RSS Feed

Tag Archives: confiar

Desventuras em Série: O inimigo é outro

Desventuras em Série: O inimigo é outro

Mulheres têm a tola mania de colocar os homens como o inimigo número um. Se sua relação não da certo, se ele a traiu, se ele ‘pilantrou’ com você de alguma forma. Mas você já parou pra pensar que o inimigo é outro?
Eu sempre disse que não se pode confiar certas coisas as amigas, por exemplo, fazer propaganda demais do cara perfeito, como ele é ótimo amigo, como ele é bom de cama – principalmente esta – pode instigar a curiosidade e o desejo. Talvez tais idéias e sentimentos, até então nunca havia passado pela aquela cabecinha, mas como no filme “A Origem”, acredito no fato de que uma idéia pode ser plantada no subconsciente e acabar crescendo, e muitas vezes, nós que a fertilizamos.
E nós melhor do que ninguém, sabemos que querer pode ser poder, afinal, nós temos todas as armas que eles desejam, e eles tem a desculpa da carne fraca. Daí vem à questão, será que posso culpá-lo por um ato falho meu? Ou seja, me abrir pra uma amiga? Aliais, acho que não se pode dizer muito aos amigos, só as coisas tolas e sem muita importância, coisas que podem ser compartilháveis, no mais é melhor pagar uma terapeuta e ‘desabafar’ ou ‘desabar’ com a mesma.
Eis que eu mesma não segui meus conselhos, e em meio à euforia do momento – onde tudo estava até então enfim em paz – confessei algo a alguém que eu sempre confiei muito, e eis que na calada da noite me vem à apunhalada – via torpedo claro, hoje às pessoas não têm mais o hábito de ao menos usar a voz pra te ‘chutar’.
Aliais, a decepção de abateu pela manhã, quando despertei do sono e vi uma mensagem não lida com “você já foi fala pra ciclana que veio aqui… blá blá blá é por isso que é melhor me afastar”.
Meu ato – em vão – de tornar o ambiente entre amigos agradável e sociável outra vez – tendo em visto que tive certas desavenças com um pilar de minhas amizades incluindo à mesma – se virou contra mim!
Realmente o que diz a respeito entre você e uma segunda pessoa, só interessam a vocês. Contar a terceiros – até mesmo quem você acredita fielmente que seja amiga, irmã ou qualquer palavra afetuosa utilizada para intitulá-la é um erro, é isso que fode todo o sistema, isso que te fode!
Decepção é uma palavra que insiste em permanecer na minha vida, este ano mais que nos outros. E a palavra decepção quando vinculada à confiança se torna ainda mais dolorosa. Um ato falho imensamente meu, visto que, tendo o conhecimento de que o ser humano é falho, porém você não fica esperando levar apunhalada pelas costas. E se eu quisesse foder tudo, eu mesma o tinha feito, e com classe! – sim vou usar milhões de vezes a palavra “foder”, porque é assim que me sinto, acho até pertinente citar aqui uma frase de um filme “quer me foder me beija”.
Enfim, antes de abrir a boca, pense bem. Se você é confiável, não quer dizer que todos são. Não saia por ai achando que só homem ferra tudo, se ele traiu é porque uma mulher o instigou a fazê-lo – claro que não estou em defesa do sexo oposto, há também a falta de caráter, coisa que não se mede logo de cara. Nestas horas concordo que os gays são os melhores amigos, nenhum dos meus amigos gays me apunhalou, ou tentou me ferrar.
Mas no final, se aprende – ou pensa que aprende – que só você sai prejudicada, é você quem perde o cara perfeito, que perde os amigos, que se perde, enquanto para os outros, está tudo bem, tudo normal.
Enfim, se quer desabafar ou desabar, pague uma terapia, ao menos ali há sigilo ético, e se na falta de ética, se algo for dito e você se ferrar, ainda pode abrir um processo.

Auto-Flagelo: Pequenos Deslizes

Nada é tão fácil quanto parecer ser, nem eu vir aqui e falar pra cada um de vocês buscar ajuda, pois nem sempre a ajuda virá, ou ao menos não virá de onde esperamos, como a família.

Ser chamada de louca ou ser olhada com desconfiança não era o que eu buscava quando meus pais descobriram deste meu “pequeno” problema, bem, minha mãe ainda é compreensível, mas meu pai gritou aos quatro ventos que eu era louca.

Não é fácil, mas se não temos ajuda, o negócio e nos auto-ajudar, afinal, porque só podemos nos auto-flagelar? Porque não nos auto-ajudar?

Eu achava que estava tudo bem, que eu estava “livre” deste problema, pensava que podia controlar, até que um dia, senti aquele desespero bater, as lagrimas correr e o desejo surgir, me sentia um vulcão prestes a entrar em erupção, eu parei, tentei pensar, queria me controlar, mas como qualquer outro viciado disse a mim mesma: “só um pouquinho não vai fazer mal”, minha maratona começou, procurar algo que fio pra me aliviar.

Revirei o quarto e nada, então fui até a cozinha… Bem, digamos que foi meu dia de sorte, a faca que eu considerava mais afiada estava sem fio, bem, sem muito fio, foram apenas dois risquinhos, então eu me vi naquela cena decadente e desisti, fui pro quarto, chorei mais um pouco e dormi.

Nem sempre vai ser fácil, nem sempre teremos sorte, nem sempre agente vai conseguir manter o controle, mas não custa nada tentar, como sempre digo, que seja sempre por nós! Devemos nos colocar em primeiro lugar, tirar essa idéia de loucos da cabeça, não somos loucos, temos sim problemas, mas nada que não tenha cura ou alívio.

Talvez seja a hora de buscar ajuda espiritual, eu não to falando pra vocês irem à fogueira santa, nem aquela papagaiada que vêem na tv por favor, busque ajuda em Deus, e não em uma instituição que utiliza o nome dele em vão. Eu recomendo tratamento espiritual no centro espírita kardecistas, mas isso vai de cada um.

Tenha força!