RSS Feed

Tag Archives: respeito

Poliamor

Você sabe o que é poliamor? Até algum tempo atrás eu também não sabia, quando comecei a analisar Justine (a personagem do conto que você lê aqui), eu nem imaginava o se havia possibilidades de realmente alguém amar, amar de verdade, mais de uma pessoa, até então, era tudo fantasia da minha mente, quando assisti um programa na tv a cabo chamado “Sexo Estranho”, sobre o tal do poliamor.

Como o nome diz é um estilo de poligamia amorosa consentida. “Por outras palavras, o poliamor, como opção ou modo de vida, defende a possibilidade prática e sustentável de se estar envolvido de modo responsável em relações íntimas, profundas e eventualmente duradouras com vários parceiros simultaneamente.” (Winkipédia)

Nos Estados Unidos existem cerca de 50 mil “casais” vivendo em poliamor, e a 20 anos lutam para por um modo visível e organizado, juntamente com movimentos da Alemanha e Inglaterra. E em 2005 aconteceu nos EUA a primeira Conferencia Internacional sobre Poliamor.

Bem, o movimento é mais popular do que imaginamos. Há vários tipo de relacionamentos poliamorosos, vejamos alguns* (retirados do winkipédia):

  • Polifidelidade: envolve múltiplas relações românticas com contacto sexual restrito a parceiros específicos do grupo.
  • Sub-relacionamentos: distinguem-se entre relações “primárias” e “secundárias” (um exemplo é a maioria dos casamentos abertos)
  • Poligamia (poliginiapoliandria): uma pessoa casa com diversas pessoas (estas podem ou não estarem casadas ou terem relações românticas entre elas).
  • Relações em Grupo/casamento em grupo: todos se consideram associados de forma igualitária.
  • Redes de relacionamentos interconectados: uma pessoa em particular pode ter relações de diversas naturezas com diversas pessoas.
  • Relações Mono/Poli: um parceiro é monogâmico, mas permite que o outro tenha relações exteriores.

Os chamados “acordos geométricos”, que são descritos de acordo com o número de pessoas envolvidas e pelas suas ligações.

Exemplos incluem “trios” e “quadras”, assim como as geometrias “V” e “N”. O elemento comum de uma relação V é algumas vezes referido como “pivô” ou “charneira”, e os parceiros ligados indiretamente são referidos como os “braços”. Os parceiros-braço estão ligados de forma mais clara com o parceiro pivô do que entre si. Situação contrastante com o “triângulo”, em que todos os 3 parceiros estão ligados de forma equitativa. Um trio pode ser um “V” , um triângulo, ou um “T” (um casal com uma relação estreita entre si e uma relação mais ténue com o terceiro). A geometria da relação pode variar ao longo do tempo.

Alguns tipos de relação há restrições como a polifidelidade, onde existe o poliamor, mas não fora da relação.

Algumas relações ainda permitem o swing, fora da relação primária, mas sempre sem que haja envolvimento amoroso. Porém, o poliamor não é uma suruba como se supõe, são relações sérias entre pessoas que não concordam que a monogamia seja a solução para uma relação saudável. Há respeito e deveres, como em qualquer relacionamento.

Há comunidades sociais de apoio aos poliamorosos, onde se conhece pessoas com o mesmo estilo de vida. Os poli-ativistas intervem na sociedade em que se inserem, tentando criar uma imagem positiva e merecedora de respeito junto à maioria.

É respeito e lealdade a seus próprios princípios. Se analisar-mos a historia, no passado (bem passado), esse tipo de relação era natural, em alguns países mulçumanos, culturas como mórmons, seguem essa filosofia.

O preconceito ainda é explicito, a série americana feita pela HBO, Amor Imenso (Big Love) causou furor ao ser exibida, ela conta a historia de um homem que vive três casamentos, todas são cocientes e vivem na mesma casa, a serie aborda vários conflitos que este tipo de relacionamento possa levar, sempre o principal, o preconceito perante a sociedade.

Lembre-se, a traição, a relação fora do casamento monógamo não esta neste contesto, no poliamor todos os envolvidos estão cientes em comum acordo, e sim, há amor.

P.S.: para os machistas de plantão, saibam que há muitos relacionamentos poliamorosos de uma mulher com outros homens, ou vocês achavam que isso era um direito exclusivo masculino?

 

O sexo e o cérebro

Se para muitos homens o sexo é algo visual e para a maioria das mulheres sensorial, para ambos ele é cerebral acima de tudo.

Já foi dito aqui, há algum tempo atrás (acho que já tem um ano) quais eram as principais zonas erógenas, e ontem lendo, percebi porque a maioria dela são onde o sol geralmente não toca.

É como tatuagem, os lugares mais sensíveis e dolorosos geralmente são os que não batem luz, para o toque o prazeroso também. Por ser um local onde a pele não fica exposta e é pouco tocada.

Para as mulheres o lugar que as “liga” ainda é a região do pescoço que começa atrás da orelha até o inicio do ombro, vale lembrar que muitas mulheres não gostam de “línguada” no ouvido, não é sexy, para muitos é “agoniento” mesmo.

Já para os homens há vários lugares que com um simples toque os fazem ligar automaticamente, como a parte interna da coxa em direção ao escroto, e nas costas percorrendo até a lateral da nádega. Outra coisa que atiça o desejo dos homens é quando a mulher o procura, a iniciativa sexual da mulher também o excita.

Uma massagem nos pés também é super erógeno, pois, acredita-se que é nos pés que temos o mapa do nosso corpo e o toque certo pode ativar a circulação entre outras coisas do nosso organismo.

Não se pode haver sexo sem o toque, quando o parceiro está totalmente relaxado, os picos de prazer podem ser maiores, por isso caricias são essenciais. Hoje, com toda a correria, o sexo se tornou uma espace de estresse, uma rapidinha aqui ou ali, tudo bem, mas não podemos deixar isso se tornar uma rotina na relação. Até mesmo uma rapidinha requer preliminares, você não sente a vontade do nada, seu cérebro se prepara, você recorda de algo que gostou, de detalhes do parceiro, ou viu algo que o excitou, um beijo diferente, um toque, então esses sensores lhe prepararam pra tal rapidinha.

Seja como for, o sexo não se baseia apenas na penetração (até porque grande parte das mulheres nem sempre chegam ‘lá’ apenas com isso) e sim em tudo que nos motiva. Vá ao sex shop e compre aquele oleosinho ou mesmo um bom hidratante.

Aproveitando o tema ‘toque’, que lembrá-los de algo muito importante, pois escutei algumas reclamações estes dias sobre ‘a falta de humanidade’, seja com quem for que você está saiba que ela é humana, e deve ser tratado como tal, fantasias a parte, mas até a prostituta mais barata requer respeito, imagine seu parceiro(a)? Até uma relação sadomasoquista o sádico tem respeito pelo masoquista. Então, pense nisso!

Kama Sutra – O caminho das Índias

kamasutranaveenandrews

A novela Global, Caminho das Índias veio para levantar uma nova questão, o kama sutra.

Muitos acham que o Kama Sutra é apenas um livro de posições sexuais. Porém, é mais do que isto, através de um manuscrito datado do século IV a.C. e copilado pelo sábio hindu Vatsyayana, 800 anos depois, no século IV e foi traduzido para o inglês em 1883 por Richard Burton. O Kama Sutra trata da fase da conquista e do relacionamento, de receitas e conselhos para a melhoria da virilidade e do desempenho.

Na Índia, a kama Sutra é uma bíblia de ensinamentos para manter um bom casamento.

O livro já foi visto como várias coisas que fogem do seu objetivo original, ele já foi visto como manual de posições e também confundido com sadomasoquismo.

Não basta ler o Kama Sutra (original, não o copilado somente com as posições), tem de sentir sua essência e compreende-lo.

Além do sexo em si, o livro contem cerca de 30 tipos de beijos, vários carinhos e preliminares. Alimentação afrodisíaca e para boa saúde. O sexo é visto como uma elixir da longividade.

Coisas que você deve entender sobre o livro:

·        Gerado em uma sociedade castra, o homem é visto como “mestre”;

·        Arranhões leves, que não deixam marcas e provocam cócegas são vistos como, preliminares do coito;

·        As mulheres são mais ternas que os homens, necessitam de preliminares suaves. Mas aquele que pensa que as mulheres são tímidas por natureza são odiados por eles como ignorantes da alma feminina;

·        Se homem e mulher atuam segundo gostos mútuos, o amor de um pelo outro não diminui jamais, nem em um século;

·        Um amante não deve deixar de corresponder ao que o outro lhe ofereça durante o ato;

·        Kama é o deleite dos cincos sentidos: audição, tato, olfato, paladar e olhar, auxiliados tanto pela mente como pela alma.

As mulheres Indianas são ensinadas desde muito nova sobre a vida, sobre sentimentos, sobre prazer e como cuidar de seu homem. Muitas vezes soa mais como uma escravidão, mas isto é milenar, uma tradição.

Tais tradições não se enquadram em nosso país, mas podemos levar em conta muito dos ensinamentos indianos, como respeito, fidelidade e claro o prazer.

Busque ler o Kama Sutra com outros olhos.

 

Freak Butterfly

 

*Fonte: O Livro de Ouro do Sexo.

Nota de esclarecimento sobre Justine!

Olá caros leitores, sei que muitos adoraram as aventuras da Justine, e já estou trabalhando no próximo capitulo da louca jornada da nossa anti-heroína, mas gostaria de deixar bem claro que, ela é fictícia, Justine e eu somos pessoas diferentes.

Recebi uma série de comentários sobre, e e-mails também, e quero deixar claro aqui que é tudo profissional.

O nome Justine surgiu da minha paixão por Sade, e não me liguei que já usava este nome em um projeto paralelo como modelo alternativo no site Xplastic.

Por favor, mantenham o respeito, não só a mim, mas com todas as modelos do site, garanto que não deve ser somente eu que recebo e-mails com propostas indecentes.

Não sou profissional do sexo, aquilo é apenas trabalho como qualquer outro. Respeito as profissionais do sexo, mas eu sou só algo do imaginário. Assim como a personagem.

Não vamos misturar as coisas e nem ofender!

Respeito é bom e todo mundo gosta!

Freak Butterfly.

Sexo Grupal – Swing

Olá pessoal, falarei sobre um assunto não praticado por mim, mas do qual pesquisei muito para lhes contar. O swing!

Sim digo não praticado por mim porque as pessoas acham que eu faço tudo que lhes escrevo, calma, nem tudo é assim! Bem, está é a primeira matéria de uma pequena séria sobre sexo grupal.

Quem nunca aqui teve um mínimo que seja de curiosidade em freqüentar uma casa de swing nem que fosse para ficar de voyeur ao menos, levanta a mão?

Bem eu acho que ninguém levantou não é? Bem leitores, sem mais delongas o swing basicamente é a troca de casais concedida, que seria dois casais ou mais com relacionamentos estáveis que praticam sexo grupal.

Não é visto como traição e também só será praticado por pessoas livres de pudores e ciúmes.

Há varias formas de swing, vejamos a seguir:

· Soft Swing – troca de parceiros com caricias, beijos e sexo oral, não há penetração;

· Hard Swing – troca de parceiros com penetração.

Para casais com maior interação, há outras formas:

· Sexo no mesmo ambiente com bissexualismo (masculino ou feminino);

· Sexo no mesmo ambiente com troca de carícias, sexo oral, mas sem troca na penetração;

· Sexo no mesmo ambiente com troca na penetração;

Há também tipos e variações de swing conforme sua orientação sexual, que seriam:

· MFFM: swing entre mulheres bissexuais e homens heterossexuais;

· MFMF: swing entre mulheres e homens heterossexuais;

· FMMF: swing entre mulheres heterossexuais e homens bissexuais;

· MMFF: swing entre mulheres e homens bissexuais.

Os clubes de swing são restritos para casais. Em alguns eventos temáticos são permitidos acesso de pessoas desacompanhadas e em alguns clubes é permitido o acesso de pessoas sozinhas, na maioria estes possuem espaços reservados a casais.

A maioria dos clubes de swing é dividida em dois espaços: uma boate com música de diversos tipos (gravada ou ao vivo) e um “espaço íntimo”, acessível por uma porta discreta. Nas casas de swing rolam performances, strip e sexo explícito.

Cada grupo de swing tem suas próprias regras, no geral quem manda na festa são as mulheres, elas que escolhem com quem o casal irá transar e na maioria das vezes elas que se divertem mais, pois na grande maioria as mulheres do circulo de swing são bissexuais.

Havia um programa no MaxiPrime chamado Swingers Party, que contava historias de casais que sempre realizam festas private, ali era mostrado o funcionamento e as regras do mundo dos praticantes de swing. É claro que para entrar nisto você não pode ter vergonha, ciúmes, deve respeitar as regras dos outros casais, e claro ter um bom estoque de camisinha.

Em muitos casos quando há um grupo já formado que sempre se reúne para fazer trocas, são realizados teste de HIV, mesmo assim é utilizado preservativo, mas como rola uma variação de sexo, oral, vaginal e anal… ao há camisinha para língua para que se possa praticar sexo oral em mulheres.

Então para quem quer penetrar neste mundo alucinante, previna-se e busque clubes de boa índole.

Boa diversão,

Freak Butterlfy.