RSS Feed

Monthly Archives: Novembro 2011

Justine: delírio

 

Realmente aquele homem era um ser único, e não só pelo olhar enigmático, mas porque aqueles dedos a guiaram para o prazer quase que instantâneo.

                – Meu Deus! – suspirou ela junto a um orgasmo.

                – Estou longe de sê-lo querida. Foi um prazer, mas preciso ir.

                – Mas já?!

                – Sim, preciso viajar ainda hoje, passei aqui só pra tomar uma.

                – Pena… – Justine se levantou fingindo não dar importância pelo desconhecido que estava para partir.

               Ela se levantou e logo cambaleou, as pernas estavam bambas, sentiu o riso em sua nuca.

                – Ficou fraca querida?

                – Estou bem. Tchau! – seguiu sem olhar para trás.

               Darling estava radiante correndo em direção a sua protetora, ela a abraçou e beijou intensamente.

                – A senhora conheceu o Fernando, nem acredito!

                – Ah, então este é o nome dele…

                – É, mas ele não gosta muito de falar sobre, ele gosta de manter esse ar de mistério, isso enlouquece as meninas, todas dariam para ele de graça por horas, e fariam o que ele quisesse sem pensar!

                – Você já fez?

               – A senhora, eu o conheci a algumas semanas. A senhora e o Lucas estavam curtindo a vida de casal, então uma noite ele veio, mas me pagou, muito bem até.

                – E o que ele lhe pediu pra fazer?

               – Bem, ele queria me ver de saltos, salto altíssimos, parecido com aqueles sapatos vermelhos que a senhora tem que nem sei anda neles, mas o dele era preto.

               – Vamos sentar um pouco… Quero saber mais sobre isso.

               As duas foram para a mesa do canto, Fernando já tinha ido embora, o escuro lhe davam privacidade. Justine acenou para uma das meninas e pediu um wisky e Martini para Darling.

                – Vamos querida, continue!

                – Bem senhora, agente foi num quarto barato, em um destes hotéis que tem aqui na rua, ele estava de mochila, sempre muito sério, pediu para que eu ficasse pelada e colocar as botas, eram lindas, como as suas. Eu fiz o que ele pediu, ele mandou eu levantar, mas a senhora sabe que eu não consigo me equilibrar, então falei pra ele.

                – E ele?

                – Ficou bravo, pediu pra me levantar, disse que eu deveria me comportar. Como a senhora já sabe as cena, me segurei na beira da cama, tentando me aproximar da parede, ele pediu que eu caminhasse até ele, mas caí, espatifada.

                – Você se machucou?

                – Um pouco, bati o dente nos lábios e abriu um talho, saiu um pouco de sangue, ele veio até mim, perguntando se eu estava bem, um sorriso diabólico estampava aquele rosto. Ele viu que eu estava sangrando, então ele se afastou, sentou numa cadeira e me chamou.

                – O que ele disse?

                – “Vem minha cadelinha!”

                – Que delícia! – Justine afastou as pernas de Darling para ver se ela estava excitada.

               Bingo! Molhadinha.

                – Quer que eu continue senhora?

                – Claro, claro! Não pare.

                – Eu me arrastei até ele, o chão de madeira antigo esfolou meus joelhos, me ajoelhei na frente dele e apenas o olhei. Ele sorriu, mas dessa vez foi doce, me beijou a testa e mexeu nos meus cabelos e disse que eu era uma boa menina. Me disse que se eu continuasse a obedecer ele me daria um prazer que nunca senti. Eu já tinha ouvido algumas meninas comentar dele sabe. Então fiquei curiosa.

                – O que você? – perguntou Justine ainda a tocando.

               Um breve gemido, Darling tentou fechar as pernas. Justine as afastou novamente.

                – Ai senhora… Que delícia…

                – Cale a boca menina e me conte!

               Entre gemidos, suspiros, Darling tentou prosseguir com a história.

                – Ele pediu para que eu tentasse caminhar novamente. Eu tive medo, ele fico de pé, me deu a mão e me ajudou a levantar, me senti uma criança aprendendo a andar, ele me segurou, mas não da forma segura, só consegui me apoiar, daí dei alguns passos e do nada ele tirou a mão, mais um passo e eu me espatifei na beira da cama. Ai eu soltei uma lagrima, porque bati meu braço, eu já estava pra tirar aquele sapato maldito e sair correndo dali, quando ele me puxou pra cama. Ele me deitou e pediu pra eu ficar quietinha. Repetiu que eu era uma boa garotinha por ter tentado, e não deveria chorar quando caísse, que eu tinha que ser forte.

                – E?

                – Acho que vou gozar… – respondeu Darling se contorcendo.

               Darling gozou e virou o Martini deixando a cabeça cair para trás.

                – Ah senhora… Depois que me deitei, foi uma loucura, ele começou a acariciar meu corpo, meus seios, brincou com os mamilos, mordiscou eles e depois passou a língua, suas mãos desceram até minha buceta, nossa eu tava pegando fogo já, ele começou a me tocar, me tocar, de forma tão diferente, como a senhora faz comigo, deslizando o dedo envolta do meu grelinho? Bem assim, então seus lábios beijaram minhas coxas, a virilha, e ele caiu de boca, me desculpe senhora, mas foi o MELHOR sexo oral da minha vida, não sei explicar, enquanto ele me sugava, os dedos dele entravam e saiam, até no meu rabinho ele meteu os dedinhos, eu estava tão, tão… Sei lá que palavra usar, foi como morrer por alguns segundos e cair no paraíso.

                – Que sortuda hem! Eu só tive os dedos… – disse Justine em um tom enciumado.

                – Bem Darling, preciso ir, o Lucas vai viajar manhã e tenho que estar em casa. Adorei a historinha.

               Elas se beijaram, cada vez que partia, Justine via nos olhinhos de menina de Darling o aperto no peito. Se era amor ou devoção, não se sabia, mas Justine sentia em Darling aquele calorzinho que tinha quando estava nos braços de Marcela. Ela pegou o casaco e saiu pela porta lateral do bar, o carro estava ali perto, ao sair seu coração estremeceu com um estranho vulto parado no meio do beco, encostado na parede, ela ouviu.

                – Você demorou, pensei que não fosse mais sair.

               Justine parou, as pernas estremeceram, a voz era familiar, mas sentiu que deveria perguntar mesmo assim.

                – Quem tá ai?

                – Sou eu minha querida, seu demônio!

               Justine soltou a respiração presa e continuou a caminhar como se não desse importância para quem fosse, mesmo sentindo seu grelo palpitar mais que o coração, ela procurou as chaves do carro na bolsa sem olhar pra ele, quando passou fingindo não se importar com sua presença, ele a segurou pela braço e a jogou contra a parede.

                – O que é isso? Tá maluco!?

                – Não, só fiquei com seu cheiro nos meus dedos, e senti vontade de provar seu gosto, seu perfume é tão inebriante sabia – disse ele se aproximando cada vez mais dela – Você gosta disso não gosta? – continuou falando – Gosta desses joguinhos, gosta do perigo, eu sinto no seu suor.

               Justine não respondeu, se fez de durona e tentou se soltar.

                – Você não quer sair quer? Se quisesse já teria, você ficou curiosa com o que a Darling te disse não foi?

                – Somo sabe o que ela me disse?

                – Meninas contam as outras sempre, eu vi ela nos espionando atrás da cortininha do palco, ela me falou de você, bem não disse seu nome, mas pela descrição… Ela te admira muito sabia? Você é uma deusa pra ela, deve ser muito bom no que faz, gosta de dominar essas menininhas né?

                – Me solta? Tenho que ir pra casa.

                – Você tem, ou quer?

                – Para de rodeios e fala logo o que você quer Fernando. É este seu nome não é? Ou é o que fala pras menininhas daqui.

               Ele sorriu, baixou a cabeça, balançou e sorriu novamente.

                – Não disse, elas contam tudo. E sim, este é meu nome mesmo. Sabe, cansei de conversa, eu to com pressa e só fiquei aqui porque não poderia viajar sem ter esse seu perfume inebriante espalhado no meu rosto.

                – Você é louco!

                Ele a prendeu com seu corpo e com uma das mãos tentou afastar as pernas. Depois de pouca insistência ele a tocou, estava quente e lúbrica, já podia sentir o grelo pulsar, ele aproximou os lábios do dela, e então Justine se entregou, deixou a bolsa cair, entrelaçando os braços em seus cabelos longos. O beijo era voraz, ele puxou o cabelo dela impulsionando a cabeça para trás, beijou-a o pescoço, seios, e se ajoelhou, levantando a saia ficou maravilhado com aquela boceta de menina, lisinha, branquinha, de lábios pequenos e avermelhados, era suculenta, ele levantou uma das pernas apoiando-a em seu ombro e invadiu o paraíso.

               Justine queria uivar, seu peito doía, ela pensou que fosse enfartar. O calor subia rápido, a sensação era tão deliciosa, que ela não sabia se gozava ou segurava um pouco mais. Ele deslizava os dedos melados entre os pequenos e os pequenos grandes lábios, abria e a penetrava com a língua, sugava-a, e voltava a penetrá-la com os dedos, os lábios eram tão macios, Darling estava certa, era como se fosse morrer. Céu ou inferno, pouco importava, ela não podia mais esperar, então relaxou e sentiu a explosão, de olhos fechados ela pode ver centenas de cores, ela não podia respirar, por um segundo ela morreu. As penas balançaram, ela pensou que fosse cair, quando ela abriu os olhos ele estava sorridente olhando para ela.

                – Você é doce! Incrível como realmente é doce, é como um mel, valeu esperar, mas não posso me atrasar.

               Justine escorregou o corpo pela parede, tentava recuperar o ar, ele beijou-a na testa e agradeceu. Ela não conseguia se mexer, nem pensar nem se quer ao menos falar. Ela ficou ali, escorada na parede vendo um doce demônio partir. Quando ele dobrou o beco, ela se esforçou para se levantar, fechou o casaco, vasculhou a bolsa, pegou as chaves e em silêncio entrou no carro deixando um rastro de gozo para trás.

 

Automutilação: a desconfiança

Primeiramente, gostaria de iniciar este assunto agradecendo a todos que vem aqui, que dão apoio, que buscam ajuda para pessoas queridas, que desabafam, assim como eu fiz. Nunca pensei que um desabafo em meio à dor fosse gerar tantos comentários, que eu fosse descobrir que não estou sozinha, já que a solidão causa ainda mais pânico, mais medo em mim.

               Eu já estou sem me ‘punir’ a cerca de três meses, o que parece muito e ao mesmo tempo pouco, se levar e conta que há muita vida pela frente – bem eu acho que há, mas confesso que por muitas e muitas vezes penso em terminar com tudo de uma vez por todas, ou que não vou suportar certas decepções que nem ao menos aconteceu, ainda sou um tanto pragmática e pessimista e sofro às vezes por um possível futuro, o que é errado e tento me policiar, mas ainda é difícil.

               Meu maior problema no momento é a desconfiança! Tenho tido conflitos internos e externos por isso, e um deles é amizades, o medo de me sentir só, às vezes me faz aceitar o errado, porém, posso dizer que a terapia tem me ajudado a ver que o “antes só que mal acompanhado é muito mais válido”. – parem de achar que fala de alguém específico, se penso que é sobre você, é porque a carapuça serviu – Eu tenho ficado só, há um mês não saio de casa para ter uma vida social agitada, e quer saber, não sinto falta, pela primeira vez não entro em pânico por ficar só, até gosto, porém, tenho visto o medo no meu pai.

               Sempre que começo a ficar mais tempo no meu quarto ouvindo músicas, filmes ou lendo, o que para mim é reconfortante, incomoda meu pai – com quem eu vivo, visto que meus pais são divorciados – para ele é sinal de que estou em depressão e me “cortando novamente”, como ele mesmo diz, vejo nítido em seus olhos o temor de passar por tudo outra vez. Sei que fiz meu pai, mãe e irmão sofrerem comigo. As demais pessoas que moram nessa casa, falam por ai, que eu só quero é chamar atenção, mas já superei esses comentários, que por alguém tempo me afetaram, e sei que o que faço, faço muitas vezes involuntariamente.

               Outra coisa que já consegui superar é a palavra “louca”, pois pessoas que considerei muito nessa vida, que amei e até meu próprio pai, disse que eu era louca, ou pessoas que se diziam amigas comentavam, “a louca lá deu pití outra vez”. Agora que vejo tudo mais nítido e menos vermelho, noto o quão desorientado e sem informação são.

               A desconfiança é algo que dói, e quando escuto a pergunta como “o que aconteceu?”, ou “você está bem?”, vejo isso como uma pergunta retórica, no final das contas ninguém quer saber a verdade, muitas vezes eu engulo o choro e digo “não é nada, está tudo bem”, mesmo que por dentro algo esteja me dilacerando.

               Dizer que estou livre desta maldição, ainda não posso, acho que como qualquer pessoa em tratamento, está propensa a recaídas. E como qualquer outra pessoa que se livra de uma dependência, busca outras formas de fuga, como já li e também já busquei, por exemplo no álcool, em sexo, em qualquer coisa que o faça sofrer de alguma forma ou apagar aquilo que era tão dolorido.

               Quando estou nervosa, ainda arranco pedacinhos dos lábios, sabe aqueles descascadinhos? Então, tiro-os até sangrarem, ou quando não tem mexo até que haja uma misera pontinha pra puxar, a princípio não percebia o motivo, hoje é mais claro, tirar cutícula também se tornou uma mania, e vivo com os dedos machucados, em crises mais severas, hoje, pra me controlar, eu quero coisas – o que também não é saudável, visto que meu guarda-roupa esta ‘mutilado’ e despencando, mas, antes um objeto do que eu.

               Então, comprei um saco de boxe, é bem, ajuda a extravasar, você chora e soca, soca e soca até seus braços não suportarem. Eu havia buscado o Muay-Tai para me ajudar a descarregar a violência interna, mas por uma lesão no ligamento do tornozelo – não, eu não o provoquei, no virei o pé em um degrau terrivelmente alto.

               Mas no final o que tem me ajudado mesmo de verdade, é a terapia cognitiva, com uma terapeuta. Sozinho penso que o caminho das pedras fica ainda mais tortuoso, porém, não envolvo mais familiares ou amigos nisso, às vezes desabafo com um, mas estou tentando buscar em mim e por mim. Pois além da desconfiança, meu conflito agora é outro, procurar o sabotador dentro de mim, já que observei que estou me sabotando em vários aspectos e projetos importantes para dar segmento a minha vida e poder dizer enfim que cresci.

               Para aqueles que querem um canto para conversar como outras pessoas com o mesmo problema ou similar ao seu, me foi recomendado uma página do facebook: http://www.facebook.com/groups/274357359264475/?notif_t=group_activity

               E lembre-se: se cair, levanta-te!

*imagem por Beethoven Delano

Desventuras em Série: O inimigo é outro

Desventuras em Série: O inimigo é outro

Mulheres têm a tola mania de colocar os homens como o inimigo número um. Se sua relação não da certo, se ele a traiu, se ele ‘pilantrou’ com você de alguma forma. Mas você já parou pra pensar que o inimigo é outro?
Eu sempre disse que não se pode confiar certas coisas as amigas, por exemplo, fazer propaganda demais do cara perfeito, como ele é ótimo amigo, como ele é bom de cama – principalmente esta – pode instigar a curiosidade e o desejo. Talvez tais idéias e sentimentos, até então nunca havia passado pela aquela cabecinha, mas como no filme “A Origem”, acredito no fato de que uma idéia pode ser plantada no subconsciente e acabar crescendo, e muitas vezes, nós que a fertilizamos.
E nós melhor do que ninguém, sabemos que querer pode ser poder, afinal, nós temos todas as armas que eles desejam, e eles tem a desculpa da carne fraca. Daí vem à questão, será que posso culpá-lo por um ato falho meu? Ou seja, me abrir pra uma amiga? Aliais, acho que não se pode dizer muito aos amigos, só as coisas tolas e sem muita importância, coisas que podem ser compartilháveis, no mais é melhor pagar uma terapeuta e ‘desabafar’ ou ‘desabar’ com a mesma.
Eis que eu mesma não segui meus conselhos, e em meio à euforia do momento – onde tudo estava até então enfim em paz – confessei algo a alguém que eu sempre confiei muito, e eis que na calada da noite me vem à apunhalada – via torpedo claro, hoje às pessoas não têm mais o hábito de ao menos usar a voz pra te ‘chutar’.
Aliais, a decepção de abateu pela manhã, quando despertei do sono e vi uma mensagem não lida com “você já foi fala pra ciclana que veio aqui… blá blá blá é por isso que é melhor me afastar”.
Meu ato – em vão – de tornar o ambiente entre amigos agradável e sociável outra vez – tendo em visto que tive certas desavenças com um pilar de minhas amizades incluindo à mesma – se virou contra mim!
Realmente o que diz a respeito entre você e uma segunda pessoa, só interessam a vocês. Contar a terceiros – até mesmo quem você acredita fielmente que seja amiga, irmã ou qualquer palavra afetuosa utilizada para intitulá-la é um erro, é isso que fode todo o sistema, isso que te fode!
Decepção é uma palavra que insiste em permanecer na minha vida, este ano mais que nos outros. E a palavra decepção quando vinculada à confiança se torna ainda mais dolorosa. Um ato falho imensamente meu, visto que, tendo o conhecimento de que o ser humano é falho, porém você não fica esperando levar apunhalada pelas costas. E se eu quisesse foder tudo, eu mesma o tinha feito, e com classe! – sim vou usar milhões de vezes a palavra “foder”, porque é assim que me sinto, acho até pertinente citar aqui uma frase de um filme “quer me foder me beija”.
Enfim, antes de abrir a boca, pense bem. Se você é confiável, não quer dizer que todos são. Não saia por ai achando que só homem ferra tudo, se ele traiu é porque uma mulher o instigou a fazê-lo – claro que não estou em defesa do sexo oposto, há também a falta de caráter, coisa que não se mede logo de cara. Nestas horas concordo que os gays são os melhores amigos, nenhum dos meus amigos gays me apunhalou, ou tentou me ferrar.
Mas no final, se aprende – ou pensa que aprende – que só você sai prejudicada, é você quem perde o cara perfeito, que perde os amigos, que se perde, enquanto para os outros, está tudo bem, tudo normal.
Enfim, se quer desabafar ou desabar, pague uma terapia, ao menos ali há sigilo ético, e se na falta de ética, se algo for dito e você se ferrar, ainda pode abrir um processo.