RSS Feed

Tag Archives: grelo

Justine – Um coração para tanto amor

P1010624 Editada 0006

Depois daquele final de semana bárbaro junto a seus dois amores, Justine se sentia presenteada pelos Deuses, por ter duas pessoas que a amavam e desejavam tanto, que fossem capaz de fazer o que ela pedisse, custasse o que for, realmente, ela era abençoada.

Algumas semanas se passaram entre um apartamento e outro, entre um corpo e outro, às vezes, ainda que raramente em dois corpos ao mesmo tempo, isto quando Marcela estava de bom humor, pois ela ainda não conseguia controlar seu ciúme. Lucas ao contrario estava feliz com qualquer coisa que sua deusa lhe desse, fosse um carinho, um tapa e até mesmo tarefas sujas. Ele apenas se sentia feliz e a desejava ainda mais a cada dia que passavam juntos.

Já fazia um mês desde aquele joguinho surpresa que ela preparou para ele, um mês de sexo intenso e selvagem, um mês a mais para saber que era ela a mulher da vida dele. Sem demora ele ligou para a amada.

– Alo! Jú, nossa, eu tava aqui no trabalho e de repente lembrei de você, de nós dois juntos… – ele falava ofegante, atropelando as palavras quando Justine o interrompeu.

– Oi cachorrinho, respira e fale pausadamente. O que quer?

– Eu não só quero, como preciso de você! Casa comigo?

Justine ficou pasma, sem conseguir pronunciar uma palavra se quer. Por quê? Pensava ela consigo mesma, porque naquele momento? Porque agora que as coisas estavam como ela desejava, que ela enfim se sentia completa, por quê?

– L u c a s – gaguejou Justine – Eu… Eu não sei… Porque isso Lucas! ?

– Porque eu te amo! Simples assim, porque eu não paro de pensar em você, porque tudo que eu faço é pensando em nós, porque você é tão perfeita, tão maravilhosa…

– Chega! Pode parar, tu sabes que não sou nada disso!

– Que papo é este Ju, tu sempre se achou tudo isso e mais um pouco!

– Ta querendo dizer que eu me ‘acho’ é? – perguntou zangada.

– Claro que não amor, não entenda mal, quer ir jantar comigo, ou melhor, vamos pedir algo lá em casa, passar um tempo a sós.

Realmente passar um tempo a sós naquele ultimo mês estava ficando complicado. Se de um lado ela amava Lucas, por outro lado ela amava Marcela também.

– Lucas, eu fiquei de jantar com a Marcela, hoje é nosso aniversário… – respondeu sem graça.

– ANIVERSÁRIO! ?

– Da primeira vez que nós ficamos juntas… Olha Lucas eu preciso pensar, eu amei a proposta e tudo o mais, mas você me conhece, sabe como sou, você sabe como amo, e quem amo – dizia ela já soluçando – é difícil demais ser quem sou, mas estou completamente dividida, eu te amo demais, porém amo Marcela. Mesmo sabendo que é mais fácil construir um futuro ao teu lado, não posso magoá-la, isso a mataria, e parte de mim morreria também.

– Não fica triste meu amor, tudo bem, eu entendo o quanto deve ser difícil pra você, juro que entendo. Só não sei até quando você vai ficar nesse triangulo.

– Lucas é que – e ele a interrompeu.

– Olha eu te amo! Não desisto de você nem que implore, pode ir curtir seu jantar com a Marcela, eu estarei sempre lá pra você.

Aquelas palavras partiram seu coração, pela primeira vez em muito tempo Justine não se sentia tão arrasada, com o coração tão destruído.

– Te ligo depois Ju, te amo!

– Também te amo!

Justine não sentia mais seu corpo, e se atirou a cama e desesperadamente começou a chorar, suas lagrimas não escorriam, gritavam, e sua mãe bateu na porta para descobrir o que acontecia.

– JU! FILHA? O QUE ESTA HAVENDO? ABRE A PORTA E DEIXA A MÃE ENTRAR.

Justine sabia que sua mãe não entenderia da missa a metade, e nem poderia falar de Marcela, mas sabia que um colo de mãe a faria pensar melhor. Ela se levantou soluçando e abriu a porta. Sua mãe assustada ao ver a situação que a filha estava, a abraçou apertado.

As duas ficaram horas no quarto, Justine deitada no colo da mãe que afagava seus cabelos, isso a fazia lembrar de quando era criança e tinha pesadelos, sua mãe ficava ali, até que adormecesse novamente para a ‘proteger’ dos monstros.

– E então filha, quer falar?

– Lucas me pediu em casamento…

– Sério! ? Mas minha filha, isso não é bom? Não é o que você quer? Porque esta assim?

Como explicaria aquela situação a sua mãe sem contar toda a verdade ou varias mentiras? Melhor seria apenas ocultar certas verdades.

– Sim mãe, é sim, mas… Acontece, que eu amo outra pessoa.

– Como assim outra pessoa?

– Eu amo outra pessoa também! E apesar de saber que meu futuro estaria ao lado do Lucas, não quero, não posso de forma alguma magoar este outro alguém.

– Ainda aquele menino tatuado Justine?

Justine ficou muda, não sabia se começava a mentir agora ou mais tarde, pelo sim, pelo não, ela acenou positivamente com a cabeça.

– Mas menina, com ele você não tem futuro, e sabe disso. O Lucas é um rapaz, pelo pouco que conheci, respeitável, honesto, trabalhador e lhe trata como rainha!

– Eu sei mamãe, mas é algo que não controlo, sabe, é um sentimento mais forte que eu, é uma coisa, é como se eu fosse duas.

– A minha filha, eu te entendo… Mas agente tem que pensar no que é melhor pra nós, pensar no futuro, você não será jovem para sempre, e um dia vai querer, sentir necessidades de ter tua própria família.

Realmente seria difícil aquela situação. Mas ela sabia que em uma coisa sua mãe tinha razão, ela não seria jovem para sempre, ao menos não fisicamente.

– É mãe, eu vou pensar muito nisso. Vou jantar na Marcela e depois vou pro Lucas.

– Vai sim, uma amiga é a melhor coisa nestas horas.

Mau sabia mãe que esta amiga era o motivo de tanto choro.

Já soariam 18 horas quando ela saiu com a mochila nas costas, entrou no carro e foi para Marcela como planejado. No caminho as palavras de Lucas martelavam em sua cabeça: “… eu não vou desistir…”, se transformaria aquilo em uma guerra entre os dois? Logo agora que enfim a paz reinava em seu pequeno mundinho devasso?

Em um pequeno congestionamento, uma vida inteira se passou sobre seus olhos, como seria viver ao lado de Lucas, construir uma família, e como seria viver com Lucas e Marcela até que um enjoasse dela. Será que com o passar dos anos Lucas seria o mesmo? Ela pensou que ainda tinha seus vinte e poucos anos, que o mundo dizia que a vida começava aos 30 e que ela ainda teria tempo pra viver um pouco mais, então se Lucas a amasse de verdade, a deixaria livre para continuar este triangulo, se não ele que pegasse seu rumo, por mais que doesse nela, ela, agora, não abriria mão da vida que queria ter.

Ao chegar à casa de Marcela, seu sorriso se abriu, ela nem pensou no jantar, jogou a amante no chão e começou a beija-a por todo o corpo, ali naquela sala, onde muito ocorreu, as duas se amaram como duas gatas no cio, Justine era insaciável, a beijava, a penetrava com a língua, se lambuzava com o gozo que jorrava da buceta de Marcela que estava loucamente excitada.

Enquanto Justine sugava o grelinho duro, penetrava-a com os dedos a fim de tocar seu ponto G, Marcela delirava, gemia de forma que não poderia mais segurar o gozo, e com as pernas tremulas, ela espirrou seu doce meu na face de Justine orgulhosa e satisfeita.

Exausta, Marcela ficou imóvel no chão enquanto Justine a beijava suavemente até alcançar seus lábios carnudos. Ela pensava: “Ah Marcela, minha ruiva ardente!”

A amante sem nada entender, ficou feliz com a atitude louca de Justine, então as duas, sem falar nada, foram para a mesa de jantar, com direito a velas, vinho e flores. Elas comeram, e depois se atiram pela casa até chegar ao quarto onde o segundo round estava por começar, Marcela queria retribuir o prazer que havia sentido antes e começou a acariciar seus seios, ela sabia o quanto aquilo a dava prazer, sugava-os lentamente, mordiscando o biquinho, e com uma das mãos ela masturbava a buceta sempre molhada de Justine. Aquilo era sempre uma piscininha, e ela queria se afogar.

O sobe e desce da língua, o penetrar dos dedos, o penetrar do vibrador, a forma com que Marcela a sugava, era incrível, ela parecia não se cansar de ficar ali, entre as pernas de Justine, era como se pudesse ficar por horas com um bebe recém nascido cheio de fome ‘mamando’ sem parar. Justine logo se contorcia e gozava, foram três seguidas, mesmo sensível, Marcela não cessava, a amante podia implorar o que for, que ela não pararia, pois sabia que o próximo seria mais intenso. Depois do terceiro, Justine fechou as pernas tremulas e fracas, suadas, as duas ficaram na cama olhando uma para a outra. Segundos caladas Justine diz:

– Te amo Marcela!

– eu também te amo muito mais que tudo nessa vida Ju!

As duas se abraçaram e com lagrimas aos olhos Justine se levantou para tomar banho.

– Já vai? – perguntou Marcela.

– Hoje eu tenho que ir, me desculpa!

– Tudo bem amor, estas horas me valeram a noite, dormirei como um anjo.

– Você é um anjo! – Justine falou seguindo para o banheiro.

Tomada banho e vestida, ela beijou a amante e desta vez pegou rumo à casa de Lucas, onde algumas horas de prazer começariam.

Freak Butterfly (Poliana Zanini)

*Foto por Poliana Zanni editada por João Lenjob

Justine – O desejo que não desaparece (Parte 2)

– Oi amiga! Falou com o Fabiano? – disse Marcela que estava sentada no bar.

– Sim, ele estava desesperado, mas disse a ele que não tem com o que se preocupar. E ai Gú, como está? – interrompe Justine cumprimentado o barman.

– Eu to bem, me preparando para o agito que será isso aqui hoje. Também falei pro Fabiano que ele não tem porque ficar assim.

– Pois é! Olha, me vê uma comando só em nome do Fabiano, ele disse que hoje é pro conta dele.

– Opa! Como você desejar. Ta na mão.

– Nós vamos ficar no camarote VIP.

– Certo!

– Nossa que hoje estamos chique em Jú – disse Marcela.

– Merecemos! E então, vamos pedir algo?

– Claro, eu quero uma Marguerite.

– Duas Gú.

– É pra já!

Alguns minutos depois, os drinks estão prontos e as duas brindam juntas.

– A nós!

– Vamos subir? – pergunta Justine.

– Vamos – então Marcela se vira e beija Gustavo – querido, vou subir.

– Divirtam-se!

– Pode deixar.

E as duas vão para o camarote VIP. O lugar parecia perfeito para as duas conversarem, havia sofás de couro e uma mesinha central. Elas se sentaram e falaram sobre àquela noite sem tocar no assunto do beijo, falaram de sexo, do trabalho, de beleza e mais um monte de baboseira feminina. E os copos não paravam. Já haviam se passado uma hora e meia de conversa, a casa estava cheia e elas já estavam com seis garrafas vazias sobre a mesinha, as taças da Marguerite e dois copinhos de tequila.

– Nossa, eu preciso parar de misturar bebidas – disse Marcela.

– Eu também, a ressaca não é uma das melhores assim – comenta Justine.

– Pior que to ficando bêbada já!

– Eu também – e as duas riem.

Depois de dançarem um pouco e seu espaço privativo, Justine tira a câmera da bolsa e diz para a amiga.

– Amiga, hoje de fotos. Já havia até esquecido que tinha trazido à câmera.

– Opa, ótimo, é bom registrar nossos momentos.

Depois de várias fotos loucas e muita risada, as duas se jogam no sofá.

– Nossa, você é maluquinha Jú!

– No momento estou maluquinha por você – ela se vira e beija a amiga.

Em alguns segundos, Marcela afasta Justine.

– Desculpa amiga, mas não sei se devemos.

– Porque não? Má, eu to loca por você, preciso te sentir. Até me masturbei já pensando nisso.

– Jú, para… Eu não sei… Eu tenho medo.

– Porque medo?

– Porque eu também tenho pensado muito nisto.

– Serio!? – indaga Justine sorridente.

– É, e é estranho.

– Porque, não há nada se sentimos atração uma pela outra. Somos amigas e sabemos que gostamos de homens, e agora também de meninas.

Marcela fica calada e Justine acaricia sua face, lhe sorri, e Marcela pula no pescoço da amiga dando-lhe outro beijo.

– Uau! Má que surpresa! – diz Justine feliz com a atitude da amiga.

Depois de muitos beijos e caricias, o show já estava começando e as duas haviam se esquecido do mundo. Era doce, era delicado, era carinhosa a forma como se tratavam. Pouco depois de uma hora entre beijos e caricias Justine propõe que as duas vá para o quarto de Fabiano.

– Vamos Má, assim ninguém fica nos olhando e ficamos mais à vontade.

Marcela espera, pensa e topa. As duas sobem para o quarto de Fabiano um pouco apreensivas pelo que poderia acontecer daquele instante por diante.

– Bem Má, fique relax. Nada vai rolar nada que você não queira.

– Mas eu quero tudo!

As duas sentaram sob a cama, olharam nos olhos e se beijaram. O que estava para acontecer as deixava excitadíssimas e com a adrenalina em alta. Justine decidiu tomar partido e iniciar carias mais caliente, logo ela deslizou as mãos até os seios de Marcela, cujo mamilos estavam rijos. Ela os manipulou delicadamente os seios de Marcela, que gemeu.

– Justine… Sua maluquinha… – disse Marcela sussurrando.

– Vamos ficar nuas, assim ficaremos mais confortáveis.

Depois de se despirem, Justine segurou a mão da amiga e a puxou até a vidraça.

– Você ta louca Jú, as pessoas irão nos ver.

– Claro que não, só nos podemos enxergá-las.

– Serio, vai por mim, já fiz loucuras nesta vidraça, quem fazer também?

Marcela, um pouco envergonhada ainda, acena positivamente para a amiga. Justine a coloca contra a vidraça e recomeçam os beijos, aos mãos de ambas exploram o corpo amigo, depois de alguns segundos, Justine cria coragem e toca o grelo da amiga, que estava com a xana encharcada e quente.

Ela suspira, Justine se excita mais e mais, e começa a acariciar o xana da amiga.

– Nossa Marcela, que bucetinha linda.

Marcela não tinha um pentelho se quer, assim como Justine, ambas tinham a xaninha de uma ninfeta.

– Posso chupá-la? – pergunta Justine.

– Agora! Só se for agora!

Justine se ajoelha enfrente a amiga, cola uma das pernas sob seu ombro e pediu da amiga abrir a xana, obediente Marcela abriu e deixou exposto seu morango. Justine, maravilhada e ao mesmo tempo sem saber o que fazer, lembrou-se da sua atriz preferida Bella Donna nos filmes da coleção “Só Para Elas” da qual ela assistiu centenas de vezes. Ela meteu a língua e começou a lamber a xaninha de Marcela, deliciada, Marcela gemia, isto era sinal de que ela estava fazendo tudo certinho, ela sugava o grelinho como em um beijo.

– Vai Jú, isso é uma delicia!

E Justine seguia enfrente, para incrementar, colocou um dedinho dentro da xaninha e começou a massagear dentro. Em um ritmo já frenético, língua e dedo sincronizados, gemidos e puxões de cabelo, Marcela não resistiu e gozou.

– Ah! Deus que delicia.

– Gostou safadinha? – perguntou Justine.

– Eu amei! Vamos pra cama, quero brincar assim também.

As duas se deitaram, e já loucas de tanto tesão, se agarraram, beijaram, mordera, penetraram seus dedos, então Justine disse a Marcela.

– Tua vez linda, vai e me chupa como uma boa menina.

Marcela não sabia por onde começar, então Justine abriu as pernas, depois os lábios deixando o grelo à mostra.

– Bem, pense como em um beijo, beije-a, lamba-a, só não morda, seja delicada, pense no que eu fiz para você.

Marcela seguiu o passo a passo da amiga e “caiu” de boca na xoxota de Justine.

– Isso minha putinha, chupa bem gostoso, mostra do que você é capaz – dizia Justine.

Apesar de nunca tê-lo feito, Marcela foi bem sucedida, Justine gemeu e gozou rapidamente. O cheiro de sexo pairava pelo ar.

– Venha aqui querida – disse Justine.

Marcela deitou sob os seios da amiga e o acariciava, enquanto Justine acariciava os cabelos de Marcela.

– Sabe, você é tão linda – disse Justine.

– Você também meu amor, você tem um corpo maravilhoso.

– Capaz, você quem tem. E ainda uma xaninha deliciosa de se chupar.

– Será que isso muda algo?

– Acho que não minha linda, só foi uma experiência a mais na nossa vida.

– Eu te amo Jú.

– Oh, que doce… Má, eu também gosto de você.

– Nós nos veremos novamente?

– Não sei, quem sabe. Eu gostei, e repetiria sem problemas.

– Eu também…

De repente a porta se abre e Marcela puxa um lençol.

– Fá! Se ta louco!? – disse Justine espantada.

– Desculpa, eu tive que vir pegar umas coisas.

Marcela estava envergonhada, se enrolou em um lençol e sentou-se na cama.

– Má, não precisa ficar envergonhada – diz Justine ao se levantar.

Ela segue nua até Fabiano e o beija.

– Foi gostosinho meu amor? – pergunta Fabiano.

– Foi delicioso, eu amei! Marcela é uma delicia, você iria amar a xaninha dela…

– JUSTINE! – grita Marcela.

– Calma Má, para de ser boba meu amor, o Fabiano não conta nada pro Gustavo.

Justine senta-se ao lado de Marcela e a abraça.

– Meu amor, me da um beijinho? – pergunta Justine.

– Jú, não sei se quero, eu tenho vergonha.

– Para boba, entra no clima, o Fabiano é delicioso também, quer ver o pau dele?

– Jú!? – diz Marcela espantada.

– Fabiano, vem aqui meu amor.

Fabiano vai até a amada já com o pau na mão.

– Vê só Má como ele é uma delicia, quer experimentar?

Envergonhada Marcela acena que não. Justine sem perder tempo, começa a chupar o pau de Fabiano. Marcela vai para o encosto da cama, e se senta encolhidinha, só observando.

Depois de algum tempo, ela não resiste em ver a amiga tão empolgada ao chupar o pau do namorado, ela se excita novamente e começou a se masturbar.

– Olha Jú o que a Marcela esta fazendo – diz Fabiano.

Justine para e olha para a amiga que estava se masturbando, ela se arrasta pela cama até a amiga e começa a beijá-la.

– Deixa que eu faço isto por você amor – disse Justine para Marcela.

Justine se ajoelhou enfrente a amiga, em uma posição um tanto sugestiva para Fabiano, com a bundinha para a “lua”, enquanto Justine chupava Marcela, Fabiano lambuzou o rabinho da amada e meteu devagarzinho. Justine perdeu os sentidos, mas não parou de sugar a amiga.

Marcela delirando, Justine chupando e Fabiano metendo. Tornaram-se um trio e tanto. Justine enfiou dois dedos na buceta de Marcela socando o maximo que podia, assim como era socada.

Marcela gritou em um gozo intenso. Justine sorriu e Fabiano esporou sobre suas costas. Exaustas, Justine deita entre as pernas da amiga para descansar uns minutos, Marcela desmaia e Fabiano coloca a calça e desce tranquilamente.

Três horas depois, quando o show havia terminado, Justine acorda assustada e vê Marcela dormir como um anjo. Ela a cobre e se abraça com a amiga, suspira feliz pela maravilhosa noite que tiveram e em sua cabecinha devassa, novas idéias surgem, mas isto já é outra historia.

Continua…

(Por Freak Butterfly)

*todos os personagens e ações são fictícios, qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.