RSS Feed

Tag Archives: erotismo

“Desejo e Depravação” estão expostos no Museu Nacional de Estocolmo

No dia 14 de março, no Museu Nacional de Estocolmo, uma exposição reuniu obras do século 16 até os dias à atualidade explorando o contraste de 500 anos entre virtude e pecado.

A gerente de divulgação do Museu, Anna Jansson disse à BBC Brasil que, “Queremos que os visitantes tenham as suas próprias interpretações sobre o que é desejo e o que é depravação. A arte erótica sempre foi produzida por homens e para homens. Quisemos mudar essa perspectiva, e por isso incluímos várias artistas mulheres na parte contemporânea da mostra”.

A virtude sempre foi muito explorada, seja pela igreja que exigia o comportamento virtuoso das mulheres com a pena de ir ao inferno caso não fosse acatado. Mas também a virtude foi desejo e fetiche de muitos, como podemos ler em contos de Sade, Restif de La Bretonne, entre outros escritores anônimos da época.

Uma das montagens da exposição mostra como as meninas eram educadas para viver uma vida virtuosa, a fim de arranjarem um bom marido. As obras do século 16 mostrarão a rígida moral religiosa do período – um tanto cômico tento em vista que os sacerdotes eram grande fornicadores – os artistas da época utilizaram detalhes eróticos em cenas míticas ou bíblicas com insinuações moralistas sobre as conseqüências de um estilo de vida pecaminoso.

Entre os séculos 18 e 19, pinturas com tons eróticos estavam restritas aos aposentos privados de homens. Nos museus, a relutância em exibir nuances de erotismo estavam refletidas em folhas de figueira encomendadas para encobrir as partes intimas representadas em esculturas antigas com representação de gregos.

Porém, após o século 19, com o crescimento e desenvolvimento das cidades, o sexo casual e a prostituição, trouxeram uma série de novas interpretações em relação a sexualidade e a moralidade.

Os artistas suecos e dinamarqueses Kristina Jansson, Gisela Schink e Lars Nilsson, levam a exposição uma visão contemporânea de virtude e pecado a exposição.

Infelizmente esta exposição não tem planos de viajar o mundo, então, se você está curioso para apreciar estas obras, pouquíssimas imagens podem ser visualizadas pela ferramenta do “Google Imagens”, mas já se pode ter um gostinho do que os suecos poderão apreciar.

 

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/03/110307_suecia_expo_desejo_cvw.shtml

 

Justine – Deflorando o olho Parte I

No dia seguinte ao conhecer Darling no puteiro, Justine planejara um divertimento para animar Lucas. Ela ligou para a moça conforme haviam combinado e passou em seu kitnet para buscá-la, era um lugar deplorável, sujo, um ninho de prostitutas baratas.

– Entre querida – disse Justine acenando com a mão para Darling.

– Boa tarde senhora – cumprimentou a ainda tímida Darling.

– Boa tarde querida. O que disse para sua madrinha?

– Disse que iria a uma despedida de solteiro, são demoradas e se paga pouco, então não tenho que dar tudo a ela.

– Que bom! Vamos a uma loja que gosto muito, quero comprar algo para usar essa noite.

– Ok!

Darling ficou deslumbrada ao ver a loja de lingeries que Justine a levara.

– Nossa minha senhora, esse lugar é lindo! Parece coisa de novela, é tudo tão chique – disse olhando para um robe de renda preta – nossa e muito caro também, eu nunca poderia pagar nada nessa loja.

– Bem, este robe parece lindo, o que achou?

– Eu amei, mas é muito caro.

– Eu gostaria de ver seu corpo nu envolvido nele, vamos pegar seu tamanho, quero que experimente pra mim.

A moça sorridente pegou um robe de sua numeração e seguiram para o provador.

– Qualquer coisa, você é minha irmã – sussurrou Justine para Darling.

– Vai experrimentar senhorita? – perguntou a atendente.

– Sim, ela vai! – respondeu Justine voltan-se para Darling – Vai lá imrã, qualquer coisa me chama pra ver como ficou – terminou dando uma piscadela.

– Ok maninha! – respondeu Darling entrando na sessão do provador.

Poucos minutos depois Darling gritou do provador para a atendente que deseja ver a irmã.

– Ju, pode me ajudar a decidir aqui? – gritou Darling.

– Posso? – perguntou Justine para a atendente.

– Claro senhorita!

Justine começou a sorrir quando ficou de costas para a atendente, ela estava ansiosa para ver a bela mocinha. Então bateu na porta do provador.

– Darling?

Ela abriu a porta lentamente, o coração de Justine disparou ao ver o corpo nu e depilado de Darling e sob ele aquele robe longo de renda preta, ela ficou encantadora.

– Nossa!

– Ficou bom senhora?

– Uma delicia, se eu pudesse te comia aqui mesmo – Justine olhou para os lados, a atendente conversava com outra atendente, ela aproveitou para colocar a mão na abertura e tocar o sexo nu, despido de pêlos.

– Molhadinha sempre em pequena?

Darling sorriu.

– Eu gosto assim – disse enquanto tirava os dedos e sentia o perfume.

– Bem, vista-se, vamos comprar um sapato para você e depois vamos ao salão dar um jeito neste cabelo.

Darling sorriu e acenou que sim com a cabeça, para ela aqui estava sendo um dia de princesa. As duas foram a outra loja, uma especializada em sapatos para drag, dançarinas e fetichistas. Os olhos de Darling brilharam ao entrar.

– Nossa, nunca vi nada assim, essa loja é muito chique! Aonde eu compro os meus não é assim não.

– Bem querida, qual seu numero?

– calço 37.

– Deixe-me procurar algo pra você… hum… – olhava para as prateleiras – acho que este! O que achou?

Eram sandálias pretas coberta por pedrarias que remetia a brilhantes, o salto fino era altíssimo e fechava como uma tornozeleira.

– São lindos, tudo e lindo, o que a senhora quiser que eu use eu usarei com maior prazer – disse Darling animada.

– Bem, então são estes, agora vamos para o salão, quero que arrume este cabelo e faça as unhas também. Também vou me arrumar.

Justine já havia marcado hora, cabelo, pedicure e manicure, realmente um dia de princesa pensava DarlingDepois de pouco mais de uma hora, ela estava pronta. Justine ondulou os cabelos dando um ar mais selvagem, já Darling o deixou liso, como pediu Justine, ambas estavam de unha cor escarlate.

– Agora vamos pra casa nos aprontar.

No caminho Justine explicou o que queria, combinou o pagamento e disse que ela poderia levar seus presentes embora. O dinheiro era bom então Justine impôs condições, inclusive de assinar um contrato.

Ao chegarem ao apartamento, Darling olhava tudo como uma criança curiosa.

– Venha, quero que leia o contrato antes de tomar banho.

– Sim senhora.

Enquanto Darling o lia, Justine pegou uma sacola no armário e começou a tirar algumas coisas, velas aromáticas, pétalas de rosas vermelhas, champagne, camisinhas, lubrificante, um kit completo para uma noite de sexo caliente.

– Bem senhora, eu confesso, nunca fiz nada assim, e fico com um pouco de medo, mas o dinheiro é muito bom.

– Não quero que faça só pelo dinheiro querida, quero que faça porque gosta, se não estiver a vontade, não dará certo. Bem, você vai gostar o Lucas, ele é muito bonito, tem um corpo delicioso e um pau M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, você vai curtir, e eu vou estar com você, não precisa temer.

– Tudo bem, onde eu assino?

– Aqui!

– Bem, seja o que Deus quiser!

– Bem, acho que ele não quer tal coisa – disse Justine rindo – Venha pequena, vamos tomar um banho.

– Juntas?

– E porque não? Se quiser já te deixo mais a vontade.

– Eu adoraria.

As duas foram até o banheiro, Justine ligou a banheira, enquanto ela enchia, Justine despia Darling lentamente, primeiro a blusa, acariciando os seios, beijando o pescoço, a nuca, a costa, então desceu a saia, tocou a bunda durinha, deu um tapinha e assim resistiu a tentação a açoitar aquele rabo firme.

– Você é toda delicinha – sussurrou Justine no pé ao pé do ouvido de Darling.

Justine sentia os pelinhos louro do corpo dela ouriçar, um gemidinho leve escapuliu daqueles lábios carnudos. Darling virou-se e começou a beijar Justine, logo tirou o vestido que ela usava, abriu o sutien e começou a baixa-lhe os seios, descendo pelo tórax, ela se ajoelhou e baixou a calcinha de Justine.

– Posso senhora? – perguntou com carinha de safada.

– Deve! Quero ver se é boa nisso.

Justine encostou-se à banheira e abriu as pernas, Darling se ajoelhou entre elas e começou a sugar o grelinho melado dela.

– Isso minha putinha querida, chupa gostoso chupa.

Darling era uma cadelinha, mamava como ninguém, era melhor até mesmo que Lucas. Darling se atreveu em penetrar-lhe o dedo e Justine suspirou.

– Putinha safada, hum que putinha safada.

Justine não conseguia mais resistir e desejava puxa-la pelos cabelos e esfregar a boceta na cara daquela doce puta.

– Eu não consigo, não consigo mais resistir – disse Justine alterada – Vem cá sua puta safada, enfia essa cara na minha buceta – disse enquanto a puxava pelos cabelos esfregando sua buceta nos lábios de Darling – anda chupa essa buceta com vontade, chupa!

O quadril de Justine começou a se movimentar mais rápido, seu grelo pulsante estava prestes a explodir, ela gozou tão gostoso que até ejaculou levemente.

– PUTA GOSTOSA! – gritou Justine.

Darling continuou no chão e joelhos, Justine se ajoelhou junto dela e acariciou seus cabelos um pouco bagunçados já.

– Melhor por uma toquinha pra não molhar os cabelinhos – disse Justine e depois lhe deu um beijo – venha querida, vou te dar um banho.

As duas entraram na banheira Darling ficou sentada de costa para Justine que ensaboava seu corpo, a cena remetia a mãe e filha, tão inocente e ao mesmo tempo tão pervertida. Justine esfregava as costas, depois seguia com a bucha até os seios e descia por entre as pernas.

Depois do banho, Justine foi aprontar Darling, a secou, hidratou, perfumou, penteou seus cabelos e pediu para que vestisse o robe e os saltos.

– Você ficou espetacular! Agora vou me arrumar antes que o Lucas chegue.

Justine vestiu uma camisola de seda preta que deixava a costa nua, nos pés apenas uma tornozeleira que havia ganhado de Lucas logo no inicio do namoro. Ao abrir o porta jóias encontrou a gargantilha de brilhantes que havia ganhado dele em seu regresso do Canadá, olhou para Darling e disse:

– Acho que isso ficará lindo em você, foi um presente o Lucas, quero que use esta noite.

– Senhora, tenho medo, vai que quebra ou algo assim.

– Então tome cuidado – disse ela colocando a gargantilha em Darling – Perfeita! Quer beber algo?

– Sim, se eu puder, gostaria.

Justine abriu a champagne e deu uma taça para Darling, que ria por causa das bolhinhas que batiam em seu nariz. Justine arrumou e acendeu as velas, e jogou as pétalas pelo quarto, colocou o lubrificante e as camisinhas sob o criado mudo, e juntou-se a Darling.

– Bem, já ele chega. Lembre-se, não precisa ficar nervosa, eu não te faria mal – disse e depois a beijou.

 

 

Justine – À volta

Tudo estava escuro, só o que se ouvia eram as respirações aceleradas, a luz fraca do abajur se acende, lá está Justine, nua na cama em meio a vários homens, todos a desejam, almejam seu corpo, ela está sorrindo, satisfeita. Uma porta se abre, uma luz forte revela Lucas, parado, decepcionado.

Ela grita, esperneia, tenta sair do ninho de machos, mas não consegue, ela continua gritando, mas a voz não sai, com a mão estendida, vê Lucas partir, sua aliança cai e o brilhante se espatifa, finalmente sua voz sai, ela acorda assustada e ofegante.

– LUCAS!

– Pêpe, prazer – responde sorrindo.

– Ah, meu Deus, desculpe, é que eu tive um… Um sonho horrível…

– Não precisa explicar não, tenho pesadelos sempre, normal.

– O que você faz ai sentado?

Pépe estava sentado em uma cadeira próximo a cama, olhando Justine com cara de bobo.

– Estava te admirando boneca.

– Credo, que coisa de loco!

Pépe ri.

– Ah Ju, nossos encontros estão pior do que cliente e puta, é sempre rapidinho, em qualquer lugar, fiquei feliz por você finalmente ter dormido aqui.

Justine se senta na beira da cama, procurando o chinelo com os pés, ela espreguiça os braços.

– Veja que grande coisa, conseguiu me ver descabelada e com remela nos olhos.

– Eu gosto do que vejo.

– O que é aquilo na mesinha?

– Seu café madame!

– Uia! Você cozinha é? Eu não conhecia esse seu dote!

– Tenho muitos outros que você não conhece – piscou para Justine e se levantou para pegar a bandeija.

– Conheço o maior e mais gostoso – da um sorriso sacana.

– Safada!

– Eu sei, é por isso que gosta de mim – ela se levanta e vai atrás de Pépe e o abraça.

– Sabe, eu tava aqui pensando, eu nem to com tanta fome ainda, e você caprichou no café, então porque agente não vai pra cama e você me ajuda a abrir o apetite?

Pépe se vira sorrindo e a beija, os dois ainda se beijando, caminham até a cama. Ele desliza os dedos sob os mamilos que começaram a aparecer por baixa da camiseta. Ela o prende entre as penas, beija a orelha, percorre o pescoço, aperta as costas nua com suas unhas e escorrega uma mão até o bumbum delicioso de Pépe. Ela o acaricia e sente o pau rijo e quente tocar sua coxa.

Ele começa a beijar seu pescoço enquanto levanta a camiseta deixando-a só de calcinha.

– Molhadinha!

– Como não ficaria.

Ele desliza a língua nos mamilos e os suga delicadamente, uma das mãos desde até a bucetinha molhada, quente e pulsante. Os dedos escorregam naquela piscininha.

– Você é tão gostosa, beibe. Não agüento, quero te comer agora!

– Porque a pressa? – Justine se vira e monta em cima de Pépe – devagar vai ser mais gostoso.

Ela começa a beijá-lo novamente e desce por seu peito, até chegar no garotão, ela coloca-o pra fora da samba-canção, ele parece ter vida própria de tanto que pulsa, ela começa a brincar com a língua, envolvendo a cabecinha molhada, e aos poucos coloca-o dentro da boca. Sobre-desce-sobe-desce, ele geme.

– Assim eu na agüento!

– Ué não queria me dar café da manhã? Agente pode começar pelo leite… Adoro leitinho – e volta a chupá-lo.

– Você é louca, maluquinha, meu Deus mulher, você não tem dente não? Como é que faz isso?

Ela continua a chupá-lo, engole e tira, engole e tira, acaricia-o com a língua quente, ele geme cada vez mais, ela sente a pulsação aumentar.

– Ah, eu não vou agüentar! Não vou mais agüentar!

Ela não da bola e segue a felação, ele jorra direto na garganta dela, seu corpo estremece, ela engole e olha-o satisfeita.

– Maluquinha… Meu Deus, que loucura menina!

Ela sorri, se levanta, ainda só de calcinha, vai até a mesinha e pega a bandeja e volta pra cama.

– Quer comer comigo?

– To morto!

– Dou na boquinha – diz maliciosamente.

– Oh meu Deus, onde vamos chegar!?

– Espero que fiquemos na cama ainda por um bom tempo.

Ela toma um pouco do café. A bandeja está caprichada, morangos, torradas, geléia de uva, suco, café, leite e queijo enroladinho.

– O que você vai querer?

– Você!

– Ué, já se recuperou?

– Não, mas ver essa geléia me deu uma vontade de Justine com geléia.

– Hum, será que Justine com geléia é gostoso?

– Justine sem nada já é uma delicia, com um docinho então.

Os dois riem, ela apóia a bandeja sob a cadeira ao lado, pega o potinho com geléia, coloca o dedo e depois o leva a boca.

– Tem razão, pode ser delicioso – ela coloca três dedos dentro do potinho retira uma quantidade maior e começa a espalhar a geléia nos mamilos, descendo pela barriga até chegar ao monte de Vênus – quer provar?

Pépe devora cada milímetro temperado pelo doce, guloso chega logo onde mais desejava, ela pega mais geléia e espalha por toda a bucetinha ele fica louco, a suga, a devora, tenta se controlar pra não perder o ritmo que lhe agrada, Justine geme, contorce o pescoço para trás, ele coloca o dedinho no rabinho dela e começa a acariciar as nervurinhas da entrada.

– Ah, agora eu que não vou agüentar!

Ele continua a chupá-la.

– Eu quero, quero jorrar na sua boca, mas também quero sentir teu pau em mim, ah delicia!!!!

Ele continua e desta vez, coloca o dedo dentro do rabinho e começa a mexer, fora-dentro-fora-dentro, ela geme mais alto e coloca o travesseiro sob o rosto. Ele decide colocar o outro dedo dentro da bucetinha lambuzada dela, ela delira.

– Eu vou explodir, vou explodir!

As pernas estremecem e solta um gritinho e tentar tirá-lo dali.

– Ai, para, para pelo amor de Deus que to morrendo de sensível.

Pépe deita ao lado dela, ela se vira de bruços e se aninha próximo a ele. Ela adora ficar deitada assim, só relaxando, recebendo carinhos. Os dois adormecem.

O telefone não para de tocar, Justine o procura dentro da bolsa, com os olhos embaçados, ela vê no visor “Marcela”.

– Caracas!

– Que foi? É o Ricardão – brincou Pépe.

– Não, não é a Má, depois te explico.

Pépe se levantou e foi pro banheiro e Justine enfim atendeu.

– Alô!

– Jú? É Você?

– Sim, sou. Má?

– Caralio Justine sumida, que saudades!

– Ah eu também amor, eu também.

– Preciso te ver, vamos tomar café logo mais?

– Porque não almoço?

– Tá em que estado mulher, já passou a hora do almoço – Marcela ri.

– Deus, eu nem vi o horário.

– Você ta onde?

– Depois te explico… no mesmo café?

– Sim! Às 16 ta bom pra você?

– Tá sim!

– Te vejo lá amor, tenho novidades, to loca de saudades.

– Beijos, te mais.

– Caracas! – Justine ainda surpresa pela ligação se levantou e foi para o banheiro, Pépe já estava no banho – Nem me esperou!

– Desculpa, você tava tão animada que eu não sabia se ia demorar, eu não me agüentava mais com esse doce todo – risos – vem cá beibe, vem que vou te dar um banho gostosinho.

Ela entrou no chuveiro e o abraçou.

– Hum, banho de língua – disse maliciosa.

– Você não cansa?

– Depois de tudo que dormirmos, já passou até o horário de almoço.

Pépe pegou o sabonete e começou a ensaboá-la.

– Pelo menos não teve mais pesadelos né?

– Não, eu nem dormi, eu desmaiei! Me passa o shampoo?

Pépe saiu primeiro do banho enquanto Justine terminava de lavar os cabelos, ele pegou uma toalha limpa para ela e foi se trocar.

Justine terminou, secou-se e foi para o quarto enrolada na toalha. Lá estava Pépe, lindo como sempre, seus olhos nem acreditavam no que via, ele era encantador, exótico, tinha estilo, e cada desenho naquele corpo era um pecado. Ele estava de calça e regata, descalço.

– Você tem pés lindos! – disse Justine enquanto ‘babava’ por Pépe.

– Eu hem, você tem cada gosto beibe.

– Ah, eu curto, bem ainda bem que eu trouxe roupa extra, minha calcinha ta toda suja – risos.

Pépe se aproximou, com o corpo fresco, abraçou Justine ainda nua e lhe beijou.

– Sabe garota, você me surpreende cada dia mais – ele sorriu enquanto afagava seus cabelos, lhe deu outro beijo.

– To com fome!

– Mas também, você só tomou café puro!

– E leitinho, não se esqueça – disse com ar sacana.

– Melhor eu ir pra cozinha fazer algo se não agente não sai deste quarto e acabaremos desmaiando de fome – e foi pra cozinha.

Justine se vestia, e lembrava do sonho.

– Ai, o que será isso, odeio quando esses pesadelos começam. “Deve ser consciência pesada” – algo disse em sua cabeça, ela sacudiu-a tentando mandar o pensamento pra longe.

Ela colocou um vestido leve, calçou os chinelos e foi para a cozinha.

– Hum… que aroma delicioso, o que esta fazendo?

– Nada demais, macarrão com molho de queijo, gosta?

– Adoro queijo! – respondeu enquanto sentava à mesa.

– Então, o que sua amiga queria.

– Pois é, não a vejo a muito tempo, ela já foi minha melhor amiga, agora não posso dizer isso, já que a vejo raramente, mas ela disse que tem novidades.

– Vai encontrá-la?

– Sim, logo mais. To super curiosa.

O estomago de Justine roncou tão alto que até o Pépe ouviu.

– Bem, parece que temos uma criança faminta.

Justine riu, e ficou ali, esperando o macarrão, e com o pensamento confuso, entre o sonho e a realidade que estava a viver.

Justine – Terremoto na Rotina (parte final)

As duas riram e foram até a mesa. Finalmente Justine conseguiu olhar os rapazes, agora ela havia entendo o motivo do alvoroço das mulheres do bar, sem dúvida Vitor e seu amigo eram os homens mais lindos do amamigasbiente. Logo Amanda agarrou seu homem. Vitor era alto, branco, olhos azuis, tinha cara de menino, com os braços tatuados e um topetinho nos cabelos loiros. O outro era o oposto, parecia um italiano, pele clara, cabelos negros, olhos escuros, nariz um pouco avantajado, mas sem duvida era de uma beleza exótica, braços e pescoço tatuados, gel nos cabelos penteados para trás, a muito Justine não via uma coisa daquelas.

Ambos estavam de calça do tipo social, pouco largas, diferente dos demais que estavam de jeans mais justos ao corpo, estavam de all star, Vitor usada uma camiseta preta com uma estampa old school, e o amigo de regada branca.  Justine disfarçadamente, retirou a aliança e enfiou na carteira.

– Deixe-me apresentar minha amiga, Justine este é Vitor – disse Amanda apontando para o rapaz ao lado.

– Olá, prazer – disse Justine ao cumprimentá-lo com dois beijinhos na bochecha.

– E este é o amigo dele…. Desculpa qual seu nome?

– Pépe – disse o rapaz estendendo a mão para Justine.

– Prazer… – Justine retribuiu o aperto de mão e pela primeira vez em muito tempo se sentiu constrangida.

Sentaram-se à mesa, o som era gostoso, o ambiente razoável, já que as mulheres não saiam de cima. Pépe levantou, olhou para Vitor e disse:

– Já volto, vou no bar… Alguém quer algo? – perguntou friamente.

– Meninas? Querem algo? – perguntou Vitor olhando para as duas.

– Acho que cerveja… – disse Amanda pensativa – pode ser Ju?

– Claro! Sim claro! – respondeu Justine ao ser arrancada de seus pensamentos.

Depois de quase meia hora Pépe voltou com as cervejas, estava mais risonho e com o semblante mais extrovertido.

– Desculpem a demora, fiquei conversando com o “negão” no bar – disse enquanto coloca as cervejas na mesa.

– Então Justine, você é sempre caladona assim? – perguntou Vitor com tom de sarcasmo.

– Depende da ocasião – respondeu Justine sem graça.

– A Mandita falou demais de você.

– É que ela sofre de amor platônico por mim, mas eu já disse que não rola – as duas riram.

– Meu Deus, não sei se isso seria um pecado ou o paraíso! – exclamou Vitor se deliciando em pensamentos.

As duas continuaram a rir. Pépe ainda estava estranho e Justine encafifada se achando o motivo daquela frieza toda. O barman se aproximou, era um bilhetinho para Pépe, ele leu, sorriu, olhou para o lado, uma loira monumental o olhava sem mesmo piscar, ele colocou a mão na face e continuou a rir.

– Olha ai, Pépe já está fazendo sucesso!

– Acho que ele é O sucesso desde que chegou – disse Amanda rindo.

Pépe apenas riu. Justine se levantou e disse para a amiga:

– Vamos comigo até o banheiro?

– Claro! Já volto baby – disse ela ao beijá-lo.

– O que foi Ju? Não gostou daqui? Não curtiu os meninos? Ta toda jururu.

– Acho que o Pépe que está incomodado comigo, desde que agente chegou ele está todo sério, meio frio, odeio isso, me sinto uma.. Sei lá o que, apenas odeio.

– É ele está mais sério, mas vai ver que é tímido.

– Tímido Amanda? Tenha dó né, tava todo, todo com as garotinhas. Acho que to empatando o coitado, melhor eu ir.

– Bem, não sei o que houve, vamos voltar pra mesa, se você se sentir mau, tudo bem, não precisa ficar forçada, mas gostaria que curtisse a noite, tem vários outros gatinhos, logo rola uma banda e nós vamos dançar.

– Ok! Vou ficar um pouco mais.

As duas estavam saindo do banheiro, enquanto outras duas meninas, a loira do bilhete e uma baixinha morena riam e falavam alto.

– Você viu? Você viu? – perguntava a loira animada.

– Ele não é divino? Mas o barman disse que ele pediu pra dizer que tem uma garota já – comentou a morena.

– Não acho que seja aquela que está com ele, eles se cumprimentaram com as mãos, que horror, nunca ao perder de dar uns beijinhos nele – concluiu a loira rindo.

Justine revirou os olhos e seguiu para a mesa.

– Demoramos? – perguntou Amanda animada.

– Eu já estava até ficando com saudades – respondeu Vitor enquanto a beijava.

– Então Justine, está gostando do bar? – perguntou Pépe.

Justine ficou calada por alguns segundos sem saber se era com ela mesma.

– Então…?

– Sim, a muito não ia a bares assim, aliais, faz tempo que não saio.

– Por isso não te vi antes por ai… Eu na verdade sou novo por aqui.

– Tá explicado…

– O que?

– O motivo dessas menininhas estarem em alvoroço, carne nova no pedaço… – sorriu sem graça ao fim do comentário.

– É… Pode ser, mas não curto “menininhas”, gosto de mulher… Tipo você!

A face de Justine ficou rubra, mas entre suas pernas ela sentiu um pequeno calor exalar.

– Pois é, então você morava onde?

– Estava na Europa trabalhando, morei em vários lugares, mas minha família é da Itália, aliais meu pai é italiano e minha mãe brasileira, então morei aqui até meus 15 anos, depois fui desbravar o mundo… Mas gosto daqui, não sei porque, simplesmente gosto.

– Meus avós são italianos, tenho muita vontade de ir conhecer a cidade natal deles.

– Qual é?

– Nápoles.

– Quem sabe um dia não vamos juntos – Pépe sorriu e de um piscadela.

– Isso é um convite?

– Com toda certeza!

Os dois ficaram conversando por um longo tempo, Pépe recebeu dezenas de bilhetinhos, Justine já nem se incomodava mais, ela achava graça de tudo aquilo. Ele era um homem muito interessante, viajado, amante de boa musica, ela estava vidrada pelo conjunto.

– E então… – disse Pépe ao se aproximar da face de Justine,

– Então o que? – questionou Justine com os lábios trêmulos.

Pépe se aproximou ainda mais, sentindo-a ofegar, era quente, o hálito gostoso, ela não resistiu ao jogo e o beijou. Sem duvida era um beijo de tirar o fôlego e matar de inveja todas as meninas do bar.

Justine sentiu um calorão tomar conta de seu corpo, suas pernas já não a pertencia mais, pela primeira vez em meses ela perdeu o chão. Pépe ficou sem ar, sem perder tempo, se aproximou do ouvido dela e sussurrou.

– Não queria me apressar, mas depois desse beijo, preciso perguntar, quer ir até a minha casa?

Justine recuou por um instante, o olhou, olhou para Amanda que logo entendeu o que estava acontecendo e acenou para a amiga seguir em frente, ela voltou a olhar para Pépe que apoiou uma das mãos em sua coxa.

– E então?

– Bem… Ok!

Despediram-se de Amanda e Vitor, Pépe fez questão de segurar Justine pela cintura enquanto atravessavam a multidão de meninas decepcionadas, do lado de fora, decidiram que ela o seguiria de carro.

No caminho Justine começou a ficar nervosa, suas pernas tremiam, ora de ansiedade ora por lembrar do beijo. Pouco depois o carro de Pépe parou, ele deu seta e entrou em um prédio, Justine o seguiu, era em enorme condomínio com vários prédios, o dele ficava próximo a um bosque, ele entrou no subsolo e estacionou, desceu e fez sinal para ela estacionar na vaga ao lado.

Ele abriu a porta do carro dela e a puxou contra o peito dele dando-lhe mais um beijo, os dois caminharam até o elevador, e enquanto subiam até o andar dele, ambos riam e brincavam, era como se já se conhecessem a tempos.

O apartamento dele era simples mais bonito, tudo era preto, branco e cinza, cheio de livros, DVD’s, discos, posters pelas paredes e um violão no tapete da salinha e o que mais lhe chamou a atenção foi o telão com retroprojetor.

– Quer assistir algo? – perguntou Pépe vendo a curiosidade estampada na face de Justine.

– O que me sugere?

– Comprei um DVD novo do Johnny Cash, ta afim?

– Agora, nossa sou apaixonada por ele.

– Somos dois. Pera ai que vou pegar, ta no meu quarto. Fica a vontade, quer beber algo?

– Aceito!

– Eu tenho cerveja e whisky… E suco de maracujá light – risos.

– Whisky ta bom!

Pépe foi em um pé e voltou no outro. Entregou o whisky para Justine, colocou o DVD pra rodar e sentou-se no sofá. Justine sentou-se ao lado e começou a beijá-lo. Em poucos minutos ela já estava por cima dele.

As mão de Pépe percorriam por todo o corpo de Justine, ele tirou o belerinho de rendas e baixou o zíper do vestido deslizando os dedos por sob cãs costas, seus lábios caminharam entre o pescoço e os seios rijos dela. Logo ela se levantou e deixou o vestido cair, de pé enfrente ao projetor ao som de “Hurt”, se despiu. Pépe se levantou, tirou a camisa exibindo o tórax tatuado e ao terminar de se despir, atracou Justine, dois corpos quentes, ele a beijou enquanto a empurrava até a parede, o fogo aumentou e os dois se entregaram ao prazer, ele a colocou de frente para a parede, afastou as pernas e a penetrou, ela gemeu, ele suspirou.

– Deus, pequena como você é gostosa!

Justine estava ofegante, não dizia nada, tudo que saia de seus lábios apertados contra os dentes eram gemidos.

As imagens passeavam sob seus corpos nus e em ritmo acelerado, Pépe colocou uma das mão no grelinho de Justine e começou a acariciá-lo.

– Meu Deus isso ta tão bom! – sussurrava Justine.

– Gosta safadinha?

– Sim, sim! Me faz gozar, quero gozar gostoso. Mete, mete na sua safadinha.

Ele mordeu o ombro dela e um arrepio diferente surgiu, um sorriso sacana lhe estampou a face, o calor subiu e suas pernas tremeram, um gemido gostoso escapou de seus lábios, ao ouvi-lo, Pépe não resistiu e também gozou. Ele a abraçou novamente, e permaneceram ali, juntos na parede até “I Won’t Back Down” acabar. Justine estava satisfeita e sentiu o calor da paixão acender em seu peito novamente.

Freak Butterfly.

O melhor amante

Para começar este texto, acho fundamental dizer (novamente) que não se deve pular as preliminares, elas são fundamentais para aquecer sua parceira, sem elas, muitas mulheres não conseguirão chegar ao clímax. Por isso, mesmo que seja uma rapidinha no meio do dia, invista nas preliminares orais, como torpedos, e-mail, um telefonema, palavras também podem ser preliminares excitante para aquela famosa rapidinha.

Você sabia que o beijo na boca é crucial para sua popularidade? Muitas mulheres percebem através do beijo se o cara é ou não bom de cama, uma dica é: nada de beijo babado! O beijo deve alternar entre a gentileza e a pegada selvagem. Mas não é só de beijo na boca que elas gostam, orelhas, pescoço e dobrinhas do corpo são estimulantes. Invista em desvendar o corpo da sua parceira.

Não pense que comprar óleos é um dever somente dela. Tenha um kit com lubrificante para transar na água, para brincar com a temperatura, massagear e retardar a ejaculação. Use-os para brincar, seja criativo.

Se você é daqueles que acha que as mulheres buscam horas intermináveis de sexo, tire seu cavalo da chuva, não dê uma de sabichão querendo mostrar a ela seus dotes do Kama Sutra, as mulheres buscam carinho, atenção, prazer, isso não quer dizer “horas”, pois a lubrificação vaginal vai diminuindo e a penetração acaba se tornando incomodo, então preste mais atenção nos gestos e no que sua parceira diz, e se por algum momento ela disser: “Goza pra mim”, ou algo assim, é porque já deu no que tinha que dá.

Quando mencionei acima que não buscamos horas de sexo, também não quero dizer que queremos apenas rapidinhas, queremos sim qualidade e não quantidade, então experimente dar uma pausa na penetração para fazer sexo oral, e depois retorne a penetrá-la.

Elogie-a, mas não exagere, todas as mulheres adoram receber elogios, mas vá com calma, se não ela poderá achar forçado.

Explore a vagina dela, a jornalista Kate Taylor, colunista da revista GQ e autora de O guia do Bom Orgasmo, ensina alguns métodos:

  • Segure os lábios abertos com uma mão e com a outra friccione gentilmente seu clitóris. Quando os lábios estão bem esticados, a sensação é intensificada;
  • Varie segurando a parte de cima do clitóris entre os dedos indicador e médio, acariciando-o para cima e para baixo;
  • Tente achar o tal do polemico ponto G: introduza dois dedos dentro da vagina dela e dobre-os em direção à parede vaginal perto da barriga. Cerca de 3 a 4 centímetros acima há uma área de pele de aspecto esponjoso, mais ou menos do tamanho de uma moeda de 25 centavos. Esfregue-a de leve com um movimento de “vem aqui”;
  • Lamba os lábios vaginais para cima e para baixo e depois gire a língua úmida e esticada por toda a vagina.

 

Presenteia com lingeries, fantasias, brinquedinhos, vibradores, estimule-a a gostar, de a ela livros eróticos, isso pode elevar a criatividade dela.

Saiba que tudo que fizer será recompensado, mulheres satisfeita são mais propicias a retribuir sexualmente. Como já diz o ditado: “é dando que se recebe”, pense nisto e seja o seu amante. De a ela momentos inesquecíveis, dos quais você também não irá se esquecer.

 

Freak Butterfly.

Justine – Terremoto na Rotina (Parte II)

Ao despertar, Lucas já estava acordado arrumando as malas. Ela se levantou, ainda sem falar nada, a cabeça doía como se estivesse de ressaca, foi uma noite turbulenta, insônia misturada com pesadelos. Ela foi ao banheiro escovar os dentes e depois se aproximou do Lucas.

– Você está chateada? – Perguntou Lucas.

– Não… Eu deveria? – respondeu Justine em tom sarcástico.

– Não sei, você falou a noite toda, parecia um cão raivoso.

– É acho que eu não tenho muitos motivos pra estar chateada não é!

– Foi pela pergunta que te fiz ontem? Eu sei que nossa relação ta caída, as coisas não são quentes como eram, mas quem sabe até minha viajem não nos faça bem?

– Se você está falando… – rebateu Justine enquanto virava as coisas para sair do closet.

Lucas foi atrás dela e estava com a feição de raiva.

– Olha garota, eu estou conversando com você!

– Não me chama de garota, você sabe que eu ODEIO!

– Porque ta gritando? Só porque não te comi ontem?

– Olha lá como fala comigo seu idiota! Você acha que só você quer me comer é?

– Porque puta, vai sair por ai e dar pra outros agora que vou viajar?

– Quem sabe! – deu de ombros.

– Olha aqui sua vadiazinha… – Lucas foi interrompido por um tapa na face.

– Eu disse, olha lá como fala comigo.

– Sua puta! Putinha barata!

– Pelo anel que me deu não pareço nada barata. Você que é uma bixinha enrustida! Quer que eu como o seu rabo?

– Não, mas você vai me dar o teu!

Lucas partiu para cima de Justine tentando agarrá-la.

– Me larga seu grosso.

– Grosso é? Meu pau é grosso e você adora.

– Quem disse? Essa mixaria ai! – disse Justine com tom de deboche enquanto tentava se esquivar dos beijos de Lucas.

– Ah é! Então pega essa mixaria – disse Lucas enquanto imprensava Justine contra a parede e baixava a samba canção.

– ME LARGA SUA BIXA!

– Cadela, me da esse rabo dá! Não tava reclamando que não te como?

Justine e Lucas se debatiam na parede, lutando como se estivessem em um vale tudo, Lucas a beijava e apertava sua bucetinha quente, Justine relutou por algum tempo, mas decidiu fingir e entrar no jogo.

– ME SOLTAAAA!

– Cala a boca puta, quer que os vizinhos chamem a polícia? – disse Lucas ao tampar os lábios de Justine com uma das mãos.

Ele a virou de costas, de frete a parede e colocou sua mão por entre as pernas dela.

– Não quer me dar não é? Não é isso que parece, você ta super molhadinha, quentinha… Nossa que delicia. Pode sentir isso? – dizia Lucas ao passar seu pau entre as coxas dela – ta durinho, latejando, querendo sua bucetinha gostosa cachorra.

Justine se debateu, tentou gritar mas só fez um barulho sufocado.

– Vamos ver como esta este rabinho? – perguntou Lucas a si mesmo enquanto averiguava a situação – Veja só! Esta pulsando como louco!

Lucas passou o braço livre pelo quadril de Justine puxando para trás, e com uma das pernas afastou uma das pernas dela, deixano a entrada livre, seja para qual fosse o buraco.

– Não grita putinha – disse enquanto soltava os lábios de Justine para pegar seu pau e penetrá-la.

Ele colocou na bucetinha suavemente sentindo a mesma contrair, um arrepio era visto na espinha nua de Justine, ela gemeu baixinho, depois ele começou a estocá-la com força.

– Sua puta gostosa!

Justine estava entregue, abriu as pernas e empinou o rabo o que pode. Lucas estava de volta!

– Quero no rabinho sua bixa, come ele, eu sei que você adora um rabo! – sussurrou Justine que mau podia falar de prazer.

– Quer é? Agora você quer sua puta?

– Quero! Quero! QUERO!

– Calma não to com pressa!

– Bixa dos infernos, mete, mete!

– Justine escorregou o tronco pela parede ficando em posição de alongamento, Lucas, admirado pela posição, sentiu-se tentado a penetrá-la atrás.

– Golpe baixo! Que putinha baixa! – disse enquanto levava seu pau até o cuzinho de Justine.

Levemente ele colocou a cabecinha, Justine se segurou e gemeu baixinho. Depois de colocá-lo todo dentro, ela não agüentou, encolheu seu corpo e os dois foram para o chão, de conxinha, ele apertava seus mamilos enquanto a penetrava ainda delicadamente.

– Pode ir! Pode ir! – disse ela.

E o ritmo mudou, ficou mais rápido, mais frenético.

– Deus! DEUS! Não agüento mais! Não dá! – dizia ela.

– Agüenta sim!

– Não! Não! – seu corpo sacudiu como em um ataque epilético, ela uivou alto e um liquido quente escorreu por entre eles.

– O que houve? – Perguntou Lucas sem ver o que havia acontecido.

– Não agüentei!

Justine e Lucas ficaram com os corpos colados por quase uma hora. Mesmo com a viajem próxima e as preocupações, mesmo em meio a todo o suor e urina, eles sentiam que estavam à ativa.

Continua…

Freak Butterfly

Justine: O casamento do primo Mario III

so

Durante o churrasco em família, Fábio não deixava Justine em paz. Mario estava aos beijos com a noiva, todos os outros relembravam os velhos tempos. Paula, prima de Justine, um ano mais nova que ela, já tinha um bebê de colo e parecia super feliz no recém casamento, mesmo que o marido não parasse de olhar as pernas e a bunda de Justine.

Família é meio complexo, e a de justine não poderia ser diferente. Intrigas, picuinhas, inveja, olhares, Justine estava definitivamente desejando desaparecer. Ela olhava a cada minuto no celular para ver se Lucas havia ao menos lhe mandado uma mensagem, mas nada. Entediada ela foi dormir mais cedo, ou tentar.

Foi para o quarto, a noite estava terrivelmente quente para uma primavera, para um campo, ela colocou um short doll e se deitou descoberta, por sorte, ela havia conseguido um quarto só para ela. Era pequeno, mas aconchegante, isso porque a mãe já havia anunciado que o “noivo” de Justine viria. Depois de quase uma hora rolando pela cama ela finalmente adormeceu.

Pela primeira vez ela não sonhava com nada, quando sentiu uma mão acariciar seus seios sob a blusa, sonolenta ela se deixou levar, pensando que estava dormindo junto com Lucas. A mão percorria do mamilo até a xoxota varias vezes. Logo ela estava excitada, desejando ser penetrada, então ela suspirou:

– Lucas! Ah!

Sem responder o anônimo colocou a mão dentro do shortinho e começou a acariciar o grelo quentinho, ela desejava abrir os olhos, mas estava cansada demais, ela desejou se virar, mas não foi permitido. Ela estava incrivelmente excitada e seu corpo começou a despertar.

Então ela sentiu o pau de seu molestador anônimo tocar sua bunda, seus olhos abriram e com a visão ainda turva, ela notou que não estava no quarto de Lucas.

– Lucas!?

– Xiiii!

– Que porra é esta? Quem é?

Ele a segurou pelo pescoço e sussurrou no ouvido dela.

– Relaxa gostosa! Abre essa perninha pra mim meter nessa buceta gostosa.

A voz era familiar. Fábio! Justine havia sentido durante toda noite o quando ele desejava come-la, e por isso ele ficou por horas tagarelando coisas desconexas.

– Fábio! Você é louco, eu tenho namorado. Me larga – disse ela enquanto tentava se soltar.

– Mas não lembrou disso quando deu pro Mario na campina.

– O que?! – disse espantada.

– Eu não sou besta, eu fui atrás de vocês depois que deixei Priscila na casa grande, e os vi transando, você é tão deliciosa prima, tão, tão… Deixa eu meter em você, continue achando que eu sou o Lucas, não vai dar nada de errado, será nosso segredo.

– Você é louco!

– Louco por essa bucetinha linda – disse ele enquanto afastava as pernas da prima.

Sem duvidas para ele forçar algo seria muito fácil, Fábio ela do tipo atlético, grande, forte, ele conseguiria o que queria de qualquer forma. Justine estava tão excitada que nem não resistiu e se entregou. Ela afastou as pernas, inclinou o corpo um pouco mais para frente e deixou que Fábio a penetrasse.

Em silencio os dois fornicaram por horas, Justine desejava gritar ao sentir o falo de Fábio tocar seu útero, sem duvidas era um enorme pau.

Logo Justine se tremeu e gozou, em seguida Fábio esporou na bunda da prima, ela ficou ali, exausta, sem se mover, ele se levantou, beijou-lhe a testa e foi embora.

Justine ficou ali, deitada por horas, sem conseguir pregar os olhos, com um novo dilema: contar ou não contar para Lucas o que houve aqui!

Afinal ela já o traiu com Rodrigo, mas não lhe contou, porém ambos estavam brigados, e agora que estavam bem, como seria? Ela contaria sobre Mario e Fábio? O que ele iria pensar? As lágrimas correram seu corpo e ela se sentiu suja, realmente suja pela primeira vez. Ela foi silenciosamente até o banheiro e se lavou, esfregou cada parte do seu corpo, esfregou tanto, com tanta força que se machucou, ela sentou no chão do banheiro e ficou chorando enquanto a água morna percorria pelo seu corpo.

Ela queria se esconder dentro de Lucas, ela não queria mais ser apenas desejo de alguém, ela só queria ser ela mesma, ela queria ser normal.

No dia seguinte Justine estava com ressaca moral, não queria sair do quarto, nem para o café em família, aliais, ela não desejava ver ninguém da sua família. Era como se todos soubessem o que havia acontecido, ela dizia para si mesma:

– Me sinto uma puta! Uma puta barata!

Maria percebeu que Justine não estava bem.

– Filha, há algo errado?

– Mãe, não quero ficar aqui, quero o Lucas, quero ir pra longe daqui – disse entre lagrimas.

– Filha você brigou com alguém? Aconteceu alguma coisa?

– Mãe, não gosto dos meus primos e primas e ponto! Quero ir embora!

– Como assim? Você estava tão bem com Fabio ontem, e você e Mario são como irmãos.

– Mãe o Mario é legal, mas muito bobo e o Fabio tem músculos no lugar de cérebro, ele é o cara mais idiota que eu conheço! Eu o odeio-o.

– Nossa! Me diga que aconteceu!?

– Nada deixa pra lá!

– Vamos descer filha? Vamos tomar café?

– Eu to sem fome.

– Um suco… Vamos Justine, para de ser anti-social! – já disse iritada.

– Ok! – aceitou contra a vontade.

As duas foram pra enorme cozinha, todos estavam lá. As primas patricinhas, os primos marombeiros, os nerds e anti-sociais. Ela se sentiu terrivelmente mau ao dar de cara com Fabio que logo foi lhe dar bom dia.

– Bom dia priminha? Dormiu bem? – disse com o sorriso sacana.

– Não! Dormi mal, muito mal!

– Poxa… Que pena!

– Quem tem pena querido, é galinha! Agora se me da licença, vou tomar café com minha mãe – disse de cara fechada.

– JUSTINE!

– Ah mãe, vamos logo.

As duas saíram, Maria estava envergonhada com a atitude rude da filha. Fabio ficou um pouco constrangido, afinal ele esperava outra atitude da prima.

Na grande mesa todos estavam conversando alegremente, exceto Justine, que a qualquer momento soltaria raios pelos olhos como personagem de vídeo-game. Em poucos minutos, ao ver todos alegres, seu coração amoleceu, e ela se retirou rapidamente.

– O que há com nossa filha? – disse Carlo para Maria.

– Não sei querido, ela não esta feliz aqui… Acho que brigou com alguém não quis me contar.

Justine correu para o quarto e começou a jogar as coisas na mala. Em prantos ela havia decidido.

– Vou embora, não fico um segundo mais aqui!

Foi quando ouviu um barulho familiar se aproximando da casa grande, ela correu para a janela e lá estava Lucas, mais doce do que nunca descendo do carro com o celular na mão. Sem pensar ela desceu as escadas correndo, quem estava na cozinha se assustou e levantou para ver o que estava acontecendo, ela abriu a porta e correu para os braços do amado.

– Jú!? – disse Lucas um pouco confuso.

– Eu te amo! Eu te amo! – completou Justine em lagrimas.

Os dois ficaram abraçados por um longo tempo e todos os olhavam da varanda.

Continua…

Freak Butterfly.