RSS Feed

Música, Fetiches e Tabus

Não é de hoje que sinto vontade de escrever sobre tal tema, porém, agora, podemos vê-los cada vez mais explícito em vídeo clipes o erotismo, o fetiche e a quebra de alguns tabus. Também não é de hoje que isso vem acontecendo.

Minha primeira relação com a musica e o fetiche foi nos vídeos da banda que mistura punk com rockabilly  “The Cramps”, o primeiro vídeo que assisti foi “Naked Girl Falling Down The Stairs”, onde Lux Interior aparece trajando um ‘catsuit’ em látex vermelho e scarpin, remetendo facilmente ao fetiche S&M, podolatria, além de temas explicitamente sexuais, vistos também no vídeo “Like a bad girl Should” que além de falar de ‘bundas’, mostra Poison Ive calçando as meias 7/8 e scarpin, além da pegada Domme que ela exerce no vídeo. O que era ousadíssimo para a época, hoje seria fichinha comparada aos delírios de Lady Gaga.

Ainda em minha jornada musical, me deparo com o trio inglês Placebo, com Brian Molko nos vocais, nitidamente andrógeno, atraindo os olhares de homens e mulheres. Entre as melodias melancólicas e sensuais, surgem clipes como “Nancy Boy”, em um clima sádico, o excêntrico diretor Howard Greenhalgh, passou a fazer outros vídeos da banda como “Bruise Pristine”, que é um pouco mais fetichista que o anterior citado, no DVD da banda, Brian Molko diz adorar a ousadia do diretor, mas temia que os clipes não passassem pela censura para ir ao ar. Um vídeo polêmico envolvendo a banda seria “Protege Moi”, onde a câmera passeia pelo que seria uma festa de swing. Mas estes seriam apenas alguns dos clipes com pegada fetichista e também envolvendo tabus como a homossexualidade (sim, pode não acreditar, mas isto ainda é um tabu).

Antes das cantoras de música pop dizer que beijaram meninas e gostaram, Madonna já tinha doutorado no assunto, sempre envolvida em performances polêmicas e vídeos ousados. O que mais poderia falar de Madonna depois de assistir “Like a prayer” (1989) cruzes pegam fogo e ela faz amor com um santo negro, quer romper mais Tabu do que isso??? Mesmo sendo criticada pela igreja, ela não se abalou e seguiu sua carreira linda e poderosa. “Like a virgen” é ainda um dos seus maiores e mais popular hit, rompendo novamente outro tabu, o da virgindade e ainda simulando uma cena de sexo com os famosos ‘sutien cone’, popular hoje entre as cantoras em suas mais variadas formas. Em “Justify my Love”, Madonna visita um bordel sadomasoquista e ainda beija uma moça travestida de homem (e por sinal esta moça era uma modelo brasileira, seria um fetiche da diva modelos(as) brasileiros(as)?). Bem, não caberiam aqui todas as extravagâncias desta diva pop que sem duvida deu o pontapé para outras moças ousarem.

Britney Spears tirou suspiros em seu primeiro CD “Baby one more time” com clipe no mesmo nome, onde trajava uniforme colegial (um tanto ousado), sendo este um dos grandes fetiches da marmanjada, sem contar o culto à virtude. Em pouco tempo Britney já estava na boca do povo no dilema “é virgem ou não é”. Viajando na fantasia dos homens, logo ela ficou louco e decidiu ser a próxima Madonna (o que nunca vai acontecer, afinal cada uma é uma) e foi no clipe “Slave 4 U” que ela mostrou as garrinhas no meio de um monte de homem. O que hoje é mais comum em vídeos do que nunca, é a cantora no meio de uma surruba, até Miley Cyrus já o fez (sim, aquela Hannah Montana que as criancinhas assistem). Ela beijou a diva Madonna e depois de “perder” os cabelos e surtar várias vezes, ela voltou com tudo usando meia arrastão, couro, dançando pole dancing, dizendo que a 3 é mais gostoso, em festas com homens e mulheres e mostrando que todos tem dois lados. E assim segue Britney.

Saindo do Clube do Mickey (assim como Britney) Christina Aguilera levou os marmanjos ao delírio em seu CD “Back to Basic” onde renasceu (já que sua carreira a muito estava adormecida) uma pin up. Meias 7/8, ligas, cílios bem marcados, boca escarlate e sapatos em destaque foi sua marca, até meados de 2008, quando sumiu, retornando em 2010 mais nunca com o single “Not Myself Tonight”, coberta de látex, ballet heels e até mesmo um arreio (deslumbrante). De doce e virtuosa a um furacão sexual.

Mas a bomba sexual do momento é a atômica Lady Gaga, sempre com figurinos excêntricos e polêmicos, Gaga conquistou milhões com seus vídeos que exalam o fetiche. Latex já é uma marca registrada nos clipes da moça, que inspirada no glam rock, sempre ousa nas produções e nos saltos, que levam os submissos e podólatras ao delírio. Logo de cara em “Poker Face”, a mocinha sai da piscina vestida com o que parece ser um ‘catsuit’ preto e salto altíssimo. Mas o clipe que me chamou a atenção para a pegada fetiche sem dúvida foi “Paparazzi” (que está mais para um curta metragem que um vídeo clipe), bastou ela cair da sacada e voltar com aquele corset de aço que lembra um cinto de castidade, um suporte para o pescoço também em aço (me parece aço ou inox, algo do tipo) e imagens intercaladas a esta onde a moça aparece com uma roupa de vinil, eu vidrei. Sempre com sapatos lindíssimos e salto agulha (que são sonho de consumo), acabou cativando também os fãs do BDSM, seguindo a linha ousada de “Alejandro” repleto de látex, homens de salto alto, inversão de papeis, e apelação religiosa (assim como Christina Aguilera no clipe de ‘Not Myself Tonight’, o que parece ser moda entre as cantoras pop), no vídeo de “Telephone” onde brincou com o boato de que era hermafrodita e fez par com a musa Beyoncé (que agora anda mais ousada que nunca), e agora em seu mais novo trabalho “Born this Way”, que por sinal, acabei de assistir, é uma produção magnífica e repleta de mensagens subliminares altamente sexual que fizeram minha mente viajar e delirar.

Como em todos seus videos, o fetiche está cada vez mais presente, os tabus cada vez mais despedaçados, e sem dar a mínima para o que os outros falam ou julgam, ela segue, ousada e cada vez mais poderosa (sim, e seguira mais forte que nunca mesmo com uma série de vídeos com estudos sobre as mensagens subliminares satanistas que diz haver no vídeo).

Voltando ao rock ‘n roll, uma banda que me surpreendeu e seduziu foi 30 seconds to mars com o clipe “Hurricane” (na versão não exibida pela TV, sem censuras e sem cortes, que agora também foi proibido no Brasil em diversos sites, pois nesse país só se pode ver sexo e todo tipo de ‘putaria’ nas edições do BBB), apesar da letra um tanto melodramática, as imagens que compõem o clipe são maravilhosas, ali uma combinação dos mais variados fetiches, apesar de muitas criticas, este ainda é um dos meus vídeos prediletos.

Não sei os motivos que levaram a Rihanna da moça com jeito de “praia” para a louca mutante de cabelos e com pouca noção de moda (porém, continua linda), em vários clipes ela já demonstra algumas marcas do fetichismo – pois nunca se viu tanto látex assim na mídia como vemos hoje – agora explicito em seu novo clipe “S&M” (que eu achei até um pouquinho ‘brega’ se tratando de S&M), será que preciso falar mais? A música simplesmente fala que ela adora ser uma menina má, pois assim é mais divertido e que no amor tudo vale quando se tem criatividade. Bem, e coloca criatividade nisso. Saindo da linha noir que se tem visto até então no BDSM, Rihanna aparece com roupas em látex colorido, amarrações de bondage (que eu achei muito fake) também em cordas coloridas, usando chibata, entre outros apetrechos popular entre os amantes do BDSM.

Bem, poderia escrever a noite inteira relembrando cada clipe que assisti de várias bandas e músicos pop que levam o fetiche mais explicitamente do que nunca a publico e não tem medo de dilacerar os tabus ainda resistentes na sociedade (tão tolos como a sexualidade), e mesmo assim não conseguiria terminar a lista. Os citados são apenas uns dos milhares que transbordam sexualidade em suas musicas e vídeos, que invadem a fantasia e o desejo de muitos.

About FreakButterfly

Que fique logo claro: não sou sexóloga (apesar de que gostaria muito), também não sou formada em psicologia, sou Bacharel e Adm. Com habilitação em Marketing e agora Bacharel em Jornalismo. Tenho este blog desde meados de 2008, onde comecei a escrever por mera diversão e distração do tédio e solidão que a cidade onde morava até então me proporcionava. Com o passar dos dias, o blog foi crescendo e a vontade de escrever também. Amo escrever e espero faze-lo bem! Não estou aqui para julgar, descriminar ou fazer apologia a qualquer coisa que seja, escrevo do que gosto para pessoas que gostam do mesmo que eu, e se o ofendi, sinto muito, mas basta fechar a pagina. No mais, volte sempre!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: