RSS Feed

Justine – Conflitos

O telefone tocava sem parar, Justine não sabia se era só um sonho ou realidade, no escuro, ela procurava sob a mesinha de cabeceira atrás do aparelho.

– Deus quem será a essa hora? – disse esfregando os olhos – Alô?

– Oi querida! – disse Lucas do outro lado da linha.

– Esqueceu que tem casa, namorada e uma vida no Brasil?

– Claro que não, estou com muita saudade, não vejo a hora de voltar.

– Não parece, já tem um mês isso… Aliais, você me ligou pra dizer que vai demorar mais quanto tempo?

– Desculpe, mas este caso está demorando mais do que eu imaginava.

– Já arrumou uma canadense por ai?

– Claro que não! Ta loca menina, porque já tem outros por ai?

– Quem sabe!

– O que?

– Aí, você é pior que pião pra pegar corda.

Lucas contou como andavam as coisas e a saudade que sentia dela, no fundo Justine queria que ele a tivesse traído, isso pesaria menos no remorso que sentia pelo que estava acontecendo, porém, ela não conseguia controlar.

– Daqui duas semanas vai ter a ultima audiência, bem eu espero que seja a ultima, eu estou super cansado daqui e sentindo falta de você, desse eu corpo nu sob o meu, essa sua bucetinha quentinha… Vamos marcar uma conversa pelo skype, quero te ver.

– Você sabe que esse papo de sexo virtual não me excita…

– Só um pouquinho, mata minha saudade?

– Quem sabe um dia!

– Bem preciso desligar, te amo gostosa.

– Também te amo, se cuida amor.

Justine deitou para tentar dormir novamente, mas sua cabeça estava a mil, ela realmente não merecia Lucas, mas também ela não sabe se ele estava sendo sincero, afinal ele estava em outro país, o que acontecesse ali ela nunca saberia.

– Mas quem estou enganando… Lucas não faz esse tipo… DROGA! – ela colocou o travesseiro sob o rosto tentando abafar o grito, e continuou assim até adormecer.

O celular não parava de tocar, e uma fresta de luz invadia o quarto.

– Que coisa, todo mundo hoje resolveu me acordar?

– Oi Marcela!

– Me esqueceu foi?

– Droga!

– Isso ta ficando mais difícil do que parece…

– Eu sinto muito…

– Sem mais, vai fazer o que no almoço?

– Nada.

– Se vista estou passando ai pra te buscar em 40 minutos no máximo.

Justine pulou da cama assustada no quanto havia dormido, apesar de ter sido uma péssima noite cheia de sonhos estranhos. Correu para o banheiro para tomar banho e escovar os dentes, depois foi para o closet procurar uma roupa leve, afinal aquele dia estava terrivelmente quente. O celular toca novamente.

– Oi Má!

– Ta pronta?

– Sê já ta aqui?

– To chegando, só mais 10 minutinhos e to ai, termina logo e desce, te pego na frente do prédio.

– Ok!

Justine colocou um vestidinho, sapatilhas e sem se maquiar colocou um óculos pra apagar a cara de noite mal dormida.

Ao chegar enfrente ao prédio, Marcela já estava lá, as duas deram um longo abraço apertado.

– Você está radiante Marcela, adorei seu cabelo natural, esta mais linda ainda.

– Obrigada querida, o seu cabelo cresceu, você esta ainda mais bonita, o Lucas tem te feito bem. E como ele esta?

– Deve ta bem, não o vejo a mais de um mês.

– Porque Ju?

– Ele está a trabalho no Canadá, ia e voltava logo, mas seu cliente lhe deu dores de cabeça e teve que ficar.

As duas riram, relembraram os velhos tempos, falaram bobagens e logo chegaram até um restaurante que iam quando estavam juntas.

– Você ainda lembra dela Má?

– Claro, como poderia esquecer do que vivemos?

Conseguiram a mesma mesa de sempre, era um momento pra reviver o que tiveram de melhor, exceto com algumas noticias que viriam logo após.

– Má, você ta super bem, desculpa falar, mas até deu uma engordadinha, o Gu deve ta te tratando como princesa.

Marcela começou a rir.

– É e logo me tratará como rainha!

– Hã?

– Eu estou noiva amiga! – disse mostrando a aliança.

– Nossa! Serio? Parabéns – disse Justine sem saber o que sentir.

– E tenho mais uma noticia.

– Qual?

– Não estou gordinha… Estou grávida.

– Grávida, mas… Mas como?

– Como você já sabe, deve brincar de fazer filhos sempre.

– Cala boca!

– O que?

– Não, não pode… – Justine começou a se alterar.

– Ju, sê ta loca? Fala baixo!

– Não pode ser, você ta grávida e vai se casar? Como pôde?

– Como eu pude o que? Achei que ficaria feliz por mim?

– Porque eu deveria?

– Para de ser egoísta e mimada Justine, quando você terminou comigo, não pensou em nada não foi? Eu toquei minha vida, segui enfrente, assim como você né, que ficou noiva e nem me contou, acorda garota cresce!

– Você ta me chamando de criança?

– É como está agindo, como criança mimada e egoísta!

– Ata, só porque você está grávida se acha agora mais madura do que eu? Fala sério, eu vou embora daqui – disse Justine ao se levantar, abriu a bolsa tirou umas notas e jogou sob a mesa – tenha um bom apetite.

– Onde você vai garota, ta loca? Não sei porque dessa manha toda.

Justine saiu sem olhar para trás, sua cabeça girava, sua vida estava confusa, seus sentimentos estavam confusos, ela já não sabia o que fazer, e porque aquele ciúme tolo? Porque tratar mal a amiga que tanto ama?

– O que está havendo comigo?

Ela andou sem rumo por horas, não atendeu o celular nem respondeu a milhares de mensagens de Marcela preocupada. Depois de cansar de tanto andar, entrou em um barzinho que encontrou e foi tomar algo pra esquecer.

– Wisky, duplo e sem gelo, por favor!

– Dia ruim? – disse o barman enquanto pegava a garrafa.

– Péssimo!

Justine entornou o copo e pediu outro.

– Não é melhor ir com calma senhorita?

– Só me vê outro, por favor! Vim beber e não procurar um psicólogo.

– Ok!

– Depois de algumas doses, tudo parecia melhor, ela pegou o celular e olhou as ligações e mensagens, não quis retornar para ninguém, olhou para os lados, parecia um encontro de motoqueiros, logo o sol já havia desaparecido e o lugar estava lotado.

– Senhorita, aquele rapaz na ponta do balcão lhe pagou outra dose.

Justine olhou, o rapaz acenou, ela levantou o copo em agradecimento e bebeu.

– O que rola aqui? – perguntou ao barman.

– Hoje rola uma banda de blues, esses motoqueiros estão sempre por aqui.

– Acho que não estou vestida adequadamente para o local.

– Garanto que as pessoas aqui não repararam nisso – concluiu o barman dando uma piscadela.

Justine sorriu e pela primeira vez nas horas que passou sentada ali, olhou de fato para o rapaz. Ele era jovem e simpático.

Algumas bebidas de graça, vários convites para conversar, Justine já estava alta e esqueceu de todos os problemas, o bar estava cheio e entre o blues e o classic rock, ela estava sentada no balcão curtindo. Já estava tarde e seu celular cheio de mensagens preocupadas tanto de Marcela quanto de Pêpe. Ela desceu do balcão para ir ao banheiro.

– Já vai moça?

– Não… Acho que ficarei um pouco mais, vou só no banheiro.

– Que bom! – disse o simpático barman.

Justine deu um passo e voltou para o balcão.

– Aliais, qual seu nome? – perguntou Justine.

– Rodrigo, e o seu?

Justine pensou duas vezes antes de responder.

– É… Verônica!

Ele sorriu e ela foi ao banheiro.

– Devo estar ficando louca, ou extremamente bêbada – disse para si mesma enquanto lavava o rosto – mas aquele barman é uma gracinha.

– Realmente ele é, e também é delicioso – disse uma moça que saia de um dos banheiros.

– Ai, que susto! – disse Justine espantada com a mão sob o seio arfando.

– Desculpe – respondeu a moça sorrindo – sou Paula, amiga do Rodrigo, e pelo que vi, ele gostou de você também. Qual seu nome?

– Ju… Verônica, prazer.

– Vai lá e aproveita menina, não é sempre que ele está disponível – disse a ‘amiga’ do banheiro ao sair.

– Será? Bem, quem sabe! – Justine secou o rosto e as mãos com uma toalha de papel e voltou para o balcão.

– Pode me dar uma coca?

– Não quer mais wisky senhorita?

– Acho que pra mim já chega de beber por hoje.

– Uma coca geladinha saindo – respondeu o barman sorridente.

Justine tomou uma golada direto do bico da garrafa, olhou para Rodrigo que admirava cada centímetro de seus lábios carnudos.

– Será que você não tem um cigarro pra me arrumar? – perguntou Justine.

– Bem eu já estou indo lá fora fumar um é meu minuto de folga, não quer ir junto?

– Bem… Pode ser!

– Vou avisar o outro rapaz, me espera no final do balcão.

– Ok! – Justine terminou a coca e foi para a ponta do balcão.

Rodrigo levantou a tampa do balcão e a deixou passar, eles passaram pela pequena cozinha e foram para os fundos do bar, um beco com lixo que dava para a rua.

– Desculpe fazer você vir aqui, mas não posso ir pra frente do bar – disse Rodrigo enquanto pegava o cigarro.

– Não tudo bem, esse lugar tem seus ‘encantos’ – sorriu.

Ele ofereceu o cigarro a ela e o acendeu, ele ainda com o cigarro na ficou observando Justine dar o primeiro trago, ela o olhou, seus olhos cheio de desejo, sem pensar, jogou o cigarro no chão e o beijou contra a parede.

Rodrigo se entregou ao beijo, suas mãos rápidas deslizavam todo seu corpo, seu beijo voraz, sua pegada selvagem a colocou contra a parede, uma das mãos deslizou por entre as coxas dela tocando seu sexo molhado. O vento estava forte e somente os raios os iluminavam. Ela já podia sentir o sexo dele pulsar sob a calça.

– Eu te quero, quero muito garota! – disse enquanto abria o zíper da calça.

Ele pegou uma camisinha no bolso de trás e colocou, levantou uma das pernas de Justine e a penetrou levemente, um gemido escapou por entre os lábios e ele começou a estocar cada vez mais rápido, ela passou seus braços entorno do pescoço dele.

– Isso! Isso – sussurrava ela no seu ouvido – vai, mais forte, mais forte!

– Gosta é safadinha, você gosta?

– Adoro, adoro!

Quando ela abriu os olhos viu uma sombra os observando, aquilo a excitou ainda mais, ela não conseguia tirar os olhos da sombra, parecia uma silhueta feminina. Ela mordeu os lábios, seu corpo estava quente, ela queria gozar, e queria que aquela pessoa ali a visse satisfeita. Ela sentia que ia explodir, não podia mais segurar, a muito não gozava em tão pouco tempo, mas a adrenalina estava a mil.

– Isso, vai fundo, com força… ah, ah, aaaaah, isso.

Seu corpo estremeceu e logo em seguida Rodrigo também gozou.

– Gata você é demais!

Justine sorriu, tirou pegou a calcinha e jogou no lixo.

– Acho que vai chover, vamos voltar.

– Chuva… Perfeito, acho que vou embora.

– Já? Não…

– Aí a conta! Quanto será que deu? Posso lhe dar o dinheiro e você pagá-la pra mim, quero aproveitar e sair por aqui mesmo.

– Fica tranqüila, eu acerto essa… Será que vou lhe ver novamente? – perguntou enquanto afagava o cabelo bagunçado de Justine.

– Talvez! – respondeu a sorridente Justine.

– Como te encontro?

– Pode deixar que eu te acho – acenou a cabeça em direção do bar.

– Ta certo, desculpe, eu preciso voltar pro trabalho.

– Tudo bem, eu vou indo – ela o beijou e se virou para a saída do beco – Ah! Rodrigo, muito obrigada!

Desconfiado e um pouco sem graça respondeu.

– Não tem por que! – e entrou no bar.

– Que noite! Que noite! – dizia Justine para si mesma.

O vento estava forte e as primeiras gotas começaram a cair, ela estava se sentido livre, solta, não esquecia aquela sombra lhe observando e a cada flash na memória lhe excitava novamente. Logo a chuva começou a cair e Justine parecia ter voltado a infância, ela começou a correr pela calçada e já estava toda milhada quando parou embaixo de um toldo.

O celular estava vibrando dentro da bolsa, era Marcela, ela olhou por alguns segundos, sorriu novamente e resolveu atender.

– Má?

– Justine? Sê ta loca menina? Quer me matar de susto, onde você está?

– Não sei, andei por ai sem rumo, Má me desculpe, sinto muito pela forma com que tratei, como agi com as noticias, eu a amo muito. É que você seguiu enfrente e eu não consegui.

– Tudo bem, tudo bem! Eu a amo, sempre vou amar, quer vir aqui?

– Não, não acho que vou pegar um táxi antes que a chuva me deixe gripada, eu preciso ir, amanha te ligo.

– Ok! Você está bem mesmo.

– Estou ótima, estou ótima! Beijos – Justine desligou o celular jogou a bolsa e procurou um táxi.

Sem pensar ela foi pra casa de Pêpe, durante todo o percurso no táxi ela sorria, a muito não se sentia assim, era como se aqueles minutos ali no beco tivessem lhe despertado novamente para a vida mostrando o que ela realmente precisava.

Justine ligou para o Pêpe quando chegou em frete ao prédio dele.

– Ju sua maluca, porque não atendeu?

– Estou enfrente ao seu prédio, posso subir?

– Claro, claro!

Ela pagou o táxi e correu para a portaria, no elevador seu corpo estava em alvoroço. Ela apertou a campainha e esperou, ao abrir lá estava ela, cabelos bagunçados, toda molhada e apesar de tudo extremamente sensual exalando sexualidade.

– Jú? O que houve a Amanda me ligou…  – ele foi interrompido por um beijo inesperado dela que o empurrou para dentro do apartamento fechando a porta como pé.

– E então delicia, será que posso tomar um banho?

– Quer ajuda?

Justine sorriu maliciosamente, tirou o vestido molhado e sai caminhando para o banheiro, Pêpe logo vai atrás dela. Para Justine será uma noite e tanto.

 

About FreakButterfly

Que fique logo claro: não sou sexóloga (apesar de que gostaria muito), também não sou formada em psicologia, sou Bacharel e Adm. Com habilitação em Marketing e agora Bacharel em Jornalismo. Tenho este blog desde meados de 2008, onde comecei a escrever por mera diversão e distração do tédio e solidão que a cidade onde morava até então me proporcionava. Com o passar dos dias, o blog foi crescendo e a vontade de escrever também. Amo escrever e espero faze-lo bem! Não estou aqui para julgar, descriminar ou fazer apologia a qualquer coisa que seja, escrevo do que gosto para pessoas que gostam do mesmo que eu, e se o ofendi, sinto muito, mas basta fechar a pagina. No mais, volte sempre!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: