a boate, Darling se despediu de sua senhora e entrou pelos fundos. Justine respirou fundo, se olhou no espelho, mostrou os dentes cheia de malícia e partiu pra boate. Ao entrar os homens a devoraram, afinal, Darling era a dançarina mais bela, isso quer dizer que, seja quem estivesse ao palco, não chamaria tanto a atenção aquela pérfida mulher que adentrava o recinto.

 

Justine foi até o bar ignorando todos os olhares, pediu dose dupla de wisky barato e resolveu olhar o lugar, ver se achava algo de interessante. Andou por entre corpos flácidos que exalavam perfume de quinta, e depois de muito olhar, decidiu ir para seu canto de sempre, seu escurinho reservado, porém, ao chegar, se deparou apenas com os olhos naquela penumbra. Verde oliva envolvidos com um brilho maligno que fez sua espinha arrepiar. Ela tomou um gole, ficou por alguns segundos hipnotizada sem conseguir sair do lugar. Até que Darling a abordou.

 

– Oi senhora!

 

Justine saltou de susto.

 

– Credo menina, quer me matar do coração!?

 

– Não, não, só vim saber se está bem, serei a próxima.

 

– Sim, estou, é que vim sentar, mas já tem alguém no meu lugar.

 

– Ah sim, a algumas semanas ele veio e se sentou ai também, pediu para que eu dançasse na mesa, mas não falou muito, ele é como a senhora, gosta de ser senhor de tudo, mas ele me da medo.

 

– É… A mim também… Sabe Darling, eu estava pensando, será que posso dançar hoje?

 

– Como? A senhora quer fazer um show aqui?

 

– Ué e porque não!? Acho que não dou conta?

 

– Não é isso, é que sei lá, mas se a senhora quer, posso falar com minha madrinha, afinal é dinheiro, quem sabe uma carne nova lá no palco não de mais dinheiro a ela.

 

– Pois é, e minha parte eu te dou, ok? Vá ver se consegue.

 

Darling foi até o bar pediu para chamar a madrinha, e depois de alguns minutos de conversa, não foi difícil convencê-la de deixar Justine dançar, afinal, todos os homens não desgrudavam os olhos dela. Darling voltou sorridente.

 

– Qual música e qual nome quer ser apresentada?

 

– Não pensei nisso… Diga Verônica e peça algo mais rock ‘n roll.

 

– Ok, vamos pro camarim, que você vai dançar antes de mim.

 

Alguns minutos depois o DJ já anunciava:

 

– Senhores essa noite vocês terão um bônus, uma gatinha nova, quente, essa gata promete. Pode vir minha morena fatal, pode vir VERÔNICA!!!

 

Trilha: Sweet Dream – Marilyn Manson

 

Justine entrou um pouco desconfiada, os homens sentados assobiavam, jorravam palavrões ao vendo, uivavam querendo vê-la sem roupa o mais rápido, um pouco nervosa ainda ela caminhou lentamente até o mastro e olhou para o estranho no canto escuro, seu rosto veio mais para luz, os cabelos longos, a pele clara, o olhar frio. Ela fechou os olhos e começou a se deixar levar pela música.

 

Ela segurou o mastro e rodou lentamente, começou a imaginar que aquilo era o seu estranho vampiro, ela subia e descia com seu corpo junto ao mastro, ela abriu os olhos e direcionou ao canto escuro, seu corpo estava ficando louco, quente, o desejo começa a ser exprimido pela dança, ela desceu pelo mastro movimentando os quadris como um oito, ao chegar próximo do chão de ajoelhou, simulou estocadas e engatinhou para o desconhecido, os homens gritavam, pedia pra ela tirar a roupa, mas Justine estava fora de orbita, só enxergava aqueles olhos cor de oliva, enfim ele sorriu.

 

Justine mordeu os lábios já entorpecidos, deitou sob o palco e começou a mexer os quadris, suas mãos percorriam lábios, seios, coxas, e ao fechar os olhos não resistiu e começou a se masturbar, em meio a todos aqueles homens enlouquecidos. Ao chegar ao clímax, ela abriu os olhos, a musica acabará, se ajoelhou, recolheu as notas jogadas no palco, e em meio aos assobios saiu rapidamente do palco.

 

– Bem pessoal, essa foi a devassa Verônica, um tanto tímida, mas ousada, essa foi sua primeira apresentação, vamos dar palmas para ela. Agora, nossa princesinha, Darling.

 

Darling subiu ao palco e Justine foi até o bar entregou o dinheiro que pertencia a cafetina e pediu outro wisky, sem saber ainda o que tinha feito, foi abordada por um velho barrigudo, advogado de porta de cadeia, ela disse não, mas ele insistia, meio desconcertada, ela se virou e deu de cara com o vampiro misterioso.

 

– Quer se sentar comigo? – perguntou o estranho.

 

– Sim – ela passou rapidamente por ele e seguiu até a mesa.

 

Ela se sentou e começou a olhar Darling, fingindo não se interessar por quem estava ao lado.

 

– Então… Foi sua primeira vez? – sussurrou o estranho próximo de seu ouvido.

 

– Foi, foi só por diversão, aquela ali que está dançando sim, aquela é minha garota – respondeu dando de ombros.

 

Ele colocou uma das mãos sob a coxa, ela estremeceu, então se atreveu a colocar a mão pela abertura do vestido.

 

– Está sem calcinha?

 

– Perdi ela no show – respondeu tentando não saltar no colo estranho.

 

Sentindo o calor que exalava por entre aquelas pernas, ele não perdeu mais tempo e a penetrou com os dedos, seu toque ardente, deixou Justine louca, ele continuou acariciando sua bocetinha.

 

– Quem e você? – perguntou Justine estremecendo.

 

– Sou seu delírio, seu demônio!

 

Justine suspirou e se entregou aos dedos daquele doce demônio.

 

(continua)

 

Deflorando o Olho (final)

Lucas estava exausto quando entrou na casa escura.

– Justine??? – chamou Lucas.

Sem resposta, ele acendeu a luz da sala. Uma musica suave ecoava por ali e parecia vir do quarto.

– JUSTINE! – gritou.

– No quarto meu querido.

– Porque não respondeu antes… – dizia ele enquanto jogava as coisas na sala – que dia! Estou cansado… – continuou falando enquanto seguia pelo corredor que dava ao quarto – eu só quero tomar um banho e… Justine! O que é isso?

Ao entrar no quarto, Lucas encontrou uma garota desconhecida de longos cabelos castanhos embelezados por cachos, em seu corpo um robe de rendas negro, sentada na beira da cama, os pés reluziam a sandália de pedrarias, mas não tanto quanto a gargantilha de brilhantes. Justine estava logo atrás, acariciando os cabelos da moça, vestida com a camisola de seda preta, cabelos soltos, estava simples comparada a produção de Darling.

– Lucas, que modos – disse Justine enquanto se levantava e seguia em sua direção – está é Darling, uma garota muito boazinha que fará tudo o que você desejar.

– Que brincadeira tola é esta Justine? Eu to morto, caindo de cansado, e o que ela faz com sua gargantilha?

– Calma querido, só queria deixá-la linda pra você. Eu queria lhe dar um presente, então achei um rabinho virgem pra você, sei que adora comer rabinho.

– Você ta brincando né? Desde quando uma puta tem o rabo intacto?

Darling estremeceu e ficou envergonhada.

– Querida, não ligue pra ele, eu confio em você. Olha Lucas, eu sei e ponto, quero que você o coma e ponto!

– Eu não quero, Justine você não pode enfiar uma puta na minha casa esperando que eu chegue cansado do trabalho pronto pra meter nela.

– É Lucas, não posso, aliais, não posso esperar mais nada de você não é? Como poderia esperar que a comesse se nem ao menos come a mim?

– Você sabe que tenho trabalhado muito…

– Claro, claro, sempre! É sempre isso, você agora quer uma Amélia não é?

– Olha Justine, tenho muitas despesas…

– Claro, claro, inclusive eu né.

– Não quis dizer isso…

– Olha, chega, não quero estressar, tive uma ótima tarde com essa mocinha. Sim! Ela me chupou como ninguém faz a muito tempo, mas agora eu quero que você a coma, quero que meta nesse rabo, quero que jorre porra por todo corpo juvenil dela.

– Não… Não me peça isso…

– É acho que errei, deveria ter trazido um homem – Justine se dirigiu ao closet e pegou um casaco, depois a bolsa e continuou – então está bem, vou embora.

– Vai pra onde?

Darling não sabia o que fazer, se ficava ali ou se levantava e saia.

– Pra casa, eu tenho casa sabia? Depois pego minhas coisas.

– Para com isso Justine.

– NÃO DÁ! N-Ã-O D-Á! Eu to cansada Lucas, agora é sempre assim, uma guerra pra se ter algo que é necessário em uma relação, sexo! Quantos caras não dariam tudo pra chegar em casa e ter duas mulheres na cama? Quantos mesmo cansados, mortos não gostariam de estar no seu lugar? Você não me ama mais – Justine deixou escapulir as primeiras lagrimas.

– Você está chorando por isso… – disse Lucas indo atrás de Justine.

– Não, eu choro de raiva por estar nisso, por ter aceito tudo isso, essa vidinha medíocre de dona de casa, eu não nasci pra isso Lucas, não eu. Tudo que queria era de fazer um agrado, e você me vem com lorotas e patadas!

– Me desculpe… Não vá.

Justine largou a bolsa pegou na mão do Lucas e o puxou próximo de Darling que estava fria.

– Viu! Você a assustou – disse Justine acolhendo Darling nos braços – ela é meu novo anjo – a beijou – veja, toque a pele macia dela – seguiu Justine caminhando a mão de Lucas até o colo dos seios da moça – veja que seios durinhos, que mamilos mais gostosos, prove é sua.

Lucas ainda meio sem saber o que fazer tocou, acariciou os mamilos que logo se enrijeceram, os pelos loiros ouriçados, a respiração profunda, Lucas beijou os seios, percorreu até o pescoço, chegando aos lábios, os tocou levemente e a empurrou na cama.

Justine se sentou em uma cadeira próxima e começou a olhar, Lucas abriu o robe da moça e deslizou as mãos por todo ele, ele beijou cada canto daquele santuário, a face de Darling estava rubra, ela mordiscava os lábios e Justine ficava cada vez mais excitada.

– Darling minha querida, tire a roupa do senhor Lucas.

– Sim senhora – respondeu a obediente menina.

Ela tirou toda a roupa e começou a acariciar o corpo nu de Lucas.

– Hum… Acho que ele não está muito “animado” ainda, use seus lábios lindos e gostosos que você tem e anime-o!

Darling se ajoelhou e começou a engolir o pau de Lucas, que a segurava pelos cabelos metendo cada vez mais fundo fazendo a menina engasgar e babar ainda mais. Justine estava zonza, o tesão estava crescendo cada vez mais, ela abriu as pernas e começou a me tocar. Seu corpo estremecia na cadeira, então ela gritou.

– METE! METE NESSA PUTINHA LUCAS, METE!

– Lucas e jogou sob a cama novamente, colocou uma camisinha rapidamente e começou a meter, Darling se contorcia e Justine foi até a cama.

– Está gostoso querida?

– Sim! Muito minha senhora.

– O pau dele não é uma maravilha?

– Sim, é maravilhoso, eu acho que vou gozar senhora.

– Isso, goze, assim será mais fácil meter neste seu rabinho.

Darling gozou, Lucas ainda se segurou.

– Querida, deite de bruço – mandou Justine – amor, olha só isso – Justine abriu a bunda da menina exibindo o rabo rosado – olha que maravilha, ela esta toda limpinha, eu preparei tudo pra você. Não quer meter ali?

– Quero sim!

Lucas olhou para Justine, a puxou para si num beijo quente e profundo. Se olharam, ela sorriu, e ele começou a chupar o rabinho de Darling. A moça gemia, queria rebolar, estava incrivelmente lambusada que Lucas resolveu arriscar sem o gel.

– Ok! – acenou para Justine que se levantou e foi para junto da moça.

– Agora relaxe meu anjo, apenas curta o momento.

Lucas começou a penetrá-la devagarinho, tentava entrar e saia, tentava entrar e saia, aos poucos sentia a cabecinha passar. Os olhos de Justine brilhavam, ela pegou o vibrador que guardava no criado-mudo e penetrou em si, ela gemia, Lucas gemia, Darling gemeu mais forte, o pau entrou, todinho, vai e vem, vai e vem, Darling começou a gostar.

– Que delicia! Que delicia! Que pau gostoso – dizia Darling – se eu soubesse que era bom, ah se eu soubesse… Mete, mete nele senhor, me faz jorrar.

Todos estavam entrando no ápice, Lucas tirou o pau, puxou a camisinha e jorrou porra naquela bundinha empinada.

Justine que gozou com o vibrador, deitou ao lado de Darling acariciando sua suculenta bunda, passou os dedos sob a porra e provou o gosto do mel. Lucas se retirou e foi tomar banho. Ao voltar, as duas dormiam como anjos.

– É, essa garota é gostosa mesmo… Quem sabe posso deixar Justine tê-la como seu novo brinquedinho.

Ele colocou um pijama e foi para a cozinha, pois estava faminto.

 

*Imagem retirada do Google Imagens.

 

Justine – Deflorando o olho Parte I

No dia seguinte ao conhecer Darling no puteiro, Justine planejara um divertimento para animar Lucas. Ela ligou para a moça conforme haviam combinado e passou em seu kitnet para buscá-la, era um lugar deplorável, sujo, um ninho de prostitutas baratas.

– Entre querida – disse Justine acenando com a mão para Darling.

– Boa tarde senhora – cumprimentou a ainda tímida Darling.

– Boa tarde querida. O que disse para sua madrinha?

– Disse que iria a uma despedida de solteiro, são demoradas e se paga pouco, então não tenho que dar tudo a ela.

– Que bom! Vamos a uma loja que gosto muito, quero comprar algo para usar essa noite.

– Ok!

Darling ficou deslumbrada ao ver a loja de lingeries que Justine a levara.

– Nossa minha senhora, esse lugar é lindo! Parece coisa de novela, é tudo tão chique – disse olhando para um robe de renda preta – nossa e muito caro também, eu nunca poderia pagar nada nessa loja.

– Bem, este robe parece lindo, o que achou?

– Eu amei, mas é muito caro.

– Eu gostaria de ver seu corpo nu envolvido nele, vamos pegar seu tamanho, quero que experimente pra mim.

A moça sorridente pegou um robe de sua numeração e seguiram para o provador.

– Qualquer coisa, você é minha irmã – sussurrou Justine para Darling.

– Vai experrimentar senhorita? – perguntou a atendente.

– Sim, ela vai! – respondeu Justine voltan-se para Darling – Vai lá imrã, qualquer coisa me chama pra ver como ficou – terminou dando uma piscadela.

– Ok maninha! – respondeu Darling entrando na sessão do provador.

Poucos minutos depois Darling gritou do provador para a atendente que deseja ver a irmã.

– Ju, pode me ajudar a decidir aqui? – gritou Darling.

– Posso? – perguntou Justine para a atendente.

– Claro senhorita!

Justine começou a sorrir quando ficou de costas para a atendente, ela estava ansiosa para ver a bela mocinha. Então bateu na porta do provador.

– Darling?

Ela abriu a porta lentamente, o coração de Justine disparou ao ver o corpo nu e depilado de Darling e sob ele aquele robe longo de renda preta, ela ficou encantadora.

– Nossa!

– Ficou bom senhora?

– Uma delicia, se eu pudesse te comia aqui mesmo – Justine olhou para os lados, a atendente conversava com outra atendente, ela aproveitou para colocar a mão na abertura e tocar o sexo nu, despido de pêlos.

– Molhadinha sempre em pequena?

Darling sorriu.

– Eu gosto assim – disse enquanto tirava os dedos e sentia o perfume.

– Bem, vista-se, vamos comprar um sapato para você e depois vamos ao salão dar um jeito neste cabelo.

Darling sorriu e acenou que sim com a cabeça, para ela aqui estava sendo um dia de princesa. As duas foram a outra loja, uma especializada em sapatos para drag, dançarinas e fetichistas. Os olhos de Darling brilharam ao entrar.

– Nossa, nunca vi nada assim, essa loja é muito chique! Aonde eu compro os meus não é assim não.

– Bem querida, qual seu numero?

– calço 37.

– Deixe-me procurar algo pra você… hum… – olhava para as prateleiras – acho que este! O que achou?

Eram sandálias pretas coberta por pedrarias que remetia a brilhantes, o salto fino era altíssimo e fechava como uma tornozeleira.

– São lindos, tudo e lindo, o que a senhora quiser que eu use eu usarei com maior prazer – disse Darling animada.

– Bem, então são estes, agora vamos para o salão, quero que arrume este cabelo e faça as unhas também. Também vou me arrumar.

Justine já havia marcado hora, cabelo, pedicure e manicure, realmente um dia de princesa pensava DarlingDepois de pouco mais de uma hora, ela estava pronta. Justine ondulou os cabelos dando um ar mais selvagem, já Darling o deixou liso, como pediu Justine, ambas estavam de unha cor escarlate.

– Agora vamos pra casa nos aprontar.

No caminho Justine explicou o que queria, combinou o pagamento e disse que ela poderia levar seus presentes embora. O dinheiro era bom então Justine impôs condições, inclusive de assinar um contrato.

Ao chegarem ao apartamento, Darling olhava tudo como uma criança curiosa.

– Venha, quero que leia o contrato antes de tomar banho.

– Sim senhora.

Enquanto Darling o lia, Justine pegou uma sacola no armário e começou a tirar algumas coisas, velas aromáticas, pétalas de rosas vermelhas, champagne, camisinhas, lubrificante, um kit completo para uma noite de sexo caliente.

– Bem senhora, eu confesso, nunca fiz nada assim, e fico com um pouco de medo, mas o dinheiro é muito bom.

– Não quero que faça só pelo dinheiro querida, quero que faça porque gosta, se não estiver a vontade, não dará certo. Bem, você vai gostar o Lucas, ele é muito bonito, tem um corpo delicioso e um pau M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, você vai curtir, e eu vou estar com você, não precisa temer.

– Tudo bem, onde eu assino?

– Aqui!

– Bem, seja o que Deus quiser!

– Bem, acho que ele não quer tal coisa – disse Justine rindo – Venha pequena, vamos tomar um banho.

– Juntas?

– E porque não? Se quiser já te deixo mais a vontade.

– Eu adoraria.

As duas foram até o banheiro, Justine ligou a banheira, enquanto ela enchia, Justine despia Darling lentamente, primeiro a blusa, acariciando os seios, beijando o pescoço, a nuca, a costa, então desceu a saia, tocou a bunda durinha, deu um tapinha e assim resistiu a tentação a açoitar aquele rabo firme.

– Você é toda delicinha – sussurrou Justine no pé ao pé do ouvido de Darling.

Justine sentia os pelinhos louro do corpo dela ouriçar, um gemidinho leve escapuliu daqueles lábios carnudos. Darling virou-se e começou a beijar Justine, logo tirou o vestido que ela usava, abriu o sutien e começou a baixa-lhe os seios, descendo pelo tórax, ela se ajoelhou e baixou a calcinha de Justine.

– Posso senhora? – perguntou com carinha de safada.

– Deve! Quero ver se é boa nisso.

Justine encostou-se à banheira e abriu as pernas, Darling se ajoelhou entre elas e começou a sugar o grelinho melado dela.

– Isso minha putinha querida, chupa gostoso chupa.

Darling era uma cadelinha, mamava como ninguém, era melhor até mesmo que Lucas. Darling se atreveu em penetrar-lhe o dedo e Justine suspirou.

– Putinha safada, hum que putinha safada.

Justine não conseguia mais resistir e desejava puxa-la pelos cabelos e esfregar a boceta na cara daquela doce puta.

– Eu não consigo, não consigo mais resistir – disse Justine alterada – Vem cá sua puta safada, enfia essa cara na minha buceta – disse enquanto a puxava pelos cabelos esfregando sua buceta nos lábios de Darling – anda chupa essa buceta com vontade, chupa!

O quadril de Justine começou a se movimentar mais rápido, seu grelo pulsante estava prestes a explodir, ela gozou tão gostoso que até ejaculou levemente.

– PUTA GOSTOSA! – gritou Justine.

Darling continuou no chão e joelhos, Justine se ajoelhou junto dela e acariciou seus cabelos um pouco bagunçados já.

– Melhor por uma toquinha pra não molhar os cabelinhos – disse Justine e depois lhe deu um beijo – venha querida, vou te dar um banho.

As duas entraram na banheira Darling ficou sentada de costa para Justine que ensaboava seu corpo, a cena remetia a mãe e filha, tão inocente e ao mesmo tempo tão pervertida. Justine esfregava as costas, depois seguia com a bucha até os seios e descia por entre as pernas.

Depois do banho, Justine foi aprontar Darling, a secou, hidratou, perfumou, penteou seus cabelos e pediu para que vestisse o robe e os saltos.

– Você ficou espetacular! Agora vou me arrumar antes que o Lucas chegue.

Justine vestiu uma camisola de seda preta que deixava a costa nua, nos pés apenas uma tornozeleira que havia ganhado de Lucas logo no inicio do namoro. Ao abrir o porta jóias encontrou a gargantilha de brilhantes que havia ganhado dele em seu regresso do Canadá, olhou para Darling e disse:

– Acho que isso ficará lindo em você, foi um presente o Lucas, quero que use esta noite.

– Senhora, tenho medo, vai que quebra ou algo assim.

– Então tome cuidado – disse ela colocando a gargantilha em Darling – Perfeita! Quer beber algo?

– Sim, se eu puder, gostaria.

Justine abriu a champagne e deu uma taça para Darling, que ria por causa das bolhinhas que batiam em seu nariz. Justine arrumou e acendeu as velas, e jogou as pétalas pelo quarto, colocou o lubrificante e as camisinhas sob o criado mudo, e juntou-se a Darling.

– Bem, já ele chega. Lembre-se, não precisa ficar nervosa, eu não te faria mal – disse e depois a beijou.

 

 

Justine – Nada de tédio

Em pouco tempo o tédio já havia tomado a relação de Justine e Lucas. Ela desejava encontrar Pépe, mas sentia culpa, passava várias noites em claro recusando ligações do amante e pensando em como resolver este em passe se é que ela poderia resolver o que já não parecia mais ter solução.

Uma noite sentados na sala, Lucas estava lendo documentos de um processo e Justine trocando de canais sem parar.

– Justie, para de mudar de canal, estou ficando desconcentrado – disse Lucas irritado.

– Você ainda me ama? – perguntou enquanto seguia trocando os canais.

– Que pergunta mais besta! – respondeu enquanto tirava o controle das mãos dela.

– É, e de tão besta você não respondeu. Acho que não me ama mais – continuou enquanto deitava no tapete felpudo olhando para o teto – esse tapete… Ah esse tapete! Agente já fodeu pacas nele, e na mesa de jantar, no corredor, fodemos em todo canto deste maldito apartamento, mas agora… Você não me quer mais.

– Justine, eu não sou uma maquina sexual, tenho meu trabalho, meus problemas, quer foder é isso?

– Não, eu quero meu Lucas de volta, cadê meu Lucas? Ficou preso no Canadá?

– Eu estou aqui Ju, só estou um pouco cansado, é muito trabalho, eu tenho que arrumar um estagiário pra firma, não estou mais dando conta sozinho.

– Aposto que seus sócios ainda comem as esposas…

– Tudo pra você é sexo?

– Tudo pra você é trabalho? Já houve um tempo que tudo pra você era sexo – Justine se virou e engatinhou até Lucas – eu to com saudades… Saudades do teu toque, ta tua língua… – continuou enquanto colocava a mão dentro da samba canção dele – sinto falta desse caralho duro!

– É sério querida, estou exausto.

– Você está é exausto de mim – disse ela levantando decepcionada – em outra era você já tinha me jogado nesse chão e metido loucamente, depois iria jorrar porra em mim todinha, agora ta ai, essa coisa lânguida.

Lucas se levantou zangado e puxou Justine para si.

– E ai? Vai me bater ou me comer? – disse Justine rindo debochadamente.

Lucas a soltou e foi em direção ao quarto.

– Você é uma bicha mesmo, to cansada, eu que estou cansada de você. Tudo que quer é me exibir como troféu pro seus amiguinhos, mas no fundo devem comer uns aos outros, seus bichas!

– Cala essa boca sua puta e não me irrita – disse enquanto se voltava para ela.

– Anda Lucas, me bate, me come, seu lá faz alguma coisa, tudo o que faz é chegar em casa e reclamar, reclamar, e as vezes me da um presentinho como quem diz “não vou te comer mais, mas toma aí teu premio de consolação”.

– O que você quer? Anda diz? O que quer? Ir a esbornia como antigamente? Não dá Justine, eu tenho coisas a fazer.

– Você tem uma amante? Você andou comendo alguém na porra do Canadá e por isso não me quer mais?

– Você acha que tenho tempo pra isso menina.

– Não me chama de menina! Quer saber, você merece leva é muito galho nessa cabeça, seu corno viado – disse Justine enquanto pegava a bolsa.

– VAI ONDE SUA VAGABUNDA! – gritou Lucas indo atrás de Justine.

– Vou ver se acho alguém que me coma, cansei dessa ladainha tua. FUI! – saiu batendo a porta.

– Filho da puta viadinho, depois essas porras não querem tomar chifre, homem acha que só homem tem necessidade? – disse Justine entrando no carro.

Ela pegou o celular e rezou para que Pepe atendesse. Tocou, tocou, toucou e nada de atender.

– Só o que me faltava… Droga! Droga! Droga! – dizia enquanto socava o volante do carro.

Mesmo sem saber o que fazer, ela não voltaria pra casa com o rabo entre as pernas, então ela resolveu ir a um puteiro.

Não havia muita gente, o que era bom, já que ela havia saído de pijama, calça folgada e blusinha de alcinhas justinha com transparência o suficiente para se ver os mamilos. Ela pegou o oculos escuro que estava na bolsa e tentou disfarçar, sentou-se em um canto escondido.

– Deseja alguma coisa? – perguntou a garçonete descabelada, gorda e com o batom borrado.

– Wisky, duplo. Tem alguma coisa hoje aqui?

– Tem uma garota nova que já, já vai dançar.

– Ok!

A garçonete voltou com um wisky barato no copo um pouco sujo. As luzes do palco se acendem e timidamente aparece uma garota, franzina, cabelos longos de cor castanha, ainda uma menina. Justine sentiu o coração pulsar um pouco mais rápido. A dança foi uma porcaria, a garota era tímida demais e o bar cheio de velhos nojentos e bêbados. A garçonete voltou para saber se Justine desejava algo mais.

– Gostou patroa?

– Sim, desajeitada, mas bonitinha, chama ela aqui.

– Darling, vem aqui menina!

A garota saiu do colo de um velho barrigudo que suava como porco e veio em direção a mesa de Justine.

– Darling, essa moça aqui quer te conhecer.

– Pode nos deixar a sós? – perguntou Justine.

– É 50 real patroa.

Justine abriu a carteira e tirou o dinheiro entregando pra agenciadora.

– Bom proveito patroa.

– Seu nome é mesmo Darling?

– Não, não senhora – respondeu a moça ainda cabisbaixa.

– Graças a Deus não é!? Porque nome de puta tem que ser brega? Porque não muda seu nome?

– Foi minha madrinha que deu – respondeu direcionando a cabeça para o balcão do bar.

– Essa é sua madrinha menina?

– Sim senhora.

Justine revirou os olhos e seguiu a conversa.

– Quantos anos tem?

– 19 senhora.

– Para com isso de senhora, não sou tão mais velha que você.

– Já fez programa?

– Alguns, mas é minha primeira vez dançando.

– Hum… Precisa ensaiar mais. Já ficou com uma mulher?

– Poucas vezes, os maridos que sempre querem isso.

– Você parece uma criança ainda, já deu esse rabo bonito?

– Não senhora, ainda não.

– Ta me dando uma vontade de meter nesse rabo… Venha aqui, senta do meu lado.

Darling obedeceu ainda que timidamente. Trajando apenas uma mini-saia e top, seu sexo estava nu para o deleite de Justine.

– Deixa-me sentir essa bocetinha – disse Justine enquanto colocava a mão entre as pernas da moça – um apesar de tímida to vendo que esta animadinha, bem lambuzada.

Darling finalmente mostrou os dentes brancos em um belo sorriso.

– Você é muito linda, não sei o que faz nesse pulgueiro. Mas, sorte a minha que você está aqui.

– Me acha bonita mesmo?

– Sim, eu acho, e você? O que achou de mim?

– Desculpe o que vou falar, mas achei a senhora muito lindo, uma dama, mesmo de pijama.

– Pois é, bruiguinha de casal é assim, sou esquentada sai sem pensar direito, mas estou aqui, e logo mais, vou te foder.

Darling olhou para Justine, sorriu docimente e se beijavam, Justine levou a mão novamente entre as coxas da moça e começou a tocar seu grelo, logo Darling soltou uns gemidinhos. Os velhos nojentos olharam para tentar ver o que estava acontecendo naquele escurinho.

Elas continuaram a se beijar, Darling acariciando os mamilos já expostos através da blusa de Justine. Justine massageando o grelo de Darling.

– Isso é muito bom senhora! Muito bom!

– Não mente pra mim Darling, não minta.

– É verdade, ah… Seus dedos são deliciosos… Acho… acho que vou gozaaaaaar – mal conseguiu terminar a palavra e já havia se lambuzado toda.

Justine sorriu olhando Darling.

– Boa menina… Quer ser meu brinquedinho novo?

– Sim senhora.

– Mas não hoje… Quero te ver sem sua “madrinha” saber. Não se preocupe, eu vou pagar, só que prefiro dar o dinheiro a você e não ela, sei que vai receber uma mixaria.

– Ok senhora… Vou te passar meu celular, assim pode mel ligar.

– Podemos nos ver amanha? Lá pelas 18 horas?

– Sim, acho que sim.

– Vou te ligar, quero que me ajude em uma coisa.

– Sim senhora.

– Bem, eu já vou – Justine abriu a bolsa sem que a gorda visse e deu mais dinheiro a darling – isso é seu, sai desse muquifo, não quero que nenhum desses porcos nojentos acabe comprando seu rabinho.

– Sim senhora, muito obrigada!

Elas se beijaram e Justine saiu do puteiro decadente. No caminho de volta para casa sua cabeça estava agitada, muitos pensamentos, muitos planos para o dia seguinte.

 

Justine – Dividida em sentimentos

Mais que um coração divido, Justine tinha a cabeça cortada em pedacinhos, seu cérebro estava a mil. Lucas, Pépe. Pépe e Lucas. O que fazer quando não se sabe amar apenas um? Depois de ter passado sua relação turbulenta entre Lucas e Marcela, Justine pensava que nunca mais teria problemas com esse tipo de relação.

– Deus? O que fazer? – disse Justine para si mesma no espelho.

Em poucas horas o avião de Lucas pousaria, e ela ainda estava na casa do Pépe.

– Algum problema? – perguntou Pépe no chuveiro.

– Não, nada… Aliais… Bem, tem uns parentes meus chegando hoje, e vou ficar ausente por uns dias.

Pepe saiu do banho e com o corpo ainda molhado e nu abraçou Justine, os dois se olharam no espelho por alguns minutos. Pela regata branca do Pépe que ela usava para dormir, podia se ver os mamilos rijos. Justine soltou um sorriso malicioso.

– No que pesou? Perguntou Pépe.

– Segredo – respondeu Justine virando-se para beijá-lo – quer tomar outro banho?

– hum… acho que sou um garoto ‘sujo’ e realmente preciso de um outro banho.

Ela sorriu o empurrando de volta para o boxe. Ligou o chuveiro e a água morna molhou a regata revelando seu corpo arrepiado. Pépe a colocou contra a parede e enquanto a beijava delizou uma das mãos por entre as coxas chegando logo onde o interessava, seu grelo rijo, quente e pulsante. Ela gemeu.

– Vou sentir saudades safadinha, esses dias sem você serão um martírio.

– Shiiiiiiiiii… – Justine interrompeu o que Pépe iria falar, e começou a beijar seus lábios, queixo, pescoço, percorrendo o peitoral, se ajoelhou segurando o membro rijo e começou a sugá-lo como quem não se alimenta a tempo.

– Pequena… Ah! Você além de gostosa me deixa incrivelmente louco… Ah! Isso puta safada, chupa gostoso.

Ela adorava o que fazia, e fazia como nenhuma outra, seus lábios quentes deixaram qualquer um apaixonado, seja homem ou mulher, Justine não media esforços e amava sugar, sugar, sugar, ia cada vez mais fundo, até mesmo suas engasgadinhas eram encantadoras.

– Vou explodir pequena, vou explodir! – disse Pépe entre gemidos.

Ela não parava, não parava nunca, queria ver o leite derramar, mas como tesão a toda, ela interrompeu a função, se levantou, olhou-o nos olhos e sem dizer nada, apenas mordendo os lábios, tirou a regata molhada e começou a acariciar seu próprio corpo, suas mãos deslizavam entre seios e o sexo úmido, Pépe começou a se tocar, mas ela acenou com a cabeça que não.

– Não, não faça isso – sussurou.

Ele parou e ficou apenas admirando Justine se tocar. Seus gemidinhos ainda tímidos, quando a excitação já estava no auge, ela se virou contra a parede, abriu as pernas, empinou a bunda e disse.

– Vem!

Pepe não pensou e logo a penetrou, sua bucetinha estava lambuzada e muito quente, ela continuou a tocar o grelo, seus gemidos estavam mais altos e estridentes, ele não parava de meter segurando-a pelos cabelos.

– Eu acho que vou explodir pequena – disse Pépe enquanto metia mais rápido.

Ambos os corpos estremeceram e permaneceram juntos embaixo do chuveiro.

Depois de brincarem no banho Justine se arrumou, comeu algo e foi se despedir de Pépe que estava brincando com o violão.

– Vou sentir saudades… – disse ela manhosa.

– Eu também… Some não.

– Vou dar m jeitinho de vir lhe ver pena semana…

– Ju… Senta aqui – apontou ele para o colo.

– Diga!

– Sabe, já faz uns dois meses que estamos juntos – disse ele enquanto afagava os cabelos dela.

– Pois é, passou rápido não é?

– Sim, passou, e eu queria dizer que quero ficar mais tempo contigo, cada minuto que está longe, eu quero você aqui. Eu sei, é piegas nem eu esperava dizer isso mais a alguém, mas estou louco por ti garota!

– Acho que preciso ir – disse Justine espantada.

– Como? – perguntou incrédulo – Estou me declarando e você quer ir embora?

– Pépe, desculpe – disse ela levantando em direção da porta – Sabe, eu não esperava… Aliais, eu queria ouvir isso, mas… Não posso, Deus. Tchau!

Justine saiu sem olhar para trás, seu coração estava disparado, será que de fato ela sabia o que queria, ou achava que sabia? Ela desejava ficar só, mas Lucas estava para chegar então foi para o aeroporto.

O vôo iria atrasar meia hora, então ela foi tomar um café.

– Deus, não sei o que fazer – repetia para si mesma a todo momento.

Sentada só, ela sentia vários olhares direcionados a si, tudo lhe deixava mais confusa, enfim o vôo chegou, ela pagou o café e foi para o saguão de desembarque. Muitas pessoas, diversos de reencontros emocionantes, e o coração de Justine só conseguia sentir o medo da culpa que ultimamente lhe seguia até mesmo nos sonhos. Seu rosto corou quando viu Lucas acenando sorridente, ele apressou o passo ao seu encontro.

– Deus, finalmente cheguei, eu não agüentava mais de saudades – disse Lucas ao abraça-la.

Justine chorou, o abraçou apertado e simplesmente chorou.

– Não chora amor, eu to aqui! Caramba, como eu te amo Jú.

– Eu também te amo Lucas, muito, muito.

Realmente ela o amava, daquela forma estranha, mesmo assim ela o amava, foi ao lado dele que ela cresceu, amadureceu, viveu.

– Vamos pra casa? – disse ela enquanto o beijava.

– É o que mais quero.

Os dois foram andaram de mãos dados pelo estacionamento, ele colocou as malas no carro, e antes de justine entrar ele a beijou, prensada ao carro, no calor do reencontro, ele a beijava como se não a visse a anos, seu corpo ficou tomado pelo calor.

– Melhor correr-mos pra casa – disse ele animado.

No caminho, o pensamento de Justine voava. Ela que acabará de transar com seu amante, não sabia se conseguiria se entregar ao amado com tanto fervor.

– Você está bem? – perguntou Lucas desconfiado.

– Sim, só estou um pouco cansada, não dormi bem, tive uns sonhos estranho – respondeu com um sorriso amarelo estampado no rosto.

– Pesadelos novamente?

– Pois é… hehe, esses sonhos tolos.

– Está com alguém problema? Você só tem esses pesadelos quando está em crise.

– Não, era só saudades, eu fico preocupada, nada demais.

– Bem, logo vamos matar essa saudade.

Ao chegar em casa, Lucas não se agüentava mais de tesão, ele jogou as malas na sala e começou a revirar a bolsa de mão.

– Querida, quero vê-la – disse ele sentado no sofá com um embrulho nas mãos.

– Mas você já está me vendo.

– Quero ver você inteira, nua, quero admirar seu corpo, tenho algo pra você, e quero que esteja nua.

Justine sem entender, começou a tirar a roupa, primeiro a calça, depois a blusa.

– Linda, continua linda, que saudade deste corpo, tire o resto.

Ela se despiu por completo ficando nua.

– Nessa mala ao seu lado tem uma surpresa, abre e pegue uma caixa para mim por favor.

Justine abriu a mala e pegou uma caixa de sapato.

– Venha até aqui querida – disse ele enquanto se ajoelhava.

Justine entregou a caixa a ele, que abriu e calçou belos sapatos de verniz preto altíssimos.

– Gostou?

– Sim, são lindíssimos.

– Feche os olhos, tenho outro presente para você.

Ela obedeceu, e curiosa sentiu algo gelado encostar em seu pescoço.

– Continue de olhos fechados e venha comigo.

Ele a segurou pela mão e a levou até o enorme espelho da sala.

– Abra os olhos querida.

– Deus! É linda – disse Justine com os olhos brilhando, ao admirar sua gargantilha de brilhantes.

– Você merece, merece isso e muito mais. Quando a vi na loja disse a mim mesmo: Foi feita para Justine!

– Obrigada amor, eu não mereço tantas coisas.

– Shiiiiiiiiii você merece tudo de bom – disse ele enquanto beijava as costas nuas da amada.

Ele a virou e começaram a se beijar caminhando até a cama. Ele a deitou e começou a beijar todo seu corpo, da cabeça aos pés, sem retirar o sapato. Ele abriu suas pernas e entre mãos e lábios acariciava-lhe a coxa até chegar ao grelo.

– Saudades deste doce – disse Lucas enquanto a acariciava.

Justine esqueceu todos os problemas e se entregou inteiramente, afinal ela o amava, ele a amava, nada mais justo que apagar tudo e ser apenas dele, aquele era seu momento.

Depois de horas de prazer, Justine adormeceu de salto e com a gargantilha de brilhantes. Lucas permaneceu acordado, acariciando suas costas e admirando cada pedacinho de Justine, ele só desejava tê-la para sempre.

 

Justine – Conflitos

O telefone tocava sem parar, Justine não sabia se era só um sonho ou realidade, no escuro, ela procurava sob a mesinha de cabeceira atrás do aparelho.

– Deus quem será a essa hora? – disse esfregando os olhos – Alô?

– Oi querida! – disse Lucas do outro lado da linha.

– Esqueceu que tem casa, namorada e uma vida no Brasil?

– Claro que não, estou com muita saudade, não vejo a hora de voltar.

– Não parece, já tem um mês isso… Aliais, você me ligou pra dizer que vai demorar mais quanto tempo?

– Desculpe, mas este caso está demorando mais do que eu imaginava.

– Já arrumou uma canadense por ai?

– Claro que não! Ta loca menina, porque já tem outros por ai?

– Quem sabe!

– O que?

– Aí, você é pior que pião pra pegar corda.

Lucas contou como andavam as coisas e a saudade que sentia dela, no fundo Justine queria que ele a tivesse traído, isso pesaria menos no remorso que sentia pelo que estava acontecendo, porém, ela não conseguia controlar.

– Daqui duas semanas vai ter a ultima audiência, bem eu espero que seja a ultima, eu estou super cansado daqui e sentindo falta de você, desse eu corpo nu sob o meu, essa sua bucetinha quentinha… Vamos marcar uma conversa pelo skype, quero te ver.

– Você sabe que esse papo de sexo virtual não me excita…

– Só um pouquinho, mata minha saudade?

– Quem sabe um dia!

– Bem preciso desligar, te amo gostosa.

– Também te amo, se cuida amor.

Justine deitou para tentar dormir novamente, mas sua cabeça estava a mil, ela realmente não merecia Lucas, mas também ela não sabe se ele estava sendo sincero, afinal ele estava em outro país, o que acontecesse ali ela nunca saberia.

– Mas quem estou enganando… Lucas não faz esse tipo… DROGA! – ela colocou o travesseiro sob o rosto tentando abafar o grito, e continuou assim até adormecer.

O celular não parava de tocar, e uma fresta de luz invadia o quarto.

– Que coisa, todo mundo hoje resolveu me acordar?

– Oi Marcela!

– Me esqueceu foi?

– Droga!

– Isso ta ficando mais difícil do que parece…

– Eu sinto muito…

– Sem mais, vai fazer o que no almoço?

– Nada.

– Se vista estou passando ai pra te buscar em 40 minutos no máximo.

Justine pulou da cama assustada no quanto havia dormido, apesar de ter sido uma péssima noite cheia de sonhos estranhos. Correu para o banheiro para tomar banho e escovar os dentes, depois foi para o closet procurar uma roupa leve, afinal aquele dia estava terrivelmente quente. O celular toca novamente.

– Oi Má!

– Ta pronta?

– Sê já ta aqui?

– To chegando, só mais 10 minutinhos e to ai, termina logo e desce, te pego na frente do prédio.

– Ok!

Justine colocou um vestidinho, sapatilhas e sem se maquiar colocou um óculos pra apagar a cara de noite mal dormida.

Ao chegar enfrente ao prédio, Marcela já estava lá, as duas deram um longo abraço apertado.

– Você está radiante Marcela, adorei seu cabelo natural, esta mais linda ainda.

– Obrigada querida, o seu cabelo cresceu, você esta ainda mais bonita, o Lucas tem te feito bem. E como ele esta?

– Deve ta bem, não o vejo a mais de um mês.

– Porque Ju?

– Ele está a trabalho no Canadá, ia e voltava logo, mas seu cliente lhe deu dores de cabeça e teve que ficar.

As duas riram, relembraram os velhos tempos, falaram bobagens e logo chegaram até um restaurante que iam quando estavam juntas.

– Você ainda lembra dela Má?

– Claro, como poderia esquecer do que vivemos?

Conseguiram a mesma mesa de sempre, era um momento pra reviver o que tiveram de melhor, exceto com algumas noticias que viriam logo após.

– Má, você ta super bem, desculpa falar, mas até deu uma engordadinha, o Gu deve ta te tratando como princesa.

Marcela começou a rir.

– É e logo me tratará como rainha!

– Hã?

– Eu estou noiva amiga! – disse mostrando a aliança.

– Nossa! Serio? Parabéns – disse Justine sem saber o que sentir.

– E tenho mais uma noticia.

– Qual?

– Não estou gordinha… Estou grávida.

– Grávida, mas… Mas como?

– Como você já sabe, deve brincar de fazer filhos sempre.

– Cala boca!

– O que?

– Não, não pode… – Justine começou a se alterar.

– Ju, sê ta loca? Fala baixo!

– Não pode ser, você ta grávida e vai se casar? Como pôde?

– Como eu pude o que? Achei que ficaria feliz por mim?

– Porque eu deveria?

– Para de ser egoísta e mimada Justine, quando você terminou comigo, não pensou em nada não foi? Eu toquei minha vida, segui enfrente, assim como você né, que ficou noiva e nem me contou, acorda garota cresce!

– Você ta me chamando de criança?

– É como está agindo, como criança mimada e egoísta!

– Ata, só porque você está grávida se acha agora mais madura do que eu? Fala sério, eu vou embora daqui – disse Justine ao se levantar, abriu a bolsa tirou umas notas e jogou sob a mesa – tenha um bom apetite.

– Onde você vai garota, ta loca? Não sei porque dessa manha toda.

Justine saiu sem olhar para trás, sua cabeça girava, sua vida estava confusa, seus sentimentos estavam confusos, ela já não sabia o que fazer, e porque aquele ciúme tolo? Porque tratar mal a amiga que tanto ama?

– O que está havendo comigo?

Ela andou sem rumo por horas, não atendeu o celular nem respondeu a milhares de mensagens de Marcela preocupada. Depois de cansar de tanto andar, entrou em um barzinho que encontrou e foi tomar algo pra esquecer.

– Wisky, duplo e sem gelo, por favor!

– Dia ruim? – disse o barman enquanto pegava a garrafa.

– Péssimo!

Justine entornou o copo e pediu outro.

– Não é melhor ir com calma senhorita?

– Só me vê outro, por favor! Vim beber e não procurar um psicólogo.

– Ok!

– Depois de algumas doses, tudo parecia melhor, ela pegou o celular e olhou as ligações e mensagens, não quis retornar para ninguém, olhou para os lados, parecia um encontro de motoqueiros, logo o sol já havia desaparecido e o lugar estava lotado.

– Senhorita, aquele rapaz na ponta do balcão lhe pagou outra dose.

Justine olhou, o rapaz acenou, ela levantou o copo em agradecimento e bebeu.

– O que rola aqui? – perguntou ao barman.

– Hoje rola uma banda de blues, esses motoqueiros estão sempre por aqui.

– Acho que não estou vestida adequadamente para o local.

– Garanto que as pessoas aqui não repararam nisso – concluiu o barman dando uma piscadela.

Justine sorriu e pela primeira vez nas horas que passou sentada ali, olhou de fato para o rapaz. Ele era jovem e simpático.

Algumas bebidas de graça, vários convites para conversar, Justine já estava alta e esqueceu de todos os problemas, o bar estava cheio e entre o blues e o classic rock, ela estava sentada no balcão curtindo. Já estava tarde e seu celular cheio de mensagens preocupadas tanto de Marcela quanto de Pêpe. Ela desceu do balcão para ir ao banheiro.

– Já vai moça?

– Não… Acho que ficarei um pouco mais, vou só no banheiro.

– Que bom! – disse o simpático barman.

Justine deu um passo e voltou para o balcão.

– Aliais, qual seu nome? – perguntou Justine.

– Rodrigo, e o seu?

Justine pensou duas vezes antes de responder.

– É… Verônica!

Ele sorriu e ela foi ao banheiro.

– Devo estar ficando louca, ou extremamente bêbada – disse para si mesma enquanto lavava o rosto – mas aquele barman é uma gracinha.

– Realmente ele é, e também é delicioso – disse uma moça que saia de um dos banheiros.

– Ai, que susto! – disse Justine espantada com a mão sob o seio arfando.

– Desculpe – respondeu a moça sorrindo – sou Paula, amiga do Rodrigo, e pelo que vi, ele gostou de você também. Qual seu nome?

– Ju… Verônica, prazer.

– Vai lá e aproveita menina, não é sempre que ele está disponível – disse a ‘amiga’ do banheiro ao sair.

– Será? Bem, quem sabe! – Justine secou o rosto e as mãos com uma toalha de papel e voltou para o balcão.

– Pode me dar uma coca?

– Não quer mais wisky senhorita?

– Acho que pra mim já chega de beber por hoje.

– Uma coca geladinha saindo – respondeu o barman sorridente.

Justine tomou uma golada direto do bico da garrafa, olhou para Rodrigo que admirava cada centímetro de seus lábios carnudos.

– Será que você não tem um cigarro pra me arrumar? – perguntou Justine.

– Bem eu já estou indo lá fora fumar um é meu minuto de folga, não quer ir junto?

– Bem… Pode ser!

– Vou avisar o outro rapaz, me espera no final do balcão.

– Ok! – Justine terminou a coca e foi para a ponta do balcão.

Rodrigo levantou a tampa do balcão e a deixou passar, eles passaram pela pequena cozinha e foram para os fundos do bar, um beco com lixo que dava para a rua.

– Desculpe fazer você vir aqui, mas não posso ir pra frente do bar – disse Rodrigo enquanto pegava o cigarro.

– Não tudo bem, esse lugar tem seus ‘encantos’ – sorriu.

Ele ofereceu o cigarro a ela e o acendeu, ele ainda com o cigarro na ficou observando Justine dar o primeiro trago, ela o olhou, seus olhos cheio de desejo, sem pensar, jogou o cigarro no chão e o beijou contra a parede.

Rodrigo se entregou ao beijo, suas mãos rápidas deslizavam todo seu corpo, seu beijo voraz, sua pegada selvagem a colocou contra a parede, uma das mãos deslizou por entre as coxas dela tocando seu sexo molhado. O vento estava forte e somente os raios os iluminavam. Ela já podia sentir o sexo dele pulsar sob a calça.

– Eu te quero, quero muito garota! – disse enquanto abria o zíper da calça.

Ele pegou uma camisinha no bolso de trás e colocou, levantou uma das pernas de Justine e a penetrou levemente, um gemido escapou por entre os lábios e ele começou a estocar cada vez mais rápido, ela passou seus braços entorno do pescoço dele.

– Isso! Isso – sussurrava ela no seu ouvido – vai, mais forte, mais forte!

– Gosta é safadinha, você gosta?

– Adoro, adoro!

Quando ela abriu os olhos viu uma sombra os observando, aquilo a excitou ainda mais, ela não conseguia tirar os olhos da sombra, parecia uma silhueta feminina. Ela mordeu os lábios, seu corpo estava quente, ela queria gozar, e queria que aquela pessoa ali a visse satisfeita. Ela sentia que ia explodir, não podia mais segurar, a muito não gozava em tão pouco tempo, mas a adrenalina estava a mil.

– Isso, vai fundo, com força… ah, ah, aaaaah, isso.

Seu corpo estremeceu e logo em seguida Rodrigo também gozou.

– Gata você é demais!

Justine sorriu, tirou pegou a calcinha e jogou no lixo.

– Acho que vai chover, vamos voltar.

– Chuva… Perfeito, acho que vou embora.

– Já? Não…

– Aí a conta! Quanto será que deu? Posso lhe dar o dinheiro e você pagá-la pra mim, quero aproveitar e sair por aqui mesmo.

– Fica tranqüila, eu acerto essa… Será que vou lhe ver novamente? – perguntou enquanto afagava o cabelo bagunçado de Justine.

– Talvez! – respondeu a sorridente Justine.

– Como te encontro?

– Pode deixar que eu te acho – acenou a cabeça em direção do bar.

– Ta certo, desculpe, eu preciso voltar pro trabalho.

– Tudo bem, eu vou indo – ela o beijou e se virou para a saída do beco – Ah! Rodrigo, muito obrigada!

Desconfiado e um pouco sem graça respondeu.

– Não tem por que! – e entrou no bar.

– Que noite! Que noite! – dizia Justine para si mesma.

O vento estava forte e as primeiras gotas começaram a cair, ela estava se sentido livre, solta, não esquecia aquela sombra lhe observando e a cada flash na memória lhe excitava novamente. Logo a chuva começou a cair e Justine parecia ter voltado a infância, ela começou a correr pela calçada e já estava toda milhada quando parou embaixo de um toldo.

O celular estava vibrando dentro da bolsa, era Marcela, ela olhou por alguns segundos, sorriu novamente e resolveu atender.

– Má?

– Justine? Sê ta loca menina? Quer me matar de susto, onde você está?

– Não sei, andei por ai sem rumo, Má me desculpe, sinto muito pela forma com que tratei, como agi com as noticias, eu a amo muito. É que você seguiu enfrente e eu não consegui.

– Tudo bem, tudo bem! Eu a amo, sempre vou amar, quer vir aqui?

– Não, não acho que vou pegar um táxi antes que a chuva me deixe gripada, eu preciso ir, amanha te ligo.

– Ok! Você está bem mesmo.

– Estou ótima, estou ótima! Beijos – Justine desligou o celular jogou a bolsa e procurou um táxi.

Sem pensar ela foi pra casa de Pêpe, durante todo o percurso no táxi ela sorria, a muito não se sentia assim, era como se aqueles minutos ali no beco tivessem lhe despertado novamente para a vida mostrando o que ela realmente precisava.

Justine ligou para o Pêpe quando chegou em frete ao prédio dele.

– Ju sua maluca, porque não atendeu?

– Estou enfrente ao seu prédio, posso subir?

– Claro, claro!

Ela pagou o táxi e correu para a portaria, no elevador seu corpo estava em alvoroço. Ela apertou a campainha e esperou, ao abrir lá estava ela, cabelos bagunçados, toda molhada e apesar de tudo extremamente sensual exalando sexualidade.

– Jú? O que houve a Amanda me ligou…  – ele foi interrompido por um beijo inesperado dela que o empurrou para dentro do apartamento fechando a porta como pé.

– E então delicia, será que posso tomar um banho?

– Quer ajuda?

Justine sorriu maliciosamente, tirou o vestido molhado e sai caminhando para o banheiro, Pêpe logo vai atrás dela. Para Justine será uma noite e tanto.

 

Justine – À volta

Tudo estava escuro, só o que se ouvia eram as respirações aceleradas, a luz fraca do abajur se acende, lá está Justine, nua na cama em meio a vários homens, todos a desejam, almejam seu corpo, ela está sorrindo, satisfeita. Uma porta se abre, uma luz forte revela Lucas, parado, decepcionado.

Ela grita, esperneia, tenta sair do ninho de machos, mas não consegue, ela continua gritando, mas a voz não sai, com a mão estendida, vê Lucas partir, sua aliança cai e o brilhante se espatifa, finalmente sua voz sai, ela acorda assustada e ofegante.

– LUCAS!

– Pêpe, prazer – responde sorrindo.

– Ah, meu Deus, desculpe, é que eu tive um… Um sonho horrível…

– Não precisa explicar não, tenho pesadelos sempre, normal.

– O que você faz ai sentado?

Pépe estava sentado em uma cadeira próximo a cama, olhando Justine com cara de bobo.

– Estava te admirando boneca.

– Credo, que coisa de loco!

Pépe ri.

– Ah Ju, nossos encontros estão pior do que cliente e puta, é sempre rapidinho, em qualquer lugar, fiquei feliz por você finalmente ter dormido aqui.

Justine se senta na beira da cama, procurando o chinelo com os pés, ela espreguiça os braços.

– Veja que grande coisa, conseguiu me ver descabelada e com remela nos olhos.

– Eu gosto do que vejo.

– O que é aquilo na mesinha?

– Seu café madame!

– Uia! Você cozinha é? Eu não conhecia esse seu dote!

– Tenho muitos outros que você não conhece – piscou para Justine e se levantou para pegar a bandeija.

– Conheço o maior e mais gostoso – da um sorriso sacana.

– Safada!

– Eu sei, é por isso que gosta de mim – ela se levanta e vai atrás de Pépe e o abraça.

– Sabe, eu tava aqui pensando, eu nem to com tanta fome ainda, e você caprichou no café, então porque agente não vai pra cama e você me ajuda a abrir o apetite?

Pépe se vira sorrindo e a beija, os dois ainda se beijando, caminham até a cama. Ele desliza os dedos sob os mamilos que começaram a aparecer por baixa da camiseta. Ela o prende entre as penas, beija a orelha, percorre o pescoço, aperta as costas nua com suas unhas e escorrega uma mão até o bumbum delicioso de Pépe. Ela o acaricia e sente o pau rijo e quente tocar sua coxa.

Ele começa a beijar seu pescoço enquanto levanta a camiseta deixando-a só de calcinha.

– Molhadinha!

– Como não ficaria.

Ele desliza a língua nos mamilos e os suga delicadamente, uma das mãos desde até a bucetinha molhada, quente e pulsante. Os dedos escorregam naquela piscininha.

– Você é tão gostosa, beibe. Não agüento, quero te comer agora!

– Porque a pressa? – Justine se vira e monta em cima de Pépe – devagar vai ser mais gostoso.

Ela começa a beijá-lo novamente e desce por seu peito, até chegar no garotão, ela coloca-o pra fora da samba-canção, ele parece ter vida própria de tanto que pulsa, ela começa a brincar com a língua, envolvendo a cabecinha molhada, e aos poucos coloca-o dentro da boca. Sobre-desce-sobe-desce, ele geme.

– Assim eu na agüento!

– Ué não queria me dar café da manhã? Agente pode começar pelo leite… Adoro leitinho – e volta a chupá-lo.

– Você é louca, maluquinha, meu Deus mulher, você não tem dente não? Como é que faz isso?

Ela continua a chupá-lo, engole e tira, engole e tira, acaricia-o com a língua quente, ele geme cada vez mais, ela sente a pulsação aumentar.

– Ah, eu não vou agüentar! Não vou mais agüentar!

Ela não da bola e segue a felação, ele jorra direto na garganta dela, seu corpo estremece, ela engole e olha-o satisfeita.

– Maluquinha… Meu Deus, que loucura menina!

Ela sorri, se levanta, ainda só de calcinha, vai até a mesinha e pega a bandeja e volta pra cama.

– Quer comer comigo?

– To morto!

– Dou na boquinha – diz maliciosamente.

– Oh meu Deus, onde vamos chegar!?

– Espero que fiquemos na cama ainda por um bom tempo.

Ela toma um pouco do café. A bandeja está caprichada, morangos, torradas, geléia de uva, suco, café, leite e queijo enroladinho.

– O que você vai querer?

– Você!

– Ué, já se recuperou?

– Não, mas ver essa geléia me deu uma vontade de Justine com geléia.

– Hum, será que Justine com geléia é gostoso?

– Justine sem nada já é uma delicia, com um docinho então.

Os dois riem, ela apóia a bandeja sob a cadeira ao lado, pega o potinho com geléia, coloca o dedo e depois o leva a boca.

– Tem razão, pode ser delicioso – ela coloca três dedos dentro do potinho retira uma quantidade maior e começa a espalhar a geléia nos mamilos, descendo pela barriga até chegar ao monte de Vênus – quer provar?

Pépe devora cada milímetro temperado pelo doce, guloso chega logo onde mais desejava, ela pega mais geléia e espalha por toda a bucetinha ele fica louco, a suga, a devora, tenta se controlar pra não perder o ritmo que lhe agrada, Justine geme, contorce o pescoço para trás, ele coloca o dedinho no rabinho dela e começa a acariciar as nervurinhas da entrada.

– Ah, agora eu que não vou agüentar!

Ele continua a chupá-la.

– Eu quero, quero jorrar na sua boca, mas também quero sentir teu pau em mim, ah delicia!!!!

Ele continua e desta vez, coloca o dedo dentro do rabinho e começa a mexer, fora-dentro-fora-dentro, ela geme mais alto e coloca o travesseiro sob o rosto. Ele decide colocar o outro dedo dentro da bucetinha lambuzada dela, ela delira.

– Eu vou explodir, vou explodir!

As pernas estremecem e solta um gritinho e tentar tirá-lo dali.

– Ai, para, para pelo amor de Deus que to morrendo de sensível.

Pépe deita ao lado dela, ela se vira de bruços e se aninha próximo a ele. Ela adora ficar deitada assim, só relaxando, recebendo carinhos. Os dois adormecem.

O telefone não para de tocar, Justine o procura dentro da bolsa, com os olhos embaçados, ela vê no visor “Marcela”.

– Caracas!

– Que foi? É o Ricardão – brincou Pépe.

– Não, não é a Má, depois te explico.

Pépe se levantou e foi pro banheiro e Justine enfim atendeu.

– Alô!

– Jú? É Você?

– Sim, sou. Má?

– Caralio Justine sumida, que saudades!

– Ah eu também amor, eu também.

– Preciso te ver, vamos tomar café logo mais?

– Porque não almoço?

– Tá em que estado mulher, já passou a hora do almoço – Marcela ri.

– Deus, eu nem vi o horário.

– Você ta onde?

– Depois te explico… no mesmo café?

– Sim! Às 16 ta bom pra você?

– Tá sim!

– Te vejo lá amor, tenho novidades, to loca de saudades.

– Beijos, te mais.

– Caracas! – Justine ainda surpresa pela ligação se levantou e foi para o banheiro, Pépe já estava no banho – Nem me esperou!

– Desculpa, você tava tão animada que eu não sabia se ia demorar, eu não me agüentava mais com esse doce todo – risos – vem cá beibe, vem que vou te dar um banho gostosinho.

Ela entrou no chuveiro e o abraçou.

– Hum, banho de língua – disse maliciosa.

– Você não cansa?

– Depois de tudo que dormirmos, já passou até o horário de almoço.

Pépe pegou o sabonete e começou a ensaboá-la.

– Pelo menos não teve mais pesadelos né?

– Não, eu nem dormi, eu desmaiei! Me passa o shampoo?

Pépe saiu primeiro do banho enquanto Justine terminava de lavar os cabelos, ele pegou uma toalha limpa para ela e foi se trocar.

Justine terminou, secou-se e foi para o quarto enrolada na toalha. Lá estava Pépe, lindo como sempre, seus olhos nem acreditavam no que via, ele era encantador, exótico, tinha estilo, e cada desenho naquele corpo era um pecado. Ele estava de calça e regata, descalço.

– Você tem pés lindos! – disse Justine enquanto ‘babava’ por Pépe.

– Eu hem, você tem cada gosto beibe.

– Ah, eu curto, bem ainda bem que eu trouxe roupa extra, minha calcinha ta toda suja – risos.

Pépe se aproximou, com o corpo fresco, abraçou Justine ainda nua e lhe beijou.

– Sabe garota, você me surpreende cada dia mais – ele sorriu enquanto afagava seus cabelos, lhe deu outro beijo.

– To com fome!

– Mas também, você só tomou café puro!

– E leitinho, não se esqueça – disse com ar sacana.

– Melhor eu ir pra cozinha fazer algo se não agente não sai deste quarto e acabaremos desmaiando de fome – e foi pra cozinha.

Justine se vestia, e lembrava do sonho.

– Ai, o que será isso, odeio quando esses pesadelos começam. “Deve ser consciência pesada” – algo disse em sua cabeça, ela sacudiu-a tentando mandar o pensamento pra longe.

Ela colocou um vestido leve, calçou os chinelos e foi para a cozinha.

– Hum… que aroma delicioso, o que esta fazendo?

– Nada demais, macarrão com molho de queijo, gosta?

– Adoro queijo! – respondeu enquanto sentava à mesa.

– Então, o que sua amiga queria.

– Pois é, não a vejo a muito tempo, ela já foi minha melhor amiga, agora não posso dizer isso, já que a vejo raramente, mas ela disse que tem novidades.

– Vai encontrá-la?

– Sim, logo mais. To super curiosa.

O estomago de Justine roncou tão alto que até o Pépe ouviu.

– Bem, parece que temos uma criança faminta.

Justine riu, e ficou ali, esperando o macarrão, e com o pensamento confuso, entre o sonho e a realidade que estava a viver.

Justine – Terremoto na Rotina (parte final)

As duas riram e foram até a mesa. Finalmente Justine conseguiu olhar os rapazes, agora ela havia entendo o motivo do alvoroço das mulheres do bar, sem dúvida Vitor e seu amigo eram os homens mais lindos do amamigasbiente. Logo Amanda agarrou seu homem. Vitor era alto, branco, olhos azuis, tinha cara de menino, com os braços tatuados e um topetinho nos cabelos loiros. O outro era o oposto, parecia um italiano, pele clara, cabelos negros, olhos escuros, nariz um pouco avantajado, mas sem duvida era de uma beleza exótica, braços e pescoço tatuados, gel nos cabelos penteados para trás, a muito Justine não via uma coisa daquelas.

Ambos estavam de calça do tipo social, pouco largas, diferente dos demais que estavam de jeans mais justos ao corpo, estavam de all star, Vitor usada uma camiseta preta com uma estampa old school, e o amigo de regada branca.  Justine disfarçadamente, retirou a aliança e enfiou na carteira.

– Deixe-me apresentar minha amiga, Justine este é Vitor – disse Amanda apontando para o rapaz ao lado.

– Olá, prazer – disse Justine ao cumprimentá-lo com dois beijinhos na bochecha.

– E este é o amigo dele…. Desculpa qual seu nome?

– Pépe – disse o rapaz estendendo a mão para Justine.

– Prazer… – Justine retribuiu o aperto de mão e pela primeira vez em muito tempo se sentiu constrangida.

Sentaram-se à mesa, o som era gostoso, o ambiente razoável, já que as mulheres não saiam de cima. Pépe levantou, olhou para Vitor e disse:

– Já volto, vou no bar… Alguém quer algo? – perguntou friamente.

– Meninas? Querem algo? – perguntou Vitor olhando para as duas.

– Acho que cerveja… – disse Amanda pensativa – pode ser Ju?

– Claro! Sim claro! – respondeu Justine ao ser arrancada de seus pensamentos.

Depois de quase meia hora Pépe voltou com as cervejas, estava mais risonho e com o semblante mais extrovertido.

– Desculpem a demora, fiquei conversando com o “negão” no bar – disse enquanto coloca as cervejas na mesa.

– Então Justine, você é sempre caladona assim? – perguntou Vitor com tom de sarcasmo.

– Depende da ocasião – respondeu Justine sem graça.

– A Mandita falou demais de você.

– É que ela sofre de amor platônico por mim, mas eu já disse que não rola – as duas riram.

– Meu Deus, não sei se isso seria um pecado ou o paraíso! – exclamou Vitor se deliciando em pensamentos.

As duas continuaram a rir. Pépe ainda estava estranho e Justine encafifada se achando o motivo daquela frieza toda. O barman se aproximou, era um bilhetinho para Pépe, ele leu, sorriu, olhou para o lado, uma loira monumental o olhava sem mesmo piscar, ele colocou a mão na face e continuou a rir.

– Olha ai, Pépe já está fazendo sucesso!

– Acho que ele é O sucesso desde que chegou – disse Amanda rindo.

Pépe apenas riu. Justine se levantou e disse para a amiga:

– Vamos comigo até o banheiro?

– Claro! Já volto baby – disse ela ao beijá-lo.

– O que foi Ju? Não gostou daqui? Não curtiu os meninos? Ta toda jururu.

– Acho que o Pépe que está incomodado comigo, desde que agente chegou ele está todo sério, meio frio, odeio isso, me sinto uma.. Sei lá o que, apenas odeio.

– É ele está mais sério, mas vai ver que é tímido.

– Tímido Amanda? Tenha dó né, tava todo, todo com as garotinhas. Acho que to empatando o coitado, melhor eu ir.

– Bem, não sei o que houve, vamos voltar pra mesa, se você se sentir mau, tudo bem, não precisa ficar forçada, mas gostaria que curtisse a noite, tem vários outros gatinhos, logo rola uma banda e nós vamos dançar.

– Ok! Vou ficar um pouco mais.

As duas estavam saindo do banheiro, enquanto outras duas meninas, a loira do bilhete e uma baixinha morena riam e falavam alto.

– Você viu? Você viu? – perguntava a loira animada.

– Ele não é divino? Mas o barman disse que ele pediu pra dizer que tem uma garota já – comentou a morena.

– Não acho que seja aquela que está com ele, eles se cumprimentaram com as mãos, que horror, nunca ao perder de dar uns beijinhos nele – concluiu a loira rindo.

Justine revirou os olhos e seguiu para a mesa.

– Demoramos? – perguntou Amanda animada.

– Eu já estava até ficando com saudades – respondeu Vitor enquanto a beijava.

– Então Justine, está gostando do bar? – perguntou Pépe.

Justine ficou calada por alguns segundos sem saber se era com ela mesma.

– Então…?

– Sim, a muito não ia a bares assim, aliais, faz tempo que não saio.

– Por isso não te vi antes por ai… Eu na verdade sou novo por aqui.

– Tá explicado…

– O que?

– O motivo dessas menininhas estarem em alvoroço, carne nova no pedaço… – sorriu sem graça ao fim do comentário.

– É… Pode ser, mas não curto “menininhas”, gosto de mulher… Tipo você!

A face de Justine ficou rubra, mas entre suas pernas ela sentiu um pequeno calor exalar.

– Pois é, então você morava onde?

– Estava na Europa trabalhando, morei em vários lugares, mas minha família é da Itália, aliais meu pai é italiano e minha mãe brasileira, então morei aqui até meus 15 anos, depois fui desbravar o mundo… Mas gosto daqui, não sei porque, simplesmente gosto.

– Meus avós são italianos, tenho muita vontade de ir conhecer a cidade natal deles.

– Qual é?

– Nápoles.

– Quem sabe um dia não vamos juntos – Pépe sorriu e de um piscadela.

– Isso é um convite?

– Com toda certeza!

Os dois ficaram conversando por um longo tempo, Pépe recebeu dezenas de bilhetinhos, Justine já nem se incomodava mais, ela achava graça de tudo aquilo. Ele era um homem muito interessante, viajado, amante de boa musica, ela estava vidrada pelo conjunto.

– E então… – disse Pépe ao se aproximar da face de Justine,

– Então o que? – questionou Justine com os lábios trêmulos.

Pépe se aproximou ainda mais, sentindo-a ofegar, era quente, o hálito gostoso, ela não resistiu ao jogo e o beijou. Sem duvida era um beijo de tirar o fôlego e matar de inveja todas as meninas do bar.

Justine sentiu um calorão tomar conta de seu corpo, suas pernas já não a pertencia mais, pela primeira vez em meses ela perdeu o chão. Pépe ficou sem ar, sem perder tempo, se aproximou do ouvido dela e sussurrou.

– Não queria me apressar, mas depois desse beijo, preciso perguntar, quer ir até a minha casa?

Justine recuou por um instante, o olhou, olhou para Amanda que logo entendeu o que estava acontecendo e acenou para a amiga seguir em frente, ela voltou a olhar para Pépe que apoiou uma das mãos em sua coxa.

– E então?

– Bem… Ok!

Despediram-se de Amanda e Vitor, Pépe fez questão de segurar Justine pela cintura enquanto atravessavam a multidão de meninas decepcionadas, do lado de fora, decidiram que ela o seguiria de carro.

No caminho Justine começou a ficar nervosa, suas pernas tremiam, ora de ansiedade ora por lembrar do beijo. Pouco depois o carro de Pépe parou, ele deu seta e entrou em um prédio, Justine o seguiu, era em enorme condomínio com vários prédios, o dele ficava próximo a um bosque, ele entrou no subsolo e estacionou, desceu e fez sinal para ela estacionar na vaga ao lado.

Ele abriu a porta do carro dela e a puxou contra o peito dele dando-lhe mais um beijo, os dois caminharam até o elevador, e enquanto subiam até o andar dele, ambos riam e brincavam, era como se já se conhecessem a tempos.

O apartamento dele era simples mais bonito, tudo era preto, branco e cinza, cheio de livros, DVD’s, discos, posters pelas paredes e um violão no tapete da salinha e o que mais lhe chamou a atenção foi o telão com retroprojetor.

– Quer assistir algo? – perguntou Pépe vendo a curiosidade estampada na face de Justine.

– O que me sugere?

– Comprei um DVD novo do Johnny Cash, ta afim?

– Agora, nossa sou apaixonada por ele.

– Somos dois. Pera ai que vou pegar, ta no meu quarto. Fica a vontade, quer beber algo?

– Aceito!

– Eu tenho cerveja e whisky… E suco de maracujá light – risos.

– Whisky ta bom!

Pépe foi em um pé e voltou no outro. Entregou o whisky para Justine, colocou o DVD pra rodar e sentou-se no sofá. Justine sentou-se ao lado e começou a beijá-lo. Em poucos minutos ela já estava por cima dele.

As mão de Pépe percorriam por todo o corpo de Justine, ele tirou o belerinho de rendas e baixou o zíper do vestido deslizando os dedos por sob cãs costas, seus lábios caminharam entre o pescoço e os seios rijos dela. Logo ela se levantou e deixou o vestido cair, de pé enfrente ao projetor ao som de “Hurt”, se despiu. Pépe se levantou, tirou a camisa exibindo o tórax tatuado e ao terminar de se despir, atracou Justine, dois corpos quentes, ele a beijou enquanto a empurrava até a parede, o fogo aumentou e os dois se entregaram ao prazer, ele a colocou de frente para a parede, afastou as pernas e a penetrou, ela gemeu, ele suspirou.

– Deus, pequena como você é gostosa!

Justine estava ofegante, não dizia nada, tudo que saia de seus lábios apertados contra os dentes eram gemidos.

As imagens passeavam sob seus corpos nus e em ritmo acelerado, Pépe colocou uma das mão no grelinho de Justine e começou a acariciá-lo.

– Meu Deus isso ta tão bom! – sussurrava Justine.

– Gosta safadinha?

– Sim, sim! Me faz gozar, quero gozar gostoso. Mete, mete na sua safadinha.

Ele mordeu o ombro dela e um arrepio diferente surgiu, um sorriso sacana lhe estampou a face, o calor subiu e suas pernas tremeram, um gemido gostoso escapou de seus lábios, ao ouvi-lo, Pépe não resistiu e também gozou. Ele a abraçou novamente, e permaneceram ali, juntos na parede até “I Won’t Back Down” acabar. Justine estava satisfeita e sentiu o calor da paixão acender em seu peito novamente.

Freak Butterfly.