RSS Feed

Monthly Archives: Março 2009

Primeiro as Damas

a-imagem-do-orgasmo-poderoso

Se hoje o cavalheirismo está fora de moda, na cama ele deve ser primordial. Este assunto já foi debatido aqui varias vezes, mas nunca é o bastante lembrar aos rapazes que na hora do sexo, o melhor é dar prioridade ao prazer das damas.

Para os homens é muito mais fácil obter um orgasmo através da penetração, mas nem todas as mulheres têm a mesma sorte, são poucas que gozam assim.

O que fazer está obvio, dê a ela a tão esperada explosão, não pule as preliminares, as rapidinhas servem para algumas situações do dia e para dar um tempero ao relacionamento, mas se vocês têm tempo e privacidade, porque não caprichar na cama?

Siga as rotas básicas como, acariciar os seios, barriga e vagina, masturbe-a ou já de sexo oral, ouça suas indicações e a leve ao céu. O fato de ela gozar antes da penetração pode até mesmo facilitar o orgasmo durante a penetração.

Outra rota e começar pelos pés, suba pela panturrilha joelhos, coxa, parte interna da coxa até chegar a virilha e então brinque até que ela esteja relaxada e lubrificada.

As alternativas não terminam ai, basta usar a criatividade e libertar a imaginação, quando ela estiver satisfeita, será muito mais fácil aderir aos seus desejos.

Então, antes de se empolgar e querer chegar aos finalmente, lembre-se: não seja egoísta.

De a ela o prazer que era irá proporcionar a você depois.

Sexo é saúde, diversão e também base de muitas relações então não caia na rotina, invente.

 

Freak Butterfly (Poliana S. Zanini)

8 de março: Parabens mulher!

8-demarco

Um pouco atrasada, mas não poderia deixar de dar os parabéns a todas nossas leitoras e participantes deste blog.

Este dia deve ser sim comemorado como uma vitória, só cabe a nós seguir em frente e lutar com os direitos que nos foi dado.

abraços,

Freak Butterfly (Poliana Zanini)

Pedofilia: você é contra ou a favor do aborto?

985211

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nos últimos dias os jornais têm dado ênfase a questão do aborto, desde que foi anunciado o aborto legal de uma menina de nove anos de idade grávida de gêmeos, no quarto mês de gestação. O motivo? Abuso sexual. O acusado? Padrasto.

Cada dia se tem conhecimento de novos casos de crianças abusadas dentro de casa, muitas vezes chegando a ter o conhecimento da mãe, que por medo de perder o “amor” do marido, acaba se silenciando. Até então o lugar que era para ser um porto-seguro se transformou em um ninho de pesadelos.

Por medo, por repressão, por serem ameaçadas, as crianças não irão contar que foram molestadas, então devemos ter todo o cuidado e prestar atenção em comportamentos estranhos, vejamos alguns exemplos a seguir:

1.Interesse excessivo ou evitação de natureza sexual;

2.Problemas com o sono ou pesadelos;

3.Depressão ou isolamento de seus amigos e da família;

4.Achar que têm o corpo sujo ou contaminado;

5.Ter medo de que haja algo de mal com seus genitais;

6.Negar-se a ir à escola,

7.Rebeldia e Delinqüência;

8.Agressividade excessiva;

9.Comportamento suicida;

10. Terror e medo de algumas pessoas ou alguns lugares;

11. Retirar-se ou não querer participar de esportes;

12. Respostas ilógicas (para-respostas) quando perguntamos sobre alguma ferida em seus genitais;

13. Temor irracional diante do exame físico;

14. Mudanças súbitas de conduta.*

 

Fiquem atentos às crianças ao seu redor, muitos imaginam que tal situação nunca irá ocorrer com nossos filhos ou parentes e s sentem despreparados ao que fazer em relação à criança quando a noticia vem à tona. Vejamos algumas sugestões (American Academy of Child and Adolescent Psychiatry):

1.Incentivar a criança a falar livremente o que se passou, sem externar comentários de juízo.

2.Demonstrar que estamos compreendendo a angústia da criança e levando muito a sério o que esta dizendo. As crianças e adolescentes que encontram quem os escuta com atenção e compreensão, reagem melhor do que aquelas que não encontram esse tipo de apoio.

3.Assegurar à criança que fez muito bem em contar o ocorrido pois, se ela tiver uma relação muito próxima com quem a abusa, normalmente se sentirá culpada por revelar o segredo ou com muito medo de que sua família a castigue por divulgar o fato.

4.Dizer enfaticamente à criança que ela não tem culpa pelo abuso sexual. A maioria das crianças vítimas de abuso pensa que elas foram à causa do ocorrido ou podem imaginar que isso é um castigo por alguma coisa má que tenham feito.

Se neste caso ocorre uma gravidez, a lei esta ao lado da criança, já que muitas vezes a mesma não tem capacidades físicas ou mentais para gerar um feto. Porém, a igreja condena tal ação, descomungando todos que participam do ato, menos o agressor, pois o mesmo não tirou a vida do feto. Isto parece mais com a idade média. Como podemos aceitar que a família da criança, os médicos e outros envolvidos sejam culpados perante a igreja e o agressor, que prejudicou a vida de uma criança, mudando sua psique para sempre, pois é de conhecimento publico que muitos agredidos não conseguem se recuperar totalmente do trauma, ser livre disto?

É um absurdo o vaticano apoiar isto. Vejamos outro caso, de uma menina de onze anos estuprada pelo próprio pai. Ela esta para ter o bebê e o pai esta livre, quando deveria estar atrás das grades.

Então fica aberta uma outra pergunta: os padres pedófilos também são descomungados? Você viu isso na mídia?

As leis sejam elas civis ou da igreja estão repletas de falhas.

O aborto deve ser uma opção da mulher. Em caso de estupro, seja infantil ou adulto, elas deveriam escolher se desejam ou não gerar o feto.

Não posso aceitar abortos realisados por motivos de imprudência e descuido. Mas todos têm o livre arbítrio e não podemos sair julgando. Cabe a nós termos consciência e cuidar de nossas famílias que infelizmente não estão seguras nem dentro de nossas casas.

Se você é vitima, ou sabe de algo, não se cale, denuncie, não transforme seu ente querido em mais uma “Vitima do Silencio”.

 

Freak Butterlfy (Poliana S. Zanini)

 

 

·         Fonte: http://www.virtualpsy.org/infantil/abuso.html

·         Disk denuncia: 0800-990500