RSS Feed

Romance à démodé?

Toda mulher prega a liberdade, a independência, querem ser livres para escolher, porém, quando o assunto é relacionamento, as coisas realmente se tornam confusas, até mesmo para mim, que sou mulher.

Hoje, ouvimos muito falar de “dividir a conta”, “cada um paga a sua”, e algumas ainda reclamam do romantismo ou excesso de cavalheirismo, mas será que na pratica é isto mesmo? Eu me coloquei a prova em vários encontros para saber como as relações andam hoje e transcrevi em uma espécie de estudo de caso, que não estão em ordem cronológica e em alguns casos a pessoa pode ser a mesma.

Primeiro caso: Um convite para sair com o namorado (que agora é ex).

Era começo de namoro, tudo estava bem, desde nosso primeiro encontro que foi um cinema, eu havia pagado o meu e ele o dele, até porque quando vou ao cinema com alguém chego e compro logo a minha, pois me sinto envergonhada em esperar que ele pague (pois vai que ele não se habilita, imagina o mico), então um dia, planejávamos ir a um pub badalado da cidade, curtir um som e beber, porém na ultima hora eu fiquei sem dinheiro, em uma conversa por telefone, falando de outra festa, eu disse que estava sem dinheiro e sabe o que ouvi de volta? “então como você quer sair amanhã?” minha cara caiu no chão, eu fiquei muda ao telefone e depois disso tive um colapso de memória, não lembrando dos fatos seguintes. Sei que não esperava aquela frase, é obvio que eu esperava algo “eu você está saindo comigo, eu pago”, ou qualquer coisa do gênero, tento em vista que meu namorado anterior não me deixava pagar nem uma bala. Depois daquele dia foi como “brochar”, toda vez que falávamos em sair eu ficava sem vontade, ou quando saiamos, ele pagava o cinema, mas não pagava o jantar (ao menos o meu), ele queria transar, mas nunca se prontificou em pagar o motel (eu já paguei motel pra homem, e também já dividi, mas de namorado eu não aceitaria jamais, nem dividir), no ultimo suspiro da nossa relação ele se propôs a passarmos a noite em um hotel, e ele pagaria, enfim, ele era um bom rapaz e me pagou alguns almoços na padaria da esquina.

Segundo caso: Passeio de domingo.

Marquei de ir ao cinema com um “amigo”, para assistir um filme que a muito desejava ver, eu estava meio sem dinheiro, mas pensei “melhor eu ter ao menos o do cinema e do refrigerante”. No dia que nos conhecemos, se eu pedisse a lua, ele teria dado um jeito, no dia seguinte, fez todos os meus gostos, e mesmo depois de eu já ter “liberado” ele fazia de tudo pra me agradar, saímos para jantar e ele pagou o meu e o dele, com este histórico, eu nunca imaginava que na hora de comprar os ingressos ele comprasse somente o dele! Tudo bem, aquilo eu deixei passar, ele comprou a pipoca, mas eu quem comprou o refrigerante. Ok! Saímos do cinema e decidimos comer ali pelo shopping mesmo, eu escolhi o lugar para comer, na fila pensei “vou fazer um teste, se ele não disser o que você vai querer, eu fico na minha”, dito e feito, ele pediu dois lanches pagou, depois disse e você vai comer o que? Não, ele não estava me perguntando pra pagar, pois não seria idiota de passar o cartão duas vezes. Eu juro, meu sangue subiu pra cabeça e senti o rubor na minha face, para não demonstrar que estava chateada com a situação, eu disse que comeria em outro lugar, sentei com ele para esperar o pedido, enquanto fingia pensar no que comer, mas na verdade eu estava contando até 1000 para me acalmar, claro que ele não é bobo e notou minha mudança de humor na mesma hora, eu liguei pro meu irmão, que também estava no shopping e fui encontrá-lo, deixando o individuo sozinho. Contei a minha cunhada e ela achou o cumulo. Voltei, comprei comida em outro restaurante, e de tão irritada tive má digestão e nossa noite foi para o buraco. Exagero da minha parte? Foi o que me questionei a noite inteira. Nas próximas vezes que marcamos de sair, eu disse que estava sem dinheiro e ele nada falou.

Terceiro caso: Visita a um “amigo”

Era férias e fui visitar um “amigo”, fiquei três dias na casa dele, no dia em que cheguei, ele me levou para comer em uma confeitaria e pagou a conta, fomos ao mercado e perguntou o que eu desejava levar. No dia seguinte, fomos a uma balada que ele ia discotecar, paguei minha entrada ao ir lá fora fumar, pois nesta cidade a lei contra fumantes em ambientes fechados prevalece, quando voltei e ele ficou sabendo disso, fez o bar devolver meu dinheiro, pois eu era sua convidada, pagou a cerveja, perguntou durante toda a noite o que eu queria um cavalheiro a moda antiga. Eu me sentia mal em vê-lo “me bancar” e comprei algumas cervejas, na saída ainda fomos comer e mais uma vez ele pagou. No dia seguinte a mesma coisa ao irmos almoçar fora, eu ficava envergonhada, mas ele fazia questão, até mesmo o taxi da casa dele a rodoviária foi uma luta para eu pagar, afinal nada mais justo depois de tanta gentileza, inclusive da mãe dele.

Quarto caso: Cinema com um conhecido. Ambos queriam muito assistir o mesmo filme, ele novo na cidade, decidimos ir juntos. Eu não esperava absolutamente nada dele, afinal, havíamos nos visto duas vezes em reuniões de amigos, cheguei primeiro, comprei meu ingresso e fiquei esperando por ele. Quando chegou foi logo perguntando, “seu ingresso é meia ou inteira?”, eu disse que já havia comprado e ele disse “poxa”. Na hora da pipoca eu fui pra comprar a minha, mas ele se ofereceu, insistiu e eu aceitei, envergonhada novamente.

Quinto caso: Namorava um rapaz de longe, que se achava a ultima bolacha do pacotinho, mas como toda apaixonada eu tava cega, me mudei para mais próximo da cidade dele e um dia fui visitá-lo e passar uma semana na casa dele. Logo no primeiro passeio eu já vi como seria, machista, mas acomodado, tudo que ele me convidava eu que pagava, até o sorvete! E ele ainda falava em casamento… Espero que hoje ele tenha amadurecido, tendo em vista que está casado, no dia em que eu fui embora, peguei um taxi, além de pagar a ida, ainda tive que deixar o dinheiro pra ele voltar (de ônibus claro, porque eu não podia ser mais boba e a esta altura eu já não estava mais cegamente apaixonada), pra piorar ainda esqueci uma bota que eu adorava e cara na casa dele, que ele nunca enviou de volta, puro pão-durismo, afinal o PAC do correios nem é tão caro assim.

Sexto caso: Presente de natal.

Era final de ano, apesar de não ser a namorada melosa que ele desejava eu era atenciosa, sempre o ouvia (por horas e horas e mais horas), éramos ótimos amigos acima de tudo. Aquele seria meu primeiro natal que trocaria presente com um namorado, então estava animada, comprei pra ele o kit de poker que ele tanto queria (ele ama poker), comprei também a revistinha em quadrinhos (que ele também ama) que ele tanto desejava e não quiseram vender pra ele, entre outras coisinhas, claro que se eu dei, eu quero receber. Como passaríamos as festas de final de ano separados, dei a ele os presentes antes de viajar, e o que eu ganhei em troca? Bem, primeiro eu quase que exigi um presente, depois ele me deu um sapato horrível que meus nervos saltaram, sentia que ele não tinha nenhuma consideração comigo, tendo em vista tudo o que fiz pra agradá-lo quando o presenteei, não consegui ser sínica e disse que havia odiado, fui trocar o sapato, mas na loja eu não sabia qual era o pior, então devolvi e disse pra trocar por algo pra ele. Era difícil uma pessoa que sempre saia comigo pra fazer compras não saber meu gosto. Até porque eu sempre passava pelas vitrines e jogava uns verdes pra ver se ele se tocava. Nas férias tudo que eu via me lembrava dele eu queria comprar, mas me controlei e só comprei duas lindíssimas calças, ele disse que compraria um presente pra mim também. No reencontro entreguei uma das calças a ele, e nada me veio em troca. Hoje a outra calça ta La em casa, acho que da pra usar como boyfriend…

Resumindo: é difícil nos entender? É sim! Escrevendo tudo isso eu tentei analisar e buscar uma resposta do porque somos assim, e se você leu isso tudo e pensou que sou interesseira, saiba que para todas as mulheres que contei essas historias todas, sem sobrar uma sentiram-se revoltadas. Como é possível nos sentirmos mal ao sermos bancadas, mas nos sentirmos pior ainda quando não somos? Seria vestígios ainda da criação que tivemos de nossos pais, que viveram em uma época onde a mulher era Amélia? Seria falso moralismo? Escola católica? O mundo que é machista demais ainda e nos faz pensar que as coisas devem ser assim ou será simplesmente que no fundo, nós mulheres ainda fantasiamos aquele romance démodé, onde os rapazes abrem a porta do carro, mandam flores em ocasiões especiais e pagam a conta?

Seja qual for a resposta, se é que há uma resposta para isso, as mulheres querem mesmo é ser paparicadas, mimadas e ao serem convidadas para algum programa que não precisem levar nada além da maquiagem para retocar, pois o cavalheiro pagará a conta (claro que para tudo há exceções, então que estas se manifestem se eu estiver absurdamente equivocada).

Freak Butterfly

Soundtrack: Bajulações Modéstia à Parte – Faichecleres

About FreakButterfly

Que fique logo claro: não sou sexóloga (apesar de que gostaria muito), também não sou formada em psicologia, sou Bacharel e Adm. Com habilitação em Marketing e agora Bacharel em Jornalismo. Tenho este blog desde meados de 2008, onde comecei a escrever por mera diversão e distração do tédio e solidão que a cidade onde morava até então me proporcionava. Com o passar dos dias, o blog foi crescendo e a vontade de escrever também. Amo escrever e espero faze-lo bem! Não estou aqui para julgar, descriminar ou fazer apologia a qualquer coisa que seja, escrevo do que gosto para pessoas que gostam do mesmo que eu, e se o ofendi, sinto muito, mas basta fechar a pagina. No mais, volte sempre!

2 responses »

  1. é como uma amiga minha me disse uma vez. Existem mulheres e ”mulheres”.
    Se você quer sair com uma garota muito mas muito gata, aquelas de revista, essa é a ”mulher”. É necessário ter grana pra pagar um jantar caro(ela não vai comer no mcdonalds), ter carro importado(ela não vai andar em carro popular), levar em uma balada cara, de preferência uma que vá artistas da globo. E tem a outra mulher, que vai querer tudo isso mas ela se contenta em comer no mcdonalds, andar de carro popular e ir em uma balada convencional. Mas como minha mãe já me disse. se você num tem nada pra oferecer, não tenta sair com garota nenhuma. Porque gay é que gosta de homem. Mulher gosta de dinheiro

    Responder
  2. Háháhá…amei o post! Eu não sou a única… rsrs
    Uma vez namorava um ser vivo que reclamou de pagar um milkshake pra mim… PÃO DURO! Por essa e tantas outras virou ex!
    E sua mãe tá certíssima se não tem nada a oferecer, nem tenta!!!
    Beijos

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: