RSS Feed

Tag Archives: São Paulo

Medo e Delírio em São Paulo – a mudança

E lá estava eu, encostada no balcão da cozinha, esfregando os pulsos com um gel aparentemente ‘milagroso’ que comprei a quase dois meses em uma tentativa desesperada de apagar um pouco as cicatrizes que espantam olhos curiosos, e então, me peguei pensando em como vim parar aqui, o que tinha feito de errado, o que havia dito de errado, enfim, onde errei desde que cheguei.

Fiquei ali certo tempo parada olhando os braços cujas cicatrizes não sumiram, nem amenizaram com o gel, minhas veias, que geralmente ficam escondidas sob a pele desbotada estavam ali, pulsando num azul hipnotizante, elas pareciam dizer: contem-me!

No som do celular tocava Hypinose do System Of a Down, meu passo para o delírio já era eminente quando subitamente começa a tocar Seu Jorge, amém! Foi àquela música perdida na minha playlist que me tirou daquele momento pré-suicida. Pouco depois meus pensamentos se perderam novamente, fui lavar a pequena louça suja da janta mais solitária das ultimas semanas, pensando: “Deus, que patético, pareço uma solteirona clichê de filme B”. Tudo me soa como filme B. Às vezes me pego distraidamente pensando se minha vida não é uma ficção no estilo “show do Truman”, e as pessoas estão me assistindo, tropeçar, levantar, tropeçar, levantar, tropeçar, pensar em levantar e como todo reality, elas riem da desgraça alheia. Sem dúvida, quando repasso meus últimos dois meses, diria que seria uma comédia barata.

Às vezes tenho surtos de grandeza onde me acho o alvo predileto de Deus, uma marionete com a qual ele se diverte, rindo de toda confusão física e mental, mas deve ser só mais uma paranóia ou crise de mania, pois nessas mesmas horas me apego à religião como um tipo de salvação implorando pra Deus finalmente me enxergar aqui embaixo e dizer: Chegou sua hora! Mas sempre volto ao princípio da “teoria da conspiração” e acho que todos conspiram contra mim, incluindo, pessoas do meu convívio “familiar”, eu sei, parece absurdo, mas o pensamento é incontrolável, sempre me acho uma vítima de mandinga!

Eu sei, você não deve estar entendendo nada do que digo, é porque nas ultimas semanas, meus pensamentos atropelam as palavras, não consigo dizer o que penso, ou pensar antes de falar, simplesmente fluem. Então vou tentar resumir meu caminho até aqui.

Início de ano, pós-férias, morrendo de saudades da terapeuta (que eu confesso estar sentindo muita saudade), na primeira consulta do ano, fui animada contar minha idéia mirabolante.

“Então Poliana, como foi de férias?”, penso que ela se arrependeu da pergunta, falei tudo que pude lembrar, tudo que me incomodou, brigas que não estive presente, sobre o quanto me senti parte da família pela primeira vez e vários anos, blá, blá, blá… Falei compulsivamente, sem parar e então cheguei a decisão crucial da minha vida: “Quero me mudar pra São Paulo”. Contei todo meu plano arquitetado minuciosamente, depois do trauma da minha mudança não planejada para Curitiba (foi quando iniciei esse blog), eu não poderia ser mais impulsiva. Tudo parecia bem, eu estava medicada e confiante. Meus planos incluíam trabalhar em algo em que pudesse juntar dinheiro até meados de março ou abril para minha sobrevivência em São Paulo até estar trabalhando – coisa que eu imaginava que não fosse demorar a acontecer.

De longe eu olhava classificados, empregos, apartamentos… Os dias passavam, minha ansiedade aumentava, eu só sabia falar sobre partir, não me importava o que ocorresse nada me impediria de viver o “Sonho Brasileiro” (digo que é a paródia ao ‘Sonho Americano’ de Hunter S. Thompson). São Paulo… A Big Apple dos brasileiros, cidade grande, com pessoas dos mais diversos estilos, pensei “terra das oportunidades”, com duas faculdades, uma pequena considerável bagagem de experiência, cursos e mais cursos, eu não só achava como pensava e me sentia preparada para essa mudança, dizia a mim mesma e ao meu irmão, “não é possível que eu não arrume ao menos um ‘trampo’ como vendedora de shopping” (eu dizia shopping porque a mesma aventura em Curitiba me traumatizou, pois na época eu não tinha um ‘padrão’ de shopping, não era um tipo de modelo sem sucesso que fazia bico em lojas, não que eu esteja nos padrões ‘modelísticos’, mas estou numa versão melhorada do meu eu de 2008), mas a vontade é a ilusão dos loucos.

Poderia resumir em curtas frases meu percurso desde que pousei em Guarulhos:

  • Chegar a Barueri;
  • Namorar;
  • Conhecer o Starburcks (porque essa coisa estúpida estava na minha lista de coisas que queria provar);
  • Ganhar camarote VIP do show do Soufly (então risquei mais algo da minha “lista de coisas para fazer” que seria ir num show gringo, bem coisa de interiorana);
  • Preparar currículo;
  • Espalhar currículos;
  • Descobrir que meu currículo não tinha direção;
  • Corrigir currículo;
  • Encontrar da Danny;
  • Brigar com o namorado;
  • Planejar minha ida pra Santo André (afinal eu fiquei quase um mês na casa do namorado);
  • Fazer entrevistas;
  • Esperar o retorno que nunca é dado;
  • Entregar currículos e ouvir: “Nossa, mas você é muito qualificada pra vaga que temos”;
  • Sentir raiva;
  • Medicação no fim;
  • Depressão;
  • Aguardar 40 dias pra minha consulta no psiquiatra;
  • Brigar com namorado;
  • Procurar emprego;
  • Fazer várias novenas;
  • Procurar emprego;
  • Ir a missas;
  • Ir a mais entrevistas;
  • Ser uma péssima namorada;
  • Surtar;
  • Chorar;
  • Rir insanamente;
  • Filmes e mais filmes;
  • Namorar;
  • Brigar com namorado;
  • Chegar a Santo André;
  • Ficar esperando o resto da mudança (que meu pai não manda nunca);
  • Depressão;
  • Saudades de casa;
  • Saudades do meu quarto, livros, dvd’s, Sky;
  • Morrer e chorar de saudades dos meus sobrinhos;
  • Saber que meu pai não enviou a mudança porque tem esperança que eu volte;
  • Depressão;
  • Mau-humor;
  • Sair com amigos em Santo André;
  • Rir;
  • Enjoar do cabelo pseudo-loiro;
  • Ser péssima namorada;
  • Chorar por não conseguir aquele ‘trampo’ que queria na Paulista;
  • Ficar isolada;
  • Distribuir o currículo em todos os RH’s encontráveis de Santo André;
  • Sonhar acordada;
  • Ter cadastro em vários sites de empregos;
  • Depressão + mania;
  • Ter um distúrbio hormonal, sangramentos e espinhas;
  • Ficar emburrada e distante;
  • Terminar o namoro.

Bem, acho que resumidamente em tópicos seria mais ou menos isso. Então, de volta ao momento pré-paranóia, onde me vi sentada na beira da cama ensangüentada, por um segundo fiquei catatônica, foi só um susto, um pensamento, uma neurose, uma alucinação, às vezes sofro disto. Eu queria chorar, mas nenhuma misera lágrima escorreu, então sentei pra escrever e ver se me sinto menos lotada de pensamentos, menos solitária… Eu divido uma casinha com um amigo que quase não tenho visto. O tédio é tão grande que “Amélia” baixa em mim quase diariamente, eu limpo as casa, lavo a roupa, tento cozinhar e mal consigo comer (ainda bem né, se não daqui a pouco estaria uma bola).

O pior de tudo que essas coisas de dona de casa me distraem, meu corpo fica gastando as energias ali, na limpeza, mas quando termino e tomo o banho merecido, meu corpo ainda tem eletricidade, e mesmo cansado e dolorido, não consigo relaxar, as vezes nem com o as 2mg de alprazolan.

Comprei um livro há quase um mês que poderia ter terminado de ler a semanas, se eu não tivesse que reler muita das vezes a mesma página pra então perceber que já a li. O livro se chama “Uma mente inquieta”, recomendação da minha ex-terapeuta que dizia “Poliana, estou lendo um livro que parece que estou escutando você falar”, é apesar de épocas diferentes e surtos psicóticos pouco parecidos, resumindo, até são histórias parecidas…

Hoje sentada aqui sozinha, fico me perguntando o que fiz de errado, está certo que cheguei um pouco antes do tempo, não tinha tanto dinheiro quanto precisava, e pra piorar em uma das minhas crises de ‘mania’ gastei a metade do que tinha num tratamento estético que só consegui fazer duas das doze sessões (da qual espero mesmo assim obter os resultados finais), enfim, antes, em Curitiba, fiquei frustrada por ter uma faculdade iniciado a segunda e não conseguir nada além de olhares tortos e puro preconceito, mas sei que não estava preparada naquele momento, foi uma tentativa de fuga daquela vida em “família” que não era minha. Achava (como acho ainda hoje, que ficar longe daquele quase sanatório chamado “lar” me faria algum bem), e então hoje, com duas faculdades, estando relativamente preparada, adaptável ao mercado de trabalho, com sede de aprender e trabalhar, estou entrando no mesmo processo de frustração, mas agora por motivos contrários e quase desconhecidos, pois não enxergo o possível erro que me impede de estar no mercado de trabalho. Não satisfeita, me matriculei esta semana para uma pós-graduação em docência que começa no final do mês, como em um grito quase que desesperado de que ao me formar como docente possa dar aulas e ter dinheiro pro meu sustento (porque se tem algo que me deprime mais que ficar sem dinheiro, é ter que depender do meu pai pra isso, afinal, tenho 27 anos e não sou aleijada, posso muito bem e há muito tempo me sustentar, só não tive muitas chances).

Desistir? Pensei algumas vezes nisso, mas junto a este pensamento me vem à promessa de que não voltaria viva pra casa. Eu sei, é dramático e exagerado, mas já não consigo pensar em voltar, sem pensar em qualquer outra loucura do gênero suicida. No celular agora toca “make me wanna die” (The Pretty Reckless), música que escuto sempre em minhas crises de depressão, afinal é um desejo mesmo que temporária, morrer, como se de alguma forma fosse aliviar tudo o que sinto.

Enfim hoje, daqui a poucas horas é minha consulta com o Psiquiatra, é como se ele fosse resolver meus problemas (o que não irá acontecer), mas o fato de voltar a tomar a medicação, seja ela qual for me soa como um alívio, voltar a raciocinar melhor, a conseguir me concentrar, não ter crises pseudo-disléxica, só de imaginar que meu cérebro vai desacelerar e vou conseguir enfim estudar pra aquele concurso da PF que queria tanto passar, ou mesmo que eu consiga me dedicar a pós, ou ao menos que eu consigo dar continuidade ao meu projeto com ‘Justine’ (é aquela mesma do conto que alguns de vocês lêem aqui). É como se uma simples pílula pudesse me ajudar a encontrar as respostas do que questionei no início do texto, sei que soa um tanto tolo, até porque remédio não é resposta pra bosta nenhuma, mas me da esperança de amenizar essa bagunça cerebral.

Sem namorado, sem emprego, sem dinheiro, mas com um pouco de dignidade sigo aqui de Santo André, ‘devaneando’ para os corajosos que ainda me lêem.

*Desabafo: se eu me candidatei à vaga disponível, independente do meu currículo, quero dizer que eu li o maldito anúncio, sei o que significa e pra que é a vaga, não preciso que me digam se sou muito qualificada ou não pra aquilo, não sou superior a outros ou pior, como a maioria, sou só alguém buscando uma oportunidade. Acho um absurdo você ser “rejeitado” por ter “estudado demais”. Enfim, é assim que me sinto.

Medo e delírio em São Paulo

Foram apenas nove dias naquela cidade caótica, com trânsito infernal, trens e metros lotados, clima instável e uma diversidade tão grande de pessoas e estilos, que no fim, você só aprende a amar. E foi assim que eu me re-apaixonei e senti vontade de viver novamente, eu percebi, aliais eu senti que, apesar de soar piegas ou como um clichê barato, eu nasci para viver ali.

Em todas as minhas experiências, de um mês certa vez, foi enlouquecedora, eu pensava “será que dou conta?”, mas sabe quando você chega em casa e sente que aquele não é seu lugar? Foi assim, quando desci do avião no aeroporto de Porto Velho, a tristeza me tomou a alma novamente.

Não venho aqui para criticar minha própria cidade, sim, sou uma BERADEIRA, nascida na beira do Rio Madeira, onde o por do sol ainda é o mais lindo, onde as estações do ano só se dividem em duas, onde as pessoas o acolhem como filhos da terra, cujo ditado é “quem bebe desta água sempre volta”, mas não é pra mim.

Quando voltei a ‘Sampa’, depois de um ano sem estar lá, sem ver alguns poucos amigos, o frio me congelou a espinha, e não era o frio qualquer, nem a garoa que caía, depois de anos, eu viria a conhecer dois amigos com quem conversei, chorei, magoei, e tudo que a distância nos proporcionava.

É tão emocionante o perigo que chega a ser excitante! E em nove dias, aprendi coisas, conheci pessoas, vi lugares, fui acolhida. Minha intenção não era escrever nada disto que estou ‘tagarelando’ até o momento, eu apenas queria contar minha louca aventura de nove dias em uma cidade que não se apaga. Uma viajem que me estimulou a ser alguém diferente, a lutar pelo que quero, a ser, simplesmente eu, sem medo de ser julgada e condenada, e apesar de sempre ouvir que SP é um lugar de pessoas frias, fui muito bem acolhida. Ri, chorei, acho até que chorei mais do que ri. Mas, como só eu sei fazer, ou seja, mudar a conversa bruscamente vejamos coisas que aprendi no meu, digamos, “retiro espiritual”, ou de uma folga de mim Rondoniense:

  • Você pode se abrir, chorar, falar de seu passado com os amigos, por mais que a terapeuta lhe pareça uma boa idéia, ela é paga pra te ouvir, e receber um abraço quente depois de mil lágrimas, quando só o que se desejava era sorrir, não tem preço;
  • Ser abraçada por uma doce senhora que mal lhe conhece e te acolhe como uma espécie de filha, foi um dos carinhos mais sinceros que tive durante este ano;
  • Ouvir elogios de você para outra pessoa que não você, não estimula o ego, e sim acalenta a alma e te faz pensar “caramba, de certo sou boa em algo mesmo”;
  • Que eu posso ser amável, e não no sentido de delicada e sim no sentido de que alguém possa me amar, mesmo quando o magôo ou falo asneiras, ou mostro vídeos sem graça (pra ele) da internet;
  • Que a Augusta sempre será um mito, mesmo infestada de ‘moderninhos’ paga pau, ela tem seus encantos;
  • Que slogan de puteiro é genial: “cervejinha e putaria! Cervejinha e putaria à vontade, vamos entrar” e claro o melhor “mesa pra casais, mesa pra casais! Hoje uma galinha irá comer três minhocas com uma bicada só!” – eu deveria ter visto isso, deveria, também não sei porque mas senti imensa vontade de abrir um puteiro no bairro Liberdade… E criar slogans para o mesmo (risos);
  • Aprendi dentro de um puteiro qual o melhor tipo de sapato para você andar, pode ser salto 7 ou 15, desde que a meia pata da frente seja reta, ele será super confortável, disse Carol, uma moça que estava a trabalho;
  • Também aprendi com a Carol que aquelas bolsinhas pequenas de pulso e cigarros de caixinha não dão certos, o melhor é maço, só assim eles irão ficar bem guardados na bolsinha, ela também nós ensinou (sim claro, porque não sou maluca de entrar num puteiro desacompanhada) que mulher, seja puta ou não, gosta de ser bem tratada, odeia ouvir “nossa, olha aquela gostosa”, acha cantada de pedreiro nojenta, e que o melhor jeito de conquistar é ser cortejada;
  • Finalmente aprendi que Velhas Virgens é uma banda do caralio, e que a música ‘Madrugada e meia de amor’ é minha cara (risadas);
  • Que Serra Malte é uma cerveja muito ruim;
  • Que hostel é uma opção barata e divertida, onde você aprende a conviver com diversas culturas, apesar das amizades rápidas, você aprende coisas pra vida toda;
  • No hostel também percebi que devo urgentemente voltar a estudar línguas estrangeiras, apesar de ver que muitos estrangeiros não fazem a mínima questão de aprender a nossa;
  • Também aprendi a nunca deixar meu shampoo caro no banheiro do hostel, não se pode ser tão confiante em um lugar cheio de desconhecidos, mesmo que os que trabalhem lá sejam super legais;
  • Aprendi o quanto é importante uma vez na vida ir ver seu time jogar em um estádio, o grito e calor da torcida te contagia, é algo que te faz amar com mais afinco ou odiar de vez futebol;
  • Aprendi que não se negocia com as chinesas (ou japonesas ou coreanas, seja o que for que trabalhem no shopping 25 de Março), elas são dura na queda, odeiam quem pechincha com os homens você já consegue, mas com elas… Ainda quando você vira e não leva nada, falam mal de você, mesmo que agente não entenda, agente sente!
  • Que mesmo você avisando TODOS seus amigos e conhecidos eles sempre aparecem no ultimo dia dizendo: mas porque não me avisou que tava aqui?
  • Enfim, aprendi a esquecer tudo o que me arrancou lágrimas antes de viajar e ainda nos primeiros dias e a derramar lágrimas de saudades, de pessoas novas, de coisas novas, de uma pequena parte nova de mim.

Enfim, você conhece pessoas, concretiza amizades, planejar, re-vê amigos (bem, só revi a Dani e o Rafa) e de alguma forma, conhece pessoas que se tornam anjos na sua vida, que se preocupam e que cuidam de você, que sorri ou elogiam sem desejar nada em troca. E mesmo que seja apenas nove dias (você deve pensar “essa mina ta viajando, nove dias não é nada comparados a vida toda”), são suficientes pra dizer: é lá que quero ‘sonhar’.

 

Convenção Internacional de Tatuagem – Brasil (*Leds)

Com 12 anos de profissionalismo, este ano a convenção internacional de tatuagem, acontecerá nos dias 17, 18 e 19 de outubro, em São Paulo, Brasil.

Mais de 140 expositores estarão presentes, renomados tatuadores e body piercer do país e do mundo.

Durante a convenção ocorrerão vários eventos como o tradicional Concurso de Tatuagens, lançamentos de livros, exposição de fotos e pinturas.

Vale a pena conferir e levar a garotada.

Este é o mapa do expositor:

http://www.tattoobrazil.com.br/planta%20copy.jpg

Os horários são das 12 às 22 horas no Espaço das Américas que fica na Rua Tagipuru, 795, bairro Barra Funda.

Mais informações, acesse o site: http://www.tattoobrazil.com.br/#expositores

É uma diversão garantida para toda família!

Não julgue as pessoas pela arte que elas carregam nos corpos!

 

Beijos,

 

Freak Butterfly