RSS Feed

Tag Archives: mulheres

A verdade nua e crua: o canalha com ética

                Hoje me peguei analisando um gênero masculino quase raro, mas não difícil de encontrar pelos caminhos da vida, o tal do canalha com ética!

               Canalha é coisa que encontramos em qualquer esquina, mas há vários tipos de canalhas, os que acham que são e os que defendem o título com pulsos e dentes, por esses as mulheres, até as mais experientes no tipo caem por chão, com porra nos lábios e lágrimas na face, ela ainda suspira e pensa: ele volta!

             O canalha de hoje é o famoso cafajeste de épocas ‘Rodriguianas’, mas vamos fazer uma breve analise semiótica da palavra “Canalha”:

  • Canalha comum: O homem que seduz uma mulher sem intenção alguma de amá-la.

  • Canalha com ética: É o homem que ao seduzir a mulher, deixa claro suas intenções de, ao pé da letra, fode-la sem amá-la.

             Que de nós mulheres nunca caiu nas artimanhas deste eterno conquistador que atire sem medo as pedras! Eu mesma, já fui alvo do canalha e do canalha com ética. Claro que o primeiro é aquele pelo qual você irá sofrer, chorar e nunca mais desejar amar, mas é também o que ficará cada dia mais só, pois se existe um ditado forte e que funciona é “o melhor marketing é de boca-em-boca” e com isso o canalha frouxo vai perdendo sua falsa credibilidade e rebanho.

               Do outro lado esta ele, o canalha com ética, no circulo social ele está sempre rodeado por amigas, geralmente as mais belas do recinto, tem classe, não solta cantadas baratas, tem boa fala, tenta manter boa aparência, sabe conversar e se ele tiver algum interesse sexual que seja, deixará claro que será isso e nada mais, quem sabe role outras oportunidades, mas não se enganem.

               Enquanto nosso primeiro candidato está interessado em bater o recorde de mulheres que já ‘comeu’ o segundo quer qualidade. O primeiro diz que “seu prazer vem em primeiro lugar”, porém como você já caiu em toda sua ladainha e acaba fingindo orgasmos ao invés de tê-los, diz o quanto seu ‘garoto’ é maravilhoso e a satisfaz, você mente compulsivamente que ele é magnífico na esperança de que ele se apaixone. Meninas, não finjam nem mintam, estarão fazendo isso a si mesma, para este gênero pouco importa você e sim ele gozar.

               A segunda opção também diz que “seu prazer vem entes do dele”, porém este se esforça ao máximo para cumprir a palavra, afinal, se existe uma coisa nessa vida que todos sabem é: mulher conta sim tudo para as amigas, não se enganem nem venham me apedrejar, se foi ruim ou ótimo irmão contar (se for muito bom, ótimo, maravilhoso, por favor, contenham-se, não queira despertar na amiga a curiosidade de ‘provar’), e ele claro não irá querer sujar sua reputação (mesmo sendo canalha). A ética deste canalha está acima de tudo, ele não irá desejar magoá-la, não seria esta sua intenção, ele até mesmo será seu amigo, e enxugará suas lágrimas quando a primeira opção a ferir.

               Caros homens cultivem a ética e se for para ser canalha que a tenha, não engane, não minta, não use as pessoas para seu bel prazer sem que as mesmas saibam. Como diria Sócrates “Deve-se temer mais o amor de uma mulher que o ódio de um homem”, o que isso quer dizer? Não cultive algo que não poderá ‘cuidar’, pois não há nada pior nessa terra que uma mulher de coração partido, sua reputação acabará mais suja que sua falta de ética e caráter, o que me lembra agora Nietzsche que citou “Na vingança e no amor, a mulher é mais bárbara que o homem”, fato, diga-se de passagem.

               Até mesmo um canalha, um dia, pode ser flechado, mas não se enganem meninas que fazer o tipo “puta” irá conquistá-los, o que o canalha, ou cafajeste como prefiro chamar, se encantam de fato são pelas “santas de lábios pecadores” (quem sabe em outro texto podemos discorrer tal debate).

            O canalha com ética sempre poderá ser um bom amigo, te dará conselhos sobre outros canalhas. Por isto meninas, olhos abertos, o pior canalha ainda está à solta, ainda faz mais vítimas, porém ainda sai mais queimado que gringo de férias no Rio de Janeiro.

              Separei para vocês algumas belas frases sobre nossos queridos amados e odiados canalhas (sejam com ética ou não):

  • “As mulheres podem tornar-se facilmente amigas de um homem; mas, para manter essa amizade, torna-se indispensável o concurso de uma pequena antipatia física.” (Nietzsche)

  • “Devemos julgar um homem mais pelas suas perguntas do que suas respostas.” (Voltaire) – Preciso mesmo explicar que essa é uma das poucas maneiras para conhecer de fato um homem e descobrir se o mesmo é moleque ou já saiu das fraldas.

  • “O homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum aos outros.” (Confúcio) – Sábias palavras o que pode distinguir o canalha comum do canalha com ética, o primeiro sempre irá culpar fatores que não sua irresponsabilidade verbal em dizer o que vem na cabeça e não o que sente de fato.

  • “O verdadeiro homem quer duas coisas: perigo e jogo. Por isso quer a mulher: o jogo mais perigoso.” (Nietzsche) – nunca li muitas coisas do Nietzsche, confesso! Mas começo a pensar que ele era um dos canalhas com ética, assim como o querido Nelson Rodrigues.

  • “O homem de palavra fácil e personalidade agradável raras vezes é homem de bem.” (Confúcio) – é bem isso meu caro Confúcio! Bem isto!

  • “O valor do homem é determinado, em primeira linha, pelo grau e pelo sentido em que se libertou do seu ego.” (Einstein) – Pois veja só, no canalha comum, o ego é algo infinito, por isso este tipo não tem valor e seu espírito nunca cresce nem evolui.

             Chega de frases prontas que de alguma forma pode ou não definir o canalha, seja ele com ou sem ética, como diria Nelson Rodrigues (o pai dos cafajestes, ou seja, o canalha atual): O cafajeste encantador é um devoto convicto das mulheres, ele as ama e não as veem como mero objeto (diga-se do canalha sem ética que pensa que a mulher é apenas uma boneca com buraco onde irá enfiar seu brinquedinho, que sim podem ser trocados e tão descartáveis quanto nós) “Na saída abre a porta do carro para a mulher, mas dá um beliscão na bunda bem na hora em que ela vai entrar, para mostrar que é dono “dela”.” Nelson sempre sou que no fundo nós gostamos de um cafajeste, torcemos para os mocinhos e desejamos os vilões.

               Se eu pudesse dar um conselho, diria, mais vale investir em um bom vibrador que em um homem sem valor ou princípios, ao menos o primeiro não lhe fará fingir, lhe dará prazer garantido e só lhe deixará não mão quando as pilhas acabarem.

Coisas que uma garota deve saber para ficar mais esperta

Lendo a Woman’s Health hoje, me deparei com uma lista de “O que toda mulher esperta deveria saber…”, curiosa como sou, comecei a ler essa listinha de 33 itens, alguns eu sabia, outros não fazia idéia, então fui junto ao meu querido Google pesquisar uma a uma e nada melhor do que compartilhar com vocês.

Então vamos à lista, claro, com meus comentários:

  1. 1.       Trocar pneu, pregar botão, pendurar quadro (na altura certa) – pregar botão foi algo que aprendi na infância, pois adorava costurar pras minhas bonecas, não era nenhuma alta costura, mas era divertido, coisa que essa geração nascida nos anos 90 não tem o prazer de conhecer, mas não precisa ser nenhum gênio pra isso, só um pouco de paciência. Já trocar o pneu precisa de um pouco de força, coordenação motora e muita paciência, você vai precisar descer do salto (sim, só em revista você vê mulher com salto altíssimo trocando o pneu, não dá! É contraditório, se você conseguiu, me explique como), trocar o pneu foi uma das minhas aventuras (que bom que não foi para desventuras, ainda). Realmente pendurar quadro pra mim é difícil, até porque fico com medo da furadeira, percebi que tem que ter força para empurrá-la contra a parede e assim surge o furo, foi quase traumático, então por hora prefiro ficar no comando, mas aprendi a medir certinho pro furo ficar certo e a altura certa é relativa.
  2. 2.       Não dá para mudar a sua altura, a largura do seu quadril e o tamanho do seu pé – bem, algumas coisas até mudam, a altura, existe uma cirurgia feita nos joelhos, mas serve mais para “esticar”, porém, dizem que a recuperação é terrível e muito dolorosa, muitas reclamam por ser baixa, por não terem a altura da Gisele Bündchen, mas pra isso se temos saltos altíssimos e lindos? Pra que  o quadril também é uma variável, eu como tenho ossos “largos” realmente, posso emagrecer um monte e mesmo assim não saio do 42, mas da pra tirar o culote, que aumenta ainda mais o quadril de muitas (mas muitas mesmo) mulheres, e o pé, bem este não tem jeito mesmo, eu sempre choro nas lojas porque parecem que eles só trazem os sapatos mais lindos nos tamanhos 36 e 37 (mas eu infelizmente calço 38/39, um H-O-R-R-O-R!).
  3. Quando insistir em uma relação. E quando pular fora rapidinho – acho que tais habilidades, agente adquire com o tempo ao menos foi assim comigo! Hoje basta o primeiro encontro pra saber se ele vale ou não algum esforço. O mesmo em insistir, este aprendi a duras penas. Mas até os 30 pretendo estar craque nisso!
  4. O histórico de câncer da sua família – na verdade eu sei o histórico já de qualquer doença genética na minha família, isso todo mundo deveria saber, é muito importante, assim evitamos ainda mais o que possa vir a nos prejudicar.
  5. O que importa é o que diz a roupa e não a balança – isso eu estou tentando me conformar, mesmo com dietas, reeducação alimentar, tem coisas que em mim não somem (até eu ter dinheiro suficiente para fazer uma lipo), mas o que eu sei é que realmente, não é porque eu não entro naquelas roupas do SPFW (que por sinal, algumas ali alguém usa?) que eu não posso andar na moda ou com um pouco de classe. Realmente há ainda mulheres sem noção alguma sobre seu corpo e as roupas (se é que podem ser chamadas assim) que há no seu guarda-roupas. Esta semana presenciei coisas horripilantes em uma solenidade com uma Ministra, sua própria assessora estava em um vestido que parecia uma cortina florida cafona que ainda tinha uma descostura imensa na lateral. Há tantos blogs e sites de moda, ter senso não custa nada. Veja Esquadrão da Moda no SBT, ajuda muito.
  6. Ele nem era tão bom assim – acho que não sei se entendi se é o que realmente eu estou pensando, isso é quando ele termina com agente e por dor de cotovelo exclamamos isso? Ou é porque você caiu na real e viu que realmente ele não era tão bom quanto imaginava quando estava cega de amor?
  7. Errar é humano, mas insistir no erro é burrice – isso é algo que você já deve ter escutado ao longo de sua vida muitas, mas muitas vezes, porém, tem coisas que nos deixam burra, principalmente quando se trata do “coração”.
  8. O negócio é se dar (muito) bem com a sogra – realmente, isso é um fato, os filhos sempre vão escutar a mãe e ficar ao lado dela, então não há porque pintar a sogra de megera e travar uma guerra com ela, conquistá-la é o melhor caminho para uma relação de paz.
  9. Deve ter sempre em casa: um bom uísque, um bom vinho, uma boa trilha sonora e camisinha – até tenho tudo isso, mas ainda não tenho o prazer de morar sozinha, mas primeiro, é bom entender de verdade o que é um bom vinho, eu sempre me confundo com eles, seco, suave, tinto, branco, não faço idéia do que seria um bom vinho, a marca dele? Então pesquisei também e o link está aqui para vocês: http://comofazerdicas.com.br/bebidas-e-drinks/dicas-para-escolher-um-bom-vinho/ Aliais o site todo tem dicas super legais.
  10. O melhor da revista masculina não é a entrevista (mesmo que ele jure que é) – para mim é, mas pra eles? Rá até parece que caímos nessa lorota, você não acredita não é? Uma coisa que eu não entendo, porque ainda há mulheres que dão chilique de pegar o parceiro vendo uma revista de mulher pelada! Pior seria pegá-lo vendo algo do tipo filmes de zoofilia. Não é porque ele curte ver uma peladinha que não você que ele vá lhe trair, ou que você deve ser daquele jeito, etc, etc, etc… Aloooow!
  11. Um brigadeiro, ok, dois brigadeiros, ok, três brigadeiros, não! – algo que eu aprendi é que um brigadeiro irá saciar seu desejo pelo doce, então porque comer a bandejinha toda? Isso irá realmente pros lugares que você desejou diminuir, como os quadris. Então controle! Eu sei, é difícil, ainda to na batalha, ainda mais quando tem chocolate no meio…
  12. Nem sempre a vida é justa – e porque tudo deveria ser fácil?
  13. Ao menos como fritar ovo – isso quer dizer que eu deveria saber fritar ao menos um avo? Não consegui entender isso (está exatamente assim na revista), ainda bem que eu sei gritar um ovo, sei fazer omelete, até sei fazer feijão (quando criança, feijão era o mistério mais fascinante a se aprender na cozinha), mas tem gente realmente que não sabe fritar um avo, então vamos lá: http://www.youtube.com/watch?v=ssOfnbLGV4A Viu só e de forma mais saudável!
  14. Não, os homens não gostam de mulheres que falam com voz de criança – até a mim isso é irritante! Tá, mas quem no meio de um mimo nunca escorregou e disse com voz de criança coisas mais idiotas que a própria voz, se você faz isso sempre, ao menos evite fazer em publico.
  15. Nem tudo que está na moda fica bem pra você – isso é obvio, como no item 5, não basta querer estar na moda, tem que ter senso, do que deve e não deve usar, aqui tem um teste super legal, eu acertei tudo, (viva acho que posso então começar aquele curso de jornalismo em moda!!!!) e ainda aprendi mais sobre o que é certo e errado, vale a pena: http://mdemulher.abril.com.br/moda/testes/pecas-coringas/voce-sabe-escolher-pecas-favorecem-seu-tipo-corpo-471502.shtml
  16. 16.   Dar nó em gravata (please!) – Putz, eu não sei, dar nó em gravata é um mistério misteriosíssimo, me perco toda naqueles passa e volta, para que só escoteiro consegue fazer aquilo, por sorte tem loja que o nó já vem pronto pra ser ajustado, mas vamos conferir como se dá o tal nó:     http://www.youtube.com/watch?v=nzIuhzmZXjc&feature=related viu so? Três nós, mas eu ainda estou treinando o simples (RS).
  17. O melhor investimento de beleza é o protetor solar (e não o tratamento anti-idade) – faz muito sentido se você lembrar que o sol que acaba e envelhece com sua pele (além de vários outros fatores não naturais), realmente, acho que eu também preciso investir mais em protetor solar, ainda mais por morar em um lugar que o sol é de janeiro a janeiro, e também onde os raios UV atingem mais a população como em São Paulo.
  18. Às vezes vale a pena fazer o namorado pensar que a idéia dele foi brilhante – sim, se essa idéia não for fazer mal a ninguém inclusive a ele, não custa nada elevar o ego do seu companheiro e deixá-lo feliz e animado, essa mistura pode lhe proporcionar tantas coisas, até mesmo um orgasmo (sim, porque não, vai que ele deseja comemorar a grande idéia em grande estilo).
  19. Quando você se masturba deixa-o maluco de excitação – esse é um fato que eu espero que todas vocês já saibam de cor e salteado, além de fazer muito bem a você mesma.
  20. Homens também gostam de receber elogios – é que mulher não sai por ai elogiando sem motivos (agente não elogia em troca de sexo, (RS) ta, talvez às vezes também façamos isso), mas quem é que não gosta de receber elogios? Ainda mais que temos o dom de perceber até mesmo quando ele fez a barba, trocou a loção e deixou a pele mais macia ainda.
  21. Que às vezes o silêncio é a melhor resposta – Mas e aquele famoso “quem cala consente”? Claro que se for pra mentir, enrolar e piorar tudo, realmente o melhor a fazer é fechar o “zíper”.
  22. Pílula do dia seguinte deve ser usada em caso de emergência (e não como contraceptivo) – Infelizmente, muita gente ainda faz isso sem saber o mal que faz ao seu próprio corpo, leia este artigo e saiba os riscos que se corre ao exagerar na dose: http://saude.abril.com.br/edicoes/0259/medicina/conteudo_87832.shtml
  23. Dietas radicais até funcionam... Na primeira semana – realmente, eu fiz, aliais quem nunca fez não é? Bem, confesso que vira e mexe, pra uma “emergência” eu ainda faço, pois perder kilos e mais kilos em pouco tempo é o sonho de todas nós, porem, só funcionam em um certo tempo, e nelas perdemos mais nutrientes e massa corpórea que a gordura em si, então, vamos a reeducação alimentar, mas que uma dieta detox de três dias não mata ninguém, não mata!
  24. A regra de impedimento do futebol – já me explicaram, milhões de vezes, eu poderia por aqui um tutorial sobre isso, mas eu, que enxergo detalhes mínimo em coisas que ninguém mais vê, não consigo enxergar quando o atacante do time adversário recebe a bola na frente dos marcadores, você entendeu? Acho que nem eu! (RS)
  25. Dança do ventre só é legal na novela – Como assim? Eu adoro dança do ventre, acho sensual… Agora fiquei até tristinha. Tem algum homem ai lendo isso? O que você acha desse embate, dança do ventre não é legal??? (nessa eu prefiro continuar não sendo tão experta).
  26. A alegria de uma roupa nova não vale a conta vermelha no banco – concordo, eu detesto dever alguém, me dá noites sem dormir, eleva meu estresse o que deixa minha pele um lixo, mas infelizmente nem todos vêem assim, como algumas clientes que eu tive (sabe, eu faço meus bicos, vida de estudante e estagiária não paga minhas contas que estão em dia, obrigada), que parecem não sentir remorso algum em me dever.
  27. Não é porque você é boazinha que as pessoas vão ser boazinhas com você – FATO! Eu era a famosa “boazinha” boba, agente até pode ser boazinha para os outros, mas não podemos ser bobas e nem esperar que elas retribuam isso a você.
  28. As calientes preliminares começam muito antes da cama – claro, podem começar em uma ligação ou em um torpedo, em um beijo quando se reencontram… Ai vai do estimulo necessário a cada um (mas a do torpedo ou ligação são boas, sempre funcionam).
  29. A diferença entre destilados e fermentados (e que um não se mistura com o outro) – Vamos lá, os destilados, ou seja, bebidas que não passam pela fermentação como cerveja e vinho, contém muito mais álcool do que estes citados. Não vou descrever aqui o processo, não há um nexo nessa mistura também, por        que você vai beber cerveja e depois um uísque? Ou vise-versa? O que ocorre é que a ressaca será duplicada, e você não vai querer isso não é?
  30. Até Angelina Joile já foi traída – claro, ninguém, nem mesmo as beldades estão fora da linha de perigo da traição, (nem mesmo os homens mais cobiçados) eu sei que é triste, mas a traição ainda faz parte da natureza humana, principalmente nos homens ela se torna quase que necessária, ao menos uma vez na vida (mas o quadro feminino também não é dos melhores no quesito traição).
  31. Quem são Jean-Paul Sartre, Gabriel Garcia Márquez e Franz Kafka – Confesso saber quem é Kafka, o Sartre já ouvi falar, mas o Márquez só conheço o de Sade. Então vamos saber quem é quem: Jean-Paul Sartre foi um filósofo, escritor e crítico francês conhecido por ser representante do existencialismo. Gabriel Garcia Márquez é escritor, jornalista, editor e ativista político colombiano, recebeu prêmio Nobel de Literatura em 82 e foi responsável por criar o realismo mágico na literatura latino-americana. Franz Kafka, foi um dos maiores escritores de ficção da língua alemã do século XX, suas obras mais conhecidas são A Metamorfose, O Processo e O Castelo.
  32. Saber que John Coltrane é músico e não estilista – eu não sabia, mas foi ótimo saber, pois é foi um saxofonista compositor de jazz norte-americano, considerado pela critica como o “sax tenor” do jazz, considerando que curto um jazz, foi bom saber, olhando sua foto vi que por aqui tinha um cd dele.
  33. Que ninguém sabe tudo. Nem você – isso não é ótimo, saber de tudo deve dar maior dor de cabeça. Mas é bom saber de um pouco sobre várias coisas, principalmente daquelas que são do seu interesse, do que adianta saber de futebol se você não gosta, de política se não te interessa? Mas é bom estar sempre informada e atualizada sobre o que está havendo no mundo.

Aqui temos dois links pra você que não sabe pregar botão ou trocar o pneu do carro, espero que sejam úteis: http://www.youtube.com/watch?v=zLhh3NyfvNM e http://www.youtube.com/watch?v=XbhPtQE6wkM&feature=related

Acho que eu incluiria ai uma série de outras coisas que acho realmente necessário sabermos para ficar espertas, como saber ser sarcástica para responder à cantadas infames, saber se defender da violência entre outras coisas bem mais relevantes para nossa vida.

 

 

Fonte: Woman’s Health Edição 13 – novembro de 2009, pág. 33.

Poliamor

Você sabe o que é poliamor? Até algum tempo atrás eu também não sabia, quando comecei a analisar Justine (a personagem do conto que você lê aqui), eu nem imaginava o se havia possibilidades de realmente alguém amar, amar de verdade, mais de uma pessoa, até então, era tudo fantasia da minha mente, quando assisti um programa na tv a cabo chamado “Sexo Estranho”, sobre o tal do poliamor.

Como o nome diz é um estilo de poligamia amorosa consentida. “Por outras palavras, o poliamor, como opção ou modo de vida, defende a possibilidade prática e sustentável de se estar envolvido de modo responsável em relações íntimas, profundas e eventualmente duradouras com vários parceiros simultaneamente.” (Winkipédia)

Nos Estados Unidos existem cerca de 50 mil “casais” vivendo em poliamor, e a 20 anos lutam para por um modo visível e organizado, juntamente com movimentos da Alemanha e Inglaterra. E em 2005 aconteceu nos EUA a primeira Conferencia Internacional sobre Poliamor.

Bem, o movimento é mais popular do que imaginamos. Há vários tipo de relacionamentos poliamorosos, vejamos alguns* (retirados do winkipédia):

  • Polifidelidade: envolve múltiplas relações românticas com contacto sexual restrito a parceiros específicos do grupo.
  • Sub-relacionamentos: distinguem-se entre relações “primárias” e “secundárias” (um exemplo é a maioria dos casamentos abertos)
  • Poligamia (poliginiapoliandria): uma pessoa casa com diversas pessoas (estas podem ou não estarem casadas ou terem relações românticas entre elas).
  • Relações em Grupo/casamento em grupo: todos se consideram associados de forma igualitária.
  • Redes de relacionamentos interconectados: uma pessoa em particular pode ter relações de diversas naturezas com diversas pessoas.
  • Relações Mono/Poli: um parceiro é monogâmico, mas permite que o outro tenha relações exteriores.

Os chamados “acordos geométricos”, que são descritos de acordo com o número de pessoas envolvidas e pelas suas ligações.

Exemplos incluem “trios” e “quadras”, assim como as geometrias “V” e “N”. O elemento comum de uma relação V é algumas vezes referido como “pivô” ou “charneira”, e os parceiros ligados indiretamente são referidos como os “braços”. Os parceiros-braço estão ligados de forma mais clara com o parceiro pivô do que entre si. Situação contrastante com o “triângulo”, em que todos os 3 parceiros estão ligados de forma equitativa. Um trio pode ser um “V” , um triângulo, ou um “T” (um casal com uma relação estreita entre si e uma relação mais ténue com o terceiro). A geometria da relação pode variar ao longo do tempo.

Alguns tipos de relação há restrições como a polifidelidade, onde existe o poliamor, mas não fora da relação.

Algumas relações ainda permitem o swing, fora da relação primária, mas sempre sem que haja envolvimento amoroso. Porém, o poliamor não é uma suruba como se supõe, são relações sérias entre pessoas que não concordam que a monogamia seja a solução para uma relação saudável. Há respeito e deveres, como em qualquer relacionamento.

Há comunidades sociais de apoio aos poliamorosos, onde se conhece pessoas com o mesmo estilo de vida. Os poli-ativistas intervem na sociedade em que se inserem, tentando criar uma imagem positiva e merecedora de respeito junto à maioria.

É respeito e lealdade a seus próprios princípios. Se analisar-mos a historia, no passado (bem passado), esse tipo de relação era natural, em alguns países mulçumanos, culturas como mórmons, seguem essa filosofia.

O preconceito ainda é explicito, a série americana feita pela HBO, Amor Imenso (Big Love) causou furor ao ser exibida, ela conta a historia de um homem que vive três casamentos, todas são cocientes e vivem na mesma casa, a serie aborda vários conflitos que este tipo de relacionamento possa levar, sempre o principal, o preconceito perante a sociedade.

Lembre-se, a traição, a relação fora do casamento monógamo não esta neste contesto, no poliamor todos os envolvidos estão cientes em comum acordo, e sim, há amor.

P.S.: para os machistas de plantão, saibam que há muitos relacionamentos poliamorosos de uma mulher com outros homens, ou vocês achavam que isso era um direito exclusivo masculino?

 

Romance à démodé?

Toda mulher prega a liberdade, a independência, querem ser livres para escolher, porém, quando o assunto é relacionamento, as coisas realmente se tornam confusas, até mesmo para mim, que sou mulher.

Hoje, ouvimos muito falar de “dividir a conta”, “cada um paga a sua”, e algumas ainda reclamam do romantismo ou excesso de cavalheirismo, mas será que na pratica é isto mesmo? Eu me coloquei a prova em vários encontros para saber como as relações andam hoje e transcrevi em uma espécie de estudo de caso, que não estão em ordem cronológica e em alguns casos a pessoa pode ser a mesma.

Primeiro caso: Um convite para sair com o namorado (que agora é ex).

Era começo de namoro, tudo estava bem, desde nosso primeiro encontro que foi um cinema, eu havia pagado o meu e ele o dele, até porque quando vou ao cinema com alguém chego e compro logo a minha, pois me sinto envergonhada em esperar que ele pague (pois vai que ele não se habilita, imagina o mico), então um dia, planejávamos ir a um pub badalado da cidade, curtir um som e beber, porém na ultima hora eu fiquei sem dinheiro, em uma conversa por telefone, falando de outra festa, eu disse que estava sem dinheiro e sabe o que ouvi de volta? “então como você quer sair amanhã?” minha cara caiu no chão, eu fiquei muda ao telefone e depois disso tive um colapso de memória, não lembrando dos fatos seguintes. Sei que não esperava aquela frase, é obvio que eu esperava algo “eu você está saindo comigo, eu pago”, ou qualquer coisa do gênero, tento em vista que meu namorado anterior não me deixava pagar nem uma bala. Depois daquele dia foi como “brochar”, toda vez que falávamos em sair eu ficava sem vontade, ou quando saiamos, ele pagava o cinema, mas não pagava o jantar (ao menos o meu), ele queria transar, mas nunca se prontificou em pagar o motel (eu já paguei motel pra homem, e também já dividi, mas de namorado eu não aceitaria jamais, nem dividir), no ultimo suspiro da nossa relação ele se propôs a passarmos a noite em um hotel, e ele pagaria, enfim, ele era um bom rapaz e me pagou alguns almoços na padaria da esquina.

Segundo caso: Passeio de domingo.

Marquei de ir ao cinema com um “amigo”, para assistir um filme que a muito desejava ver, eu estava meio sem dinheiro, mas pensei “melhor eu ter ao menos o do cinema e do refrigerante”. No dia que nos conhecemos, se eu pedisse a lua, ele teria dado um jeito, no dia seguinte, fez todos os meus gostos, e mesmo depois de eu já ter “liberado” ele fazia de tudo pra me agradar, saímos para jantar e ele pagou o meu e o dele, com este histórico, eu nunca imaginava que na hora de comprar os ingressos ele comprasse somente o dele! Tudo bem, aquilo eu deixei passar, ele comprou a pipoca, mas eu quem comprou o refrigerante. Ok! Saímos do cinema e decidimos comer ali pelo shopping mesmo, eu escolhi o lugar para comer, na fila pensei “vou fazer um teste, se ele não disser o que você vai querer, eu fico na minha”, dito e feito, ele pediu dois lanches pagou, depois disse e você vai comer o que? Não, ele não estava me perguntando pra pagar, pois não seria idiota de passar o cartão duas vezes. Eu juro, meu sangue subiu pra cabeça e senti o rubor na minha face, para não demonstrar que estava chateada com a situação, eu disse que comeria em outro lugar, sentei com ele para esperar o pedido, enquanto fingia pensar no que comer, mas na verdade eu estava contando até 1000 para me acalmar, claro que ele não é bobo e notou minha mudança de humor na mesma hora, eu liguei pro meu irmão, que também estava no shopping e fui encontrá-lo, deixando o individuo sozinho. Contei a minha cunhada e ela achou o cumulo. Voltei, comprei comida em outro restaurante, e de tão irritada tive má digestão e nossa noite foi para o buraco. Exagero da minha parte? Foi o que me questionei a noite inteira. Nas próximas vezes que marcamos de sair, eu disse que estava sem dinheiro e ele nada falou.

Terceiro caso: Visita a um “amigo”

Era férias e fui visitar um “amigo”, fiquei três dias na casa dele, no dia em que cheguei, ele me levou para comer em uma confeitaria e pagou a conta, fomos ao mercado e perguntou o que eu desejava levar. No dia seguinte, fomos a uma balada que ele ia discotecar, paguei minha entrada ao ir lá fora fumar, pois nesta cidade a lei contra fumantes em ambientes fechados prevalece, quando voltei e ele ficou sabendo disso, fez o bar devolver meu dinheiro, pois eu era sua convidada, pagou a cerveja, perguntou durante toda a noite o que eu queria um cavalheiro a moda antiga. Eu me sentia mal em vê-lo “me bancar” e comprei algumas cervejas, na saída ainda fomos comer e mais uma vez ele pagou. No dia seguinte a mesma coisa ao irmos almoçar fora, eu ficava envergonhada, mas ele fazia questão, até mesmo o taxi da casa dele a rodoviária foi uma luta para eu pagar, afinal nada mais justo depois de tanta gentileza, inclusive da mãe dele.

Quarto caso: Cinema com um conhecido. Ambos queriam muito assistir o mesmo filme, ele novo na cidade, decidimos ir juntos. Eu não esperava absolutamente nada dele, afinal, havíamos nos visto duas vezes em reuniões de amigos, cheguei primeiro, comprei meu ingresso e fiquei esperando por ele. Quando chegou foi logo perguntando, “seu ingresso é meia ou inteira?”, eu disse que já havia comprado e ele disse “poxa”. Na hora da pipoca eu fui pra comprar a minha, mas ele se ofereceu, insistiu e eu aceitei, envergonhada novamente.

Quinto caso: Namorava um rapaz de longe, que se achava a ultima bolacha do pacotinho, mas como toda apaixonada eu tava cega, me mudei para mais próximo da cidade dele e um dia fui visitá-lo e passar uma semana na casa dele. Logo no primeiro passeio eu já vi como seria, machista, mas acomodado, tudo que ele me convidava eu que pagava, até o sorvete! E ele ainda falava em casamento… Espero que hoje ele tenha amadurecido, tendo em vista que está casado, no dia em que eu fui embora, peguei um taxi, além de pagar a ida, ainda tive que deixar o dinheiro pra ele voltar (de ônibus claro, porque eu não podia ser mais boba e a esta altura eu já não estava mais cegamente apaixonada), pra piorar ainda esqueci uma bota que eu adorava e cara na casa dele, que ele nunca enviou de volta, puro pão-durismo, afinal o PAC do correios nem é tão caro assim.

Sexto caso: Presente de natal.

Era final de ano, apesar de não ser a namorada melosa que ele desejava eu era atenciosa, sempre o ouvia (por horas e horas e mais horas), éramos ótimos amigos acima de tudo. Aquele seria meu primeiro natal que trocaria presente com um namorado, então estava animada, comprei pra ele o kit de poker que ele tanto queria (ele ama poker), comprei também a revistinha em quadrinhos (que ele também ama) que ele tanto desejava e não quiseram vender pra ele, entre outras coisinhas, claro que se eu dei, eu quero receber. Como passaríamos as festas de final de ano separados, dei a ele os presentes antes de viajar, e o que eu ganhei em troca? Bem, primeiro eu quase que exigi um presente, depois ele me deu um sapato horrível que meus nervos saltaram, sentia que ele não tinha nenhuma consideração comigo, tendo em vista tudo o que fiz pra agradá-lo quando o presenteei, não consegui ser sínica e disse que havia odiado, fui trocar o sapato, mas na loja eu não sabia qual era o pior, então devolvi e disse pra trocar por algo pra ele. Era difícil uma pessoa que sempre saia comigo pra fazer compras não saber meu gosto. Até porque eu sempre passava pelas vitrines e jogava uns verdes pra ver se ele se tocava. Nas férias tudo que eu via me lembrava dele eu queria comprar, mas me controlei e só comprei duas lindíssimas calças, ele disse que compraria um presente pra mim também. No reencontro entreguei uma das calças a ele, e nada me veio em troca. Hoje a outra calça ta La em casa, acho que da pra usar como boyfriend…

Resumindo: é difícil nos entender? É sim! Escrevendo tudo isso eu tentei analisar e buscar uma resposta do porque somos assim, e se você leu isso tudo e pensou que sou interesseira, saiba que para todas as mulheres que contei essas historias todas, sem sobrar uma sentiram-se revoltadas. Como é possível nos sentirmos mal ao sermos bancadas, mas nos sentirmos pior ainda quando não somos? Seria vestígios ainda da criação que tivemos de nossos pais, que viveram em uma época onde a mulher era Amélia? Seria falso moralismo? Escola católica? O mundo que é machista demais ainda e nos faz pensar que as coisas devem ser assim ou será simplesmente que no fundo, nós mulheres ainda fantasiamos aquele romance démodé, onde os rapazes abrem a porta do carro, mandam flores em ocasiões especiais e pagam a conta?

Seja qual for a resposta, se é que há uma resposta para isso, as mulheres querem mesmo é ser paparicadas, mimadas e ao serem convidadas para algum programa que não precisem levar nada além da maquiagem para retocar, pois o cavalheiro pagará a conta (claro que para tudo há exceções, então que estas se manifestem se eu estiver absurdamente equivocada).

Freak Butterfly

Soundtrack: Bajulações Modéstia à Parte – Faichecleres

Um, dois, três

Há muito tempo eu venho enrolando pra escrever sobre uma musica, sei que vão achar estranho, mas é falo da música intitulada “3” da cantora norte americana Britney Spears. Toda vez que to de bobeira fico vendo clipes na TV a cabo, e nesses programas de tradução, um dia vi a letra, vindo dela eu nem me espantei, mas comecei a fazer uma analise (adoro ficar analisando coisas sem nexo).

Simplesmente a musica fala de um ménage à trois, onde ela chama seu parceiro pra curtir uma noite a três, ou até mais (que safadinha), porém uma realidade nua e crua, por mais que você não aceite, isso é o fascínio, é a fantasia, para não generalizar, de quase todos os homens.

O maior problema é o medo que a mulher sente, o fato de se relacionar com outra pessoa do mesmo sexo (na grande parte da fantasia, homens imaginam suas mulheres com outra mulheres, são raros os que fantasiam vê-las com outros homens), e também o ciúmes.

Outro caso engraçado que aborda o tema, foi o filme “Os Normais 2”, onde para salvar o relacionamento Vani propõe a Rui que façam um ménage à trois (que por sinal não da certo). O filme é divertido pra analisar várias situações, como por exemplo, a mudança na relação que este passo possa dar. Nada forçado da certo, nem sacrificar-se por sua relação ou parceiro, como diz meu ginecologista “é muito bonito e romântico satisfazer o parceiro mesmo que não a satisfaça, mas é um erro só seu”. Se você se sente a vontade para dar este novo passo, siga em frente sem medo, se há duvidas, converse antes com alguém, há pessoas que você nem imagina que já fez ou sente o mesmo desejo. Como diz a musica “ O que fazemos é inocente, só por diversão, sem outras intenções (…) todo mundo ama a três”.

Seja qual for sua escolha, sua opção e decisão, faça somente o que lhe da prazer, isso sim vem acima de tudo!

Freak Butterfly

Vinte e dois anos – A realidade feminina que não muda

Quando estava de bobeira assistindo TV vi o clipe novo (não tão novo assim), da cantora inglesa Lily Allen, 22. Ao ver a tradução da musica, pensei “é comigo”?.

Pra quem nunca ouviu ou viu a tradução desta musica, ela fala que a mulher aos 22 anos tem sonhos, e agora que está chegando aos 30, nota que nada mudou, que nada foi como planejou, e que tudo se tornou ainda mais difícil. Enfim, a realidade das mulheres, digamos, normais (porque no mundo da fama, realmente todas as mulheres se sentem realizadas aos 30).

Canso de ler por ai que é aos 30 que a vida da mulher começa, como naquele filme “De repente 30” desde os anos 80 que nós lutamos para nos sentir-mos realizadas seja no pessoal, quanto no profissional, mas como diz a musica “(…) é triste quando a sociedade diz que sua vida já acabou. Não há nada a fazer, não há nada a dizer (…)”, realmente, um homem de 30 anos solteiro, consegue se relacionar muito mais fácil do que uma mulher, pois quando o tempo passa, muitas de nós (não digo todas não), começam a entrar na paranóia de que não conseguirão casar, não conseguirão ter filhos, e nem conseguirão um bom emprego, pois não basta trabalhar, temos de construir uma carreira.

A sociedade ainda é repleta de tabus hipócritas, que ditam quando temos de casar, quando temos de ter filhos, pois em determinada idade não poderá, pois será arriscado, é tudo regras, é tudo do jeito que eles querem, mas quem são eles?

O grande problema da mulher no fundo é se deixar levar por tais regrinhas. Quando se esta livre, quando não fica correndo contra o tempo, as coisas parecem fluir melhor. Eu ouço quase que diariamente, mulheres reclamando de que o tempo esta correndo, de que elas não têm namorado e já estão com 27 anos, de que logo será difícil ter filhos, e vários outros blá-blá-blás que chega a ser pior que um surto psicótico da TPM. A musica infelizmente é uma realidade social em qualquer país, mas se nos deixar-mos levar por essas idéias falidas que infelizmente muitos compram, estaremos de cabelos brancos e repletas de pés de galinha aos 35, tudo por não saber esperar. A vida não acaba, a vida começa.

Por isso não se desesperem, não se descabelem, pois a vida não, ela não acaba nos 30, também não sei se começa, mas que a vida pode ser divertida, isso, é você quem fará! Por isso força na peruca e vamos a luta que “eles”, no fim, não sabem de nada.

Freak Butterfly

Vamos falar de sexo?

GirlsNightOut

Ontem ouvi que o preconceito em relação às mulheres que conversam abertamente sobre sexo mudou. Mas, em relação às experiências que já tive, aos rótulos que já recebi, vejo que nada mudou tanto assim. O mundo segue machista como sempre.

Nós que já queimamos os sutiãs, protestamos, tivemos direito ao voto e direitos iguais, ainda somos julgadas por querer conversar sobre sexo como qualquer homem entre amigos faz na mesa do boteco.

O problema é que muitos ainda não aceitam a posição que alcançamos nas ultimas décadas (e não digo atrás do tanque ou na beira do fogão). As mulheres hoje escolhem se vão ou não casar. Se querem ou não ter filhos. Tem a opção do sexo casual, elas vão pro boteco com as amigas, tomam cerveja e falam de “pinto”, como quem fala de novela.

Muitos me dizem: “Você se expõe demais no blog. Eu não teria coragem.”

Sinceramente, não vejo maldade alguma nas coisas que digo ou escrevo. Eu sou uma pessoa extremamente curiosa, que gosta de ler, escrever, e usei este meio de comunicação pra tentar ajudar algumas pessoas que tem medo de revelar seus temores. Só eu sei quantas pessoas eu já ajudei, quantas imaginações eu conquistei.

Sempre ouço a mesma pergunta: “Justine é você? Ela existe?”

Claro que deve haver pessoas como Justine, e é obvio que como toda pessoa que escreve ela é parte de mim. Como uma filha. Algumas pessoas amam, outras ficam horrorizadas e há aqueles ainda que acham que sou prostituta (rs isso é hilário eu confesso, rio demais disso). Não querendo me comparar a Anais Nin, mas ela escrevia coisas eróticas assim como eu, o que eu faço é usar palavras mais “chulas” e comuns no vocabulário daqueles que lêem. Seria estranho ler vulva, fornicar, entre outras palavras mais “poéticas”. Eu simplesmente escrevo o que as pessoas desejam ler.

Falar de sexo é saudável e divertido. É uma troca de experiências, é um aprendizado. Só não podemos expor a intimidade de forma que vá nos afetar e afetar terceiros.

A vida já é complicada demais, têm problemas demais, guerras demais pra ainda nos preocupar-mos com coisas tão banais. Ainda ter-mos preconceitos tão medíocres.

A liberdade de expressão é isso, ser o que somos mesmo que doa naqueles que não tem coragem para de libertar, se escondem em fakes e se trancam em “armários” de lamentações e julgamentos precipitados.

 

Freak Butterfly