RSS Feed

Tag Archives: sexo

Justine – A viagem parte I

 

O sol atravessou uma fresta da cortina fazendo a cabeça de Justine martelar. Já era dia, o cheiro do café pairava no ar. Cobriu o rosto com o lençol tentando fugir da claridade.

 

– Acorda Maria Bonita! – cantarolou Lucas – Já está tarde Ju, fui bonzinho e a deixei dormir mais um pouco, mas precisamos partir em 30 minutos.

 

– Não quero ir – resmungou Justine tentando se embrenhar entre as cobertas e travesseiros.

 

– Eu te avisei que iríamos viajar que precisava de você lá, mas mesmo assim teve que ir naquela bate de quinta pra ver aquela putinha – comentou Lucas enquanto puxava as cobertas.

 

– Não fale assim dela querido… Nossa, aquilo não era wisky, era mijo de cão engarrafado, minha cabeça vai explodir!

 

Justine se sentou a beira da cama e ficou olhando Lucas se trocar.

 

– Certeza que preciso ir?

 

– Claro Justine, que coisa, você é minha acompanhante. Depois quando eu viajo a negócios você surta que tenho outra! Banho gelado meu amor, um bom banho, eu já fiz um café reforçado.

 

Justine entrou embaixo do chuveiro e se arrepiou, a água fria a tirou do transe, mas a cabeça ainda martelava.

 

– Maldito mijo de cão! – sussurrou para si.

 

A água escoria por seu corpo lavando o cheiro de cigarros, álcool e sexo, uma mistura que a inebriava sempre.

 

– Que vontade de pecar… – disse enquanto deslizava as mãos entre as pernas, o coração palpitante.

 

Lucas parou na porta do banheiro e ficou olhando pelo vidro Justine se tocar, os olhos fechados, o suspiro.

 

– Quer uma ajuda minha putinha insaciável? – disse Lucas sorrindo já na porta do Box.

 

Justine se assustou, pois estava com o pensamento longe dali.

 

– Vou sair já, já! – respondeu pegando o shampoo e jogando nos cabelos.

 

– Então tá, vou tomar café.

 

Lucas já estava quase no fim quando Justine apareceu, com a maquiagem ainda borrada nos olhos, toalha nos cabelos e moletom.

 

– Nossa! Você está um lixo mesmo – disse Lucas – Mas não há fuga, coma algo que vou pegar as malas.

 

– Mas eu nem fiz as minhas ainda – resmungou Justine.

 

– Oh minha criança, eu sabia que isso ia acontecer, então eu já fiz.

 

– E como sabe o que vou levar? – disse ela enquanto pegava a caixinha de remédios.

 

– Te conheço mais do que imagina mocinha, agora acelera ai – disse Lucas seguindo para o quarto.

 

Logo ele apareceu com duas pequenas malas, a mochila de negócios e óculos de sol.

 

– Anda, tome o resto no carro, já me atrasei demais.

 

Ela calçou pantufas, colocou os óculos escuros, pegou um tônico na geladeira e a caixinha de remédios.

 

– Vamos!

 

– Vai de pantufas?

 

– Cala a boca e vamos logo – resmungou Justine mais uma vez.

 

No carro Justine estava apagada, entre Dramins e aspirinas, ela babava no travesseiro enquanto Lucas ria tirando fotos e ouvindo Morrissey. Depois de uma hora de viagem, Lucas parou em um posto para usar o banheiro, cutucou Justine e que despertou assustada.

 

– O que? Onde? Hã? Que poooorraaaaaaaa Lucas! O que foi agora?

 

– Oh estúpida! Não quer ir no banheiro? Depois desse tanto de liquido que tomou, porque eu só vou parar quando chegarmos lá.

 

– Ainda vai demorar? – perguntou fazendo manha.

 

– Umas duas horas por ai.

 

– Droga! Vou no banheiro.

 

Os dois foram ao banheiro, Justine passou na loja de conveniências e comprou mais um tônico, sua cabeça ainda martelava e seu suor parecia exalar aquele wisky barato. Lucas pegou algumas guloseimas e voltaram para o carro.

 

– Oh minha menininha ta feia na foto hem!? – disse Lucas em tom de gozação.

 

– Porra, nunca mais quero beber… Não por ai, agora vou andar com meu trago na bolsa. Minha cabeça ta girando ainda.

 

– Não quer vomitar? Talvez te ajude a melhorar.

 

– Que viajem romântica não? Ué você pode vomitar no banheiro, se estiver melhor, te dou balas de menta e você pode me chupar enquanto dirijo.

 

Justine levantou uma das sobrancelhas, mas pensou não ser má ideia. Foi ao banheiro, colocou o dedo goela abaixo e vomitou liquido e mais liquido, era tudo o que tinha conseguido ingerir até então, quando já não lhe restava mais nada, foi até a pia, jogou água no rosto e realmente se sentiu um pouco melhor. Passou na conveniência mais uma vez, comprou um salgado e coca-cola e voltou para o carro.

 

– Você tinha razão, acho que estou me sentindo melhor – suspirou Justine aliviada – obrigada!

 

– Quer as balas de menta agora? – disse Lucas rindo.

 

Justine sorriu e lhe deu um soquinho no ombro. Lucas ligou o carro e voltou para a estrada. Ela terminou de comer, tomou outro dramin e mais uma vez apagou, parecia tão doce e inocente dentada ali no banco do carro, de moletom, pantufas, agarrada ao travesseiro de gatinho, babando sob ele. Por alguns instantes Lucas se esquecia da Justine maluca e ninfomaníaca e Le lembrava que apesar de tudo, ela era apenas uma menina.

 

– Já chegamos? – perguntou Justine num sussurro tentando abrir os olhinhos.

 

– Não minha gatinha, mas falta pouco, você está melhor?

 

– To toda torta – respondeu manhosa.

 

– Deita um pouco aqui no meu ombro, puxa esse cinto pra lá e encosta aqui fofinha, te faço um cafuné – disse Lucas carinhosamente.

 

Justine o fez, recostou a face em seu ombro e curtiu um cafuné, olhando a estrada vazia, lembrou que há tempos os dois não faziam uma viagem a sós, aliais, não curtiam um momento a dois, ela sentiu até mesmo saudades da época de rotina, quando só haviam os dois, jogados pela casa, transando quando desse na telha, ou brigando e fazendo as pazes pelo chão da sala. Justine sorriu lembrando de coisas bobas que faziam juntos, ela tirou o óculos escuro, olhou pra ele com um sorriso bobo e disse:

 

– Cadê a bala de menta?

 

Lucas caiu na gargalhada, mas não hesitou em pegar as balas que estavam no porta-treco do carro.

 

– Pode escolher! – entregou-as sorridente.

 

Justine pegou a mais forte, descascou e colocou lentamente nos lábios, chupou a bala enquanto acariciava os lábios com a língua, tirou o cinto de segurança, Lucas baixou a velocidade, ela mais uma vez recontou sob seu ombro e com uma das mãos começou a acariciar o pau de Lucas ainda sob a bermuda. Lucas a olhou nos olhos por um instante e disse:

 

– Senti sua falta!

 

Justine sorriu e baixou a cabeça sem demora, tirou o pau latejante e rijo para fora e começou a se deleitar, sobre e desde, sobe e desce, a língua desliza o envolve e mais uma vez sobe e desce para dentro da boca, Lucas suspira, Justine espia e o vê se segurando para não recostar a cabeça pra trás e tentar se concentrar na estrada. Se deleita, jorra leite!

 

– Meu Deus menina! Senti mesmo tua falta… Há tempos não me agraciava com teus encantos orais – disse Lucas ofegante tentando manter a concentração – venha aqui e me de um beijo minha putinha linda.

 

Justine satisfeita e sorridente cumpriu o desejo de Lucas, encostou novamente no banco, puxou o sinto, aumentou o som do carro que ainda rolava Morressey e ficou olhando a paisagem.

 

Algum tempo depois, podia se ver a cidade, enfim a viagem estava no fim, ou apenas começando. Lucas havia reservado um quarto maravilhoso com vista para o mar, à noite teriam um jantar com temática havaiana junto aos sócios e alguns dos mais importantes clientes da firma. Lucas estava crescendo e às vezes Justine se deprimia por ter parado no tempo. Já no quarto, Justine começou a pensar e questionou:

 

– Lucas, você não acha que eu deveria voltar a estudar e trabalhar? – perguntou cabisbaixa.

 

– Porque isso agora meu bem, não lhe dou tudo o que quer?

 

– Me sinto desvalorizada…

 

– Com tudo que te dou você ainda se sente desvalorizada?

 

– Claro, parece que sou tua puta de luxo e nada mais. Cansei já de não fazer nada… Acho que quero voltar a estudar, afinal, não vai me bancar pra sempre!

 

– E porque não?

 

– Fala sério né Lucas! – Justine se levantou zangada, pegou uma bata e foi para o banheiro.

 

Com um maio, bata, chinelinhos e muito protetor solar, munida de chapéu e água, Justine resolveu ir caminhar na beira da praia. Pensar, refletir, de repente uma crise existencial lhe abateu.

 

– Porra, o que eu to fazendo da minha vida? Larguei a faculdade, larguei o emprego, pra virar puta de advogado?!? – seguiu andando até encontrar uma sombra que pudesse lhe acolher.

 

Mais adiante, Justine viu certa movimentação de pessoas, uma parte do hotel estava com a entrada “Proibida sem Autorização”, era o que dizia a placa, um tipo de cortina fechava o lugar, mas como boa curiosa ela se empenhou em descobrir o que estava rolando ali, sentou-se na areia e decidiu esperar.

 

Algum tempo depois, Justine viu uma bela loira bronzeada correndo nua em direção ao mar, à praia estava vazia, não era alta temporada, mas isso a deixou mais curiosa, o que estava acontecendo ali? Ela se levantou e resolveu caminhar em direção à água, quando ouviu o que parecia ser uma direção fotográfica. A bela moça fazia poses, brincava com a água e por fim deitou na beira-mar onde a areia se misturavam a água salgada no seu belo bronzeado. O fotografo se aproximou, Justine se sentou novamente e ficou olhando a sessão de fotos que rolava descontraidamente, quando o fotografo se virou para falar com um assistente, seus olhos não podiam acreditar.

 

– Fernando! – disse Justine sem acreditar.

 

Ela ficou ali paralisada, sem ao menos conseguir piscar. Fernando olhou para sua direção, colocou a mão sob os olhos em uma tentativa de o sol não ofuscar sua visão, sorriu, sacudiu a cabeça como quem não acreditava no que via, entregou a câmera para o assistente, liberou a modelo e caminhou em direção de Justine. Ela ainda estava paralisada, queria levantar e correr dali, mas suas pernas estavam dormentes.

 

– Olha só quem está aqui! Está me perseguindo querida!? – disse Fernando sarcástico.

 

Justine respirou fundo, olhou em seus olhos e enfim conseguiu se levantar.

 

– Claro que não, vim em um evento – disse enquanto se levantava – você se acha não é? – continuou em tom zangado virando as costas para partir.

 

– Hey, calma pequena, o que houve? Eu só estava brincando, estou até feliz em te ver – disse Fernando tentando segurá-la pela mão.

 

– Pode me soltar, tenho um baile para ir e preciso me arrumar.

 

Fernando soltou a soltou e Justine partiu sem olhar para trás.

 

– Essa menina…. – suspirou ele para consigo mesmo.

 

As pernas de Justine estavam tremulas, não sabia ainda como conseguiu andar sem olhar para trás, ao entrar no quarto de hotel, estava pálida.

 

– O que houve meu bem? – perguntou Lucas se aproximando de Justine e segurando sua mão – Esta passando mal ainda?

 

Justine sentou-se na beira da cama olhou para Lucas e sentiu o cérebro estalar.

 

– Não, eu só tive um pequeno mau estar, vou cochilar e logo me banho para começar a me arrumar pro baile, não se preocupe.

 

– Tem certeza?

 

– Claro amor – continuou tentando se acalmar – só estou um pouco cansada, pode ter sido o sol – Justine se levantou, beijou Lucas, tirou a bata e se deitou.

 

Quando fechava os olhos seus pensamentos se misturavam, lembrava-se do Fernando no beco, e do Fernando na praia, teve sonhos confusos e foi despertada por Lucas.

 

– Querida, está mesmo bem? Está toda suada – perguntou Lucas preocupado.

 

– Estou amor, um banho me ajuda.

 

Justine tomou um banho e tentou relaxar pensando na noite que teria com Lucas. Secou-se, passou hidratante pelo corpo já macio, se admirou no espelho, depois de anos finalmente se sentia bem com o próprio corpo, colocou uma lingerie que não marcasse seu corpo e entrou no vestido branco longo de manga única, secou os cabelos, fez um coque na lateral e colocou uma flor, uma maquiagem leve e estava pronta, Lucas entrou no quarto e ficou maravilhado.

 

– Você está linda de branco – ele se aproximou junto a ela no espelho, segurou-a pela cintura e continuou – você ficaria linda de noiva…

 

Justine ficou sem jeito e foi pegar um perfume na nécessaire.

 

– Bem estou pronta! Vamos?

 

Lucas sorriu e consentiu. A noite foi maravilhosa, todos estavam animados, beberam e dançaram, Lucas recebeu elogios por seus trabalhos e dedicação ao escritório, no fim da noite, com uma garrafa de vinho branco suave a mão, caminharam na beira mar, rirão, falaram bobagens e correram de volta para o quarto de hotel. Justine empurrou Lucas para a cama, tirou a calcinha, mas se manteve com o vestido. Ele a olhava vislumbrado, ela caminhou lentamente mordendo os lábios, soltou as madeixas e engatinhou pela cama até chegar por cima de Lucas.

 

– Feche os olhos meu amor – sussurrou Justine enquanto mordiscava sua orelha.

 

Lucas fechou, Justine ligou a playlist do celular que tocava Dsert de Emilie Simon, ela tampou seus olhos com as mãos para assegurar que ficariam assim, os beijava, mordia os lábios, brincava de fugir, Lucas tocou seus seios, deslizou a manga do vestido e o desceu para sentir os mamilos duros e rijos de Justine, ele mesmo sem ver, se deleitou naqueles seios maravilhosos, Justine suspirava, ela solto seus olhos, mas ele decidiu continuar com os mesmos fechados, Justine tirou sua camisa, abriu a calça, seu pau saltou sem muito esforço, o corpo de Lucas queimava, sem demora, Justine sentou lentamente sobre o membro rijo e começo a cavalgar, Lucas gemia, seus corpos se uniram cada vez mais como se a qualquer momento um tipo de osmose fosse acontecer.

 

– Senti sua falta minha putinha linda! – sussurrou Lucas no ouvido de Justine.

 

Poucas as vezes que os dois se fundiram de maneira doce, mesmo com as estocadas violentas de Lucas e as mordidas ensandecidas de Justine, era amor e não apenas sexo. Durou mais que o comum, o vestido de Justine estava molhado de suor, seus cabelos desgrenhados, Lucas gozou como louco, Justine sorria satisfeita.

 

– Banho? – perguntou Justine com cara de gozo.

 

– Só se for agora!

 

Os dois correram para o banheiro, a porra ainda escorria pelas pernas de Justine, se despiram rapidamente, e entraram embaixo da água natural. Beijos, risos, brincadeiras, mordidas, eram duas crianças se redescobrindo, Lucas empurrou Justine de cara contra a parede, abriu suas pernas e de joelhos e chupou, meteu a cara e o focinho naquela bocetinha vermelha e inchada. Dedilhava o grelo, sugava, lambia, ela arranhava a parede, então ele se levantou, puxou-a pela cintura e a penetrou, ela gemia.

 

– Isso, me fode, vamos me fode gostoso, me faz gozar como louca!

 

Ele mordia sua nuca e a puxava pelos cabelos.

 

– Gosta quando te pego assim, feito uma cadelinha não é? Gosta quando te pego assim não é?

 

– Gosto, gosto muito, senti saudades, mete esse pau gostoso, me fode toda!

 

Lucas pegou o sabonete, lambuzou o rabinho lindo e rosado de Justine, meteu um dedinho, ela gemeu ainda mais alto.

 

– Que rabo maravilhoso!

 

Sem pensar duas vezes, Lucas se aventurou, Justine se empinou mais e então ele meteu, ela soltou um gritinho sufocado.

 

– Oh Deus! Que loucura! – dizia Justine em delírios.

 

Lucas estava amando, a muito não comia aquele rabo, era virgem outra vez, entra e sai, entra e sai, ele estava maravilhado e ela tentando controlar o desejo insano de gritar.

 

– PORRA, JORRA NESSE CÚ! – gritou ela desesperada de tesão.

 

– Toma então cadelinha, toma o leitinho nesse rabo!

 

Lucas jorrou, Justine gozou e suas pernas mal podiam se mexer, tomaram um banho rápido e se jogaram nus sob a cama. Justine olhou a luz pela fresta na cortina, sorriu e pensou no quanto gostaria de reencontrar Fernando.

 

Continua…

 

 

Quem não chora não mama

Machismo ou feminismo a parte, uma coisa é fato: “quem não chora não mama!”. Achar que seu parceiro é o expert, que manja tudo na cama, que vai te levar aos céus, bem, seria o ideal, mas não é o real.

As pessoas perdem mais tempo reclamando da qualidade de suas vidas sexuais, do que tentando encontrar uma solução. Primeiro, devemos acabar com um paradigma: homens, se você foi o ‘fodão’ da vida de alguém, saiba que isso pode não ocorrer na vida de sua atual parceira. Cada qual com seu buraco, cada qual com seu gosto. Não podemos em hipótese alguma levar em consideração a relação passada para se tornar base na do presente, cada relação é uma nova descoberta, o que é mais divertido do que descobrirem juntos?

Cada toque, cada beijo, o cheiro e o sabor, o que gosta e o que não gosta… Mulheres, não se calem, não finja. A coisa mais ESTÚPIDA a se fazer foi aprendermos a fingir – ok, preciso abrir meu coração a vocês e dizer que para alguns casos há exceção, como naquele sexo casual que o cara é um bosta, não goza nunca e tudo o que você quer é que ele chegue lá o mais rápido possível e você quase implora pra ele gozar e então escuta “só depois de você” – pois no final das contas, você não ganha nada fingindo – a não ser que esse seja seu ‘ganha pão’.

Vale ressaltar aqui para os homens também que: não leve o que viu no filme pornô pra cama!!!! Se você achou algo muito interessante e quer arriscar, converse com a parceira e chegue a um consenso, mas não pense que o que acontece naqueles filmes, seja o que desejamos na vida real. Até porque não somos artistas do “Cirque du Soleil” pra tanto malabarismo e posições que as vezes deixa nós mulheres constrangidas.

Outra coisa é insistir no que ela não gosta, claro que como qualquer coisa, pra não gostar você tem que provar – não leve em consideração o que suas amigas falam sobre determinadas coisas, o que é ruim para uns, pode ser o paraíso de outros, afinal, nossos corpos são diferentes, mesmo que sejam gêmeos, ainda são diferentes – se para você determinada posição é o máximo, e pra ela um martírio, saiba que ela pode até ceder, mas isso será única e exclusivamente para te agradar, e não é isso que queremos, não é? – não falei com vocês egoístas de plantão!

Ouvi esses dias um rapaz falando pra outro da “mulher GPS”, realmente, falar demais é chato, pode até soar menosprezo, pense: ele tem as ferramentas, sabe usá-las, – ok, alguns não – porém, não sabe ainda usá-las da forma que mais te agrade, o mesmo vale para as mulheres, então, deem boas-vindas ao diálogo, falem o que gosta, ajude seu parceiro a encontrar o que lhe da mais prazer e vice-versa.

Conversem, fale bobagem, riam descontrair ajuda a falar sobre essas coisas que ainda insistem em ser tabu para o casal. E lembrem-se: Ninguém nasce sabendo tudo, assim como ninguém vem com um manual de instruções.

E já que o assunto foi descoberta, aqui vão algumas dicas de joguinhos que podem funcionar para descontrair o ambiente:

  • Dadinhos pro Prazer;
  • Caneta comestível – a imaginação é o limite, desenhe em seu corpo lugares que gosta de ser tocado (a), ou escreva o que gosta que façam em você e com você;
  • Raspadinha divertida;
  • Aviso de porta – este é ótimo para quem está esperando o parceiro chegar, pendure na porta do quarto este aviso divertido.

Desperte a imaginação e divirtam-se!

 

Justine: delírio

 

Realmente aquele homem era um ser único, e não só pelo olhar enigmático, mas porque aqueles dedos a guiaram para o prazer quase que instantâneo.

                – Meu Deus! – suspirou ela junto a um orgasmo.

                – Estou longe de sê-lo querida. Foi um prazer, mas preciso ir.

                – Mas já?!

                – Sim, preciso viajar ainda hoje, passei aqui só pra tomar uma.

                – Pena… – Justine se levantou fingindo não dar importância pelo desconhecido que estava para partir.

               Ela se levantou e logo cambaleou, as pernas estavam bambas, sentiu o riso em sua nuca.

                – Ficou fraca querida?

                – Estou bem. Tchau! – seguiu sem olhar para trás.

               Darling estava radiante correndo em direção a sua protetora, ela a abraçou e beijou intensamente.

                – A senhora conheceu o Fernando, nem acredito!

                – Ah, então este é o nome dele…

                – É, mas ele não gosta muito de falar sobre, ele gosta de manter esse ar de mistério, isso enlouquece as meninas, todas dariam para ele de graça por horas, e fariam o que ele quisesse sem pensar!

                – Você já fez?

               – A senhora, eu o conheci a algumas semanas. A senhora e o Lucas estavam curtindo a vida de casal, então uma noite ele veio, mas me pagou, muito bem até.

                – E o que ele lhe pediu pra fazer?

               – Bem, ele queria me ver de saltos, salto altíssimos, parecido com aqueles sapatos vermelhos que a senhora tem que nem sei anda neles, mas o dele era preto.

               – Vamos sentar um pouco… Quero saber mais sobre isso.

               As duas foram para a mesa do canto, Fernando já tinha ido embora, o escuro lhe davam privacidade. Justine acenou para uma das meninas e pediu um wisky e Martini para Darling.

                – Vamos querida, continue!

                – Bem senhora, agente foi num quarto barato, em um destes hotéis que tem aqui na rua, ele estava de mochila, sempre muito sério, pediu para que eu ficasse pelada e colocar as botas, eram lindas, como as suas. Eu fiz o que ele pediu, ele mandou eu levantar, mas a senhora sabe que eu não consigo me equilibrar, então falei pra ele.

                – E ele?

                – Ficou bravo, pediu pra me levantar, disse que eu deveria me comportar. Como a senhora já sabe as cena, me segurei na beira da cama, tentando me aproximar da parede, ele pediu que eu caminhasse até ele, mas caí, espatifada.

                – Você se machucou?

                – Um pouco, bati o dente nos lábios e abriu um talho, saiu um pouco de sangue, ele veio até mim, perguntando se eu estava bem, um sorriso diabólico estampava aquele rosto. Ele viu que eu estava sangrando, então ele se afastou, sentou numa cadeira e me chamou.

                – O que ele disse?

                – “Vem minha cadelinha!”

                – Que delícia! – Justine afastou as pernas de Darling para ver se ela estava excitada.

               Bingo! Molhadinha.

                – Quer que eu continue senhora?

                – Claro, claro! Não pare.

                – Eu me arrastei até ele, o chão de madeira antigo esfolou meus joelhos, me ajoelhei na frente dele e apenas o olhei. Ele sorriu, mas dessa vez foi doce, me beijou a testa e mexeu nos meus cabelos e disse que eu era uma boa menina. Me disse que se eu continuasse a obedecer ele me daria um prazer que nunca senti. Eu já tinha ouvido algumas meninas comentar dele sabe. Então fiquei curiosa.

                – O que você? – perguntou Justine ainda a tocando.

               Um breve gemido, Darling tentou fechar as pernas. Justine as afastou novamente.

                – Ai senhora… Que delícia…

                – Cale a boca menina e me conte!

               Entre gemidos, suspiros, Darling tentou prosseguir com a história.

                – Ele pediu para que eu tentasse caminhar novamente. Eu tive medo, ele fico de pé, me deu a mão e me ajudou a levantar, me senti uma criança aprendendo a andar, ele me segurou, mas não da forma segura, só consegui me apoiar, daí dei alguns passos e do nada ele tirou a mão, mais um passo e eu me espatifei na beira da cama. Ai eu soltei uma lagrima, porque bati meu braço, eu já estava pra tirar aquele sapato maldito e sair correndo dali, quando ele me puxou pra cama. Ele me deitou e pediu pra eu ficar quietinha. Repetiu que eu era uma boa garotinha por ter tentado, e não deveria chorar quando caísse, que eu tinha que ser forte.

                – E?

                – Acho que vou gozar… – respondeu Darling se contorcendo.

               Darling gozou e virou o Martini deixando a cabeça cair para trás.

                – Ah senhora… Depois que me deitei, foi uma loucura, ele começou a acariciar meu corpo, meus seios, brincou com os mamilos, mordiscou eles e depois passou a língua, suas mãos desceram até minha buceta, nossa eu tava pegando fogo já, ele começou a me tocar, me tocar, de forma tão diferente, como a senhora faz comigo, deslizando o dedo envolta do meu grelinho? Bem assim, então seus lábios beijaram minhas coxas, a virilha, e ele caiu de boca, me desculpe senhora, mas foi o MELHOR sexo oral da minha vida, não sei explicar, enquanto ele me sugava, os dedos dele entravam e saiam, até no meu rabinho ele meteu os dedinhos, eu estava tão, tão… Sei lá que palavra usar, foi como morrer por alguns segundos e cair no paraíso.

                – Que sortuda hem! Eu só tive os dedos… – disse Justine em um tom enciumado.

                – Bem Darling, preciso ir, o Lucas vai viajar manhã e tenho que estar em casa. Adorei a historinha.

               Elas se beijaram, cada vez que partia, Justine via nos olhinhos de menina de Darling o aperto no peito. Se era amor ou devoção, não se sabia, mas Justine sentia em Darling aquele calorzinho que tinha quando estava nos braços de Marcela. Ela pegou o casaco e saiu pela porta lateral do bar, o carro estava ali perto, ao sair seu coração estremeceu com um estranho vulto parado no meio do beco, encostado na parede, ela ouviu.

                – Você demorou, pensei que não fosse mais sair.

               Justine parou, as pernas estremeceram, a voz era familiar, mas sentiu que deveria perguntar mesmo assim.

                – Quem tá ai?

                – Sou eu minha querida, seu demônio!

               Justine soltou a respiração presa e continuou a caminhar como se não desse importância para quem fosse, mesmo sentindo seu grelo palpitar mais que o coração, ela procurou as chaves do carro na bolsa sem olhar pra ele, quando passou fingindo não se importar com sua presença, ele a segurou pela braço e a jogou contra a parede.

                – O que é isso? Tá maluco!?

                – Não, só fiquei com seu cheiro nos meus dedos, e senti vontade de provar seu gosto, seu perfume é tão inebriante sabia – disse ele se aproximando cada vez mais dela – Você gosta disso não gosta? – continuou falando – Gosta desses joguinhos, gosta do perigo, eu sinto no seu suor.

               Justine não respondeu, se fez de durona e tentou se soltar.

                – Você não quer sair quer? Se quisesse já teria, você ficou curiosa com o que a Darling te disse não foi?

                – Somo sabe o que ela me disse?

                – Meninas contam as outras sempre, eu vi ela nos espionando atrás da cortininha do palco, ela me falou de você, bem não disse seu nome, mas pela descrição… Ela te admira muito sabia? Você é uma deusa pra ela, deve ser muito bom no que faz, gosta de dominar essas menininhas né?

                – Me solta? Tenho que ir pra casa.

                – Você tem, ou quer?

                – Para de rodeios e fala logo o que você quer Fernando. É este seu nome não é? Ou é o que fala pras menininhas daqui.

               Ele sorriu, baixou a cabeça, balançou e sorriu novamente.

                – Não disse, elas contam tudo. E sim, este é meu nome mesmo. Sabe, cansei de conversa, eu to com pressa e só fiquei aqui porque não poderia viajar sem ter esse seu perfume inebriante espalhado no meu rosto.

                – Você é louco!

                Ele a prendeu com seu corpo e com uma das mãos tentou afastar as pernas. Depois de pouca insistência ele a tocou, estava quente e lúbrica, já podia sentir o grelo pulsar, ele aproximou os lábios do dela, e então Justine se entregou, deixou a bolsa cair, entrelaçando os braços em seus cabelos longos. O beijo era voraz, ele puxou o cabelo dela impulsionando a cabeça para trás, beijou-a o pescoço, seios, e se ajoelhou, levantando a saia ficou maravilhado com aquela boceta de menina, lisinha, branquinha, de lábios pequenos e avermelhados, era suculenta, ele levantou uma das pernas apoiando-a em seu ombro e invadiu o paraíso.

               Justine queria uivar, seu peito doía, ela pensou que fosse enfartar. O calor subia rápido, a sensação era tão deliciosa, que ela não sabia se gozava ou segurava um pouco mais. Ele deslizava os dedos melados entre os pequenos e os pequenos grandes lábios, abria e a penetrava com a língua, sugava-a, e voltava a penetrá-la com os dedos, os lábios eram tão macios, Darling estava certa, era como se fosse morrer. Céu ou inferno, pouco importava, ela não podia mais esperar, então relaxou e sentiu a explosão, de olhos fechados ela pode ver centenas de cores, ela não podia respirar, por um segundo ela morreu. As penas balançaram, ela pensou que fosse cair, quando ela abriu os olhos ele estava sorridente olhando para ela.

                – Você é doce! Incrível como realmente é doce, é como um mel, valeu esperar, mas não posso me atrasar.

               Justine escorregou o corpo pela parede, tentava recuperar o ar, ele beijou-a na testa e agradeceu. Ela não conseguia se mexer, nem pensar nem se quer ao menos falar. Ela ficou ali, escorada na parede vendo um doce demônio partir. Quando ele dobrou o beco, ela se esforçou para se levantar, fechou o casaco, vasculhou a bolsa, pegou as chaves e em silêncio entrou no carro deixando um rastro de gozo para trás.

 

Pimenta na Cama – é hora de brincar

Quem disse que cama não é lugar para brincadeiras? Pois saiba como, onde e porque investir em apetrechos eróticos e ainda conheça algumas novidades – que infelizmente não são para todos os bolsos.

Em uma visita ao sexo shop, depois de algum tempo sem entrar em um, fiz novas descobertas e redescobri o valor de usar a cama como “área de lazer” da casa. Gel comestível que esquenta, gel que esfria e da choquinhos, adstringentes que fazem a moça “voltar” aos tempos de virgindade – penso, se doeu tanto da primeira, porque uma segunda vez? – calcinha comestível, caneta erótica para desenho corporal – que você irá ter que apagar com a língua depois – pó da bruxinha, é uma espécie de Viagra que serve pra homem e mulher e deve ser colocado em bebidas que não contém gás, diz à vendedora que isso aumenta a libido – será? Depois fiquei curiosa e me arrependi de não levar pra testar.

Enfim, são coisas antigas, novas, baralhos, vela que não te queima e sim servem para fazer massagem depois que queimam, algemas, kit bondage – que eu acho RIDÍCULO! Diga-se de passagem – chibatas, chicotes – que não dói nem um pouquinho, é só pra enfeite mesmo, se você for sádico, não compre em sexy shop comum, essas porcarias não prestam!

Daí que você pensou e se perguntou, “mas eu já sabia de tudo isso”, então vamos para algumas novidades:

  • Calcinha para sexo oral – é uma calcinha – brega – que tem uma fina camada, como um véu para te proteger contra doenças no sexo oral, algumas são de sabor, mas me pergunto, será que protege mesmo?
  • Língua de silicone que simula sexo oral – Deus, sim isto existe e parece até tentador, são 10 linguinhas que ficam girando livremente, o aparelho se chama Sqweel, funciona com três pilhas AAA, porém se a primeira vista é tentador, o preço é de espantar, em média você pode ter um por R$300;
  • Uma jóia ou um brinquedo erótico? – Depois de aparecer em mãos de celebridades, o anel para masturbação masculina caiu na graça do povo, e agora é acessório de moda, então uma o útil ao agradável e tenha o seu e brinque com o ‘garotão’ em várias ocasiões. O anel tem o formato ideal para masturbação do pênis e esquenta, elevando a excitação do parceiro;
  • Vibradores – estes estão evoluindo cada vez mais, o “I Vibe Rabbit” é o sonho de consumo de muitas, feito de silicone, reúne todas as melhores e desejáveis características da linha “Rabbit” – que ficou popular no Brasil depois do filme “De pernas pro ar” – além de ser rotativo, vem com controle sem fio podendo dar ao seu parceiro o “poder” de controlar seu prazer, mas essa maravilha toda custa cerca de R$1.200, sonho de poucas;
  • Fuck me Silly Mega Masturbador – para os aficionados em pornografia de plantão, que sempre sonharam em ‘foder’ uma atriz pornô, ai esta sua chance, este masturbador masculino pesa em torno de 10 kilos do melhor silicone moldado, acompanha DVD da atriz, agora eu preciso colar aqui a descrição do brinquedo “Enfie seu rosto inteiro nessa vagina perfeita em todos os detalhes, com seus lábios cor de rosa e depois penetre com toda sua força no buraquinho apertado do ânus da Fuck Me Silly. 
    Ela é quente, ela é muito resistente, e o mais importante, ela nunca diz não!
    ” – com o perdão da palavra, PORRA, tem que ser muito tarado a preferir uma vagina de silicone a de uma garota, mas para os que quiserem ter essa experiência, terão de desembolsar cerca de R$2.800 – meu caro, compre umas roupas legais e vá pra uma balada, pague um drink a garota e boa sorte!
  • Masturbador Masculino Automático – Se para as moças temos a língua “tentáculos”, para os rapazes criaram um masturbador automático, porém, não descobri a marca nem o preço, mas veja que interessante;
  • Wii Vibe II – o vibrador feminino mais premiado em feiras eróticas. Construído especialmente para nós mulheres, tem o formato em C, adaptável a qualquer corpo, pode ser usado até em seu dia-a-dia, pois você conseguirá andar com ele entre as penas, pois é macio e flexível e sem fios, orgasmos em qualquer hora e qualquer lugar. Preço médio R$ 844 – to ficando mais triste a cada minuto, tudo que é interessante é altamente caro.
  • WOW! Vibe n3 – esse brinquedinho é da mesma linhagem dos “Rabbits”, tem a ponta rotativa, massageador de clitóris, além de charmoso, rosa com detalhes em perola, uma ótima opção de presente pra quem deseja apimentar a relação um pouco mais e fazer sua parceira soltar uns WOW! – Preço médio? R$1.000;
  • Barra de Pole Dacing – sim, isto virou mania, o que uma novela global não faz na vida das pessoas! Cada dia mais as mulheres aderiram a barra, até para manter a forma, então, que tal unir as duas coisas e comprar uma para o quarto?

Deus é tanta novidade, bucetinha de bolso, vibradores carregáveis entre as pernas, géis, anéis, acessórios e lingeries, a imaginação é o limite – e o bolso claro, mas nada que não se possa utilizar brinquedos comuns, o que conta no final é a intenção de dar e receber prazer.

Escolhi para vocês uma série de vídeos destes brinquedinhos, vendidos no site http://www.a2ella.com.br – não eu não to recebendo pra isso – apesar dos preços muitas vezes exorbitantes, há algumas coisas que merecem investimento, e sexo é uma delas.

Agora você homem se pergunta se nós gostaríamos de ganhar algo assim? CLARO! Mulher também gosta destas coisas, mulher também vai ao sexo shop, só que com menos frequência, ou usando do artifício “loja virtual”, que a cada dia estão mais e mais discretas.

Agora fiquem com os videos dos brinquetinhos mais top do momento:

http://www.youtube.com/watch?v=1woHx-8O71w&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=5hZ2erTn3bo&feature=mfu_in_order&list=UL

http://www.a2ella.com.br/acessorios/kits/remote-control-waterproof-vibe-set.html

http://www.a2ella.com.br/acessorios/kits/cyberskin-cyber-sex-collection.html

http://www.a2ella.com.br/acessorios/kits/extreme-toyz-collection.html

http://www.youtube.com/watch?v=3Hhe1vXkKXY&feature=related – incrivel a cara de satisfeita da ‘compradora’!

E viva do dia do sexo

É engraçado haver um dia especial para o sexo – pior ainda que eu me atrasei um dia no post do texto -, já que dia do sexo deveria ser todos os dias, não há nada melhor para a saúde física e metal do que esta prática milenar. Melhor ainda se for protegido. É um clichê barato, mas no mundo em que vivemos não se pode confiar nas pessoas, e ninguém anda com os testes de DST atualizados na carteira ou bolsa, sem contar o alto índice de gravidez indesejada.

Bem, realmente sexo com preservativo às vezes pode ser chato, e até incomodo. Você sabia que há pessoas com alergia ao lubrificante ou ao látex? Mas por favor, não vá usar isto como desculpa, é por isso que pesquisei para vocês e achei uma matéria da revista Pró-Teste sobre preservativos. Então vamos aos mitos e realidades dos preservativos:

  • Sim alguns produtos são tóxicos: o látex, o espermicida, o corante, o lubrificante e aromatizante, em alguns casos, em contato com a mucosa pode alterar ou matar células, no caso essa pratica pode causar hipersensibilidade, alterar a flora local, reduzindo a proteção natural da vagina, e em casos extremos pode causar ferimento ou irritação. Para os alérgicos existe as alternativas sem látex, porém, embora nos testes ele demonstrar segurança, o preservativo fabricado pela Unique tem aspecto de saco plástico – as camisinhas femininas também (risos), você pode optar pela Blowtex Premium, segue os mesmos padrões utilizados no mundo, com uma vantagem, custa cerca de  três vezes menos que a Unique;
  • Tamanho não é documento: a pró-teste testou todas as marcas para provar que o tamanho é o mesmo e deve envolver inteiramente o pênis, o que muda é a espessura, o que pode se tornar mais agradável, tipo quanto mais fino mais sensibilidade. Há somente algumas camisinhas especiais com tamanho da largura e comprimento diferentes, mas geralmente, ela tem um tamanho padrão;
  • Apesar de seguro, pode conter furos: apesar de um percentual muito baixo, há possibilidades de haver furos, principalmente se você guardá-las em locais quentes, pois os reagentes como lubrificante entre outros do tipo podem ‘corroer’ o preservativo, o furo pode ser micro, que podem deixar passar bactérias, vírus e esperma.Veja a data de fabricação pois elas vencem, veja a qualidade do látex, pois podem estourar;

Agora vejamos os tipos de preservativo que você pode encontrar por ai:

  • Lubrificadas: facilitam a penetração, lembre-se, se deseja lubrificação extra, opte sempre pelos a base de água;
  • Com espermicida: possuem uma eficácia de 52% contra a gravidez caso fure ou estoure, mas antes de usar, veja se sua parceira não tem alergia ao produto;
  • Diferentes espessuras: não são tamanhos diferentes e sim espessuras, as mais grossas são recomendadas para o sexo anal, porém reduzem a sensibilidade masculina. As mais finas aumentam a sensibilidade, são mais indicadas ao sexo ‘convencional’, se usar para o anal, precisará de lubrificante;
  • Com substâncias estimulantes: são aquelas que prometem retardar a ejaculação, aditivos que aumentam as contrações femininas, entre outras. Estas podem ser mais propensas a causar alergia!

Vejamos agora, de todas as marcas testadas quais se saíram melhor:

  • A melhor do teste foi escolhida no quesito conforto e resistência, além de ser a menos toxica foi a Blowtex Premium que custa em média R$3,39 a R$5,65;
  • A Lovetex Extra Fino foi a escolha certa, mesmo sendo de látex, ela não é toxica e possui um preço muito em conta, que varia de R$1,20 a R$3,49.

Dados técnicos a parte o melhor é se divertir, com proteção e fazer o que a imaginação ordenar. Seja ontem, hoje, ou amanhã, seja o dia do sexo ou não, TODO dia é dia para sexo.

Caso você queira ler a matéria completa, acesse: http://www.proteste.org.br/saude/20110225/preservativos-nao-deixam-furos-Attach_s536011.pdf

E saiba mais em: http://www.proteste.org.br/doencas/camisinhas-conheca-mitos-e-verdades-s536341.htm

*Fonte: Revista Pró-Teste 100, Março de 2011 entre páginas 8 e 12.

 

Erros Matadores cometidos pelos Homens na Cama

Lendo a revista masculina Men’s Health deste mesmo (julho), achei várias coisinhas interessantes – e é por isso que adoro ler a versão masculina, e feminina é muito ergh! – e uma delas irei transmitir a vocês. É uma pesquisa tendo de uma matéria, – 37 táticas para você mandar muito no sexo! – realizada com 4.295 mulheres que responderam a enquete no site da revista NOVA, entre os dias 1 e 21 de julho, vejamos agora as mais votadas – comentadas por mim como de costume!

Nas preliminares, a falha imperdoável dele é:

  • Simplesmente pular as preliminares – 19% – realmente, o sexo tem se tornado algo mais funcional, as preliminares são apenas beijinhos, pegada aqui e ali e pronto, hora de ir onde interessa, sendo que para muitas de nós a preliminar é o prato cheio, claro que nas rapidinhas não conta, mas se aquele momento é para o sexo, então que curtam ele por completo, incluindo a preliminar.
  • Forçar a cabeça enquanto faz oral nele – 14% – não há coisa mais detestável que isto, não estamos em u filme pornô, é a vida real, se sua parceira não está muito confiante e a vontade, isso irá cortar todo o clima, ou o que viria a ser clima, pois nos deixa inseguras e com a impressão de que estamos errando, se for isto é melhor falar, nos dirigir ao que lhe dará prazer e não pressioná-la a fazer um ‘garganta profunda’, alow!?
  • Repetir o roteiro de sempre – 11% – não, não são somente as mulheres que dispõe o sexo a rotina, alguns homens também podem cair neste marasmo e fazer tudo da mesma forma, sem variações como se estivesse lendo um manual de instruções, até que, por mais eu tentem, ninguém possui um manual.
  • Parar tudo na melhor hora – 10% – isto é símbolo do egoísmo de muitos em não colocar as damas em primeiro lugar, até porque, se você gozar, já era, por outro lado, nós agüentamos um pouco mais, em meio à sensibilidade, ainda podemos esperar por vocês, então, quando ouvir ‘não para’, não pare, pois você está chegando lá!
  • Não fazer sexo oral em você – 9% – outra coisa que incomoda, até porque se vocês te o costume de pedir isto, nós mulheres não, pode ser uma bobagem, mas é meio, como posso dizer, constrangedor para nós pedir pra vocês fazerem isto, então porque não tomam a iniciativa e nos levam aos céus por livre e espontânea vontade?

 

Na hora H, o pior deslize do parceiro é:

  • Soltar gases na cara dura – 15% – eu queria soltar um palavrão neste comentário, nunca passei por isto, e não acredito que alguém te coragem de fazê-lo na cara dura!!! Intimidade tem limites!
  • Penetrar sem você estar devidamente lubrificada – 13% – a falta de lubrificação quer dizer que não estamos excitadas, é terrível aquela situação do parceiro tentar usar lubrificante ou cuspi, até porque a saliva piora o atrito, a não ser que a sua parceira tenha problemas com lubrificação da vagina, não force até que ela esteja com o perdão da expressão ‘molhadinha’, não force, invista mais um pouco na excitação dela, pois quanto mais excitada, maior o prazer de ambos.
  • Tentar anal e fingir que foi por acidente – 12% – ok, e agente finge que acredita nessa lorota do tento da nossa bisavó.
  • Ser apressadinho demais – 11% – ai digo, vai de mulher para mulher, tem umas que desejam sexo interminável, horas a fio, outras nem tanto, é questão de gosto, não vou julgar.
  • Dar tapas com força exagerada – 8% – nem toda mulher nasceu com pré-disposição a masoquista, então pegue leve na intensidade, há quem nem goste de tapas. Então se ela quiser força, ela irá pedir ou demonstrar.

Depois do clímax, a atitude mais detestável do homem é:

  • Virar para o lado e dormir – 16% – isso é tema para um longo e exaustivo debate, mas que é mesmo chato é, alguns homens podem se colocar em nosso lugar, há mulheres praticas que viram e dormem, e se você ainda esta eufórico, ou apenas quer conversar? Se acha que é só as mulheres que querem chamego depois do sexo, está enganado, como dizia o poeta Shakespiare “há mais coisas entre a terra do que pode sua vã filosofia”.
  • Ligar a TV e comentar o futebol – 13% – é até difícil de acreditar, mas isso às vezes acontece mesmo! Como se estivesses interessadas em futebol, algumas nem entendem isso, eu até hoje tento saber quando é impedimento.
  • Duvidar se você gozou mesmo – 11% – você já sabe que homem também goza sem ejacular? E se nós ficássemos questionando se vocês realmente gozaram? Querer saber só para se auto-afirmar não vale a pena, como naquele filme “A verdade nua e crua”, “você nunca vai saber”, melhor assim não é?
  • Falar com voz de criança – 9% – isto é até débil! Uma mulher fazendo, até consigo imaginar, é machismo afirmar isto, mas é bem coisa de mulher mesmo, mas homens… É no mínimo estranho.
  • Pedir sexo oral em seguida – 8% – acho que está podia estar depois do ‘virar para o lado e dormir’. É chato depois de tudo que aconteceu ele te pedir isso, ainda mais que, se formos analisar é anti-higiênico, depois de todo aquele entra e sai, preservativo… Ergh! O sabor pode não ser nada agradável.

Bem, estes seriam apenas alguns, porém os mais importantes com certeza, mas não se vive só de acertos, porém errar sempre já é preguiça ou burrice.

*fonte: revista Men’s Health, edição especial numero 63 – julho de 2011.

Os 7 pecados Capitais que Matam o Tesão

 

Passeando por sites e pesquisando sobre alguns temas diferentes, achei uma matéria, bem um tipo de cartão virtual sobre os 7 pecados capitais que matam, aliais podem exterminar o tesão dentro de uma relação. Então, vamos direto ao ponto e saber quais são (com meus comentários sobre cada tópico):

  1. Ser amigo demais e esquecer de seduzir – o que ocorre hoje em muitas relações é que ambos acabam entrando em uma zona de conforto e parte para o sexo as vezes como se fosse algo parte da rotina, esquecendo de lado a sedução, algo que pode manter e apimentar a relação;
  2. Deixar a iniciativa sempre para o outro – se você acha que tomar a iniciativa deve ser somente de uma parte, geralmente o homem, está enganado, a vontade e o desejo deve ser expressada por ambas as partes, o que combina bem com a sedução, citada acima;
  3. Ser criativo só no trabalho ou com os filhos – quando pensamos que já fizemos de tudo ou sabemos de tudo, sempre há mais coisas para se aprender, isto inclui também o sexo, criatividade é sempre bem vinda, como já foi dito em uma série de outros textos, até mesmo no “Sexo segundo os sexperts”, então solte a imaginação e prenda-o (a) na cama;
  4. Exagerar na dose da fantasia sexual – bem isto é relativo, primeiro deve-se saber o que seria exagero, mas claro, se uma pessoa não está acostumada a este mundo de fetiches, pode de assustar com algumas coisas, o ideal é se o casal não tem intimidade com a fantasia do outro, o melhor é ir introduzindo aos poucos joguinhos, fantasias, acessórios, bem daí por diante é por conta da criatividade de cada um;
  5. Relaxar com o cuidado da aparência, mesmo em casa – somente o professor Girafales é chegado a uma Dona Florinda, não que você precise, depois de um dia inteiro de tarefas ou trabalho estar impecável, porém pequenos detalhes fazem a diferença, como o cuidado das peças intimas, feia furada, calcinha ou cueca desgastadas, roupas que não lhe servem e até descuidado estético faz muita diferença, pois realmente quebra qualquer clima e acaba com todo o tesão;
  6. Abusar da intimidade e esquecer da privacidade – sempre digo que com a intimidade vem a flatulência, o xixi na tampa do vazo, calcinhas espalhadas pelo banheiro, toalha molhada na cama, e o pior, não ter privacidade no seu momento mais intimo, usar o banheiro para fazer o numero 2! É horrível a sensação de não estar só, pra tudo há limites, incluindo a falta de privacidade;
  7. Abandonar o romantismo e a paquera mútua – este realmente é um grande problema, principalmente para os homens, pois depois da conquista, muitos acham que não precisa mais ser romântico, não há necessidade de paquerar, como dito acima, esquecem de seduzir. Mesmo depois de anos, qualquer mulher se derrete com o mínimo de romantismo, principalmente se for inesperado, fora de hora;

Viram, não são coisas que machucam se você praticar, mas que em sua ausência pode tornar a relação monótona e rotineira. Exercite a sedução, sua imaginação, saia pra um jantar, ou até mesmo pra balada, descubra o outro e divirtam-se.

*Veja os ‘cartões’ e a fonte dos tópicos em: http://www.oglobo.com.br/servicos/pop_infografico.asp?p=/fotos/2007/04/03/info_7pecados.swf&l=650&a=400