RSS Feed

Tag Archives: fetiche

Música, Fetiches e Tabus

Não é de hoje que sinto vontade de escrever sobre tal tema, porém, agora, podemos vê-los cada vez mais explícito em vídeo clipes o erotismo, o fetiche e a quebra de alguns tabus. Também não é de hoje que isso vem acontecendo.

Minha primeira relação com a musica e o fetiche foi nos vídeos da banda que mistura punk com rockabilly  “The Cramps”, o primeiro vídeo que assisti foi “Naked Girl Falling Down The Stairs”, onde Lux Interior aparece trajando um ‘catsuit’ em látex vermelho e scarpin, remetendo facilmente ao fetiche S&M, podolatria, além de temas explicitamente sexuais, vistos também no vídeo “Like a bad girl Should” que além de falar de ‘bundas’, mostra Poison Ive calçando as meias 7/8 e scarpin, além da pegada Domme que ela exerce no vídeo. O que era ousadíssimo para a época, hoje seria fichinha comparada aos delírios de Lady Gaga.

Ainda em minha jornada musical, me deparo com o trio inglês Placebo, com Brian Molko nos vocais, nitidamente andrógeno, atraindo os olhares de homens e mulheres. Entre as melodias melancólicas e sensuais, surgem clipes como “Nancy Boy”, em um clima sádico, o excêntrico diretor Howard Greenhalgh, passou a fazer outros vídeos da banda como “Bruise Pristine”, que é um pouco mais fetichista que o anterior citado, no DVD da banda, Brian Molko diz adorar a ousadia do diretor, mas temia que os clipes não passassem pela censura para ir ao ar. Um vídeo polêmico envolvendo a banda seria “Protege Moi”, onde a câmera passeia pelo que seria uma festa de swing. Mas estes seriam apenas alguns dos clipes com pegada fetichista e também envolvendo tabus como a homossexualidade (sim, pode não acreditar, mas isto ainda é um tabu).

Antes das cantoras de música pop dizer que beijaram meninas e gostaram, Madonna já tinha doutorado no assunto, sempre envolvida em performances polêmicas e vídeos ousados. O que mais poderia falar de Madonna depois de assistir “Like a prayer” (1989) cruzes pegam fogo e ela faz amor com um santo negro, quer romper mais Tabu do que isso??? Mesmo sendo criticada pela igreja, ela não se abalou e seguiu sua carreira linda e poderosa. “Like a virgen” é ainda um dos seus maiores e mais popular hit, rompendo novamente outro tabu, o da virgindade e ainda simulando uma cena de sexo com os famosos ‘sutien cone’, popular hoje entre as cantoras em suas mais variadas formas. Em “Justify my Love”, Madonna visita um bordel sadomasoquista e ainda beija uma moça travestida de homem (e por sinal esta moça era uma modelo brasileira, seria um fetiche da diva modelos(as) brasileiros(as)?). Bem, não caberiam aqui todas as extravagâncias desta diva pop que sem duvida deu o pontapé para outras moças ousarem.

Britney Spears tirou suspiros em seu primeiro CD “Baby one more time” com clipe no mesmo nome, onde trajava uniforme colegial (um tanto ousado), sendo este um dos grandes fetiches da marmanjada, sem contar o culto à virtude. Em pouco tempo Britney já estava na boca do povo no dilema “é virgem ou não é”. Viajando na fantasia dos homens, logo ela ficou louco e decidiu ser a próxima Madonna (o que nunca vai acontecer, afinal cada uma é uma) e foi no clipe “Slave 4 U” que ela mostrou as garrinhas no meio de um monte de homem. O que hoje é mais comum em vídeos do que nunca, é a cantora no meio de uma surruba, até Miley Cyrus já o fez (sim, aquela Hannah Montana que as criancinhas assistem). Ela beijou a diva Madonna e depois de “perder” os cabelos e surtar várias vezes, ela voltou com tudo usando meia arrastão, couro, dançando pole dancing, dizendo que a 3 é mais gostoso, em festas com homens e mulheres e mostrando que todos tem dois lados. E assim segue Britney.

Saindo do Clube do Mickey (assim como Britney) Christina Aguilera levou os marmanjos ao delírio em seu CD “Back to Basic” onde renasceu (já que sua carreira a muito estava adormecida) uma pin up. Meias 7/8, ligas, cílios bem marcados, boca escarlate e sapatos em destaque foi sua marca, até meados de 2008, quando sumiu, retornando em 2010 mais nunca com o single “Not Myself Tonight”, coberta de látex, ballet heels e até mesmo um arreio (deslumbrante). De doce e virtuosa a um furacão sexual.

Mas a bomba sexual do momento é a atômica Lady Gaga, sempre com figurinos excêntricos e polêmicos, Gaga conquistou milhões com seus vídeos que exalam o fetiche. Latex já é uma marca registrada nos clipes da moça, que inspirada no glam rock, sempre ousa nas produções e nos saltos, que levam os submissos e podólatras ao delírio. Logo de cara em “Poker Face”, a mocinha sai da piscina vestida com o que parece ser um ‘catsuit’ preto e salto altíssimo. Mas o clipe que me chamou a atenção para a pegada fetiche sem dúvida foi “Paparazzi” (que está mais para um curta metragem que um vídeo clipe), bastou ela cair da sacada e voltar com aquele corset de aço que lembra um cinto de castidade, um suporte para o pescoço também em aço (me parece aço ou inox, algo do tipo) e imagens intercaladas a esta onde a moça aparece com uma roupa de vinil, eu vidrei. Sempre com sapatos lindíssimos e salto agulha (que são sonho de consumo), acabou cativando também os fãs do BDSM, seguindo a linha ousada de “Alejandro” repleto de látex, homens de salto alto, inversão de papeis, e apelação religiosa (assim como Christina Aguilera no clipe de ‘Not Myself Tonight’, o que parece ser moda entre as cantoras pop), no vídeo de “Telephone” onde brincou com o boato de que era hermafrodita e fez par com a musa Beyoncé (que agora anda mais ousada que nunca), e agora em seu mais novo trabalho “Born this Way”, que por sinal, acabei de assistir, é uma produção magnífica e repleta de mensagens subliminares altamente sexual que fizeram minha mente viajar e delirar.

Como em todos seus videos, o fetiche está cada vez mais presente, os tabus cada vez mais despedaçados, e sem dar a mínima para o que os outros falam ou julgam, ela segue, ousada e cada vez mais poderosa (sim, e seguira mais forte que nunca mesmo com uma série de vídeos com estudos sobre as mensagens subliminares satanistas que diz haver no vídeo).

Voltando ao rock ‘n roll, uma banda que me surpreendeu e seduziu foi 30 seconds to mars com o clipe “Hurricane” (na versão não exibida pela TV, sem censuras e sem cortes, que agora também foi proibido no Brasil em diversos sites, pois nesse país só se pode ver sexo e todo tipo de ‘putaria’ nas edições do BBB), apesar da letra um tanto melodramática, as imagens que compõem o clipe são maravilhosas, ali uma combinação dos mais variados fetiches, apesar de muitas criticas, este ainda é um dos meus vídeos prediletos.

Não sei os motivos que levaram a Rihanna da moça com jeito de “praia” para a louca mutante de cabelos e com pouca noção de moda (porém, continua linda), em vários clipes ela já demonstra algumas marcas do fetichismo – pois nunca se viu tanto látex assim na mídia como vemos hoje – agora explicito em seu novo clipe “S&M” (que eu achei até um pouquinho ‘brega’ se tratando de S&M), será que preciso falar mais? A música simplesmente fala que ela adora ser uma menina má, pois assim é mais divertido e que no amor tudo vale quando se tem criatividade. Bem, e coloca criatividade nisso. Saindo da linha noir que se tem visto até então no BDSM, Rihanna aparece com roupas em látex colorido, amarrações de bondage (que eu achei muito fake) também em cordas coloridas, usando chibata, entre outros apetrechos popular entre os amantes do BDSM.

Bem, poderia escrever a noite inteira relembrando cada clipe que assisti de várias bandas e músicos pop que levam o fetiche mais explicitamente do que nunca a publico e não tem medo de dilacerar os tabus ainda resistentes na sociedade (tão tolos como a sexualidade), e mesmo assim não conseguiria terminar a lista. Os citados são apenas uns dos milhares que transbordam sexualidade em suas musicas e vídeos, que invadem a fantasia e o desejo de muitos.

Justine: delírio

 

Realmente aquele homem era um ser único, e não só pelo olhar enigmático, mas porque aqueles dedos a guiaram para o prazer quase que instantâneo.

                – Meu Deus! – suspirou ela junto a um orgasmo.

                – Estou longe de sê-lo querida. Foi um prazer, mas preciso ir.

                – Mas já?!

                – Sim, preciso viajar ainda hoje, passei aqui só pra tomar uma.

                – Pena… – Justine se levantou fingindo não dar importância pelo desconhecido que estava para partir.

               Ela se levantou e logo cambaleou, as pernas estavam bambas, sentiu o riso em sua nuca.

                – Ficou fraca querida?

                – Estou bem. Tchau! – seguiu sem olhar para trás.

               Darling estava radiante correndo em direção a sua protetora, ela a abraçou e beijou intensamente.

                – A senhora conheceu o Fernando, nem acredito!

                – Ah, então este é o nome dele…

                – É, mas ele não gosta muito de falar sobre, ele gosta de manter esse ar de mistério, isso enlouquece as meninas, todas dariam para ele de graça por horas, e fariam o que ele quisesse sem pensar!

                – Você já fez?

               – A senhora, eu o conheci a algumas semanas. A senhora e o Lucas estavam curtindo a vida de casal, então uma noite ele veio, mas me pagou, muito bem até.

                – E o que ele lhe pediu pra fazer?

               – Bem, ele queria me ver de saltos, salto altíssimos, parecido com aqueles sapatos vermelhos que a senhora tem que nem sei anda neles, mas o dele era preto.

               – Vamos sentar um pouco… Quero saber mais sobre isso.

               As duas foram para a mesa do canto, Fernando já tinha ido embora, o escuro lhe davam privacidade. Justine acenou para uma das meninas e pediu um wisky e Martini para Darling.

                – Vamos querida, continue!

                – Bem senhora, agente foi num quarto barato, em um destes hotéis que tem aqui na rua, ele estava de mochila, sempre muito sério, pediu para que eu ficasse pelada e colocar as botas, eram lindas, como as suas. Eu fiz o que ele pediu, ele mandou eu levantar, mas a senhora sabe que eu não consigo me equilibrar, então falei pra ele.

                – E ele?

                – Ficou bravo, pediu pra me levantar, disse que eu deveria me comportar. Como a senhora já sabe as cena, me segurei na beira da cama, tentando me aproximar da parede, ele pediu que eu caminhasse até ele, mas caí, espatifada.

                – Você se machucou?

                – Um pouco, bati o dente nos lábios e abriu um talho, saiu um pouco de sangue, ele veio até mim, perguntando se eu estava bem, um sorriso diabólico estampava aquele rosto. Ele viu que eu estava sangrando, então ele se afastou, sentou numa cadeira e me chamou.

                – O que ele disse?

                – “Vem minha cadelinha!”

                – Que delícia! – Justine afastou as pernas de Darling para ver se ela estava excitada.

               Bingo! Molhadinha.

                – Quer que eu continue senhora?

                – Claro, claro! Não pare.

                – Eu me arrastei até ele, o chão de madeira antigo esfolou meus joelhos, me ajoelhei na frente dele e apenas o olhei. Ele sorriu, mas dessa vez foi doce, me beijou a testa e mexeu nos meus cabelos e disse que eu era uma boa menina. Me disse que se eu continuasse a obedecer ele me daria um prazer que nunca senti. Eu já tinha ouvido algumas meninas comentar dele sabe. Então fiquei curiosa.

                – O que você? – perguntou Justine ainda a tocando.

               Um breve gemido, Darling tentou fechar as pernas. Justine as afastou novamente.

                – Ai senhora… Que delícia…

                – Cale a boca menina e me conte!

               Entre gemidos, suspiros, Darling tentou prosseguir com a história.

                – Ele pediu para que eu tentasse caminhar novamente. Eu tive medo, ele fico de pé, me deu a mão e me ajudou a levantar, me senti uma criança aprendendo a andar, ele me segurou, mas não da forma segura, só consegui me apoiar, daí dei alguns passos e do nada ele tirou a mão, mais um passo e eu me espatifei na beira da cama. Ai eu soltei uma lagrima, porque bati meu braço, eu já estava pra tirar aquele sapato maldito e sair correndo dali, quando ele me puxou pra cama. Ele me deitou e pediu pra eu ficar quietinha. Repetiu que eu era uma boa garotinha por ter tentado, e não deveria chorar quando caísse, que eu tinha que ser forte.

                – E?

                – Acho que vou gozar… – respondeu Darling se contorcendo.

               Darling gozou e virou o Martini deixando a cabeça cair para trás.

                – Ah senhora… Depois que me deitei, foi uma loucura, ele começou a acariciar meu corpo, meus seios, brincou com os mamilos, mordiscou eles e depois passou a língua, suas mãos desceram até minha buceta, nossa eu tava pegando fogo já, ele começou a me tocar, me tocar, de forma tão diferente, como a senhora faz comigo, deslizando o dedo envolta do meu grelinho? Bem assim, então seus lábios beijaram minhas coxas, a virilha, e ele caiu de boca, me desculpe senhora, mas foi o MELHOR sexo oral da minha vida, não sei explicar, enquanto ele me sugava, os dedos dele entravam e saiam, até no meu rabinho ele meteu os dedinhos, eu estava tão, tão… Sei lá que palavra usar, foi como morrer por alguns segundos e cair no paraíso.

                – Que sortuda hem! Eu só tive os dedos… – disse Justine em um tom enciumado.

                – Bem Darling, preciso ir, o Lucas vai viajar manhã e tenho que estar em casa. Adorei a historinha.

               Elas se beijaram, cada vez que partia, Justine via nos olhinhos de menina de Darling o aperto no peito. Se era amor ou devoção, não se sabia, mas Justine sentia em Darling aquele calorzinho que tinha quando estava nos braços de Marcela. Ela pegou o casaco e saiu pela porta lateral do bar, o carro estava ali perto, ao sair seu coração estremeceu com um estranho vulto parado no meio do beco, encostado na parede, ela ouviu.

                – Você demorou, pensei que não fosse mais sair.

               Justine parou, as pernas estremeceram, a voz era familiar, mas sentiu que deveria perguntar mesmo assim.

                – Quem tá ai?

                – Sou eu minha querida, seu demônio!

               Justine soltou a respiração presa e continuou a caminhar como se não desse importância para quem fosse, mesmo sentindo seu grelo palpitar mais que o coração, ela procurou as chaves do carro na bolsa sem olhar pra ele, quando passou fingindo não se importar com sua presença, ele a segurou pela braço e a jogou contra a parede.

                – O que é isso? Tá maluco!?

                – Não, só fiquei com seu cheiro nos meus dedos, e senti vontade de provar seu gosto, seu perfume é tão inebriante sabia – disse ele se aproximando cada vez mais dela – Você gosta disso não gosta? – continuou falando – Gosta desses joguinhos, gosta do perigo, eu sinto no seu suor.

               Justine não respondeu, se fez de durona e tentou se soltar.

                – Você não quer sair quer? Se quisesse já teria, você ficou curiosa com o que a Darling te disse não foi?

                – Somo sabe o que ela me disse?

                – Meninas contam as outras sempre, eu vi ela nos espionando atrás da cortininha do palco, ela me falou de você, bem não disse seu nome, mas pela descrição… Ela te admira muito sabia? Você é uma deusa pra ela, deve ser muito bom no que faz, gosta de dominar essas menininhas né?

                – Me solta? Tenho que ir pra casa.

                – Você tem, ou quer?

                – Para de rodeios e fala logo o que você quer Fernando. É este seu nome não é? Ou é o que fala pras menininhas daqui.

               Ele sorriu, baixou a cabeça, balançou e sorriu novamente.

                – Não disse, elas contam tudo. E sim, este é meu nome mesmo. Sabe, cansei de conversa, eu to com pressa e só fiquei aqui porque não poderia viajar sem ter esse seu perfume inebriante espalhado no meu rosto.

                – Você é louco!

                Ele a prendeu com seu corpo e com uma das mãos tentou afastar as pernas. Depois de pouca insistência ele a tocou, estava quente e lúbrica, já podia sentir o grelo pulsar, ele aproximou os lábios do dela, e então Justine se entregou, deixou a bolsa cair, entrelaçando os braços em seus cabelos longos. O beijo era voraz, ele puxou o cabelo dela impulsionando a cabeça para trás, beijou-a o pescoço, seios, e se ajoelhou, levantando a saia ficou maravilhado com aquela boceta de menina, lisinha, branquinha, de lábios pequenos e avermelhados, era suculenta, ele levantou uma das pernas apoiando-a em seu ombro e invadiu o paraíso.

               Justine queria uivar, seu peito doía, ela pensou que fosse enfartar. O calor subia rápido, a sensação era tão deliciosa, que ela não sabia se gozava ou segurava um pouco mais. Ele deslizava os dedos melados entre os pequenos e os pequenos grandes lábios, abria e a penetrava com a língua, sugava-a, e voltava a penetrá-la com os dedos, os lábios eram tão macios, Darling estava certa, era como se fosse morrer. Céu ou inferno, pouco importava, ela não podia mais esperar, então relaxou e sentiu a explosão, de olhos fechados ela pode ver centenas de cores, ela não podia respirar, por um segundo ela morreu. As penas balançaram, ela pensou que fosse cair, quando ela abriu os olhos ele estava sorridente olhando para ela.

                – Você é doce! Incrível como realmente é doce, é como um mel, valeu esperar, mas não posso me atrasar.

               Justine escorregou o corpo pela parede, tentava recuperar o ar, ele beijou-a na testa e agradeceu. Ela não conseguia se mexer, nem pensar nem se quer ao menos falar. Ela ficou ali, escorada na parede vendo um doce demônio partir. Quando ele dobrou o beco, ela se esforçou para se levantar, fechou o casaco, vasculhou a bolsa, pegou as chaves e em silêncio entrou no carro deixando um rastro de gozo para trás.

 

Justine – O doce demônio

O triângulo amoroso de Justine estava bem, ela, Darling e Lucas estavam quase sempre juntos, quando Lucas estava afundando em papeis do trabalho, Justine curtia com Darling, seu novo brinquedinho humano.

 

Em uma tarde sozinha, depois de muitos gemidos, Darling e Justine estavam deitadas olhando para o teto da sala, Justine pensativa suspirava.

 

– Tenho inveja de ti às vezes minha boneca… – disse Justine em um suspiro.

 

– Porque senhora? Não tenho nada, bem tenho a senhora e o senhor, mas nada mais, não tenho estudos, mal tenho família, sou uma prostituta barata que dança em uma boate decadente.

 

– Mesmo assim, tenho inveja, você tem vários homens aos seus pés…

 

– Desculpe senhora, mas aqueles homens, não desejava ter não, feios, velhos, barrigudos, tarados, bêbados, a senhora que tem sorte, tem o Lucas, ele sim é um homem de verdade.

 

– É nada, aquilo é uma bichinha que tem medo de pular do armário!

 

– Não pareceu pra mim não oh! Ele fode tão gostoso…

 

– E adoro rabos! De certo porque não tem coragem de comer homens, quer meter nos nossos… Já fodi aquele rabo, e ele adorou… Mas você está certa, é um bom homem… Mas não suporto mais esse marasmo de vida que levo, presa nessa masmorra que ele chama de casa… eu já vivi mais, fui mais ativa, agora estou presa a este sentimento confuso, a camas vazias e orgasmos solitários ou com estranhos, é um PORRE!

 

– Bem senhora, te alguma fantasia, algo em que possa ajudá-la?

 

– Sinto saudades do Pépe… Aquele topete se desmanchando com o suor e a verocidade das estocadas que ele me dava, aquele corpo sim cheirava a pecado.

 

– E onde ele está?

 

– Sumiu, não sei se viajou, uma noite ele ligou, mas eu estava com o Lucas… Depois não consegui mais falar com ele, estava pensando em ir no bar que o conheci ver se esbarrava com ele lá… Mas tenho medo, caralio, eu tenho medo de vê-lo com outra.

 

– A senhora gosta dele?

 

– Não sei mais, mas eu gostava… Ah chega desse papo deprê, ta afim de um vinho?

 

– Seria bom, daqui a pouco começa meu turno na boate… Ir alegre não me faria mal.

 

– Acho que vou contigo hoje bonequinha.

 

– Quer me ver dançar?

 

– Quero ver se acho algo interessante… Mas pra entrar no clima, vou me montar – risos – Bem, pegue o vinho e me encontra no quarto, vou procurar algo pra vestir.

 

Darling foi até a geladeira, pegou um vinho tinto e seguiu com taças para o quarto, Justine estava no closet revirando uma caixa.

 

– O que procura? – perguntou Darling curiosa.

 

– To atrás de uma peruca… Como eu disse, quero ir montada!

 

Darling caiu na risada.

 

Depois de muito revirar ela encontrou uma peruca com corte Chanel e fios escuros, usou uma vez para Lucas.

 

– Achei! Agora, o que vestir…

 

– Posso dar minha opinião?

 

– Claro boneca.

 

– Porque não vai com aquele seu vestido preto com rendas, seu scarpin vermelho, acho que a senhora fica divina com eles.

 

– É pode ser, vamos ver como fica.

 

Depois de quase uma hora de arrumando, Justine enfim estava pronta para ir a boate com Darling, trajando a sugestão de sua amante, foi com o vestido de renda preta e salto agulha vermelho, a maquiagem pesada junto a peruca dava um ar noir a Justine.

 

– Uau… Me deu até vontade! – exclamou Darling.

 

– Mas terá de ficar na vontade querida, vamos.

 

Ao estacionarem próximo a boate, Darling se despediu de sua senhora e entrou pelos fundos. Justine respirou fundo, se olhou no espelho, mostrou os dentes cheia de malícia e partiu pra boate. Ao entrar os homens a devoraram, afinal, Darling era a dançarina mais bela, isso quer dizer que, seja quem estivesse ao palco, não chamaria tanto a atenção aquela pérfida mulher que adentrava o recinto.

 

Justine foi até o bar ignorando todos os olhares, pediu dose dupla de wisky barato e resolveu olhar o lugar, ver se achava algo de interessante. Andou por entre corpos flácidos que exalavam perfume de quinta, e depois de muito olhar, decidiu ir para seu canto de sempre, seu escurinho reservado, porém, ao chegar, se deparou apenas com os olhos naquela penumbra. Verde oliva envolvidos com um brilho maligno que fez sua espinha arrepiar. Ela tomou um gole, ficou por alguns segundos hipnotizada sem conseguir sair do lugar. Até que Darling a abordou.

 

– Oi senhora!

 

Justine saltou de susto.

 

– Credo menina, quer me matar do coração!?

 

– Não, não, só vim saber se está bem, serei a próxima.

 

– Sim, estou, é que vim sentar, mas já tem alguém no meu lugar.

 

– Ah sim, a algumas semanas ele veio e se sentou ai também, pediu para que eu dançasse na mesa, mas não falou muito, ele é como a senhora, gosta de ser senhor de tudo, mas ele me da medo.

 

– É… A mim também… Sabe Darling, eu estava pensando, será que posso dançar hoje?

 

– Como? A senhora quer fazer um show aqui?

 

– Ué e porque não!? Acho que não dou conta?

 

– Não é isso, é que sei lá, mas se a senhora quer, posso falar com minha madrinha, afinal é dinheiro, quem sabe uma carne nova lá no palco não de mais dinheiro a ela.

 

– Pois é, e minha parte eu te dou, ok? Vá ver se consegue.

 

Darling foi até o bar pediu para chamar a madrinha, e depois de alguns minutos de conversa, não foi difícil convencê-la de deixar Justine dançar, afinal, todos os homens não desgrudavam os olhos dela. Darling voltou sorridente.

 

– Qual música e qual nome quer ser apresentada?

 

– Não pensei nisso… Diga Verônica e peça algo mais rock ‘n roll.

 

– Ok, vamos pro camarim, que você vai dançar antes de mim.

 

Alguns minutos depois o DJ já anunciava:

 

– Senhores essa noite vocês terão um bônus, uma gatinha nova, quente, essa gata promete. Pode vir minha morena fatal, pode vir VERÔNICA!!!

 

Trilha: Sweet Dream – Marilyn Manson

 

Justine entrou um pouco desconfiada, os homens sentados assobiavam, jorravam palavrões ao vendo, uivavam querendo vê-la sem roupa o mais rápido, um pouco nervosa ainda ela caminhou lentamente até o mastro e olhou para o estranho no canto escuro, seu rosto veio mais para luz, os cabelos longos, a pele clara, o olhar frio. Ela fechou os olhos e começou a se deixar levar pela música.

 

Ela segurou o mastro e rodou lentamente, começou a imaginar que aquilo era o seu estranho vampiro, ela subia e descia com seu corpo junto ao mastro, ela abriu os olhos e direcionou ao canto escuro, seu corpo estava ficando louco, quente, o desejo começa a ser exprimido pela dança, ela desceu pelo mastro movimentando os quadris como um oito, ao chegar próximo do chão de ajoelhou, simulou estocadas e engatinhou para o desconhecido, os homens gritavam, pedia pra ela tirar a roupa, mas Justine estava fora de orbita, só enxergava aqueles olhos cor de oliva, enfim ele sorriu.

 

Justine mordeu os lábios já entorpecidos, deitou sob o palco e começou a mexer os quadris, suas mãos percorriam lábios, seios, coxas, e ao fechar os olhos não resistiu e começou a se masturbar, em meio a todos aqueles homens enlouquecidos. Ao chegar ao clímax, ela abriu os olhos, a musica acabará, se ajoelhou, recolheu as notas jogadas no palco, e em meio aos assobios saiu rapidamente do palco.

 

– Bem pessoal, essa foi a devassa Verônica, um tanto tímida, mas ousada, essa foi sua primeira apresentação, vamos dar palmas para ela. Agora, nossa princesinha, Darling.

 

Darling subiu ao palco e Justine foi até o bar entregou o dinheiro que pertencia a cafetina e pediu outro wisky, sem saber ainda o que tinha feito, foi abordada por um velho barrigudo, advogado de porta de cadeia, ela disse não, mas ele insistia, meio desconcertada, ela se virou e deu de cara com o vampiro misterioso.

 

– Quer se sentar comigo? – perguntou o estranho.

 

– Sim – ela passou rapidamente por ele e seguiu até a mesa.

 

Ela se sentou e começou a olhar Darling, fingindo não se interessar por quem estava ao lado.

 

– Então… Foi sua primeira vez? – sussurrou o estranho próximo de seu ouvido.

 

– Foi, foi só por diversão, aquela ali que está dançando sim, aquela é minha garota – respondeu dando de ombros.

 

Ele colocou uma das mãos sob a coxa, ela estremeceu, então se atreveu a colocar a mão pela abertura do vestido.

 

– Está sem calcinha?

 

– Perdi ela no show – respondeu tentando não saltar no colo estranho.

 

Sentindo o calor que exalava por entre aquelas pernas, ele não perdeu mais tempo e a penetrou com os dedos, seu toque ardente, deixou Justine louca, ele continuou acariciando sua bocetinha.

 

– Quem e você? – perguntou Justine estremecendo.

 

– Sou seu delírio, seu demônio!

 

Justine suspirou e se entregou aos dedos daquele doce demônio.

 

(continua)

 

Justine – Dividida em sentimentos

Mais que um coração divido, Justine tinha a cabeça cortada em pedacinhos, seu cérebro estava a mil. Lucas, Pépe. Pépe e Lucas. O que fazer quando não se sabe amar apenas um? Depois de ter passado sua relação turbulenta entre Lucas e Marcela, Justine pensava que nunca mais teria problemas com esse tipo de relação.

– Deus? O que fazer? – disse Justine para si mesma no espelho.

Em poucas horas o avião de Lucas pousaria, e ela ainda estava na casa do Pépe.

– Algum problema? – perguntou Pépe no chuveiro.

– Não, nada… Aliais… Bem, tem uns parentes meus chegando hoje, e vou ficar ausente por uns dias.

Pepe saiu do banho e com o corpo ainda molhado e nu abraçou Justine, os dois se olharam no espelho por alguns minutos. Pela regata branca do Pépe que ela usava para dormir, podia se ver os mamilos rijos. Justine soltou um sorriso malicioso.

– No que pesou? Perguntou Pépe.

– Segredo – respondeu Justine virando-se para beijá-lo – quer tomar outro banho?

– hum… acho que sou um garoto ‘sujo’ e realmente preciso de um outro banho.

Ela sorriu o empurrando de volta para o boxe. Ligou o chuveiro e a água morna molhou a regata revelando seu corpo arrepiado. Pépe a colocou contra a parede e enquanto a beijava delizou uma das mãos por entre as coxas chegando logo onde o interessava, seu grelo rijo, quente e pulsante. Ela gemeu.

– Vou sentir saudades safadinha, esses dias sem você serão um martírio.

– Shiiiiiiiiii… – Justine interrompeu o que Pépe iria falar, e começou a beijar seus lábios, queixo, pescoço, percorrendo o peitoral, se ajoelhou segurando o membro rijo e começou a sugá-lo como quem não se alimenta a tempo.

– Pequena… Ah! Você além de gostosa me deixa incrivelmente louco… Ah! Isso puta safada, chupa gostoso.

Ela adorava o que fazia, e fazia como nenhuma outra, seus lábios quentes deixaram qualquer um apaixonado, seja homem ou mulher, Justine não media esforços e amava sugar, sugar, sugar, ia cada vez mais fundo, até mesmo suas engasgadinhas eram encantadoras.

– Vou explodir pequena, vou explodir! – disse Pépe entre gemidos.

Ela não parava, não parava nunca, queria ver o leite derramar, mas como tesão a toda, ela interrompeu a função, se levantou, olhou-o nos olhos e sem dizer nada, apenas mordendo os lábios, tirou a regata molhada e começou a acariciar seu próprio corpo, suas mãos deslizavam entre seios e o sexo úmido, Pépe começou a se tocar, mas ela acenou com a cabeça que não.

– Não, não faça isso – sussurou.

Ele parou e ficou apenas admirando Justine se tocar. Seus gemidinhos ainda tímidos, quando a excitação já estava no auge, ela se virou contra a parede, abriu as pernas, empinou a bunda e disse.

– Vem!

Pepe não pensou e logo a penetrou, sua bucetinha estava lambuzada e muito quente, ela continuou a tocar o grelo, seus gemidos estavam mais altos e estridentes, ele não parava de meter segurando-a pelos cabelos.

– Eu acho que vou explodir pequena – disse Pépe enquanto metia mais rápido.

Ambos os corpos estremeceram e permaneceram juntos embaixo do chuveiro.

Depois de brincarem no banho Justine se arrumou, comeu algo e foi se despedir de Pépe que estava brincando com o violão.

– Vou sentir saudades… – disse ela manhosa.

– Eu também… Some não.

– Vou dar m jeitinho de vir lhe ver pena semana…

– Ju… Senta aqui – apontou ele para o colo.

– Diga!

– Sabe, já faz uns dois meses que estamos juntos – disse ele enquanto afagava os cabelos dela.

– Pois é, passou rápido não é?

– Sim, passou, e eu queria dizer que quero ficar mais tempo contigo, cada minuto que está longe, eu quero você aqui. Eu sei, é piegas nem eu esperava dizer isso mais a alguém, mas estou louco por ti garota!

– Acho que preciso ir – disse Justine espantada.

– Como? – perguntou incrédulo – Estou me declarando e você quer ir embora?

– Pépe, desculpe – disse ela levantando em direção da porta – Sabe, eu não esperava… Aliais, eu queria ouvir isso, mas… Não posso, Deus. Tchau!

Justine saiu sem olhar para trás, seu coração estava disparado, será que de fato ela sabia o que queria, ou achava que sabia? Ela desejava ficar só, mas Lucas estava para chegar então foi para o aeroporto.

O vôo iria atrasar meia hora, então ela foi tomar um café.

– Deus, não sei o que fazer – repetia para si mesma a todo momento.

Sentada só, ela sentia vários olhares direcionados a si, tudo lhe deixava mais confusa, enfim o vôo chegou, ela pagou o café e foi para o saguão de desembarque. Muitas pessoas, diversos de reencontros emocionantes, e o coração de Justine só conseguia sentir o medo da culpa que ultimamente lhe seguia até mesmo nos sonhos. Seu rosto corou quando viu Lucas acenando sorridente, ele apressou o passo ao seu encontro.

– Deus, finalmente cheguei, eu não agüentava mais de saudades – disse Lucas ao abraça-la.

Justine chorou, o abraçou apertado e simplesmente chorou.

– Não chora amor, eu to aqui! Caramba, como eu te amo Jú.

– Eu também te amo Lucas, muito, muito.

Realmente ela o amava, daquela forma estranha, mesmo assim ela o amava, foi ao lado dele que ela cresceu, amadureceu, viveu.

– Vamos pra casa? – disse ela enquanto o beijava.

– É o que mais quero.

Os dois foram andaram de mãos dados pelo estacionamento, ele colocou as malas no carro, e antes de justine entrar ele a beijou, prensada ao carro, no calor do reencontro, ele a beijava como se não a visse a anos, seu corpo ficou tomado pelo calor.

– Melhor correr-mos pra casa – disse ele animado.

No caminho, o pensamento de Justine voava. Ela que acabará de transar com seu amante, não sabia se conseguiria se entregar ao amado com tanto fervor.

– Você está bem? – perguntou Lucas desconfiado.

– Sim, só estou um pouco cansada, não dormi bem, tive uns sonhos estranho – respondeu com um sorriso amarelo estampado no rosto.

– Pesadelos novamente?

– Pois é… hehe, esses sonhos tolos.

– Está com alguém problema? Você só tem esses pesadelos quando está em crise.

– Não, era só saudades, eu fico preocupada, nada demais.

– Bem, logo vamos matar essa saudade.

Ao chegar em casa, Lucas não se agüentava mais de tesão, ele jogou as malas na sala e começou a revirar a bolsa de mão.

– Querida, quero vê-la – disse ele sentado no sofá com um embrulho nas mãos.

– Mas você já está me vendo.

– Quero ver você inteira, nua, quero admirar seu corpo, tenho algo pra você, e quero que esteja nua.

Justine sem entender, começou a tirar a roupa, primeiro a calça, depois a blusa.

– Linda, continua linda, que saudade deste corpo, tire o resto.

Ela se despiu por completo ficando nua.

– Nessa mala ao seu lado tem uma surpresa, abre e pegue uma caixa para mim por favor.

Justine abriu a mala e pegou uma caixa de sapato.

– Venha até aqui querida – disse ele enquanto se ajoelhava.

Justine entregou a caixa a ele, que abriu e calçou belos sapatos de verniz preto altíssimos.

– Gostou?

– Sim, são lindíssimos.

– Feche os olhos, tenho outro presente para você.

Ela obedeceu, e curiosa sentiu algo gelado encostar em seu pescoço.

– Continue de olhos fechados e venha comigo.

Ele a segurou pela mão e a levou até o enorme espelho da sala.

– Abra os olhos querida.

– Deus! É linda – disse Justine com os olhos brilhando, ao admirar sua gargantilha de brilhantes.

– Você merece, merece isso e muito mais. Quando a vi na loja disse a mim mesmo: Foi feita para Justine!

– Obrigada amor, eu não mereço tantas coisas.

– Shiiiiiiiiii você merece tudo de bom – disse ele enquanto beijava as costas nuas da amada.

Ele a virou e começaram a se beijar caminhando até a cama. Ele a deitou e começou a beijar todo seu corpo, da cabeça aos pés, sem retirar o sapato. Ele abriu suas pernas e entre mãos e lábios acariciava-lhe a coxa até chegar ao grelo.

– Saudades deste doce – disse Lucas enquanto a acariciava.

Justine esqueceu todos os problemas e se entregou inteiramente, afinal ela o amava, ele a amava, nada mais justo que apagar tudo e ser apenas dele, aquele era seu momento.

Depois de horas de prazer, Justine adormeceu de salto e com a gargantilha de brilhantes. Lucas permaneceu acordado, acariciando suas costas e admirando cada pedacinho de Justine, ele só desejava tê-la para sempre.

 

Um, dois, três

Há muito tempo eu venho enrolando pra escrever sobre uma musica, sei que vão achar estranho, mas é falo da música intitulada “3” da cantora norte americana Britney Spears. Toda vez que to de bobeira fico vendo clipes na TV a cabo, e nesses programas de tradução, um dia vi a letra, vindo dela eu nem me espantei, mas comecei a fazer uma analise (adoro ficar analisando coisas sem nexo).

Simplesmente a musica fala de um ménage à trois, onde ela chama seu parceiro pra curtir uma noite a três, ou até mais (que safadinha), porém uma realidade nua e crua, por mais que você não aceite, isso é o fascínio, é a fantasia, para não generalizar, de quase todos os homens.

O maior problema é o medo que a mulher sente, o fato de se relacionar com outra pessoa do mesmo sexo (na grande parte da fantasia, homens imaginam suas mulheres com outra mulheres, são raros os que fantasiam vê-las com outros homens), e também o ciúmes.

Outro caso engraçado que aborda o tema, foi o filme “Os Normais 2”, onde para salvar o relacionamento Vani propõe a Rui que façam um ménage à trois (que por sinal não da certo). O filme é divertido pra analisar várias situações, como por exemplo, a mudança na relação que este passo possa dar. Nada forçado da certo, nem sacrificar-se por sua relação ou parceiro, como diz meu ginecologista “é muito bonito e romântico satisfazer o parceiro mesmo que não a satisfaça, mas é um erro só seu”. Se você se sente a vontade para dar este novo passo, siga em frente sem medo, se há duvidas, converse antes com alguém, há pessoas que você nem imagina que já fez ou sente o mesmo desejo. Como diz a musica “ O que fazemos é inocente, só por diversão, sem outras intenções (…) todo mundo ama a três”.

Seja qual for sua escolha, sua opção e decisão, faça somente o que lhe da prazer, isso sim vem acima de tudo!

Freak Butterfly

Justine – O Baile de Mascaras (Parte final)

f15e1dc9a1321b58i3

Justine ligou para Marcela e as duas foram a caça de um vestido perfeito, afinal, ela seria apresentada como noiva de Lucas a todos seus sócios, não podia parecer vulgar, mas também não queria perder sua identidade.

Depois de rodarem horas e horas de loja em loja, quando Justine estava perto de desistir passou enfrente a uma simples loja, e na vitrine uma bela vestido de cetim preto longo de alcinhas com um belo decote na costa.

– Será que fica muito vulgar, parece uma camisola? – perguntou para Marcela.

– Ele é lindo, simples e lindo, e não é camisola, ta na etiqueta, és vestido! Eu acho que não, você é jovem e tem um belo corpo, por acaso vai querer usar o que? Um terninho?

– Claro que não… Mas sei lá, não sei como são as mulheres dos outros advogados…

– E desde quando você ligou pra isso?

– É importante pra ele… Só isso!

– Bem, vamos entrar, experimentar e daí agente analisa. Ok?

– Certo!

O vestido caiu como uma luva. Ficou perfeito, era realmente o que procurava, como não havia muito decote na frente e com  o de trás sendo grande, o vestido não ficaria vulgar.

– Falta apenas os acessórios certos! – disse Marcela.

– Você acha?

– Claro. Sabe aquela coleira de brilhantes que o Lucas te deu mês passado?

– Sei…

– Ela vai ficar perfeita! Não vai mais precisar de nada. Só ele e essa aliança gigante ai já bastam. Agora falta a mascara. Mas sei onde tem umas fantásticas, daquelas de cinema.

– Ok! Você me convenceu, vou ficar com ele, afinal, ele é a minha cara!

As duas foram para a loja de mascaras, realmente era uma mais linda que a outra Justine ficou em duvida de qual levar, depois de muito vasculhar, eis que lá estava, a mascara perfeita, era simples, sem muitos adereços, mas era sedutora, imitação de couro repleta de furos para a visão cobria somente a região dos olhos.

– Perfeita! Vou levar esta! – exclamou Justine.

– Não ta muito simples?

– Eu adorei!

– Ok, então vamos, se não você não conseguirá se arrumar a tempo.

Ao chegar em casa tudo estava escuro, Lucas não estava lá. Encima da mesa da cozinha havia o convite e um bilhete.

“Querida Justine, desculpe mas tive algumas coisas de ultima hora para resolver, aqui está o convite e o dinheiro para o táxi. Estarei lhe esperando lá.

Te amo…

Lucas”

– Não acredito que ele me deixou aqui pra ir sozinha a um lugar desconhecido.

– Ah Ju! Da nada, eu te deixo lá, vá tomar um banho que eu vou te ajudar a se preparar pra grande noite! – risos.

– Porque esta rindo sua boba!? – indagou a furiosa Justine.

– Ah, é que achei bonitinho isso tudo, você ta a típica moça de família… Fico pensando “cadê a puta da Justine? Onde ela se perdeu?”.

– Cala a boca!

Marcela se abre em risos.

Justine foi para o banho e Marcela colocou tudo que ela precisava sob a cama. O vestido negro, a coleira de brilhantes que tem como detalhe uma correntinha caída e uma gota de brilhante na ponta, sandália de salto preta com pequenos detalhes em pedraria, Marcela achava aquela sandália um fetiche absurdo. E por fim a mascara.

Marcela maquiou a amiga, olhos mais leves, bochechas rosadas e boca marcante. Cabelos preso com um coque para não esconder o decote. Ela estava incrivelmente linda. Até Marcela ficou espantada.

– Como você cresceu! – suspirou Marcela.

– Para de ser boba, você ta me deixando nervosa.

– É serio amiga, você mudou, está mais madura e mais bonita ainda.

– Obrigada… E valeu pela ajuda, não teria conseguido sem você.

– Capaz! Bem, vamos nessa, se não sua carruagem vira abóbora!

Ao chegarem ao endereço, as pernas de Justine estremeceram, tudo estava deslumbrante, as pessoas chegando, parecia entrega do oscar.

– Não sei, estou nervosa. Será que estou bem?

– Claro, você está ótima, no maximo causará inveja a essas velhas caídas.

– Vou ligar para o Lucas pra ele me encontrar na porta.

– Oi amor – atendeu Lucas.

– Onde você esta?

– Eu estou no escritório assinando uma papelada.

– Droga Lucas! Eu estou aqui na frente. Anda, eu não vou entrar sem você.

– Entra amor, logo eu chego e te encontro lá dentro. Está muito frio ai fora.

Realmente aquela era uma noite gélida. E suas roupas não eram tão apropriadas para se manter aquecida, mesmo com o sobre tudo que vestia.

– Ok! Você me deve muito viu! Odeio você.

– O Lucas me paga!

– Vai lá e arrasa. Me liga amanha pra conta como foi.

– Te amo Má!

– Eu também Jú.

As duas deram um selinho e Justine saiu enfim do carro. Já com a mascara caminhou até a portaria rapidamente, entregou o convite, recebeu um sorriso de boa noite e entrou no hall. Tudo estava impecável. As pessoas estavam lindas, as mulheres pareciam de revista. Ela ficou parada por alguns instantes sem conseguir tirar o casaco, então repetiu para si mesma silenciosamente: “Pare de ser boba, vá lá e seja você mesma. Arrase!”.

Ela foi até a chapelaria para deixar o casaco.

– Boa noite senhora! Está acompanhada de quem?

– Boa noite, estou com o senhor Lucas Vittorelli.

O chapeleiro fez sinal para pegar o casaco de Justine, ela então respirou fundo e o tirou para entregá-lo, rapidamente, ela pode sentir os olhares do salão vindo em sua direção.

– Aqui esta senhorita, seu cartão para retirar o casaco. Tenha uma ótima festa!

– Obrigada – disse ao se retirar para o salão principal.

Onde ela passava as pessoas a olhavam, os homens de desejo e as mulheres de inveja. Foi como Marcela havia previsto. Ela pensou consigo mesma que precisaria de uma bebida e foi para o bar.

– O que a senhorita deseja?

– Champagne – disse um cavalheiro ao lado.

Justine olhou esperando que fosse Lucas, mas não parecia.

– Obrigada, mas prefiro um whisky – disse olhando para o garçom.

– A senhora está sozinha? – insistiu o cavalheiro.

– Não, estou esperando meu noivo.

– Que cavalheiro de sorte! Pois a senhorita é a que mais brilhará neste salão – ele segurou a mão de Justine, beijou-a e partiu para a multidão.

Seu coração estremeceu, as pernas ficaram bambas, ela tornou a dose de whisky e fez sinal pedindo outra.

– Noite difícil senhorita?

– Acho que será! – ela sorriu e se retirou.

O celular não tocava e nem sinal do Lucas, afinal com tantos rostos escondidos, como ela saberia quem ele seria de fato. Resolveu ficar parada próxima a entrada. Depois de alguns minutos a angustia bateu em seu peito, o que ela deveria fazer? Ir embora e depois matar o Lucas em casa? Relaxar e aproveitar a festa? Então ela sentiu alguém a observá-la. Lá estava um rapaz parado, a poucos metros olhando-a fixamente. Ele estava de smoking preto e uma mascara branca que cobria toda a face. Depois de alguns minutos de olhar fixo, Justine se sentiu mal e começou a andar, logo o homem misterioso começou a segui-la. Justine deu a volta pela pista de dança tentando encontrar um rosto familiar e nada. Então resolveu seguir até o banheiro.

Para chegar lá tinha de atravessar um corredor imenso com luzes ambiente e decorado em tecidos e mascaras. Por sorte ou azar, o corredor estava deserto. Justine apressou o passo e o cavalheiro misterioso fez o mesmo. Então ela correu até o banheiro. Ao fechar a porta seu coração havia disparado. Ela se olhou no espelho e pela primeira vez na noite viu o quanto estava encantadora, abriu a pequena bolsa e tentou ligar para Lucas, mas não obteve sucesso. Ela se sentou em um puf e decidiu esperar até que alguém aparecesse.

Cerca de 15 minutos depois uma bela senhora entrou no banheiro.

– Oh! O que faz aqui minha jovem? Você está bem?

– Só fiquei um pouco enjoada.

– Animo, é uma festa linda, deve aproveita-la!

– Sim, obrigada senhora – disse Justine ao se levantar.

– Qual o seu nome mocinha? É filha de alguém aqui?

– Não, não. Meu nome é Justine sou noiva do Lucas Vittorelli.

– Oh! O Lucas, ótima rapaz! Meus parabéns, será que posso felicitá-la?

– Claro – disse Justine sem graça ao aceitar o abraço.

– Parece que o pequeno Lucas também é um rapaz de sorte, você é uma mocinha encantadora. Meu nome é Lurdes Maria Ramos, meu marido trabalho com ele.

– Ah o senhor Ramos! Já ouvi falar dele.

– Espero que bem – disse a sorridente senhora.

– Sempre! – concluiu Justine com um sorriso.

– Vá querida, vá encontrar Lucas, eu ainda não o vi hoje.

– Senhora? Quando entrou aqui, viu alguém pelo corredor?

– Não, não, estava vazio.

– Ah, obrigada! Vou procurar por Lucas. Foi um enorme prazer Senhora Ramos.

– O prazer foi todo meu, mas pode me chamar de Lurdes querida.

– Obrigada Lurdes – disse Justine acenando positivamente com a cabeça.

Ao abrir a porta, ela ainda estava desconfiada, verificou o corredor e nada viu. Suspirou e saiu andando normalmente.

– É, parece que o maluco enfim me deixou em paz.

Quando passou por algo que parecia uma cortina, sentiu uma mão envolver sua boca e um braço por sua cintura. Ela tentou gritar, mas não conseguiu, ela se debateu, mas o estranho era mais forte e a puxou para trás da cortina. Era uma sala vazia, escura, com várias tralhas, ele a soltou, e ficou admirando sua face de espanto.

– Quem é você o que você quer? – disse Justine desesperada.

– Shhhhhh – disse o cavalheiro misterioso fazendo sinal de silêncio com a mão.

– Olha, se você não disser o que quer agora, eu vou gritar.

O cavalheiro nada respondeu, apenas se aproximou dela acariciando sua fria face.

– Me deixe ir…

O cavalheiro fez sinal de que ela poderia partir. Quando Justine levantou, ela a puxou com força e a jogou contra a parede, tapou sua boca e tocou em sua costa. Com seu corpo imprensado ao dela ele livrou uma mão para puxar o vestido para sina até que pudesse tocar sua bunda. Que sorte, era uma pena calcinha para não marcar o vestido. Justine tentava escapar e gritar, mas não conseguia. E novamente o cavalheiro fez “shhhh” para que ela relaxasse.

Ele tocou sua buceta por cima da calcinha e a sentiu molhada, essa era Justine, até entre esses joguinhos ela ficava excitada. Ele baixou o zíper, ela ouviu a calça cair. Afastou a calcinha e ela travou as pernas. Ele começou a acariciá-la, a tocava, até que não resistindo cedeu. Empinou o rabo para abrir passagem ao estranho, ao sentir ser penetrada, percebeu que aquele pau, aquele jeito era familiar. Na primeira estocada, o cavalheiro soltou os lábios de Justine e a puxou pela corrente da coleira se aproximou até o ouvido dela e sussurrou.

– Eu te amo puta gostosa!

Era Lucas! Justine então se entregou de vez ao prazer, encostada da parede ela a estocou com força segurando-a pela coleira de brilhantes. Ela queria gemer alto, se soltar, a tempos não tinha essa sensação de perigo, de que alguém pudesse chegar, de que aquele fosse um estranho, de que depois dali, ela voltaria ao salão esporeada. Ela empinava o rabo caba vez mais, e teve direito até a uns tapinhas. Logo ambos gozaram. Tudo foi tão intenso que a porra de Lucas misturada a de Justine escorreu por entre as coxas. Preocupada em sujar seu longo vestido negro, ela o puxou até a cintura delicadamente para não amassar.

Lucas levantou um pouco a mascara e agachado percorreu a língua pelo mel que descia, depois retirou um lenço do bolso e limpou as coxas da amada.

– Pronto querida, pode baixar o vestido.

– Você me assustou – disse Justine ao dar um tapinha no braço de Lucas.

– Eu sei que você gostou safadinha.

Justine deu um sorrisinho sacana e arrumou o vestido.

– Está tudo certo?

– Linda! Nossa você esta belíssima, adorei, tudo o vestido, a mascara e a minha coleirinha!

– Vou ao banheiro retocar a maquiagem.

– Certo! Eu saio primeiro pra vê se há alguém no corredor.

Lucas abriu a cortina e olhou para os dois lados. Não havia ninguém, ele virou para Justine fez sinal de positivo.

– Vamos!

Os dois saíram como se nada tivesse acontecido, ela seguiu até o banheiro e ele a esperou no inicio do corredor. Ela voltou, impecável como antes, sorriu e foram para o bar.

– O que deseja beber querida?

– Whisky!

– Um whisky para minha bela dama e uma taça de vinho tinto seco para mim.

– Sim senhor! – respondeu o simpático garçom.

A noite seguiu maravilhosa, Justine reencontrou a Senhora Ramos, conheceu os sócios de Lucas e dançou com o amado a noite toda. Os dois voltaram para casa relaxados. Foi uma noite incrível.

E antes de dormir, Justine e Lucas transaram mais uma vez, ela de mascara, coleira e scarpin e Lucas apenas de mascara. Fora mais uma transa maravilhosa digna de dormirem lambuzados.

Freak Butterfly

Justine – O baile de máscaras Parte I

potsok

Pela primeira vez em muito tempo, Justine se sentia bem consigo mesma. Depois do casamento de seu querido primo e tudo que aconteceu em meio aos festejos, incluindo fazer amor pela primeira vez, sua vida estava tranqüila.

O noivado estava bem, correndo o curso tranquilamente, sem pressões como imaginava que seria. Mas essa rotina a deixava em alguns dias inquieta. Lucas trabalhava mais do que nunca, estava em um grande caso, que poderia lhe render uma ótima promoção. Então ela ficava mais tempo na casa dele para ajudá-lo com a organização. Justine estava se tornando a perfeita dona de casa.

Em uma tarde de sábado, enquanto Lucas fazia serão no escritório, Justine convidou Marcela para colocarem as fofocas em dia.

– Que saudades! – exclamou Justine ao abraçar a amiga.

– Eu também, pensei até que havia esquecido de mim – respondeu fazendo bico.

– Nunquinha mesmo sua boba! Vamos, entre!

Marcela entrou lentamente observando tudo, ela só havia ido ali uma única vez e como na época não gostava de Lucas, ela nem havia prestado atenção no apartamento. Era moderno e ao mesmo tempo antiquado, com uma estante imensa cheia de livros, e outra com DVD.

– Caracas Ju! Quem diria que você iria se tornar uma dona de casa! – disse Marcela sorridente.

– Para com isso, eu não sou dona de casa. Só estou ajudando o Lucas, ele esta trabalhando demais.

– Imagine como será quando se casarem…

– Para Má, poxa, você veio zombar de mim?

– Claro que não – respondeu com um sorriso bobo – é só que você não parece você. E isso é estranho. Todos tem perguntado onde anda a fogosa Justine.

– Ué, eu to namorando.

– Eu também, mas o Gustavo não me impede a nada.

– Ok! Ok! Eu sei que to meio parada. Ok! Muito parada… Mas é que o Lucas não tem tido tempo pra nada.

– Parece que já se casaram né amiga?

– Pior! Parece que nos casamos há 10 anos. Quer beber algo?

– Vinho?

– Tenho um ótimo! Fique a vontade amiga que eu vou pegar o vinho e as taças.

– Ok! – disse Marcela se acomodando em uma confortável poltrona de couro.

As duas passaram horas bebendo e conversando sobre suas vidas. Justine havia sido demitida do emprego e aproveitou para relaxar vivendo com o seguro desemprego, mas Lucas dava tudo que ela precisava. Marcela estava batalhando e vivendo bem com Gustavo, os dois finalmente se encaixaram e já até planejavam morar juntos. Marcela contou das festas que foi, das farras que curtiu ao lado do namorado e Justine se sentiu um nada, uma simples dona de casa. Já haviam se passado horas e Marcela iria no bar encontrar o namorado.

– Bem amiga, foi ótimo conversar com você. Eu ainda te amo muito viu, se precisar de mim, é só gritar – disse Marcela em um abraço de despedida.

– Obrigada Má, nossa você hoje me fez um bem danado.

– Olha Ju, não deixe nunca de ser você, não perca a sua essência por nada.

Aquelas palavras soaram como uma martelada em sua cabeça. Realmente, no que ela estava se tornando? Em tudo que nunca havia desejado.

– Ok… – afirmou sem graça.

Depois que Marcela se foi, ela ficou sentada no sofá, o sol caiu por terra e ela nem se quer moveu os dedos. A porta se abriu lentamente, tudo estava escuro.

– Justine? – perguntou desconfiado Lucas ao entrar.

– Sim! – sussurrou no escuro.

Lucas então acendeu a luz da sala e encontrou Justine deitada no chão com as pernas encima do sofá.

– Querida, você está bem?

Justine permaneceu muda por alguns instantes.

– Jú!

– O que é? – respondeu irritada.

– Você ta bem menina!? – perguntou Lucas ao se aproximar da amada.

– Não, eu não to nada bem!

– O que você tem, está doente? O que esta sentindo?

– Vazio Lucas! Vazio!

– Mas por que meu amor, o que te falta?

– Fodas, boas e excitantes fodas.

– Mas agente faz amor todos os dias, bem, quase todos os dias, eu sei que estou meio ausente…

– O problema é este amor! Fazer amor! Lucas, essa não sou eu… Não o eu que você conheceu e amou. Essa coisa de fazer amorzinho… Ergh! Me da até agonia, é muito casalzinho de velhos, cadê nossas brincadeirinhas, nossas fantasias?

– Desculpe querida, eu sei que estou ausente, sei que sente falta porque eu também sinto.

– Essa não sou eu… Eu me sinto presa demais. Nunca gostei disso, eu gosto de me sentir livre.

– O que quer que eu faça?

– Seja você novamente. Cadê meu pervertido, meu garanhão? Quero minha putinha de volta! – disse emburrada.

– Eu sei amor, eu sei! Olha é só uma fase, uma péssima fase, essa droga de caso esta acabando e as coisas vão melhorar, podemos ir onde você quiser, eu tiro uns dias de folga e vamos pra casa no campo, ou pra praia, ou se quiser, vamos até em uma casa de swing.

– Isso vai demorar?

– Claro que não minha garotinha mimada – disse ele enquanto afagava seus cabelos.

Eles se beijaram e Justine se levantou para preparar o jantar. Depois de lavarem a louça, resolveram ver um filme pra relaxar.

– Já percebeu que é sábado a noite e estamos em casa sem nada pra fazer? – disse Justine.

– Sim. Você quer sair?

– Você quer?

– Confesso que estou com um pouco de sono… Mas se você quiser ir, eu vou, sem problemas, tudo pra colocar um sorrisinho neste rostinho lindo.

– Não tudo bem, não trouxe roupas de balada.

– Me perdoe querida se eu não tenho lhe satisfeito como merece…

– Ok, eu entendo, certo!? Logo vai acabar não é?

– Sim! E vamos a fora! E falando nisso, sábado que vem vamos a uma festa.

– Que festa?

– É da ordem dos advogados, será um baile de mascaras.

– E estará cheio de velhos barrigudos com suas esposinhas medíocres?

– Você acha que serei barrigudo ao lado de uma esposinha medíocre? – perguntou Lucas sarcasticamente.

– Nunca, não se a esposinha for eu! – respondeu presunçosa.

– Estão vá comprar esta semana um vestido bem elegante e uma bela mascara, quero minha futura esposinha tesuda e gostosinha ao meu lado neste evento, lá serei apresentado aos demais sócios. Por isso irei. Certo?

– Ok, ok! Vou chamar a Marcela pra me ajudar a escolher algo elegante.

– Te amo boneca! – disse e depois beijou-lhe ardorosamente.

– Eu também minha puta, estou com saudades deste rabinho – disse Justine maciosa.

Os dois voltaram a se beijar e se jogaram ao chão. Lucas levantou a camisola de Justine e começou a beijar-lhe a barriga, descendo até as coxas, e com os dedos firmes percorreu a xoxotinha que tanto apreciava. Justine logo se contorceu ao toque quente de Lucas, sua pele ardia e os pelos arrepiavam, ela gostava daquele sexo não planejado. Lucas se levantou e segurando a mão de justine disse:

– Se ajoelha cadelinha, quero que engula meu pau todinho, eu sei que você gosta.

Justine se ajoelhou e colocou lentamente o pau de Lucas até que seus lábios encostaram-se à base. Ele gemeu e ela, rapidamente tratou de colocar um dedinho na borda do rabinho dele. Seu pau latejou com mais força, mas ela não o deixaria gozar, depois de algumas chupadas, ela olhou para ele e disse:

– Mete em mim!

De joelhos, ela apenas se debruçou no sofá, ele afastou as nádegas dela e admirou seu rabinho, deu uma lambida e começou a chupá-la, logo ela estremeceu, era sinal de que estava pronta. Ela a puxou para si encaixando seus corpos, Justine estava no vai e vem frenético.

– Está gostando cadelinha?

– Muito minha puta! Adoro foder contigo!

– Vai gozar gostoso no meu pau?

– Vou lambuzá-lo todinho.

Mais algumas fortes estocadas e os olhos de Justine brilharam, viraram e suas pernas tremeram. Em seguida Lucas gemeu e suspirou satisfeito. Os dois permaneceram sentados, ela no colo dele, sob sofá de couro, suados e cheirando a porra. Ela sorriu satisfeita.

Agora era se preparar para ser a dama perfeita no baile de mascaras.

Continua…

Freak Butterfly