RSS Feed

Tag Archives: pau

Descobertas através do ‘sexo verbal’

Dias deste estava falando com um amigo, numa coisa meio “sexo verbal” e ele me revelou um segredo do sexo oral, até então muitíssimo desconhecido por mim. Ele disse: “vocês mulheres acham que o prazer do cara está só na cabecinha, mas não é verdade, o prazer fica no meio”.

Eu não sei se a frase correta é esta, entre tantas cervejas, não sei nem como lembrei, acho que porque me marcou.

Como não tenho ‘pinto’, resolvi perguntar de quem o tem, vamos ver o que os rapazes responderam:

“Eu sinto na cabeça, depois que você goza a cabeça fica super sensível, qualquer passada de língua lá te tira o ar. Eu gosto que passem a língua na cabeça, é tesão ali. Talves no meio do pênis seja algo mais psicológico.” (M. 28 anos, PR)

“A cabeça é bem sensível, muito mesmo, o que me faz gozar rápido, mas não curto muito é escorregar os lábios da cabeça para o meio, na lateral, ali me mata.” (V. 29 anos, MG)

“Comigo é diferente, é na cabeça.” (T. SP)

“Sim, as vezes a mulher passa a língua na cabeça achando que ta apavorando e ta incomodado.. na hora de gozar se a mulher continua chupando o meio é uma delicia se ela vai pra cabeça o cara morre” (H. 23 ANOS, PR)

“Acho que não seja, pra mim, é um conjunto de fatores.” (G. 30 anos, PR)

“sim, também sentimos no meio, porque gostamos de saber até na onde a boca da menina chega, eu particularmente, sinto mais prazer na base… porque sexo oral também é visual, e quando a garota engole tudo, da um tesão que da porra… na cabeça da prazer, e estimula também, com as outras brincadeiras q ela pode fazer com a língua.” (I, 26 anos, SP)

“Então, comigo eu sou super sensível, comigo é um mix, são sensações diferentes, mas acho que vão da cabeça até a base do saco, acho que é isso, um sexo oral bem feito me faz sentir prazer da ponta ao fim.” (G. 23 anos, SP)

“É verdade sim, e também homem sempre prazer nas bolas, quando a mulher chupa ali é muito bom.” (F. 25 anos, SP)

“Curto quando vocês engolem tudo” (Z. 20 anos, SP)

“Relativo, depende de como se chupa ele né.” (G. 32 anos, SP)

“Quem falou isso? O maior prazer fica na glande (cabeça do pau). A cabeça do pau está para o clitóris de vocês mulheres. É obvio que há prazer em toda a extensão, mas a parte mais sensível é a glande.” (J. 34 anos, SP)

“O jeito de fazer não importa muito, mas a sensualidade do olhar é o que eu acho, e usar bem as mãos também.” (M. 20 anos, SP)

Nada, tem q chupar a cabeça! Pode passear… mas o lance é a cabeça…. mas se chupar no meio com uma cara bem safada também é massa… mas o lance é a cabeça… tenho 27 anos e estou precisando de uma chupada!” (R. 27 anos, RO)

“O prazer do sexo oral pra mim ta no corpo inteiro dele… pela glande ser mais sensível se ficar SO nela cansa é legal variar para o corpo tb.. é como fazer cafuné por horas… as vezes é bom fazer um carinho nos ombros nas costas. a parte do meio sente prazer quando esta quase todo dentro da boca.. mas por ser gostoso e aconchegante pro pênis estar ali dentro úmido aquecidinho. acho q respondendo DIRETAMENTE é a parte inferior o “pescoço” entre cabeça e corpo q leva a loucura.” (P. 24 anos, Rio de Janeiro)

Bem, em suma a cabeça ainda continua sendo o alvo predileto dos homens, e também podemos ter noção de que o sexo oral é extremamente visual. Isso quer dizer que meus textos sobre o gênero não estão desatualizados com eu imaginava. Assim como cada mulher sente prazer de um jeito, os homens também, então devemos estar atentas aos nossos parceiros, e se não conseguir descobrir, pergunte, porque perguntar não arranca pedaço (mas isso só pra seu companheiro, afinal, imagina ter aula de oral no meio de um sexo casual?)

O fato é: tudo vale à pena, menos dente!

*imagem: Google imagens

Leia mais em: https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/10/dicas-para-brincar-com-o-garotao/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/09/felacao/

https://freakbutterfly.wordpress.com/2008/06/10/truques-para-brincar-com-o-garotinho/

Justine – A decisão

(0517) Sexo, por trás

Para Justine, naquele momento seria impossível ter de decidir entre Lucas e Marcela. Mesmo com o pedido de casamento de um homem dos sonhos de muitas, ela não conseguiria deixar Marcela.

No carro ela já havia decidi, diria a Lucas que se a amasse entenderia e esperaria por ela.

Ao chegar ao estacionamento do prédio, ela não sabia se descia do carro ou ia embora. Porém, lembrou de cada minuto que teve antes com Marcela e o quanto insaciável ela estava, desejando o pau quente de Lucas penetrando-a sem cessar. Mais que depressa, ela saiu correndo do carro rumo ao elevador que estava aberto.

Durante o estacionamento e o 7º andar, ela pensou no que diria ao Lucas e como ele reagiria, se depois os dois fariam amor insanamente, se amanha ele iria continuar a desejando. Ela parou enfrente a porta, colocou sua chave e a abriu, Lucas estava adormecido no sofá e um filme qualquer da TV aberta estava passando, ela se aproximou lentamente, sentou-se ao lado dele, e com certo receio ainda, ela o beijou. Assustado, ele a empurrou para trás, fazendo-a cair no chão.

– Ai! Caralio Lucas, que porra é esta!? – disse Justine furiosa.

– Amor, nossa desculpa, você me assustou – respondeu Lucas encabulado.

– Tava esperando alguém que não fosse eu por acaso pra se assustar – dizia ela enquanto levantava.

– Desculpa amor – repetiu em voz baixa.

– Ta, deixa pra lá… Eu vim aqui pra outra coisa. Agente vai ter que conversar.

– Pensou amor na minha proposta?

– Sim, e muito, confesso que até com minha mãe conversei.

– E ela? Gostou? Ela aprova?

– Sim, ela te acha um bom rapaz… Mas, fui ver Marcela como você sabe. Olha Lucas, chorei demais como nunca mais havia feito este tempo todo tentando me decidir, mas acontece que não posso, não agora. Eu amo a Marcela e a desejo demais para abrir mão dela, mas também te amo demais e não posso te perder.

– Então é isso! Você recusa meu pedido por causa de uma aventura – Lucas aumentava o tom de voz, já visivelmente irritada.

– Acontece que se você me ama, você vai me esperar, sabe, eu acho que é assim, não é uma aventura, eu gosto mesmo dela, e ela estava na minha vida antes de você aparecer…

– Cala a boca! – interrompeu Lucas a frase de Justine.

– Hãn!?

– Você é muito criança mesmo né Justine!? Você acha que vai ser gostosa pro resto da vida? Ou você acha que vai poder ficar brincando com dois amores, com dois sentimentos até quando? Um de nós vai enjoar, ou melhor, os dois irão.

– Cala boca você – dizia Justine derramando as primeiras lagrimas – se você me acha tudo isso, porque esta comigo então seu verme?

– Porque infelizmente eu te amo sua vadiazinha de classe média – Lucas partiu pra cima de Justine a empurrando contra a parede – Você gosta de ser vista assim? Como uma putinha? – ele segurava-a pelos cabelos com força, mas Justine não dava o braço a torcer para demonstrar a dor física.

– Quer saber sua bicha, ela fode melhor que você, sua florzinha idiota!

– Aé!? Então aquela puta é melhor do que eu? Ela tem um pau destes? – então ele baixou a samba canção já com o pau duro a mão – Tem? Diz sua puta? Ela tem?

– Você ta louco! Me solta!

– Se ajoelha puta que vou te dar o que você realmente gosta – ele a jogou no chão, com uma das mãos ele segurava o pau e com a outra a segurava pelos cabelos – abre a boquinha cadela.

Justine estava confusa, em um mix de horror e tesão ela não sabia o que fazia, sempre era ela quem dominava, e não entendi se tudo aquilo era real ou era mais um dos joguinhos dele. Ela se esquivava com os lábios serrados.

– Não vai abrir essa boca não sua puta!? – ela gesticulou que não com a cabeça e em seguida ele a esbofeteou na face.

A tapa fora tão forte que ele caiu no chão e logo se encolheu, entre lagrimas de dor e ódio, ela se levantou e caminhou até ele que sorria sarcasticamente.

– Então sua bicha! É assim que você gosta de fazer? Um dia você me da a bunda no outro quer me bater? Gosta deste joguinho duplo? Quer que eu enfie um punho no seu rabo agora ou mais tarde?

Logo Lucas sentiu o peso do ódio nas palavras frias de Justine que parou enfrente a ele e disse:

– Bate do outro lado sua bichinha! Anda! Mostra então que é homem, me da outro tapa seu mariquinhas imprestável, seu lixo de elite, só porque tem um carrão do ano e um apartamento próprio acha que pode se desfazer de mim? Eu sou muito mais que você, sua bicha enrustida!

– CHEGA! – ele tornou a esbofeteá-la na face – quer ver quem é a bixa, quer?

Ele virou Justine contra o sofá, e rasgou sua calcinha, ergueu a saia e começou e meter bruscamente.

– Diz agora quem é a bixa! DIZ PORRA!

– Você, você é minha bichinha. Mete que nem homem.

Lucas metia na buceta lambuzada de Justine com tanta força que parecia que suas bolas entraria junto ou que o pau sairia pela boca. Ela ardia, delirava, gargalhava, não imaginava que Lucas pudesse ser tão mais selvagem do que já fora. Seu cú piscava sem parar, logo Lucas gozou esporrando por toda a bunda dela. Com o pau ainda duro e cheio de tesão, com Justine de pernas bambas, ele a segurou pela cintura e ainda apoiada no sofá ele a puxou para si.

– Não sou um viadinho? Então vai toma no rabinho puta gostosa – sem pensar ele enfiou o pau no rabo lambuzado de porra.

Ela gemia cada vez mais alto, agora sim parecia que ela realmente estava levando uma surra, o que os vizinhos pensariam de tudo aquilo, eles já não estavam nem se importando, podia dar a policia, o caralho que fosse que nada o faria parar de sentir aquele rabinho apertado de sua deusa.

Ela gritava, implorava, dizia a ele que não agüentaria mais um segundo sem explodir, ele satisfeito metia mais gostoso ainda. Logo Justine estremecei inteira, como se estivesse tendo um ataque epilético, ela gozou, foi tão intenso que ela urinou junto, os dois pareciam animais selvagens, ele sem pouco se importar, caiu de boca na buceta dela para sentir o melzinho que havia jorrado. Ela tremia, fraca, não sentia mais as pernas, porém, se sentiu no paraíso, foi único, foi melhor do que tudo que tivera antes, aquela sensação de medo e delírio, de dor e prazer, de tesão e ódio, tudo aquilo, ela não poderia perder, mas precisou de algum tempo para perceber que ele era realmente o homem da vida dela.

Caídos no chão ele a abraçou, beijou-lhe as faces rubras pelos tacas fortes que ele deu, sem pedir perdão, ele a olhou nos olhos e disse:

– Mesmo com tudo, mesmo com este teu jeito louco, mesmo brincando com meu coração, eu não posso deixá-la quem que eu quisesse, se eu não fosse tão louco por ti, eu sumiria, mas o que sinto, eu nunca senti antes, o que tivemos, eu nunca tive com ninguém. Eu te amo minha putinha gostosa.

– Ela não sabia o que fazer, apenas enrosco seu corpo ao dele e ambos olhavam o teto, em silencio ela adormeceu. Logo ela estava novamente na escuridão, o corredor, os gritos, a luz os gemidos insanos, a falta de voz, ela correu cegamente por aquele corredor do horror, caiu na luz, e mais uma vez ela estava entre mil corpos nus, era como se não houvesse identidade sexual ali, somente o ato em si, e de forma tão angelical, e no meio de muitos estavam Lucas e Marcela rindo e fornicando, mais uma vez seu desespero era obvio, ela tinha medo de perder os dois, e o que é pior, que eles a trocassem um pelo outro, mais uma vez ela acordou suada e aos berros, entre lagrimas e abraços carinhosos de Lucas, ela soluçava.

– O que foi amor?

– É mais um pesadelo, vai passar, eu ainda descubro como acabar com ele.

E os dois ficaram juntinhos na cama, ele afagando seus cabelos, ela ainda soluçando. O cheiro forte do sexo ainda pairava pelo ar.

Freak Butterfly (Poliana Zanini)

*Imagem: Google Imagens

Justine – O desejo que não desaparece (Parte 2)

– Oi amiga! Falou com o Fabiano? – disse Marcela que estava sentada no bar.

– Sim, ele estava desesperado, mas disse a ele que não tem com o que se preocupar. E ai Gú, como está? – interrompe Justine cumprimentado o barman.

– Eu to bem, me preparando para o agito que será isso aqui hoje. Também falei pro Fabiano que ele não tem porque ficar assim.

– Pois é! Olha, me vê uma comando só em nome do Fabiano, ele disse que hoje é pro conta dele.

– Opa! Como você desejar. Ta na mão.

– Nós vamos ficar no camarote VIP.

– Certo!

– Nossa que hoje estamos chique em Jú – disse Marcela.

– Merecemos! E então, vamos pedir algo?

– Claro, eu quero uma Marguerite.

– Duas Gú.

– É pra já!

Alguns minutos depois, os drinks estão prontos e as duas brindam juntas.

– A nós!

– Vamos subir? – pergunta Justine.

– Vamos – então Marcela se vira e beija Gustavo – querido, vou subir.

– Divirtam-se!

– Pode deixar.

E as duas vão para o camarote VIP. O lugar parecia perfeito para as duas conversarem, havia sofás de couro e uma mesinha central. Elas se sentaram e falaram sobre àquela noite sem tocar no assunto do beijo, falaram de sexo, do trabalho, de beleza e mais um monte de baboseira feminina. E os copos não paravam. Já haviam se passado uma hora e meia de conversa, a casa estava cheia e elas já estavam com seis garrafas vazias sobre a mesinha, as taças da Marguerite e dois copinhos de tequila.

– Nossa, eu preciso parar de misturar bebidas – disse Marcela.

– Eu também, a ressaca não é uma das melhores assim – comenta Justine.

– Pior que to ficando bêbada já!

– Eu também – e as duas riem.

Depois de dançarem um pouco e seu espaço privativo, Justine tira a câmera da bolsa e diz para a amiga.

– Amiga, hoje de fotos. Já havia até esquecido que tinha trazido à câmera.

– Opa, ótimo, é bom registrar nossos momentos.

Depois de várias fotos loucas e muita risada, as duas se jogam no sofá.

– Nossa, você é maluquinha Jú!

– No momento estou maluquinha por você – ela se vira e beija a amiga.

Em alguns segundos, Marcela afasta Justine.

– Desculpa amiga, mas não sei se devemos.

– Porque não? Má, eu to loca por você, preciso te sentir. Até me masturbei já pensando nisso.

– Jú, para… Eu não sei… Eu tenho medo.

– Porque medo?

– Porque eu também tenho pensado muito nisto.

– Serio!? – indaga Justine sorridente.

– É, e é estranho.

– Porque, não há nada se sentimos atração uma pela outra. Somos amigas e sabemos que gostamos de homens, e agora também de meninas.

Marcela fica calada e Justine acaricia sua face, lhe sorri, e Marcela pula no pescoço da amiga dando-lhe outro beijo.

– Uau! Má que surpresa! – diz Justine feliz com a atitude da amiga.

Depois de muitos beijos e caricias, o show já estava começando e as duas haviam se esquecido do mundo. Era doce, era delicado, era carinhosa a forma como se tratavam. Pouco depois de uma hora entre beijos e caricias Justine propõe que as duas vá para o quarto de Fabiano.

– Vamos Má, assim ninguém fica nos olhando e ficamos mais à vontade.

Marcela espera, pensa e topa. As duas sobem para o quarto de Fabiano um pouco apreensivas pelo que poderia acontecer daquele instante por diante.

– Bem Má, fique relax. Nada vai rolar nada que você não queira.

– Mas eu quero tudo!

As duas sentaram sob a cama, olharam nos olhos e se beijaram. O que estava para acontecer as deixava excitadíssimas e com a adrenalina em alta. Justine decidiu tomar partido e iniciar carias mais caliente, logo ela deslizou as mãos até os seios de Marcela, cujo mamilos estavam rijos. Ela os manipulou delicadamente os seios de Marcela, que gemeu.

– Justine… Sua maluquinha… – disse Marcela sussurrando.

– Vamos ficar nuas, assim ficaremos mais confortáveis.

Depois de se despirem, Justine segurou a mão da amiga e a puxou até a vidraça.

– Você ta louca Jú, as pessoas irão nos ver.

– Claro que não, só nos podemos enxergá-las.

– Serio, vai por mim, já fiz loucuras nesta vidraça, quem fazer também?

Marcela, um pouco envergonhada ainda, acena positivamente para a amiga. Justine a coloca contra a vidraça e recomeçam os beijos, aos mãos de ambas exploram o corpo amigo, depois de alguns segundos, Justine cria coragem e toca o grelo da amiga, que estava com a xana encharcada e quente.

Ela suspira, Justine se excita mais e mais, e começa a acariciar o xana da amiga.

– Nossa Marcela, que bucetinha linda.

Marcela não tinha um pentelho se quer, assim como Justine, ambas tinham a xaninha de uma ninfeta.

– Posso chupá-la? – pergunta Justine.

– Agora! Só se for agora!

Justine se ajoelha enfrente a amiga, cola uma das pernas sob seu ombro e pediu da amiga abrir a xana, obediente Marcela abriu e deixou exposto seu morango. Justine, maravilhada e ao mesmo tempo sem saber o que fazer, lembrou-se da sua atriz preferida Bella Donna nos filmes da coleção “Só Para Elas” da qual ela assistiu centenas de vezes. Ela meteu a língua e começou a lamber a xaninha de Marcela, deliciada, Marcela gemia, isto era sinal de que ela estava fazendo tudo certinho, ela sugava o grelinho como em um beijo.

– Vai Jú, isso é uma delicia!

E Justine seguia enfrente, para incrementar, colocou um dedinho dentro da xaninha e começou a massagear dentro. Em um ritmo já frenético, língua e dedo sincronizados, gemidos e puxões de cabelo, Marcela não resistiu e gozou.

– Ah! Deus que delicia.

– Gostou safadinha? – perguntou Justine.

– Eu amei! Vamos pra cama, quero brincar assim também.

As duas se deitaram, e já loucas de tanto tesão, se agarraram, beijaram, mordera, penetraram seus dedos, então Justine disse a Marcela.

– Tua vez linda, vai e me chupa como uma boa menina.

Marcela não sabia por onde começar, então Justine abriu as pernas, depois os lábios deixando o grelo à mostra.

– Bem, pense como em um beijo, beije-a, lamba-a, só não morda, seja delicada, pense no que eu fiz para você.

Marcela seguiu o passo a passo da amiga e “caiu” de boca na xoxota de Justine.

– Isso minha putinha, chupa bem gostoso, mostra do que você é capaz – dizia Justine.

Apesar de nunca tê-lo feito, Marcela foi bem sucedida, Justine gemeu e gozou rapidamente. O cheiro de sexo pairava pelo ar.

– Venha aqui querida – disse Justine.

Marcela deitou sob os seios da amiga e o acariciava, enquanto Justine acariciava os cabelos de Marcela.

– Sabe, você é tão linda – disse Justine.

– Você também meu amor, você tem um corpo maravilhoso.

– Capaz, você quem tem. E ainda uma xaninha deliciosa de se chupar.

– Será que isso muda algo?

– Acho que não minha linda, só foi uma experiência a mais na nossa vida.

– Eu te amo Jú.

– Oh, que doce… Má, eu também gosto de você.

– Nós nos veremos novamente?

– Não sei, quem sabe. Eu gostei, e repetiria sem problemas.

– Eu também…

De repente a porta se abre e Marcela puxa um lençol.

– Fá! Se ta louco!? – disse Justine espantada.

– Desculpa, eu tive que vir pegar umas coisas.

Marcela estava envergonhada, se enrolou em um lençol e sentou-se na cama.

– Má, não precisa ficar envergonhada – diz Justine ao se levantar.

Ela segue nua até Fabiano e o beija.

– Foi gostosinho meu amor? – pergunta Fabiano.

– Foi delicioso, eu amei! Marcela é uma delicia, você iria amar a xaninha dela…

– JUSTINE! – grita Marcela.

– Calma Má, para de ser boba meu amor, o Fabiano não conta nada pro Gustavo.

Justine senta-se ao lado de Marcela e a abraça.

– Meu amor, me da um beijinho? – pergunta Justine.

– Jú, não sei se quero, eu tenho vergonha.

– Para boba, entra no clima, o Fabiano é delicioso também, quer ver o pau dele?

– Jú!? – diz Marcela espantada.

– Fabiano, vem aqui meu amor.

Fabiano vai até a amada já com o pau na mão.

– Vê só Má como ele é uma delicia, quer experimentar?

Envergonhada Marcela acena que não. Justine sem perder tempo, começa a chupar o pau de Fabiano. Marcela vai para o encosto da cama, e se senta encolhidinha, só observando.

Depois de algum tempo, ela não resiste em ver a amiga tão empolgada ao chupar o pau do namorado, ela se excita novamente e começou a se masturbar.

– Olha Jú o que a Marcela esta fazendo – diz Fabiano.

Justine para e olha para a amiga que estava se masturbando, ela se arrasta pela cama até a amiga e começa a beijá-la.

– Deixa que eu faço isto por você amor – disse Justine para Marcela.

Justine se ajoelhou enfrente a amiga, em uma posição um tanto sugestiva para Fabiano, com a bundinha para a “lua”, enquanto Justine chupava Marcela, Fabiano lambuzou o rabinho da amada e meteu devagarzinho. Justine perdeu os sentidos, mas não parou de sugar a amiga.

Marcela delirando, Justine chupando e Fabiano metendo. Tornaram-se um trio e tanto. Justine enfiou dois dedos na buceta de Marcela socando o maximo que podia, assim como era socada.

Marcela gritou em um gozo intenso. Justine sorriu e Fabiano esporou sobre suas costas. Exaustas, Justine deita entre as pernas da amiga para descansar uns minutos, Marcela desmaia e Fabiano coloca a calça e desce tranquilamente.

Três horas depois, quando o show havia terminado, Justine acorda assustada e vê Marcela dormir como um anjo. Ela a cobre e se abraça com a amiga, suspira feliz pela maravilhosa noite que tiveram e em sua cabecinha devassa, novas idéias surgem, mas isto já é outra historia.

Continua…

(Por Freak Butterfly)

*todos os personagens e ações são fictícios, qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.