RSS Feed

Monthly Archives: Setembro 2010

Justine – À volta

Tudo estava escuro, só o que se ouvia eram as respirações aceleradas, a luz fraca do abajur se acende, lá está Justine, nua na cama em meio a vários homens, todos a desejam, almejam seu corpo, ela está sorrindo, satisfeita. Uma porta se abre, uma luz forte revela Lucas, parado, decepcionado.

Ela grita, esperneia, tenta sair do ninho de machos, mas não consegue, ela continua gritando, mas a voz não sai, com a mão estendida, vê Lucas partir, sua aliança cai e o brilhante se espatifa, finalmente sua voz sai, ela acorda assustada e ofegante.

– LUCAS!

– Pêpe, prazer – responde sorrindo.

– Ah, meu Deus, desculpe, é que eu tive um… Um sonho horrível…

– Não precisa explicar não, tenho pesadelos sempre, normal.

– O que você faz ai sentado?

Pépe estava sentado em uma cadeira próximo a cama, olhando Justine com cara de bobo.

– Estava te admirando boneca.

– Credo, que coisa de loco!

Pépe ri.

– Ah Ju, nossos encontros estão pior do que cliente e puta, é sempre rapidinho, em qualquer lugar, fiquei feliz por você finalmente ter dormido aqui.

Justine se senta na beira da cama, procurando o chinelo com os pés, ela espreguiça os braços.

– Veja que grande coisa, conseguiu me ver descabelada e com remela nos olhos.

– Eu gosto do que vejo.

– O que é aquilo na mesinha?

– Seu café madame!

– Uia! Você cozinha é? Eu não conhecia esse seu dote!

– Tenho muitos outros que você não conhece – piscou para Justine e se levantou para pegar a bandeija.

– Conheço o maior e mais gostoso – da um sorriso sacana.

– Safada!

– Eu sei, é por isso que gosta de mim – ela se levanta e vai atrás de Pépe e o abraça.

– Sabe, eu tava aqui pensando, eu nem to com tanta fome ainda, e você caprichou no café, então porque agente não vai pra cama e você me ajuda a abrir o apetite?

Pépe se vira sorrindo e a beija, os dois ainda se beijando, caminham até a cama. Ele desliza os dedos sob os mamilos que começaram a aparecer por baixa da camiseta. Ela o prende entre as penas, beija a orelha, percorre o pescoço, aperta as costas nua com suas unhas e escorrega uma mão até o bumbum delicioso de Pépe. Ela o acaricia e sente o pau rijo e quente tocar sua coxa.

Ele começa a beijar seu pescoço enquanto levanta a camiseta deixando-a só de calcinha.

– Molhadinha!

– Como não ficaria.

Ele desliza a língua nos mamilos e os suga delicadamente, uma das mãos desde até a bucetinha molhada, quente e pulsante. Os dedos escorregam naquela piscininha.

– Você é tão gostosa, beibe. Não agüento, quero te comer agora!

– Porque a pressa? – Justine se vira e monta em cima de Pépe – devagar vai ser mais gostoso.

Ela começa a beijá-lo novamente e desce por seu peito, até chegar no garotão, ela coloca-o pra fora da samba-canção, ele parece ter vida própria de tanto que pulsa, ela começa a brincar com a língua, envolvendo a cabecinha molhada, e aos poucos coloca-o dentro da boca. Sobre-desce-sobe-desce, ele geme.

– Assim eu na agüento!

– Ué não queria me dar café da manhã? Agente pode começar pelo leite… Adoro leitinho – e volta a chupá-lo.

– Você é louca, maluquinha, meu Deus mulher, você não tem dente não? Como é que faz isso?

Ela continua a chupá-lo, engole e tira, engole e tira, acaricia-o com a língua quente, ele geme cada vez mais, ela sente a pulsação aumentar.

– Ah, eu não vou agüentar! Não vou mais agüentar!

Ela não da bola e segue a felação, ele jorra direto na garganta dela, seu corpo estremece, ela engole e olha-o satisfeita.

– Maluquinha… Meu Deus, que loucura menina!

Ela sorri, se levanta, ainda só de calcinha, vai até a mesinha e pega a bandeja e volta pra cama.

– Quer comer comigo?

– To morto!

– Dou na boquinha – diz maliciosamente.

– Oh meu Deus, onde vamos chegar!?

– Espero que fiquemos na cama ainda por um bom tempo.

Ela toma um pouco do café. A bandeja está caprichada, morangos, torradas, geléia de uva, suco, café, leite e queijo enroladinho.

– O que você vai querer?

– Você!

– Ué, já se recuperou?

– Não, mas ver essa geléia me deu uma vontade de Justine com geléia.

– Hum, será que Justine com geléia é gostoso?

– Justine sem nada já é uma delicia, com um docinho então.

Os dois riem, ela apóia a bandeja sob a cadeira ao lado, pega o potinho com geléia, coloca o dedo e depois o leva a boca.

– Tem razão, pode ser delicioso – ela coloca três dedos dentro do potinho retira uma quantidade maior e começa a espalhar a geléia nos mamilos, descendo pela barriga até chegar ao monte de Vênus – quer provar?

Pépe devora cada milímetro temperado pelo doce, guloso chega logo onde mais desejava, ela pega mais geléia e espalha por toda a bucetinha ele fica louco, a suga, a devora, tenta se controlar pra não perder o ritmo que lhe agrada, Justine geme, contorce o pescoço para trás, ele coloca o dedinho no rabinho dela e começa a acariciar as nervurinhas da entrada.

– Ah, agora eu que não vou agüentar!

Ele continua a chupá-la.

– Eu quero, quero jorrar na sua boca, mas também quero sentir teu pau em mim, ah delicia!!!!

Ele continua e desta vez, coloca o dedo dentro do rabinho e começa a mexer, fora-dentro-fora-dentro, ela geme mais alto e coloca o travesseiro sob o rosto. Ele decide colocar o outro dedo dentro da bucetinha lambuzada dela, ela delira.

– Eu vou explodir, vou explodir!

As pernas estremecem e solta um gritinho e tentar tirá-lo dali.

– Ai, para, para pelo amor de Deus que to morrendo de sensível.

Pépe deita ao lado dela, ela se vira de bruços e se aninha próximo a ele. Ela adora ficar deitada assim, só relaxando, recebendo carinhos. Os dois adormecem.

O telefone não para de tocar, Justine o procura dentro da bolsa, com os olhos embaçados, ela vê no visor “Marcela”.

– Caracas!

– Que foi? É o Ricardão – brincou Pépe.

– Não, não é a Má, depois te explico.

Pépe se levantou e foi pro banheiro e Justine enfim atendeu.

– Alô!

– Jú? É Você?

– Sim, sou. Má?

– Caralio Justine sumida, que saudades!

– Ah eu também amor, eu também.

– Preciso te ver, vamos tomar café logo mais?

– Porque não almoço?

– Tá em que estado mulher, já passou a hora do almoço – Marcela ri.

– Deus, eu nem vi o horário.

– Você ta onde?

– Depois te explico… no mesmo café?

– Sim! Às 16 ta bom pra você?

– Tá sim!

– Te vejo lá amor, tenho novidades, to loca de saudades.

– Beijos, te mais.

– Caracas! – Justine ainda surpresa pela ligação se levantou e foi para o banheiro, Pépe já estava no banho – Nem me esperou!

– Desculpa, você tava tão animada que eu não sabia se ia demorar, eu não me agüentava mais com esse doce todo – risos – vem cá beibe, vem que vou te dar um banho gostosinho.

Ela entrou no chuveiro e o abraçou.

– Hum, banho de língua – disse maliciosa.

– Você não cansa?

– Depois de tudo que dormirmos, já passou até o horário de almoço.

Pépe pegou o sabonete e começou a ensaboá-la.

– Pelo menos não teve mais pesadelos né?

– Não, eu nem dormi, eu desmaiei! Me passa o shampoo?

Pépe saiu primeiro do banho enquanto Justine terminava de lavar os cabelos, ele pegou uma toalha limpa para ela e foi se trocar.

Justine terminou, secou-se e foi para o quarto enrolada na toalha. Lá estava Pépe, lindo como sempre, seus olhos nem acreditavam no que via, ele era encantador, exótico, tinha estilo, e cada desenho naquele corpo era um pecado. Ele estava de calça e regata, descalço.

– Você tem pés lindos! – disse Justine enquanto ‘babava’ por Pépe.

– Eu hem, você tem cada gosto beibe.

– Ah, eu curto, bem ainda bem que eu trouxe roupa extra, minha calcinha ta toda suja – risos.

Pépe se aproximou, com o corpo fresco, abraçou Justine ainda nua e lhe beijou.

– Sabe garota, você me surpreende cada dia mais – ele sorriu enquanto afagava seus cabelos, lhe deu outro beijo.

– To com fome!

– Mas também, você só tomou café puro!

– E leitinho, não se esqueça – disse com ar sacana.

– Melhor eu ir pra cozinha fazer algo se não agente não sai deste quarto e acabaremos desmaiando de fome – e foi pra cozinha.

Justine se vestia, e lembrava do sonho.

– Ai, o que será isso, odeio quando esses pesadelos começam. “Deve ser consciência pesada” – algo disse em sua cabeça, ela sacudiu-a tentando mandar o pensamento pra longe.

Ela colocou um vestido leve, calçou os chinelos e foi para a cozinha.

– Hum… que aroma delicioso, o que esta fazendo?

– Nada demais, macarrão com molho de queijo, gosta?

– Adoro queijo! – respondeu enquanto sentava à mesa.

– Então, o que sua amiga queria.

– Pois é, não a vejo a muito tempo, ela já foi minha melhor amiga, agora não posso dizer isso, já que a vejo raramente, mas ela disse que tem novidades.

– Vai encontrá-la?

– Sim, logo mais. To super curiosa.

O estomago de Justine roncou tão alto que até o Pépe ouviu.

– Bem, parece que temos uma criança faminta.

Justine riu, e ficou ali, esperando o macarrão, e com o pensamento confuso, entre o sonho e a realidade que estava a viver.

Afinal o que é squirting?

squirt


Bem pessoal, sei que o link que vocês mais bisbilhotam é o https://freakbutterfly.wordpress.com/2009/02/12/squirting-orgasms-redtube/ ao menos 90 pessoas olham ele todos os dias, não sei se é a tag do redtube, mas, porque não aprofunda um pouquinho mais.

Já escrevi sobre ejaculação feminina outras vezes (bem é isso o que quer dizer squirting, que vem do termo em inglês, esguichar), e até hoje há quem questione se isso existe de fato, já que ejaculação é uma função da próstata e nós mulheres não temos.

Nos filmes pornôs parece um jato de urina, há quem diga que é um aumento de lubrificação, o negocio é que: mulher só tem em prazer extremo!

As que puderam ter este raro ‘fenômeno’, digamos assim, não conseguiu identificar o que é, pois a intensidade é tão grande, que uma mulher pode sim relaxar na hora de gozar e até urinar. Mas acalmem-se, isso não é uma anomalia! O que sei é que é gostoso e não custa nada treinar com sua parceira, isso é bom, pois exercita os músculos da região pélvica, que evita uma serie de transtornos no futuro.

Então, consolo e gel a postos e vão treinar!

Como aqui não publica videos do RedTube, aqui vai o link:

Com BellaDonna: http://www.redtube.com/22

Anônimos: http://www.redtube.com/1318



Leia mais em: http://www.avidasecreta.com/ejaculacao-feminina-squirting-mito-ou-verdade/

Descobertas através do ‘Sexo verbal’ II

Pois é, ontem no meio daquela minha pesquisa básica, um dos rapazes me perguntou: “e na mulher, o que ela gosta?”, gente não ria, não é que ele não saiba, só quer aprofundar os conhecimentos (risos), acho válido, então nada melhor do que perguntar para ELAS, o que gostam e não gostam no sexo oral (pena que não tenho muitas amigas):

“O que eu não gosto é quando o cara acha que é bom e acaba indo muito rápido, com força, achando que ta mandando bem. Às vezes acaba indo mal, porque nessas horas tem que ir com calma.” (M. 25 anos, RO)

“Gosto das sensações, da intensidade, e odeio língua de madeira.” (F. 22 anos, SP)

“Sexo oral só goste se língua, sem boca.” (F. 20 anos, SP)

“Não gosto quando o cara vem com a língua muito seca. E gosto que meta a boca mesmo.” (G. 21 anos, SP)

“Seco oral pra mim tem que iniciar com calma, devagar e não bruscamente, a língua em si já tem um poder enorme, leves, como se não fosse tocá-los ainda, depois beijos e nunca mais nunca, estimular o clitóris, isso não é legal, o que eu odeio, rápido e descoordenado.” (L. 23 anos, RO)

Bem, em suma foi difícil essa, mulher foge da pergunta mais que o diabo da cruz. O fato que nas mulheres já não é algo visual, é sensorial, é o toque, a delicadeza, ser sutil. Como eu disse antes, homem que aprende vendo filme pornô não dá, aquilo é de outro planeta, acho que nem elas curtem aquela violência “lingual” ou “dedal”, nunca cansarei de repetir que o clitóris não é campainha pra ficar ali tocando, se não tiver sutileza, a mulher ‘brocha’ e você baú-bau!

Hoje, as mulheres estão cada vez mais resolvidas quanto ao sexo, sabem o que querem, o que não querem, e não aceitam qualquer coisa. Então se ainda tem duvidas, corte uma manga ao meio e pratique!

Quer mais? Leia aqui também: https://freakbutterfly.wordpress.com/2010/04/05/o-melhor-amante/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/09/cunillingus/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/24/como-fazer-sua-garota-feliz/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/07/15/os-dedinhos-tambem-fazem-milagres/


*Imagem Retirada do Google Imagens

Descobertas através do ‘sexo verbal’

Dias deste estava falando com um amigo, numa coisa meio “sexo verbal” e ele me revelou um segredo do sexo oral, até então muitíssimo desconhecido por mim. Ele disse: “vocês mulheres acham que o prazer do cara está só na cabecinha, mas não é verdade, o prazer fica no meio”.

Eu não sei se a frase correta é esta, entre tantas cervejas, não sei nem como lembrei, acho que porque me marcou.

Como não tenho ‘pinto’, resolvi perguntar de quem o tem, vamos ver o que os rapazes responderam:

“Eu sinto na cabeça, depois que você goza a cabeça fica super sensível, qualquer passada de língua lá te tira o ar. Eu gosto que passem a língua na cabeça, é tesão ali. Talves no meio do pênis seja algo mais psicológico.” (M. 28 anos, PR)

“A cabeça é bem sensível, muito mesmo, o que me faz gozar rápido, mas não curto muito é escorregar os lábios da cabeça para o meio, na lateral, ali me mata.” (V. 29 anos, MG)

“Comigo é diferente, é na cabeça.” (T. SP)

“Sim, as vezes a mulher passa a língua na cabeça achando que ta apavorando e ta incomodado.. na hora de gozar se a mulher continua chupando o meio é uma delicia se ela vai pra cabeça o cara morre” (H. 23 ANOS, PR)

“Acho que não seja, pra mim, é um conjunto de fatores.” (G. 30 anos, PR)

“sim, também sentimos no meio, porque gostamos de saber até na onde a boca da menina chega, eu particularmente, sinto mais prazer na base… porque sexo oral também é visual, e quando a garota engole tudo, da um tesão que da porra… na cabeça da prazer, e estimula também, com as outras brincadeiras q ela pode fazer com a língua.” (I, 26 anos, SP)

“Então, comigo eu sou super sensível, comigo é um mix, são sensações diferentes, mas acho que vão da cabeça até a base do saco, acho que é isso, um sexo oral bem feito me faz sentir prazer da ponta ao fim.” (G. 23 anos, SP)

“É verdade sim, e também homem sempre prazer nas bolas, quando a mulher chupa ali é muito bom.” (F. 25 anos, SP)

“Curto quando vocês engolem tudo” (Z. 20 anos, SP)

“Relativo, depende de como se chupa ele né.” (G. 32 anos, SP)

“Quem falou isso? O maior prazer fica na glande (cabeça do pau). A cabeça do pau está para o clitóris de vocês mulheres. É obvio que há prazer em toda a extensão, mas a parte mais sensível é a glande.” (J. 34 anos, SP)

“O jeito de fazer não importa muito, mas a sensualidade do olhar é o que eu acho, e usar bem as mãos também.” (M. 20 anos, SP)

Nada, tem q chupar a cabeça! Pode passear… mas o lance é a cabeça…. mas se chupar no meio com uma cara bem safada também é massa… mas o lance é a cabeça… tenho 27 anos e estou precisando de uma chupada!” (R. 27 anos, RO)

“O prazer do sexo oral pra mim ta no corpo inteiro dele… pela glande ser mais sensível se ficar SO nela cansa é legal variar para o corpo tb.. é como fazer cafuné por horas… as vezes é bom fazer um carinho nos ombros nas costas. a parte do meio sente prazer quando esta quase todo dentro da boca.. mas por ser gostoso e aconchegante pro pênis estar ali dentro úmido aquecidinho. acho q respondendo DIRETAMENTE é a parte inferior o “pescoço” entre cabeça e corpo q leva a loucura.” (P. 24 anos, Rio de Janeiro)

Bem, em suma a cabeça ainda continua sendo o alvo predileto dos homens, e também podemos ter noção de que o sexo oral é extremamente visual. Isso quer dizer que meus textos sobre o gênero não estão desatualizados com eu imaginava. Assim como cada mulher sente prazer de um jeito, os homens também, então devemos estar atentas aos nossos parceiros, e se não conseguir descobrir, pergunte, porque perguntar não arranca pedaço (mas isso só pra seu companheiro, afinal, imagina ter aula de oral no meio de um sexo casual?)

O fato é: tudo vale à pena, menos dente!

*imagem: Google imagens

Leia mais em: https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/10/dicas-para-brincar-com-o-garotao/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/09/felacao/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/10/truques-para-brincar-com-o-garotinho/

Auto-Flagelo: Se cair, levante-se

Já diziam os antigos, “mente vazia, oficina do diabo”, e estavam certos. Depois de meses sem ao menos penar em me ferir, ontem, eis que o ‘diabo’ me tentou.

É difícil… Desviar o pensamento da dor é, pra quem luta diariamente para não ter recaídas, uma verdadeira tortura. Mas nem todos iriam entender, somente quem está lutando pra abandonar um ‘vício’ pode saber do que estou falando.

Eu luto! Dia a pós dia, entre a depressão e euforia, eu sigo, mesmo que nem sempre esteja de cabeça erguida, eu sigo.

Vejo aqui tantos outros como eu e penso: porque este assunto não é abordado pelas mídias de maneira mais aberta, assim como os viciados em drogas, os compulsivos, nós também precisamos de atenção, precisamos que nossas famílias saibam que isso não é uma ‘manha’ uma tolice, precisam saber como lidar com isso, afinal somos viciados compulsivos em dor!

Tantos outros que vêm aqui me pedir ajuda, comecei a pensar: quem sou eu pra ajudar, dar minha opinião se ainda estou na ‘reabilitação’? Mas sabe, só de poder falar, de me abrir com alguém… Se essas pessoas sentem o que eu sinto quando desabafam, então, de certa forma, sou útil!

A queda nem sempre tem um motivo drástico, uma simples discussão pode alavanca um erupção emocional, eu mesma, ontem, uma discussão com meu pai, pelos mesmos motivos de sempre (família, aliais essa família que não é minha), não poder falar, não colocar pra fora aquilo que está me sufocando simplesmente porque ele não sabe lidar com isso, acha que vou surta, ficar louca, me ferir ou sei lá mais o que, esse simples fato de não ouvir, de “deixa pra lá”, isso que faz não só eu, mas muitos outros se sentir um nada e assim, nossa força despenca novamente.

Eu chorei, solucei, me isolei por segundos no banheiro, e ao olhar meus olhos vermelhos no espelho, vi um vestidinho pink da minha sobrinha pendurado, ela se sujou, eu a troquei e ele ficou ali. Fui lavar roupa! Era eu, o tanque e água por todo lado, quando do nada, aquele pensamento maldito me martelou, uma dorzinha, apenas uma dorzinha só pra aliviar. Eu sacudi a cabeça tentando fazer o pensamento sumir, fui ao varal e lá estava aquele anjinho de cabelos dourados e bagunçados me dizendo, “ou titia”. Pega-la no colo e sentir aqueles bracinhos pequenos envolvendo meu pescoço me fez seguir em frente, não podia, não queria parecer fraca na frente dela. Tantas vezes ela me viu mal, e perguntava, “titia você ta dodói?”, aquilo me partia ainda mais o coração, se eu não era exemplo pra uma sobrinha, imagina pra um filho? Sinceramente, não sou apta a ser mãe, mas isso é um outro caso.

Não vale, não vale a pena, eu já tenho tantas marcas que me afastaram tantas pessoas, pessoas boas. No meu convívio social posso dizer que sou só. Bem, ainda me sobraram alguns amigos, alguns que eu acho que me compreendem (compreensão não é o mesmo que apoiar, amigo que é amigo não apóia atitudes insanas), já outras pessoas, me acham louca, e quando o assunto é afetivo… Ai danou-se! Estou só mesmo, é raro uma pessoa que consiga ficar ao lado de gente como nós (isso soou preconceituosamente, mas sim, como minoria, somos digamos, diferentes, em alguns aspectos), mas não condeno ninguém, afinal não quero ser um peso, mais do que já sou a mim.

Uma coisa positiva que tenho visto são pessoa que vem atrás de ajuda para ajudar quem sofre desse vicio maldito. Eu gostaria de saber como ajudar, mas são sei, pra mim, ajuda quem me escuta, para os demais, penso que isso também será um bom começo.

É um dia de cada vez, um pé enfrente ao outro. Se cair e se ralar, chore o que tiver pra chorar, mas siga enfrente, não desista.

Não quero tentar induzir ninguém a ir a uma igreja, templo, ou seita, sei lá, mas a fé ajuda, seja de onde ela venha. Eu não sou espírita, sou católica, mas acredito nos ensinamentos espíritas, e se eu pudesse indicar uma leitura, leia “Nosso Lar” que hoje estréia nos cinemas, isso fará você repensar quando frases como “melhor morrer do que viver assim”, “lá não deve ser pior que aqui”, entre outros pensamentos suicidas, pois, já ouvi milhares de vezes que “não me corto com a intenção de morrer”, porém, o auto-flagelo pode levar a morta como qualquer outro vício. “Nosso Lar” mostra um pouquinho e explica o que é o suicida. Vale a pena ao menos para refletir.

Haverão dias que você não irá resistir porque está muito mal, em outros sentirá falta (isso mesmo, você poderá sem motivo algum, sentir saudades da sensação que ver o sangue correr nós dá). O auto-flagelo é uma droga, não se cale, não se isole, busque ajuda!